Como os dados industriais sobre os oceanos podem colmatar lacunas de dados científicos

HUB Ocean e IOC/UNESCO

Como os dados industriais sobre os oceanos podem colmatar lacunas de dados científicos

Como os dados industriais sobre os oceanos podem colmatar lacunas de dados científicos 2000 1250 Ocean Decade

As empresas privadas e os fornecedores que operam no espaço oceânico recolhem uma grande quantidade de dados oceanográficos e meteorológicos. Apenas algumas empresas se apercebem da importância destes dados existentes para colmatar lacunas científicas, informar a tomada de decisões e gerar soluções sustentáveis. Consequentemente, estes dados não são muitas vezes tornados acessíveis ao público para benefício da ciência ou dos decisores políticos. Há muitas razões pelas quais a indústria não partilha atualmente os dados de forma aberta, incluindo barreiras legais e técnicas ou a perceção da sensibilidade financeira e competitiva dos dados. Além disso, as empresas não vêem necessariamente o valor da partilha de dados e não têm a certeza de quais os conjuntos de dados que podem ser necessários para fazer avançar o nosso conhecimento científico do oceano.

Melhoria dos modelos climáticos oceânicos com dados industriais

Em março de 2023, a fundação norueguesa sem fins lucrativos HUB Ocean e a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO juntaram-se para reunir cientistas dos oceanos e empresas privadas para descobrir quais os dados de que a ciência necessita e explorar os potenciais benefícios mútuos que podem advir da partilha desses dados.

To frame the discussion, the workshop focused on ocean modelling and its role in addressing key challenges identified by the UN Decade of Ocean Science for Sustainable Development (the ‘Ocean Decade’). Numerical ocean models assimilate large amounts of data, to describe ocean processes and improve forecasting both of which are critical to develop scientific understanding and improve industrial offshore and coastal installations and operations at sea.

Discutimos três casos de utilização de modelização tangíveis, todos eles considerados como geradores de valor comercial para a indústria, e para os quais se considerou viável que as empresas fornecessem os dados, preenchendo assim as lacunas na compreensão dos processos oceânicos e climáticos.

Otimização de projectos e operações offshore

Um dos casos de utilização discutidos melhorará a previsão do vento e das ondas a escalas temporais que vão de uma hora a 20 anos. Os resultados da modelização serão utilizados para otimizar as operações offshore, incluindo intervenções mais bem planeadas e custos de manutenção mais baixos. Os resultados poderão também ajudar a otimizar a conceção das infra-estruturas, tornando-as mais seguras e duradouras. Os dados necessários para o modelo incluíam a velocidade do vento, a altura das ondas, as correntes, a temperatura do ar, a pressão, o nível do mar com uma resolução temporal elevada (por exemplo, de 15 em 15 minutos), dados batimétricos de alta resolução (células de 5 a 50 m) e dados geomorfológicos, bem como habitats e solos do fundo do mar. Este tipo de dados é atualmente recolhido pelas empresas de energia em tempo real a partir das suas plataformas offshore e não é considerado sensível do ponto de vista comercial, pelo que pode ser partilhado.

Os dados sobre a forma como os mamíferos marinhos comunicam podem ser partilhados. © Ocean Image Bank / Nick Polanszky

Reduzir os custos de previsão de condições meteorológicas extremas

Outro caso de modelização estimará o impacto de fenómenos meteorológicos extremos episódicos, como tempestades, meteoros-sunamis, ondas de calor e outros, nos activos industriais e nas operações no mar. Os sistemas de alerta precoce e as previsões atempadas ajudarão a indústria a reduzir os custos, a melhorar o planeamento operacional, a proteger a construção e a conceber infra-estruturas e portos mais robustos que tenham em conta os futuros fenómenos meteorológicos extremos, que provavelmente se tornarão mais frequentes com a intensificação das alterações climáticas. Os dados necessários para o modelo podem ser fornecidos pelas empresas e incluem variáveis como a batimetria de alta resolução, dados sísmicos sobre correntes de água, dados sobre o vento e as correntes ao longo da costa, dados sobre correntes provenientes de veículos de exploração remota (ROV), dados sobre ondas provenientes de bóias e radares de aplicação da dinâmica oceânica costeira (CODAR).

Estimativa do impacto da plataforma costeira que afecta as pessoas e as indústrias

O terceiro caso de modelização estimará o impacto dos processos costeiros e da plataforma pouco profunda, como a erosão costeira, a dinâmica sedimentar e a degradação de habitats como as zonas húmidas, em instalações como cabos eléctricos e de fibras no fundo do mar. Esta modelização não é apenas importante para os activos industriais na costa e na plataforma pouco profunda, mas é também essencial para a crescente população humana que vive junto ao mar e para o número de megacidades nas zonas costeiras. Para além dos dados meteo-oceânicos importantes nos casos anteriores, este caso requer dados sedimentares, de marés, de atividade humana e topográficos com elevada resolução espacial e à escala local.

A recolha de pontos de dados marinhos históricos pode colmatar lacunas de dados científicos. © Ocean Image Bank / Jeff Hester

Duas histórias de sucesso exemplares

Desbloquear dados industriais históricos existentes de décadas atrás é visto por muitas empresas como um desafio, no entanto, existem histórias de sucesso de múltiplas partes interessadas que partilham dados oceânicos quando o objetivo deste exercício é claro. (2014), em que a BP doou conjuntos de dados geofísicos de alta resolução de desenvolvimentos no Golfo do México a várias universidades para o ensino e a investigação, a fim de compreender o fundo do mar e a geologia do subsolo pouco profundo. Do mesmo modo, o projeto MAREANO criou produtos de dados e mapas baseados em dados partilhados pelas indústrias oceânicas norueguesas.

Alcançar um ambiente aberto de partilha de dados

A key element of this joint HUB Ocean and IOC/UNESCO work is to help establish principles for data collection and sharing that can be included in operational planning and contractual agreements from the outset. For example, service contracts between the licensor, company and the contractor collecting the data offshore should include data management and sharing clauses. Fixed facilities like oil rigs and wind turbines can be used as observation posts and host numerous ocean sensors. Existing cables in the ocean can also be equipped with telecommunication cable recorders to gather data on noise in the deep sea, e.g. earthquakes and marine mammal communications, but also variables like temperature and salinity (e.g., Smart Cable Initiative). IOC and its new Ocean Decade Data and Information Strategy will provide support and a new guiding policy that will facilitate more data sharing activities.

Convite aberto Infra-estruturas de dados avançadas, como o portal de ingestão de dados EMODnet, com sede na Europa, e a plataforma global de dados oceânicos nativa da nuvem da HUB Ocean, trabalham no sentido de reduzir a barreira tecnológica à partilha e aos fluxos de dados, oferecendo um ambiente interoperável para carregar, alojar e partilhar os dados. Esperamos que os casos concretos de modelização acima referidos e uma maior clareza sobre os dados necessários possam dar início a iniciativas semelhantes de doação de dados por parte de várias empresas.

Por isso, aqui fica o nosso convite aberto às empresas que trabalham nos sectores oceânicos: que uso pode ser dado aos seus dados não sensíveis?

Os dados sobre os oceanos podem ajudar os cientistas a compreender o estado da população de uma espécie e a prever como poderá mudar no futuro. © Ocean Image Bank / Amanda Cotton

Referência:
Thomson, James A., Thorn, Barbara, e Julieta Tucker. "How to Execute a Successful Petrotechnical Data Donation Project" (Como executar com sucesso um projeto de doação de dados petrotécnicos). Trabalho apresentado na Offshore Technology Conference, Houston, Texas, maio de 2014. doi: https://doi.org/10.4043/25189-MS

Informações de contacto:
Anna Silyakova(anna.silyakova@oceandata.earth)
Louis Demargne(l.demargne@unesco.org)

Louis Demargne é responsável pela gestão de dados e conhecimentos na UNESCO (à esquerda) e Anna Silyakova é responsável científica no HUB Ocean (à direita).
Louis Demargne é responsável pela gestão de dados e conhecimentos na UNESCO (à esquerda) e Anna Silyakova é responsável científica no HUB Ocean (à direita).

***

Este artigo foi originalmente publicado aqui.

A DÉCADA DO OCEANO

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.