Visão 2030

O processo de definição das ambições estratégicas da Década dos Oceanos rumo a 2030

O que é a Visão 2030?

Para reforçar a dinâmica das soluções baseadas no conhecimento dos oceanos, a Década dos Oceanos lançou um processo de definição de ambições estratégicas para identificar uma medida comum de sucesso para cada um dos 10 Desafios da Década dos Oceanos no caminho para 2030.

Fará um balanço das tendências actuais, das lacunas e das necessidades prioritárias dos utilizadores e identificará os principais objectivos e marcos para medir os progressos e aumentar o impacto coletivo da Década.

O processo da Visão 2030 dará a resposta à pergunta: Como será o sucesso destes Desafios no final da Década?

Como é que funciona?

Para estabelecer uma ambição estratégica abrangente e visionária, o processo determinará as necessidades dos utilizadores, os conjuntos de dados prioritários, as lacunas residuais na ciência, bem como os conhecimentos científicos, os recursos ou infra-estruturas, as parcerias, o desenvolvimento de capacidades, as soluções tecnológicas e as infra-estruturas necessárias para cada desafio, a fim de garantir a sua realização até ao final da Década dos Oceanos, em 2030.

Através de indicadores e metodologias concretos, o processo da Visão 2030 contribuirá para a avaliação do impacto da Década dos Oceanos, identificará as prioridades de mobilização de recursos e assegurará a relevância contínua dos Desafios ao longo do tempo.

Descubra as gravações das duas sessões virtuais abaixo.

Clique aqui para aceder aos diapositivos da apresentação.

Como é que está estruturado?

O processo da Visão 2030 é coordenado pela COI/UNESCO, na sua qualidade de coordenadora da Década dos Oceanos, e conduzido por 10 grupos de trabalho de peritos, cada um dedicado a um desafio específico.

Estes grupos de múltiplos intervenientes, incluindo representantes das acções da Década, governo, organizações intergovernamentais, sector privado, comunidades indígenas e locais, profissionais dos oceanos em início de carreira, organizações não governamentais, universidades e fundações filantrópicas, e representando diversos grupos demográficos, géneros e faixas etárias, são liderados por dois co-presidentes especialistas.

Conheça os grupos de trabalho

Grupo de Trabalho 1: Compreender e combater a poluição marinha

Co-Presidentes:

Captura de ecrã 2023-08-25 às 11.29.22 (1)

Rosemary Rayfuse

Rosemary Rayfuse é Professora Catedrática Emérita de Direito Internacional na Faculdade de Direito e Justiça, UNSW Sydney (Universidade de Nova Gales do Sul, Sydney, Austrália). É membro da Academia das Ciências Sociais da Austrália, membro do Grupo Conjunto de Peritos sobre os Aspectos Científicos da Proteção do Ambiente Marinho (GESAMP), Professora Visitante Honorária na Escola de Negócios, Economia e Direito da Universidade de Gotemburgo, Suécia, Professora Adjunta da Universidade da Tasmânia, membro do Comité da Associação de Direito Internacional sobre Direito Internacional e Subida do Nível do Mar e Árbitro ao abrigo do Protocolo Ambiental do Tratado da Antárctida. Generalista em direito internacional público, é especialista em Direito do Mar e proteção do ambiente marinho, com especial incidência nos oceanos polares, pescarias de alto mar, poluição marinha, biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional e alterações climáticas e oceanos. Tem mais de 300 publicações em seu nome e prestou aconselhamento a vários governos, organizações internacionais e organizações não governamentais internacionais.

inominado

Vanessa Hatje

Vanessa Hatje é uma oceanógrafa com um doutoramento em Ciências Marinhas. A sua investigação centra-se nos metais vestigiais e no ciclo biogeoquímico do carbono e na forma como os processos naturais e antropogénicos influenciam estes elementos. O seu grupo de investigação desenvolve novas técnicas analíticas para detetar metais vestigiais, incluindo elementos de terras raras e contaminantes orgânicos em matrizes marinhas. Ela e os seus alunos aplicam estes métodos novos e pré-existentes para compreender melhor os factores que afectam o ciclo dos contaminantes vestigiais, as transferências nas interfaces continente-oceano e as interacções com componentes bióticos e abióticos nos ecossistemas costeiros. Os seus projectos mais recentemente financiados incluem o estudo de elementos críticos para a tecnologia (por exemplo, REE) em ambientes marinhos tropicais, isótopos de REE e Nd na Antárctida e a dinâmica do Blue C em mangais e ervas marinhas. Entre 2014 e 2020, foi membro do comité científico do Programa Internacional GEOTRACES. Entre 2019 e 2021, foi membro do Grupo Consultivo Permanente da AIEA sobre Aplicações Nucleares (SAGNA) e do Comité de Capacitação do Comité Científico de Investigação Oceânica (SCOR) entre 2017-2022. É membro do GESAMP e presidente do grupo de trabalho WG45 do GESAMP - Alterações climáticas e impactos relacionados com os gases com efeito de estufa nos contaminantes do oceano. É editora associada da revista Limnology & Oceanography.

Membros especialistas:

WG1_Peter_Kershaw

Peter Kershaw

Peter Kershaw é um cientista independente do ambiente marinho sediado no Reino Unido. De 1980 a 2014, trabalhou no Centro de Ciências do Ambiente, Pescas e Aquacultura (Cefas) em Lowestoft, tendo participado numa grande variedade de projectos e iniciativas de investigação nacionais, europeus e internacionais. Estes projectos incidiam sobre muitos aspectos diferentes da proteção do ambiente marinho, desde processos ambientais específicos, contaminantes e actividades até sistemas socioecológicos e a interface ciência-política. Desde 2014, tem trabalhado como consultor independente, em grande parte no domínio internacional, com um foco principal nos plásticos. Envolveu-se no GESAMP em 2008, foi presidente/copresidente do WG40 sobre 'Fontes, destino e efeitos dos plásticos no ambiente marinho desde 2012, e é um antigo presidente do GESAMP (2013 - 2019). Representou o GESAMP em várias actividades da Década dos Oceanos: i) Copresidente do workshop Clean Ocean na reunião de Planeamento Global em Copenhaga, maio de 2019; ii) Copresidente do WG1 Clean Ocean na reunião de Planeamento Regional do Atlântico Norte em Halifax, janeiro de 2020; e, iii) orador no Laboratório virtual Clean Ocean em novembro de 2021, liderando a sessão de abertura sobre "A procura da mudança - a necessidade de partilha de conhecimentos e reforço de capacidades". Atualmente, é co-convocador de uma sessão especial na Conferência Científica Anual do PICES (outubro de 2023, Seattle), como contributo para o objetivo do Oceano Limpo, sobre: 'The emergence and ecological impact of emerging pollutants in the coastal marine environment'.

Paco Bustamante

Paco Bustamante

Paco Bustamante é Professor Catedrático na Universidade de La Rochelle, onde é também Diretor Adjunto da Escola de Doutoramento. A sua investigação centra-se na bioacumulação e transferência de poluentes nas teias alimentares marinhas, com especial atenção para os diferentes compartimentos superiores, cefalópodes, peixes, aves e mamíferos marinhos. Para além da ecotoxicologia marinha, trabalha na ecologia trófica dos organismos marinhos utilizando marcadores tróficos (isótopos estáveis, elementos vestigiais, lípidos). Publicou mais de 300 artigos em revistas com revisão por pares nestes domínios. De 2017 a 2022, foi membro sénior do IUF (Institut Universitaire de France) e, desde 2022, é perito científico do OESG (Open-ended Scientific Group) para a avaliação da eficácia da Convenção de Minamata sobre o Mercúrio. princípios.

WG1_Lara_Pinheiro

Lara Pinheiro

Lara Pinheiro é Bióloga, com Mestrado e Doutoramento em Oceanografia, os quais se centraram maioritariamente na poluição por plásticos no ambiente marinho. A sua experiência de investigação vai desde a avaliação da contaminação por macro e microplásticos em sistemas costeiros (como praias arenosas, salinas e mangais), passando pela compreensão dos impactos destes poluentes nos invertebrados, até ao seu trabalho atual no sentido de ajudar a desenvolver alternativas seguras aos plásticos derivados do petróleo utilizando os princípios da economia circular.

WG1_Heidi_Fiedler

Heidelore "Heidi" Fiedler

Heidelore "Heidi" Fiedler é professora aposentada de Química da Universidade de Örebro, em Örebro, Suécia (2015-2021). Antes de assumir esta função, trabalhou durante 15 anos no Departamento de Produtos Químicos do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) em Genebra, na Suíça. Iniciou a sua carreira académica na Universidade de Bayreuth, na Cátedra de Química Ecológica e Geoquímica, e no Instituto Bávaro de Investigação de Resíduos em Augsburgo, Alemanha. Com um mestrado em química e um doutoramento em ciências naturais, a sua investigação centra-se na química ambiental; desde a identificação e quantificação de fontes de poluentes ambientais (orgânicos persistentes) até ao seu destino no ambiente e posterior transporte para a exposição humana e efeitos nos seres humanos e no ambiente. Começou por trabalhar com dibenzodioxinas e furanos policlorados e, nos últimos anos, tem liderado um projeto de monitorização global de substâncias alquílicas perfluoradas (PFAS) para o PNUA em 42 países. É também professora convidada na Universidade de Tsinghua (Pequim, China) e na Universidade de Jinan (Jinan, China) e tem um doutoramento honorário da Universidade de Örebro (2009). Tem muitos anos de experiência em gestão de projectos, publicações, organização de conferências (Simpósio Internacional sobre Poluentes Orgânicos Persistentes Halogenados, Dioxin20xx) e fez parte da direção de muitas instituições nacionais e internacionais.

WG1_Maxi_Castrillejo

Maxi Castrillejo

Maxi Castrillejo é um oceanógrafo amplamente interessado na forma como o oceano adquire, redistribui e armazena propriedades que são de importância crítica para o clima e os ecossistemas marinhos. Por um lado, a sua investigação centra-se na quantificação e compreensão da origem e destino da radioatividade marinha. Por exemplo, esteve envolvido na quantificação das descargas radioactivas das centrais nucleares danificadas de Fukushima Daiichi no Oceano Pacífico e das descargas das instalações nucleares europeias no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo. Por outro lado, utiliza a radioatividade natural e antropogénica para compreender como as águas oceânicas se deslocam e se misturam nas bacias oceânicas. Para além deste trabalho, também contribuiu para estudos que utilizam a radioatividade para quantificar a força da bomba biológica marinha e as entradas atmosféricas de micronutrientes essenciais no oceano. No meu dia a dia, pode encontrar o Maxi em expedições oceanográficas no mar, a desenvolver novos métodos num laboratório de química ou a analisar os resultados dos modelos de circulação geral dos oceanos.

WG1_Rebecca_Zitoun

Rebecca Zitoun

Rebecca Zitoun é investigadora de pós-doutoramento no GEOMAR Helmholtz Centre for Ocean Research Kiel, trabalhando na biogeoquímica de metais vestigiais e nos impactos ambientais das actividades mineiras em águas profundas. A sua formação inclui especiação de metais vestigiais, toxicologia, acidificação dos oceanos e paleoceanografia. É membro ativo do Konsortium Deutsche Meeresforschung (KDM) e trabalhou como consultora para a Agência Internacional da Energia Atómica (IAEA) em questões marinhas, incluindo plásticos marinhos. Nos últimos anos, centrou-se também no reforço das capacidades dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento, na literacia oceânica, na interface com a política científica e no envolvimento de profissionais dos oceanos em início de carreira (ECOP) na Década das Nações Unidas. É antiga Jovem Embaixadora do Conselho Marinho Europeu, presidente do Comité SCOR para o Desenvolvimento de Capacidades, copresidente eleita do Sistema de Melhores Práticas do Oceano (OBPS), co-líder da Equipa de Trabalho de Literacia do Oceano do Programa ECOP da Década das Nações Unidas e perita convidada do Grupo de Trabalho 45 do GESAMP "Alterações Climáticas e Impactos Relacionados com os Gases com Efeito de Estufa nos Contaminantes do Oceano". Tem um doutoramento e um diploma de pós-graduação da Universidade de Otago (Nova Zelândia), um mestrado da Universidade de Oldenburg (Alemanha) e uma licenciatura da Universidade de Frankfurt (Alemanha).

JIANG_Chunhua_WG1

Chunhua Jiang

Centra-se no transporte de microplásticos em estuários e em metodologias de amostragem de plásticos em margens de rios e praias para a ciência cidadã. Trabalha voluntariamente como atual coordenadora da ECOP (Early Career Ocean Professionals) China para ajudar a capacitar as ECOP, participando na literacia oceânica da Aisa, membro do Centro Regional de Formação e Investigação sobre Detritos Marinhos Plásticos e Microplásticos, IOC/UNESCO, e membro do Instituto de Reciclagem e Inovação de Plásticos.
Tem 8 anos de experiência de estudo no domínio marinho, obteve um mestrado académico no State Key Laboratory of Estuarine and Coastal Research e no Plastic Marine Debris Research Center da East China Normal University. Obteve um bacharelato em ciência e tecnologia da pesca marinha na Ocean University of China. Começará um estágio no CJN - Joint FAO/IAEA Centre of Nuclear Techniques in Food and Agriculture - Soil Water Management and Crop Nutrition Laboratory (SWMCNL) para investigar os microplásticos nos solos agrícolas.

WG1_Charles_Goddard

Charles Goddard

Charles Goddard é Diretor Executivo da Back to Blue, uma iniciativa da Economic Impact e da The Nippon Foundation. Charles imagina e constrói as iniciativas emblemáticas da Economist Impact, cujo objetivo é catalisar o progresso em questões-chave da atualidade. Trabalha em estreita colaboração com os parceiros em temas que vão desde o envelhecimento e a longevidade até à saúde dos oceanos, centrando-se particularmente nos cuidados de saúde, no Antropoceno e na economia azul. Baseado em Hong Kong, Charles foi anteriormente diretor editorial para a Ásia da Economist Intelligence Unit, diretor de investigação na Ásia e diretor executivo da Economist Corporate Network, uma rede de pares para executivos seniores. Atualmente, é diretor executivo da World Ocean Initiative.

WG1 Andrei Polejack

Andrei Polejack

Andrei Polejack é consultor sénior para os oceanos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, com um doutoramento em Assuntos Marítimos pela Universidade Marítima Mundial e uma licenciatura e mestrado em Ecologia pela Universidade de Brasília. Profundamente envolvido na interface ciência-política, as suas funções incluem a coordenação de programas nacionais de investigação oceânica e polar, a prestação de aconselhamento técnico à governação, a formulação e implementação de políticas públicas, a gestão do orçamento e a negociação de acordos internacionais, entre muitas outras. Como investigador transdisciplinar, Andrei está interessado na Diplomacia da Ciência dos Oceanos como campo de estudo, procurando compreender a complexa interação entre cientistas dos oceanos e diplomatas, juntamente com a esfera política da dinâmica do poder e dos interesses no domínio marinho. Teoricamente apaixonado pelo raciocínio pós-colonial e descolonial aplicado às relações internacionais e as suas muitas formas de ligação com a ciência dos oceanos. Uma alma latina, pai orgulhoso de três dos melhores seres humanos e um amante de cães, gatos, papagaios-do-mar, cerveja e fikas.

WG1_Kenneth_Leung

Kenneth Leung

Kenneth Leung é Professor Catedrático no Departamento de Química da Universidade da Cidade de Hong Kong, onde também é Diretor do Laboratório Estatal de Poluição Marinha e Reitor Associado (Investigação e Ensino de Pós-Graduação) na Faculdade de Ciências. Os seus interesses de investigação incluem a poluição marinha, a ecotoxicologia, a ecologia marinha, a conservação da biodiversidade e a restauração ecológica utilizando a eco-engenharia. Publicou mais de 280 artigos em revistas com revisão por pares nestas áreas, com um índice H de 57 e mais de 10.500 citações. Em junho de 2021, a sua proposta de lançamento do Programa de Monitorização Global de Estuários (GEM) foi aprovada pelas Nações Unidas como uma Ação da Década dos Oceanos para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030). O Prof. Leung recebeu numerosos prémios e reconhecimentos pelas suas contribuições para a ecologia aquática e a toxicologia ambiental na região Ásia-Pacífico. Foi agraciado como membro da Sociedade de Toxicologia e Química Ambiental (SETAC) em 2017 e recebeu o 19.º Prémio Biwako de Ecologia da Sociedade Ecológica do Japão. Em 2018, foi reconhecido como um dos 100 melhores cientistas asiáticos pela Asian Scientist Magazine. Em 2022, o Prof. Leung foi eleito Fellow da Royal Society of Chemistry e Fellow da Royal Society of Biology.

Mahesh PRADHAN

Mahesh Pradhan

Com quase três décadas de experiência no Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), Mahesh é atualmente o Coordenador do Órgão de Coordenação dos Mares da Ásia Oriental (COBSEA), um mecanismo intergovernamental que reúne nove países (Camboja, República Popular da China, Indonésia, República da Coreia, Malásia, Filipinas, Tailândia, Singapura e Vietname) na proteção e conservação da região dos mares da Ásia Oriental. O Programa para os Mares Regionais inclui 18 Convenções e Planos de Ação para os Mares Regionais a nível mundial, estando o seu 50º aniversário previsto para 2024. A COBSEA é uma das 7 Convenções e Planos de Ação para os Mares Regionais administrados pelo PNUA. Em abril de 2023, os países participantes da COBSEA aprovaram um novo Quadro sobre Ecossistemas Marinhos e Costeiros, sob o tema geral da Economia Azul Sustentável. Este Quadro centra-se no Planeamento Espacial Marinho e Costeiro, nas Áreas Marinhas Protegidas, bem como na Conservação e Restauração de Habitats (recifes de coral, mangais, ervas marinhas e zonas húmidas costeiras) em apoio aos objectivos e metas do Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal (K-M GBF). Os países participantes da COBSEA aprovaram anteriormente um Plano de Ação Regional para o Lixo Marinho (RAP MALI), que é atualizado de dois em dois anos. O RAP MALI da COBSEA está estreitamente ligado aos esforços globais em curso para um novo tratado juridicamente vinculativo sobre plásticos e lixo marinho através do processo do Comité de Negociação Intergovernamental (INC). O COBSEA acolhe o Nó Regional da Ásia Oriental da Parceria Global sobre Plásticos e Lixo Marinho (GPML), que é uma plataforma de conhecimento que também inclui uma base de dados de investigação com mais de 700 publicações científicas e dados sobre a poluição por plásticos na região dos mares da Ásia Oriental.

WG1_Kathryn_Sheps

Kathryn Sheps

Kathryn é uma cientista marinha de formação e uma facilitadora e organizadora de coração. Depois de concluir um mestrado em ciências marinhas na Universidade do Sul da Florida, Kathryn dividiu o seu tempo entre o campo e o laboratório, trabalhando para uma pequena empresa de investigação e desenvolvimento. O desenvolvimento de novas tecnologias marinhas relacionadas com o clima e o facto de passar muito tempo nas águas da Baía de Tampa e arredores incutiram-lhe um sentido de urgência na abordagem das alterações climáticas e uma paixão pelo desenvolvimento de soluções climáticas, especialmente as que envolvem o oceano. De regresso a Vancouver, Kathryn seguiu a sua paixão para o Morris J Wosk Centre for Dialogue na Simon Fraser University, onde trabalhou como convocadora, facilitadora e gestora de programas no programa de soluções climáticas, reunindo pessoas com diversas origens e experiências num diálogo transformador e centrado em soluções sobre questões, ideias e políticas cruciais. No Centro de Colaboração da Década dos Oceanos para o Pacífico Nordeste, Kathryn continua a dedicar-se à ideia de que, trabalhando em conjunto, não há desafios que não possam ser resolvidos.

WG1_Soraya_Silva

Soraya Silva

Soraya J. Silva é Investigadora Associada, chefe do Laboratório de Fitoplâncton, no Centro de Oceanologia e Estudos Antárcticos (COEA) do Instituto Venezuelano de Investigação Científica (IVIC). É também o segundo ponto focal da COI/UNESCO e é uma das vice-presidentes da Subcomissão da COI/UNESCO para as Caraíbas e Regiões Adjacentes (COIARIBE). É doutorada em Oceanografia e Ciências Costeiras, tendo estudado os efeitos do gasóleo e do cobre na comunidade fitobentónica de uma zona costeira, através da análise de pigmentos fotossintéticos de diferentes taxa utilizando Cromatografia Líquida de Alta Resolução (HPLC). O seu interesse de investigação é na área da oceanografia biológica, com enfoque na dinâmica do fitoplâncton e nos blooms de algas nocivas. Tem uma vasta experiência na cultura de microalgas e atualmente gere uma coleção de culturas de microalgas e cianobactérias de diferentes origens e coordena vários projectos de investigação, tanto nacionais como regionais. A par da coordenação e execução de projectos de investigação, desenvolve actividades de transferência de conhecimento para as comunidades costeiras e integra actividades de ensino, tutoria e formação de alunos de licenciatura e pós-graduação.

WG1_Joana_Akrofi

Joana Akrofi

Joana Akrofi é responsável pela gestão de programas no Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), Divisão de Ciência, Secção de Grandes Dados. Atualmente, lidera a co-conceção do Sistema Global de Monitorização Ambiental dos Oceanos (GEMS Ocean) com parceiros para disponibilizar dados, análises e informações relevantes que orientem as acções de conservação e utilização sustentável dos oceanos e das costas. Isto inclui a coordenação da construção e convocação de uma comunidade global de prática entre especialistas e a sociedade em geral para fornecer capacidade, análise, inovação e informação sintetizada aos decisores e políticos, sociedade civil, organizações internacionais em todo o mundo numa abordagem holística para manter o oceano global e as costas saudáveis e produtivas. O GEMS Ocean promove e convoca uma abordagem de parceria transdisciplinar, incluindo parceiros da ONU e da sociedade civil, fornecedores de dados, sistemas de observação e detentores de activos de conhecimento para traduzir o conhecimento coletivo dos oceanos e das costas em informação sustentada e orientada para os decisores, e para desencadear acções transformadoras à escala centrada na utilização sustentável das costas e dos oceanos e na saúde dos ecossistemas, bem como para informar desenvolvimentos como a economia azul sustentável e o planeamento espacial marinho. As suas funções na Divisão Científica incluíram também avaliações científicas do ambiente marinho e costeiro, nomeadamente no âmbito do Global Environment Outlook (GEO), da Avaliação Mundial dos Oceanos (WOA) e da Avaliação das Águas Transfronteiriças do GEF (GEF-TWAP). É também a Secretária Técnica do Grupo Conjunto de Peritos sobre os Aspectos Científicos da Proteção do Ambiente Marinho (GESAMP) para o PNUA e o Ponto Focal para a Avaliação Mundial dos Oceanos (WOA). É formada pela Universidade de Ciência e Tecnologia Kwame Nkrumah, Kumasi, Gana, e pela Universidade de Hull, Reino Unido.

Dimitris Faloutsos-small

Dimitris Faloutsos

Dimitris Faloutsos is the Deputy Regional Coordinator of Global Water Partnership – Mediterranean and the Global Water Partnership’s Deputy Coordinator on the Transboundary Waters Cooperation theme. He is an Environmental scientist with an MSc in Oceanography. He has twenty years of experience in designing and implementing processes and projects in the fields of integrated water resources management applied in a source-to-sea context. He has extensively worked with multi-stakeholders partnerships and developed several strategic documents and management plans. His work has led to the enhancement of transboundary cooperation in a number of shared basins, including through the signing of relevant legal arrangements. He coordinates the implementation of the Healthy Rivers for Healthy Oceans programme endorsed under the UN Ocean Decade.

WG1_Daniel_Jones

Daniel Jones

O Dr. Daniel Jones é um biólogo de águas profundas e Diretor Associado do Grupo de Biociências Oceânicas no Centro Nacional de Oceanografia em Southampton, Reino Unido. É especialista na compreensão de padrões temporais e espaciais em ecossistemas de águas profundas, incluindo os afectados por perturbações antropogénicas. Aplica a sua experiência de trabalho em águas profundas para melhorar a avaliação e a gestão ambiental, incluindo as indústrias de extração mineira em águas profundas e de energia offshore. Presta aconselhamento regular ao governo e participa no desenvolvimento de políticas. Participou em mais de trinta expedições de investigação, incluindo viagens a duas áreas-chave de interesse mineiro, a Zona Clarion Clipperton do Pacífico e a Crista Média Atlântica. Os seus mais de 140 artigos científicos centram-se principalmente na descrição de padrões e processos em ecossistemas de águas profundas. Desempenha um papel fundamental em muitas das principais iniciativas internacionais de investigação centradas nos aspectos ambientais da exploração mineira em águas profundas e lidera um programa de investigação britânico de 5 milhões de libras, SMARTEX, que investiga as respostas dos ecossistemas às perturbações da exploração mineira em águas profundas.

WG1_Thorsten_Kiefer

Thorsten Kiefer

Thorsten é o Diretor Executivo da Iniciativa de Programação Conjunta Mares e Oceanos Saudáveis e Produtivos (JPI Oceans). A JPI Oceans é uma plataforma intergovernamental pan-europeia que reforça a investigação e a inovação marinha e marítima através da cooperação transnacional por meio de convites conjuntos à apresentação de propostas de investigação e inovação, grupos de peritos, partilha de infra-estruturas e ação coordenada para impacto político. O leque temático é vasto. As ações conjuntas transnacionais apoiam, entre outras, a saúde ecológica, abordam a poluição por microplásticos, ruído, luz, produtos químicos e munições, ajudam na adaptação às alterações do nível do mar e na gestão do orçamento de carbono, apoiam os regulamentos para a mineração em alto mar e a transformação sustentável da economia oceânica, e promovem uma melhor observação dos oceanos. Antes de se juntar à JPI Oceans em 2019, Thorsten foi diretor do Future Earth Global Hub em Paris. A Future Earth é uma rede global de investigadores e inovadores que apoiam a sustentabilidade nos sectores ambiental e social. Mais atrás, Thorsten foi diretor executivo do programa Past Global Changes (PAGES), que facilita a investigação global e a síntese das alterações ambientais anteriores às medições sistemáticas, utilizando arquivos como corais fósseis, anéis de árvores, sedimentos ou núcleos de gelo. As raízes de Thorsten estão na investigação no domínio da paleoceanografia. Nas Universidades de Kiel, na Alemanha, e de Cambridge, no Reino Unido, analisou sedimentos de águas profundas para estudar as alterações oceanográficas e climáticas substanciais que ocorreram nos últimos milhares a dez mil anos.

Grupo de Trabalho 2: Proteger e restaurar os ecossistemas e a biodiversidade

Co-Presidentes:

WG2_Frank_Muller-Kager

Frank E. Müller-Karger

Frank E. Müller-Karger é professor na Faculdade de Ciências Marinhas da Universidade do Sul da Florida (EUA). Estuda os ecossistemas marinhos, incluindo as ligações entre a qualidade da água, a produção biológica e a biodiversidade em ambientes marinhos costeiros, e a forma como estes podem estar ligados às alterações climáticas e às actividades humanas. Utiliza a deteção remota e o trabalho de campo para compreender melhor o impacto de grandes rios como o Amazonas, o Orinoco e o Mississipi na biogeoquímica dos oceanos, para cartografar os recifes de coral e as zonas húmidas, para avaliar a importância das margens continentais no orçamento global do carbono e para compreender melhor a forma como o fluxo de carbono particulado que se afunda afecta a vida marinha nas cristas meso-oceânicas e no fundo do oceano. Muller-Karger é o co-líder da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) dos EUA e internacional, do programa Marine Life 2030 aprovado pela Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável e do Gabinete do Programa Climático da NOAA/Força de Trabalho dos Indicadores Climáticos dos Santuários. Publicou mais de 340 artigos revistos por pares. Recebeu o prémio individual William T. Pecora em 2021, é membro da AAAS e fez parte da Comissão dos EUA para a Política dos Oceanos. Muller-Karger promove a ciência e a tecnologia como um elemento integral da sociedade, trabalhando com o público e as comunidades aplicadas e de pesquisa para criar benefícios sociais e promover a conservação ambiental, local, nacional e internacionalmente.

sem nome (1)

Aileen Tan

A Professora Dato' Dr.ª Aileen Tan Shau Hwai (AT) é uma cientista marinha de grande sucesso, conhecida pelas suas contribuições significativas para a ciência marinha e o envolvimento da comunidade. É professora na Faculdade de Ciências Biológicas da Universiti Sains Malaysia (USM) e directora do Centro de Estudos Marinhos e Costeiros (CEMACS). AT é também Directora Executiva da Rede de Envolvimento Universidade-Comunidade da Ásia-Pacífico (APUCEN) desde 2015. AT é uma cientista marinha respeitada em todo o mundo, destacando-se por tornar a ciência complexa acessível às comunidades, impulsionando transformações positivas a nível global. O seu impacto multifacetado abrange a educação, a defesa da comunidade, o ambientalismo e o humanitarismo. Nomeadamente, tornou-se a primeira mulher presidente da UNITAS Malacologica, promovendo a sustentabilidade na região da Ásia-Pacífico. Ocupa cargos importantes em organismos globais como a Subcomissão do COI para o Pacífico Ocidental (WESTPAC) e a Parceria para a Observação dos Oceanos Globais (POGO). A dedicação de AT estende-se à capacitação das comunidades costeiras através de iniciativas como a conservação da amêijoa gigante. A sua ênfase na colaboração, no respeito e no conhecimento local alimenta as práticas sustentáveis e a redução da pobreza. O seu empenho valeu-lhe o prestigiado prémio Top Research Scientist Malaysia (TRSM) em 2020. A influência de AT vai além da Malásia, pois ela promove globalmente a aquicultura sustentável e a conservação ambiental. Ela prevê que os cientistas marinhos dêem prioridade aos ambientes e às comunidades, sublinhando o seu impacto transformador nas ciências marinhas, na capacitação das comunidades e no bem-estar ambiental.

Membros especialistas:

WG2_Joana_Soares

Joana Soares

Joana Soares é licenciada em Ciências Aquáticas e doutorada em Ciências Biomédicas pela Universidade do Porto. Tem uma sólida formação em Ecotoxicologia e Desregulação Endócrina e uma forte experiência em biologia molecular e toxicogenómica. Nos últimos anos, tem trabalhado como investigadora em vários projectos de investigação internacionais com equipas multidisciplinares. A abordagem das alterações globais, numa perspetiva integradora do espaço, do clima e do oceano no Atlântico, com enfoque na conservação da biodiversidade marinha, são temas emergentes do seu trabalho. Atualmente, é Secretária Executiva da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) do Grupo de Observação da Terra - Rede de Observação da Biodiversidade (GEO BON) e Responsável de Projeto no Laboratório de Observação da Terra do Centro Internacional de Investigação do Atlântico (AIR Centre).

WG2_Steven_Bograd

Steven Bograd

Steven Bograd é oceanógrafo no NOAA Southwest Fisheries Science Center em Monterey, CA, onde lidera o Grupo Clima-Ecosistema, e é professor adjunto no Departamento de Ciências do Oceano da Universidade da Califórnia-Santa Cruz e investigador associado no Scripps Institution of Oceanography. Os seus interesses de investigação centram-se nos impactos climáticos nos ecossistemas marinhos, com destaque para os sistemas de afloramento da fronteira oriental. Steven é atualmente copresidente do programa científico emblemático da Organização das Ciências Marinhas do Pacífico Norte (PICES), FUTURE, e é o editor-chefe da revista Fisheries Oceanography. Steven também co-dirige dois programas da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos (SmartNet e SUPREME). Steven tem uma licenciatura em física (Universidade do Arizona), um mestrado em ciências atmosféricas (Universidade de Washington) e um doutoramento em oceanografia física (Universidade da Colúmbia Britânica). Fez um pós-doutoramento no Scripps Institution of Oceanography antes de se juntar à NOAA em 2001. Steven nasceu e cresceu no Mississippi, EUA, mas passou a maior parte da sua vida adulta na Costa Oeste.

antónio

Anthony B. Ndah

Anthony B. Ndah é um Cientista de Ecossistemas baseado no Laboratório Marinho de Plymouth no Reino Unido, onde também é o Coordenador do Nó Regional para África no Programa de Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP), IOC-UNESCO. Anthony obteve um diploma de pós-graduação em Oceanografia Observacional do Alfred Wegener Institute for Polar & Marine Research no âmbito do programa NF-POGO. Durante a sua investigação de pós-doutoramento, especializou-se no desenvolvimento de indicadores e metodologias baseados no zooplâncton para avaliações ecológicas no Mar do Norte alemão ao abrigo da Diretiva-Quadro Estratégia Marinha da UE. Anthony tem um doutoramento em Estudos Ambientais, com especialização em Biogeoquímica Marinha e CO2 no Mar do Sul da China, pela Universidade de Brunei Darussalam. Trabalhou também como professor assistente graduado na mesma universidade. Tem um mestrado em Assuntos Marinhos pela Universidade de Xiamen, China, onde trabalhou em Gestão Costeira Integrada, e uma licenciatura em Geografia pela Universidade de Buea, Camarões.

WG2_Paula_Spiniello

Paula Spiniello

Nasceu e cresceu na Venezuela. Licenciou-se em Biologia na Universidade Central da Venezuela, fez um mestrado em Engenharia Ambiental na Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, e um doutoramento em Ecologia na Universidade Central da Venezuela. Foi Professora Associada do Instituto de Zoologia e Ecologia Tropical (IZET) da Universidade Central da Venezuela, onde permaneceu durante 15 anos. A Dra. Spiniello também foi professora adjunta de Ciências Ambientais e Oceanografia no Golden West College (Califórnia-EUA) e no State College of Florida (EUA). Desde 2019, o Dr. Spiniello é Professor Assistente do Departamento de Biologia, Ecologia e Conservação da Universidade de St. George, Granada, W.I. O interesse de investigação do Dr. Spiniello é a ecologia marinha, centrando-se na compreensão dos factores que controlam as estruturas da comunidade marinha e as eficiências de transferência trófica nas águas costeiras. A investigação do Dr. Spiniello tem-se centrado na avaliação dos efeitos dos impactos naturais e humanos na diversidade e distribuição do plâncton e no papel do plâncton nos ciclos biogeoquímicos, nas pescas e como indicador da saúde dos ecossistemas costeiros. Além de facilitar e apoiar o trabalho de investigadores visitantes de instituições de todo o mundo, o Dr. Spiniello supervisionou uma variedade de projectos de investigação de licenciatura e pós-graduação da St. George's University e da Universidad Central de Venezuela.

WG2_Harriet Harden-Davies

Harriet Harden-Davies

Harriet Harden-Davies é a Directora do Programa Vozes do Oceano da Fundação Nippon-Universidade de Edimburgo. Os seus interesses de investigação situam-se na intersecção entre o direito dos oceanos e a ciência, incluindo a governação internacional dos oceanos e a equidade, a conservação marinha e o desenvolvimento sustentável, a criação de capacidades e a gestão dos oceanos. Harriet foi co-fundadora do programa Early Career Ocean Professional no âmbito da Década dos Oceanos da ONU e é membro do Grupo de Peritos em Desenvolvimento de Capacidades da COI/UNESCO. A sua investigação de doutoramento e pós-doutoramento centrou-se no desenvolvimento de um novo tratado da ONU para a biodiversidade marinha fora da jurisdição nacional. É co-líder da Deep Ocean Stewardship Initiative e membro do Conselho Editorial da Marine Policy, bem como Directora Adjunta do Nippon Foundation Ocean Nexus Centre. Entre as suas funções anteriores contam-se a de investigadora no Centro Nacional Australiano para os Recursos e a Segurança dos Oceanos, na Universidade de Wollongong; investigadora convidada no Centro de Política Marinha do Instituto Oceanográfico Woods Hole; e gestora de política e projectos na Academia Australiana de Ciências Tecnológicas e Engenharia.

WG2_Virni_Arifanti

Virni Budi Arifanti

Virni Budi Arifanti, Ph.D., é investigadora sénior na Agência Nacional de Investigação e Inovação da República da Indonésia (BRIN). Anteriormente, trabalhou como investigadora no Ministério do Ambiente e das Florestas da Indonésia. Na BRIN, lidera um grupo de investigação sobre a restauração e conservação do ecossistema dos mangais (MERCi). Em 2023, Virni foi nomeada Secretária do Comité de Implementação do Programa Homem e Biosfera (MAB) da UNESCO para a Indonésia. Desde 2022, Virni foi nomeada como Ponto Focal da Indonésia para o Painel de Revisão Científica e Técnica (STRP) da Convenção de Ramsar. Em 2023, foi nomeada Perita Técnica do STRP da Convenção de Ramsar para o triénio 2023-2025. É especialista em ecossistemas de mangais tropicais, ecologia de zonas húmidas, carbono azul, inventário de gases com efeito de estufa e estudos sobre alterações climáticas. Tem um grande interesse na dinâmica do carbono e nas soluções baseadas na natureza (NbS) dos ecossistemas das zonas húmidas. Tem estado envolvida em várias colaborações internacionais de investigação e publicou em várias revistas internacionais revistas por pares. Virni é doutorada em ecologia de zonas húmidas pela Oregon State University, EUA. O seu mestrado foi obtido na Universidade de Ghent, Bélgica, em ciências geoespaciais florestais.

WG2_Dominique_Pelletier

Dominique Pelletier

A Dra. Dominique Pelletier é Investigadora Principal no Instituto Francês para a Exploração do Mar (Ifremer), onde liderou sucessivamente projectos transdisciplinares de modelização das pescas e de monitorização e avaliação da eficácia da gestão das Áreas Marinhas Protegidas em ecossistemas temperados e de recifes de coral. Desenvolveu um protocolo de monitorização baseado em vídeo que é amplamente utilizado para habitats bentónicos e peixes. É perita do Pólo Nacional Francês da Biodiversidade, que desenvolve ferramentas de análise e divulgação de dados sobre a biodiversidade, e membro da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha e do BON francês.

WG2_Maria_ Lourdes_San Diego

Maria Lourdes San Diego-McGlone

A Dra. Maria Lourdes San Diego-McGlone é uma figura pioneira da oceanografia química nas Filipinas. No Instituto de Ciências Marinhas da Universidade das Filipinas (UP MSI), criou o Laboratório de Biogeoquímica Marinha, equipado para inquéritos no terreno, análise de parâmetros da água e muito mais. A sua investigação abrange a alteração da qualidade da água costeira, a dinâmica dos nutrientes, as respostas dos ecossistemas aos factores de stress, a estimativa do carbono azul e a atenuação da proliferação de algas nocivas. O seu impacto estende-se à abordagem das mortes de peixes e dos efeitos ambientais da maricultura. Tem sido mentora de estudos internacionais sobre zonas costeiras e líder na investigação sobre a acidificação dos oceanos. É especialista em qualidade da água e tem sido uma oradora de recurso em debates sobre alterações climáticas. A Dra. San Diego-McGlone tem 70 artigos publicados e 5 capítulos de livros. Foi distinguida como Cientista da UP em 2007, recebeu a Cátedra/Grémio do Centenário da UP de 2008 a 2021, recebeu um Prémio de Divulgação de Invenções em 2016 e tornou-se Professora Emérita em 2020. Foi mentora de vários estudantes de pós-graduação e de licenciatura, bem como de estagiários universitários e do ensino secundário. Com um doutoramento em Oceanografia Química pela Old Dominion University, recebeu o prémio Most Outstanding PhD Graduate in Oceanography (1991).

Alex David Rogers

Alex David Rogers

Alex é um ecologista marinho que se interessa pela forma como a biodiversidade se distribui no oceano, especialmente no mar profundo e nos recifes de coral tropicais. Interessa-se igualmente pelos impactos humanos no oceano e pela forma de gerir as actividades humanas para atenuar ou reduzir a degradação dos ecossistemas marinhos. O seu trabalho levou-o aos oceanos Atlântico, Índico e Austral e às Caraíbas, investigando os ecossistemas dos recifes de coral, os montes submarinos e as fontes hidrotermais de profundidade. Alex tem trabalhado com governos, organizações intergovernamentais e não governamentais na divulgação dos impactos humanos, especialmente os da pesca de profundidade e das alterações climáticas, e no desenvolvimento de soluções políticas para esses problemas. É Diretor Científico do Ocean Census. Alex publicou recentemente o livro The Deep: The Hidden Wonders of Our Ocean and How We Can Protect Them Wildfire (2019).

WG2_Rebecca_Martone

Rebecca Martone

Baseada perto de Victoria, BC, Canadá, a Dra. Rebecca Martone é a Directora Executiva do Ocean Decade Collaborative Center for the NE Pacific, uma contribuição da Fundação Tula. Nos últimos 20 anos, a Dra. Martone trabalhou como ecologista marinha aplicada, abordando uma variedade de questões nos ecossistemas costeiros da costa oeste da América do Norte, incluindo o planeamento espacial marinho, a sustentabilidade da pesca em pequena escala, os impactos cumulativos nos ecossistemas costeiros e a monitorização para informar a gestão baseada nos ecossistemas. O Dr. Martone tem um doutoramento da Universidade de Stanford em ciências biológicas, um mestrado em gestão ambiental da Universidade de Duke e um bacharelato em ciências ambientais da Universidade Northwestern. Como antiga directora científica assistente no Center for Ocean Solutions da Universidade de Stanford, na Califórnia, tem experiência na ligação da ciência à tomada de decisões e no co-desenvolvimento da ciência para soluções. Antes de trabalhar no Ocean Decade Collaborative Center, Rebecca trabalhou como bióloga marinha na Província da Colúmbia Britânica para ajudar a implementar a Parceria do Plano Marinho e desenvolver uma rede de Áreas Marinhas Protegidas em colaboração com 17 Primeiras Nações costeiras no norte da Colúmbia Britânica. Rebecca é apaixonada por trabalhar com uma comunidade diversificada de cientistas, membros da comunidade, representantes da indústria e profissionais dos oceanos e das zonas costeiras para resolver os principais desafios que os nossos oceanos enfrentam e para ajudar a proteger as nossas costas e oceanos, apoiando simultaneamente os meios de subsistência e as ligações culturais das pessoas.

verónica

Verónica Relano

Verónica tem um doutoramento em Oceanos e Pescas da Universidade da Colúmbia Britânica e foi supervisionada pelo Dr. Daniel Pauly. Interessa-se pela conservação marinha, conetividade e questões sócio-ecológicas resultantes da má gestão dos recursos marinhos. Uma componente importante da sua investigação é compreender como comunicar melhor as acções de conservação a um público mais vasto para conseguir mudanças no terreno. O seu projeto "SOS - Somos OceanoS (histórias dos oceanos para a conservação)" foi aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas. Explora as necessidades das pessoas que vivem dentro e à volta das "Áreas Marinhas Protegidas de papel", levantando vozes locais e encontrando formas de iniciar uma conversa para uma gestão equitativa e a conservação dos recursos marinhos. A Veronica contribui com as suas competências para fazer avançar o trabalho da ONG Onewater como Gestora do Programa Oceanos.

Louise Allcock

Louise Allcock

Louise Allcock é professora de Zoologia na Universidade de Galway, Irlanda. É membro do Comité Nacional da Década para a Irlanda, presidente do grupo de trabalho regional do Atlântico Norte do programa da Década dos Oceanos da ONU "Challenger 150" e vice-presidente da ação da Década dos Oceanos da ONU "Floresta de Animais Marinhos do Mundo". Louise é membro do Grupo de Especialistas em Moluscos da IUCN SSC e dirigiu a avaliação da lista vermelha de 750 espécies de cefalópodes. Presidiu, em nome da Irlanda, às avaliações do estado dos habitats VME de águas profundas listados na OSPAR como ameaçados/em declínio, trabalhando com peritos internacionais de toda a Europa. É membro do Grupo Consultivo para as Áreas Marinhas Protegidas (MPA) da Irlanda, prestando aconselhamento especializado ao Governo sobre a expansão das MPA. Louise é coautora de dois livros ricamente ilustrados: Octopus, Squid and Cuttlefish (University of Chicago Press, 2018) e Deep Ocean (Princeton University Press, 2023). É membro da Academia Real Irlandesa.

Audrey Darnaude

Audrey Darnaude

Audrey Darnaude é uma cientista marinha que trabalha para o Centro Nacional Francês de Investigação Científica (CNRS), na unidade de investigação conjunta MARBEC (Center for MARine Biodiversity, Exploitation & Conservation), que reúne cientistas de vários institutos de investigação franceses (CNRS, Ifremer, IRD, INRAE) na Universidade de Montpellier (França). Originalmente especializada em ecologia de peixes, tem estudado a diversidade da história de vida (estratégias de crescimento, alimentação e migração) de várias espécies marinhas, bem como a estrutura das redes alimentares em muitas regiões do mundo, principalmente através da utilização de marcadores biogeoquímicos individuais. Além de presidir a uma vasta iniciativa internacional destinada a fazer avançar a investigação sobre a conetividade marinha (o projeto europeu COST Action & UN Ocean Decade SEA-UNICORN: www.sea-unicorn.com), estuda atualmente as estratégias de vida e a estrutura populacional de vários peixes de elevado valor económico, em ligação com o funcionamento da teia alimentar costeira e a conetividade de habitats na interface mar-continente. Ensina também ecologia de peixes, estrutura de redes alimentares e biogeoquímica na Universidade de Montpellier, e está envolvida em vários grupos de peritos nacionais e internacionais, fornecendo orientações sobre a conservação da biodiversidade e o planeamento sustentável do espaço marítimo, em relação a questões de conetividade.

costello

Mark John Costello

Ecologista especializado em biogeografia, áreas marinhas protegidas e efeitos das alterações climáticas na biodiversidade, incluindo interacções aquacultura-ambiente. Foi pioneiro da "informática da biodiversidade dos oceanos", nomeadamente ao liderar a criação das bases de dados do Registo Mundial de Espécies Marinhas e do Sistema de Informação sobre a Biodiversidade dos Oceanos. Desempenhou papéis de relevo em muitas organizações internacionais, incluindo: foi um dos principais autores do recente relatório deavaliaçãodo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, em que co-dirigiu o capítulo transversal sobre os pontos críticos da biodiversidade; co-presidiu a Rede de Observação da Biodiversidade Marinha do Grupo de Observação da Terra durante 10 anos; Presidente e Secretário da Associação Internacional de Oceanografia Biológica; Vice-Presidente do Comité Científico do Mecanismo de Informação sobre a Biodiversidade Mundial. Mark supervisionou mais de 70 estudantes de pós-graduação. Tem mais de 270 publicações revistas por pares (total de mais de 500, citadas 19.000 vezes) e um índice H de 68(57 desde 2018). Atualmente, lidera a iniciativa MBON Europe para estabelecer uma rede de longo prazo de monitorização da biodiversidade marinha na Europa e o MPA Europe, um projeto que mapeia os melhores locais para proteger a biodiversidade e as reservas de carbono em todos os mares europeus. Da Irlanda, o fascínio pela vida selvagem levou-o a estudar em Galway (BSc Hon.), seguido de um doutoramento na única reserva marinha da Irlanda, pós-doutoramento na Marine Biological Association em Plymouth, Inglaterra, e no Scottish Office Aberdeen e na Napier University em Edimburgo, Escócia, um estágio no Trinity College Dublin, a criação da empresa de consultoria ambiental EcoServe e um mandato como diretor executivo do Huntsman Marine Science Centre no Canadá, até regressar a um cargo académico em Auckland, Nova Zelândia. Atualmente, é professor na Nord University, no Ártico da Noruega, e professor convidado na Ocean University of China, em Qingdao.

admin-ajax

Britt Dupuis

Mais pormenores em breve.

Alice

Alice Terpereau

Licenciada em economia e matemática, Alice prosseguiu o seu percurso académico no domínio do desenvolvimento territorial sustentável. Interessada em numerosos domínios no cruzamento das ciências ambientais e sociais, aprofundou os seus conhecimentos em soluções baseadas na natureza e em catástrofes induzidas pelo clima através de projectos de investigação em diferentes regiões do mundo. Atualmente, está a estagiar na Comissão Europeia, onde se ocupa de projectos informáticos.

Martina H. Stiasny

Martina H. Stiasny

A Dra. Martina H. Stiasny é uma bióloga marinha que trabalha em ecologia de peixes (larvas), ecologia evolutiva e ciência interdisciplinar das pescas. Martina está interessada em questões relacionadas com o equilíbrio entre a segurança alimentar e a sustentabilidade na gestão das pescas, os efeitos das alterações climáticas nas populações de peixes e a forma de incorporar restrições económicas e sociais na gestão das pescas que, no entanto, se baseia em dados e teorias ecológicas sólidas. É licenciada pela Universidade de St Andrews (BSc), na Escócia, e pela Universidade de Kiel (MSc. em Oceanografia Biológica no GEOMAR), no norte da Alemanha, onde também concluiu o seu doutoramento em Biologia Pesqueira. Depois de um pós-doutoramento na Alemanha e na Noruega e de um ano a trabalhar para a Comissão Europeia em Bruxelas, Martina começou recentemente a lecionar na Universidade de Southampton, em Inglaterra. Iniciou o seu próprio grupo de investigação, continuando o seu trabalho no aquário de investigação do Centro Nacional de Oceanografia, estudando os efeitos das alterações climáticas e de outros factores de stress antropogénicos nos peixes temperados.

Lina Mtwana Nordlund WG2
Lina Mtwana Nordlund

Lina Mtwana Nordlund é professora associada de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentável na Universidade de Uppsala, na Suécia. Nordlund tem as suas raízes na teoria dos sistemas sócio-ecológicos, com especial incidência nos ambientes costeiros e marinhos. A sua especialização é sobretudo em abordagens inter e transdisciplinares para futuros costeiros sustentáveis. Realizou uma extensa investigação na África Oriental e no Oceano Índico Ocidental, centrando-se particularmente nos ecossistemas intertidais, ervas marinhas, pescas, gestão e política. A sua investigação no Mar Báltico centra-se na monitorização marinha integrada e nos alimentos azuis. Trabalhou anteriormente como gestora de uma Área Marinha Protegida e tem um grande interesse no conhecimento ecológico local e no pensamento do futuro. Nordlund é a co-líder das ervas marinhas no Painel de Peritos em Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (IOC/UNESCO) e é Directora da Rede de Ervas Marinhas do Indo-Pacífico.

Ward Appeltans

Ward Appeltans

O Sr. Ward Appeltans é o ponto focal da biodiversidade marinha na Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, onde gere o Sistema de Informação sobre a Biodiversidade dos Oceanos (OBIS) e apoia o Painel de Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (GOOS BioEco). O Sr. Appeltans também gere dois projectos de eDNA, um nas Ilhas do Pacífico para detetar espécies marinhas invasoras e outro recente para avaliar a biodiversidade nos sítios marinhos do Património Mundial da UNESCO. É também membro do grupo diretor da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) e da equipa de coordenação do programa Vida Marinha 2030 da Década dos Oceanos da ONU.

Linwood Pendleton

Linwood Pendleton

Linwood Pendleton é o Diretor Executivo da Ocean Knowledge Action Network e professor no Instituto Europeu de Estudos Marinhos. Fez parte do Comité de Planeamento Executivo e do Conselho Consultivo Interino da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável e faz agora parte do Conselho Consultivo da Década das Nações Unidas para a Restauração dos Ecossistemas. Foi Vice-Presidente Sénior para a Ciência no Centro para a 4ª Revolução Industrial; Ocean, Global Lead for Ocean Science no WWF; e Economista-Chefe Interino da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica de 2011 a 2013.

Grupo de Trabalho 3: Alimentar de forma sustentável a população mundial

Co-Presidentes:

WG3_Erik_Olsen

Erik Olsen

Erik Olsen é o diretor do Grupo de Investigação para o Desenvolvimento Sustentável no Instituto de Investigação Marinha, em Bergen, Noruega, onde trabalha desde 1999. Obteve um doutoramento em biologia das pescas na Universidade de Bergen (2002). Erik é membro da Direção do Portfólio dos Oceanos no Conselho de Investigação Norueguês. Está ativamente envolvido na Década dos Oceanos da ONU, tanto como líder do Projeto ClimeFOOD Ocean Decade, como membro do Comité Nacional Norueguês da Década dos Oceanos. Tem uma vasta experiência na organização e condução de inquéritos e investigações científicas em águas norueguesas, bem como em África e na Ásia. A gestão integrada dos oceanos, a modelação de ecossistemas e o planeamento espacial marinho têm sido também uma área de trabalho fundamental, e Erik esteve profundamente envolvido no desenvolvimento dos planos de gestão integrada noruegueses.

WG3_Vera_Agostini

Vera Agostini

A Dra. Vera Agostini é a Directora Adjunta da Divisão de Pescas e Aquacultura da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), onde fornece supervisão, liderança estratégica e apoio técnico. De 2007 a 2017, Vera esteve na The Nature Conservancy, inicialmente como cientista sénior na equipa dos Oceanos Globais e depois como directora de ciência e directora de adaptação ao clima na equipa das Caraíbas. A Dra. Agostini é uma cientista das pescas de formação, que ocupou cargos em três sectores (não governamental, governamental e académico/educacional), proporcionando liderança técnica e estratégica numa série de esforços multidisciplinares em todo o mundo. A sua experiência vai desde a investigação exaustiva de ecossistemas até à política e planeamento gerais. Embora o seu trabalho tenha começado em sistemas temperados, passou uma parte considerável da sua carreira a concentrar-se em geografias tropicais.

Membros especialistas:

WG3_Shakuntala_Thilste

Shakuntala Haraksingh Thilsted

Shakuntala Haraksingh Thilsted é a Directora da Plataforma da Área de Impacto da Nutrição, Saúde e Segurança Alimentar, CGIAR. Anteriormente, ela era a líder global de nutrição e saúde pública da WorldFish. Ela recebeu o Prêmio Mundial da Alimentação de 2021 por sua pesquisa pioneira, percepções críticas e inovações marcantes no desenvolvimento de abordagens holísticas e sensíveis à nutrição para sistemas alimentares aquáticos. Foi galardoada com o Arrell Global Food Innovation Award 2021 pela inovação na investigação. É Presidente do Comité Consultivo Científico (SAC) do Centro de Coordenação de Sistemas Alimentares da ONU. É membro do Comité Diretor do Painel de Peritos de Alto Nível em Segurança Alimentar e Nutricional (HLPE) do Comité das Nações Unidas para a Segurança Alimentar Mundial (CFS). Foi vice-presidente da Cimeira dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas de 2021: Action Track 4 - Advance Equitable Livelihoods, e também Campeã dos Sistemas Alimentares. Em 2022, Shakuntala foi nomeada copresidente da Comissão EAT-Lancet 2.0. Shakuntala tem um doutoramento da Universidade Real de Veterinária e Agricultura, na Dinamarca. Tem doutoramentos honorários da Universidade Sueca de Ciências Agrícolas e da Universidade das Índias Ocidentais.

WG3_Christopher_Costello

Christopher Costello

Christopher Costello é professor de Economia do Ambiente e dos Recursos e Diretor do Laboratório de Mercados Ambientais na Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, e é Investigador Associado no NBER. Obteve o seu doutoramento na Universidade da Califórnia, em Berkeley, em 2000, e realiza investigação sobre a economia dos recursos naturais e a política relativa aos direitos de propriedade, com destaque para a tomada de decisões em condições de incerteza, informação, valores de activos e escassez de recursos naturais. O seu trabalho combina teoria aplicada com modelação e análise empírica, muitas vezes para informar a política nos oceanos, utilização dos solos, clima e conceção do mercado ambiental. O trabalho de Costello é global, mas inclui projectos recentes na Polinésia Francesa, Seychelles, Peru, México e Indonésia. Costello faz parte do conselho de administração do Environmental Defense Fund e da The Nature Conservancy (Califórnia), e faz parte do Conselho de Consultores Económicos do Governador da Califórnia. Publicou mais de 100 artigos revistos por pares em revistas de economia e ciência e foi o principal orientador de mais de 30 doutorandos e pós-doutorandos.

eddieallison

Edward Allison

Eddie Allison trabalha na interface entre a investigação, a política e a prática do desenvolvimento, com um enfoque na gestão dos sistemas alimentares aquáticos para combater a pobreza, a desnutrição e a desigualdade através de transformações no sistema alimentar e na governação dos oceanos. Eddie trabalhou para organizações internacionais de desenvolvimento (FCDO e UN FAO) e como consultor, e ocupou cargos de professor universitário em Estudos de Desenvolvimento na Universidade de East Anglia, Reino Unido, e em Assuntos Marinhos, na Universidade de Washington, EUA. Tem um doutoramento em avaliação e gestão das pescas pela Universidade de Liverpool, no Reino Unido. Publicou mais de 250 artigos de investigação e está entre os 0,1% dos cientistas interdisciplinares mais influentes do mundo, com base nas contagens de citações do seu trabalho no Clarivate. Foi autor principal do "blue paper" do Painel de Alto Nível sobre a Futura Economia dos Oceanos sobre "A Relação Humana com os Oceanos" e autor colaborador dos documentos sobre Equidade e sobre Transformação da Governação dos Oceanos. Atualmente, lidera a unidade científica de Sistemas Alimentares Aquáticos Sustentáveis na WorldFish e está sediado em Penang, Malásia. Também é professor adjunto e visitante na Universidade de Washington, Seattle, EUA, e na Universidade de Lancaster, Reino Unido. 

WG3_David_Obura

David Obura

David Obura é Diretor Fundador da CORDIO East Africa, uma organização de conhecimento que apoia a sustentabilidade dos recifes de coral e dos sistemas marinhos no Oceano Índico Ocidental. A CORDIO leva a investigação à gestão e à política, desenvolve capacidades e trabalha com as partes interessadas, gestores e decisores políticos. A investigação principal de David incide sobre a resiliência dos recifes de coral, a biogeografia e os impactos das alterações climáticas, e está agora a orientar-se para a ciência da sustentabilidade, utilizando os recifes de coral como modelo e o enquadramento da ciência dos sistemas terrestres.
Na fronteira entre a ciência e a ação, David trabalha para integrar a conservação e o desenvolvimento a várias escalas, no contexto fornecido pelos objectivos e metas globais de sustentabilidade. Trabalha desde a escala local, através do fomento de acções inovadoras para promover a sustentabilidade, passando pelo alinhamento e integração à escala regional, até às escalas globais, trazendo o conhecimento e a prática local-regional para contextos de tomada de decisão. David faz parte da Comissão da Terra, co-preside a Avaliação Nexus da IPBES (2022-2024) e tem estado ativo na integração da ciência da sustentabilidade no Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal e noutros processos internacionais sobre biodiversidade, oceanos e alterações climáticas, bem como na identificação das prioridades, oportunidades e posições africanas para alcançar um futuro sustentável. David foi galardoado com a honra nacional do Quénia, Moran of the Burning Spear, em dezembro de 2021, e com o Prémio de Conservação dos Recifes de Coral da Sociedade Internacional dos Recifes de Coral em 2022.

Janet Coetzee

Janet Coetzee

Janet Coetzee é uma cientista sénior das pescas no Departamento de Florestas, Pescas e Ambiente na Cidade do Cabo, África do Sul, com experiência em métodos de levantamento hidroacústico, pesca de peixes forrageiros e dinâmica de ecossistemas. Participou ativamente na avaliação e gestão dos recursos de peixes forrageiros da África do Sul nos últimos 30 anos e contribuiu para a compreensão do seu significado ecológico e do papel que desempenham na economia e segurança alimentar do país. Participou na colaboração de investigação interdisciplinar tanto no Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela como noutros locais, explorou novas pescarias potenciais e formulou políticas que promovem a sustentabilidade das pescarias de peixes forrageiros existentes. Possui conhecimentos e experiência abrangentes neste domínio e uma abordagem equilibrada para lidar com conflitos entre as indústrias pesqueiras e os organismos de conservação.

WG3_Flor_Msuya

Flor Msuya

A Dra. Flower Msuya, investigadora sénior e consultora freelancer (tendo trabalhado com a Universidade de Dar es Salaam, Tanzânia, durante 33 anos), é especialista em aquacultura de algas marinhas com mais de 30 anos de experiência. Investiga a aquacultura de algas marinhas, incluindo o desenvolvimento de meios de subsistência, as alterações climáticas e as questões de saúde, bem como a integração de algas marinhas com animais marinhos para melhorar a produção alimentar. A Dra. Msuya é a fundadora e presidente da Zanzibar Seaweed Cluster Initiative, onde liga os agricultores e os pequenos processadores à investigação, ao governo e ao sector privado. Produziu o primeiro produto de valor acrescentado de algas marinhas em 2006 e os produtos são atualmente comercializados em toda a África Oriental, incluindo produtos alimentares. Está empenhada no desenvolvimento de tecnologias agrícolas inteligentes do ponto de vista climático para a cultura de algas e outros organismos marinhos em águas profundas, a fim de travar o impacto das alterações climáticas e produzir alimentos à base de algas nos esforços da economia azul. A Dra. Msuya é membro de órgãos de algumas organizações internacionais, incluindo o Comité Diretivo da Safe Seaweed Coalition, o Conselho Científico da Global Seaweed Coalition e o Conselho da International Marine Biotechnology Association.

WG3_Stefan_Gelcich

Stefan Gelcich

Stefan Gelcich é um biólogo marinho que trabalha na Universidade Católica do Chile e estuda as ligações e as reacções entre os sistemas sociais e ecológicos. Está particularmente interessado em fazer avançar a ciência que contribui para a gestão sustentável dos oceanos costeiros. Nos últimos 20 anos, fez parte de vários projectos e centros interdisciplinares onde conduziu investigação centrada no comportamento humano, nos serviços dos ecossistemas e na ecologia. Em todos os projectos, Stefan contribui ligando as dimensões sócio-ecológicas. Os temas actuais dos projectos incluem a conservação e gestão marinha, a capacidade de adaptação das indústrias costeiras e a pesca ilegal, entre outros. A investigação tem sido financiada por instituições nacionais e internacionais. Stefan é o diretor do Instituto Milenio en Socio-ecologia Costera.

WG3_Michael_Fabinyi

Michael Fabinyi

Michael Fabinyi é Professor Associado no Centro de Investigação sobre Clima, Sociedade e Ambiente da Universidade de Tecnologia de Sydney. De 2010 a 2016, trabalhou no Centro de Excelência do Conselho Australiano de Investigação para Estudos de Recifes de Coral, na Universidade James Cook, e viveu e trabalhou na China, Indonésia, Malásia, Papua Nova Guiné, Filipinas e Ilhas Salomão. É um cientista social ambiental e os seus principais interesses de investigação são os meios de subsistência costeiros, a segurança alimentar em contextos costeiros e o comércio de produtos do mar.

WG3_Michael_Fabinyi

Andreea L. Cojocaru

Andreea L. Cojocaru é Professora Associada na Universidade de Stavanger, na Noruega. Tem formação em ciências actuariais e estatística pela Universidade de Toronto e KU Leuven, complementada por um doutoramento em economia industrial pela UiS. A sua investigação centra-se na economia dos oceanos, concentrando-se na aquicultura, nas pescas, nos mercados de produtos do mar e nas comunidades costeiras. Originária da Roménia, Andreea viveu, estudou e trabalhou no Canadá, na Bélgica, na Noruega e nos EUA. Esforça-se por estar envolvida em colaborações interdisciplinares que reconheçam as muitas facetas das questões relacionadas com os recursos naturais, sem perder de vista as complexidades dos sistemas socio-ambientais.

WG3_Michelle_Tigchelaar

Michelle Tigchelaar

A Dra. Michelle Tigchelaar é investigadora do Centro de Soluções Oceânicas da Universidade de Stanford. Ela é uma cientista climática interdisciplinar cujo trabalho se concentra nos impactos das mudanças climáticas nos sistemas alimentares, abrangendo o aquático e o terrestre e o ecológico e o humano. Desde 2020, Michelle tem coordenado a Blue Food Assessment, uma avaliação integrativa do papel dos alimentos aquáticos nas transformações para sistemas alimentares saudáveis, sustentáveis, justos e resilientes, bem como apoiado a Aquatic/Blue Food Coalition na introdução de conhecimentos sobre alimentos azuis em arenas políticas fundamentais. A sua investigação ativa envolve o desenvolvimento de ferramentas para avaliar o risco climático azul-verde para a nutrição e identificar os impactos climáticos e as adaptações para a saúde dos trabalhadores do sector alimentar.

WG3_Maria_Darias

Maria Darias

A Dra. Maria Darias é investigadora titular no Instituto Nacional de Investigação para o Desenvolvimento Sustentável (IRD). O seu foco principal é o desenvolvimento de práticas de aquacultura sustentáveis em países de baixo e médio rendimento, com particular ênfase na aquacultura sensível à nutrição. Os seus interesses de investigação giram em torno da exploração da interação entre as condições de aquacultura, particularmente a nutrição, e a composição nutricional dos alimentos aquáticos. A Dra. Darias é codiretora do Laboratório Interdisciplinar Africano em Aquacultura Marinha Sustentável e Sensível à Nutrição (LIMAQUA), uma iniciativa interdisciplinar de investigação e formação coordenada conjuntamente pela África do Sul e pela França, que aborda os desafios nutricionais e de sustentabilidade enfrentados pela aquacultura marinha na região. Além disso, o Dr. Darias lidera o programa da Década dos Oceanos da ONU "Aquacultura Marinha Sensível à Nutrição em África" (AfriMAQUA).

WG3_Katherine_Mills

Katherine Mills

A Dra. Katherine Mills é uma investigadora sénior no Instituto de Investigação do Golfo do Maine em Portland, Maine. Obteve o seu doutoramento em Recursos Naturais na Universidade de Cornell. Como ecologista quantitativa de pescas, Kathy estuda as alterações do ecossistema marinho e as relações peixe-ecossistema-pesca, com especial incidência nas regiões do Golfo do Maine e da Plataforma Nordeste dos EUA. Especificamente, a sua investigação investiga (1) como as condições físicas e do ecossistema estão a mudar; (2) como estas mudanças afectam as populações de peixes, as comunidades biológicas e as pescarias marinhas; e (3) como as pescarias e as comunidades piscatórias podem responder eficazmente. Grande parte do seu trabalho é interdisciplinar e colaborativo, trabalhando com cientistas e partes interessadas para compreender e informar a gestão das pescas como sistemas sócio-ecológicos acoplados e para apoiar a adaptação climática e a resiliência nas pescas marinhas. Lidera um programa da Década dos Oceanos das Nações Unidas -Estratégias de Pescapara Oceanos em Mudança e Ecossistemas Resilientes até 2030 (FishSCORE), é a autora principal do capítulo "Ecossistemas Oceânicos e Recursos Marinhos" da 5ª Avaliação Nacional do Clima dos EUA e é presidente da Iniciativa Estratégica ICES-PICES sobre os Impactos das Alterações Climáticas nos Ecossistemas Marinhos (SICCME).

WG3_Beth_Fulton

Beth Fulton

A Dra. Beth Fulton é Investigadora Principal da CSIRO. Beth é a líder do domínio de investigação da CSIRO para a gestão integrada dos oceanos e a economia azul. Ao definir a direção estratégica da investigação da CSIRO nesta área, está a desenvolver mais de 20 anos de trabalho no desenvolvimento de várias ferramentas de modelação de sistemas para analisar os ecossistemas marinhos e a sustentabilidade. Beth é também Professora Adjunta e Directora Adjunta do Centro de Socioecologia Marinha, que se dedica a encontrar soluções transdisciplinares, equitativas e sustentáveis para os problemas que as costas e os oceanos enfrentam. O tema comum ao trabalho de Beth tem sido o desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão à escala do sistema para apoiar a gestão sustentável de utilizações potencialmente concorrentes dos ambientes marinhos e a adaptação às alterações globais.

WG3_Fatima_Zohra_HASSOUNI

Fatima Zohra Hassouni

Chefe da divisão de sustentabilidade e gestão dos recursos haliêuticos, no âmbito do departamento de pescas marítimas, tem mais de 23 anos de experiência no domínio do desenvolvimento e gestão dos recursos haliêuticos e mais de 15 anos de experiência em organizações regionais e internacionais de gestão das pescas (CGPM, ICCAT, CECAF, FAO, etc.). Membro do comité e ponto focal de vários projectos relativos à gestão sustentável dos recursos marinhos e à preservação dos ecossistemas e da biodiversidade, ao ordenamento do espaço marítimo, às zonas marinhas protegidas e à economia azul. Ponto Focal Nacional para a Biodiversidade Marinha e Costeira.

Grupo de Trabalho 4: Desenvolver uma economia oceânica sustentável e equitativa

Co-Presidentes:

WG4_Peter_ Haugan

Peter M. Haugan

Instituto de Investigação Marinha, Noruega. Mais pormenores em breve.

WG4_Andrew_John_Rhodes_ Espinoza

Andrew John Rhodes Espinoza

Andrew John Rhodes Espinoza trabalha atualmente como Coordenador dos Oceanos, adstrito à Subsecretaria de Assuntos Multilaterais e Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores do México, e é Sous Sherpa do Painel de Alto Nível para uma Economia Sustentável dos Oceanos. Antes desta missão, ocupou cargos executivos na Comissão Nacional de Áreas Naturais Protegidas (CONANP); como Comissário Nacional (chefe da agência), Diretor Geral de Desenvolvimento e Promoção Institucional e Diretor de Estratégias de Alterações Climáticas. Além disso, foi Diretor Geral do Sistema Pronatura e Coordenador Central do Fundo para Áreas Naturais Protegidas no Fundo Mexicano para a Conservação da Natureza AC. Por último, Andrew Rhodes é o Vice-Presidente da Comissão Mundial das Áreas Protegidas da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Membros especialistas:

WG4_Georgia_Park

Parque da Geórgia

Georgia é Gestora Sénior do Programa Ciência na Vida Pública na Royal Society, que facilita a transferência de conhecimentos e pessoas entre o meio académico e a política. A vertente Política da Ciência dos Oceanos proporciona uma plataforma para investigadores em início de carreira, profissionais e decisores políticos no domínio das ciências marinhas e dos oceanos em todo o Reino Unido para acederem aos conhecimentos e redes na interface ciência-política, e as oportunidades de desenvolvimento profissional do programa ajudam a criar uma reserva de talentos para futuros conselheiros científicos e funcionários públicos com formação científica no Governo. O programa de Política Científica dos Oceanos é aprovado como uma contribuição oficial para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável 2021-2030. Antes de trabalhar na Royal Society, Georgia trabalhou em publicações académicas para a Macmillan e a Oxford University Press, e tem uma licenciatura em Geografia pela Universidade de Southampton e um mestrado pela Universidade Napier de Edimburgo.

WG4_Rafael_Gonzales_Quiros

Rafael Gonzales-Quiros

Rafael é o Diretor do Centro Oceanográfico de Gijón, um dos nove laboratórios costeiros do Instituto Espanhol de Oceanografia (IEO-CSIC). A sua carreira de investigação centra-se na relação entre o ecossistema e a dinâmica das populações de peixes e a ecologia do plâncton, e tem estado sempre envolvido em programas multidisciplinares de observação oceânica a longo prazo. Durante os últimos 8 anos, teve diferentes responsabilidades no Instituto Espanhol de Oceanografia, que é a maior instituição em Espanha exclusivamente dedicada às Ciências do Oceano e com o mandato de fornecer aconselhamento científico para as políticas do oceano ao Governo espanhol, particularmente em questões de pesca e ambientais. Antes de ser diretor em Gijón, foi chefe da área do ambiente marinho (uma das três áreas de investigação e consultoria do IEO, juntamente com as pescas e a aquicultura), diretor adjunto para a investigação e, temporariamente, diretor do IEO (em acumulação com o cargo de diretor adjunto). Rafael tem também um papel ativo de representação em diferentes organizações e processos internacionais e nacionais relacionados com as ciências e a sustentabilidade dos oceanos. Foi chefe da Delegação de Espanha na Comissão Oceanográfica Intergovernamental desde 2017, membro do Grupo de Peritos para o terceiro ciclo da Avaliação Mundial dos Oceanos, coordenador do Comité Nacional da Década e de um grupo de trabalho sobre dados marinhos em Espanha, entre outros.

Joel Mokenye

Joel Mokenye

O Sr. Joel Mokenye possui um MSc. em Ciências e Gestão Marítimas e Lacustres e Licenciatura em Pescas e Ciências Aquáticas. Licenciatura em Pescas e Ciências Aquáticas. Trabalha há mais de 15 anos em aspectos de gestão da pesca costeira e marinha. Trabalhou inicialmente como Investigador Associado no KMFRI entre 2011-2018, Professor a tempo parcial na Universidade Técnica de Mombaça no Departamento de Ciências do Ambiente e da Saúde, secção de Ciências Marinhas (até à data) e atualmente como Especialista em Biodiversidade Aquática no Gabinete Interafricano de Recursos Animais da União Africana (AU-IBAR) desde 2022. As experiências do Sr. Mokenye abrangem a investigação científica, a gestão das pescas, a gestão dos ecossistemas aquáticos através da utilização de quadros MPAs, MCS e MSP e uma vasta gama de consultoria a nível nacional, regional e internacional. A sua experiência multidisciplinar em ciências marinhas e das pescas abrange a ecologia marinha e das pescas, a oceanografia, a avaliação do impacto ambiental e social de projectos, a economia azul concetual, o ambiente bentónico, a poluição ambiental e marinha por plásticos. Desempenhou uma série de tarefas, incluindo: Projeto de Desenvolvimento Costeiro do Quénia (KCDP) financiado pelo Banco Mundial; Estudo de Diagnóstico sobre as Fontes, Caminhos e Impactos do Lixo Marinho no Projeto Costeiro do Quénia, financiado pelo Banco Mundial e executado em parceria com a Cardno Emerging Markets Ltd" ao longo da costa do Quénia; Small Scale Fisheries Management in the Transboundary conservation area in Southern Kenya - WCS- BAF-Project; Standing Stock Marine Litter Survey along Kenya's coastline" (Um estudo conjunto entre a CSIRO e o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA); Desenvolveu um programa de conservação e formou grupos de conservação locais para o estabelecimento de LMMAs/CCAs/CMAs no baixo rio Tana, costa norte do Quénia; coordenou um projeto comunitário de restauração de zonas húmidas na Área de Co-Gestão de Kilelengwani, baixo rio Tana, costa norte do Quénia; e está atualmente a implementar o projeto "Conservação da biodiversidade aquática na economia azul africana" na AU-IBAR, onde as comunidades económicas regionais (RECs), as RFMOs, os BMs e os estados membros da UA são parceiros de implementação.

WG4_Susanna_DeBeauville_Scott

Susanna DeBeauville-Scott

Susanna possui mais de 20 anos de experiência no domínio da conservação e do desenvolvimento sustentável e tem experiência direta nas seguintes áreas: desenvolvimento e implementação de medidas de adaptação às alterações climáticas e de redução do risco de catástrofes; gestão de áreas protegidas; gestão da biodiversidade; gestão das pescas; gestão integrada das zonas costeiras; governação dos oceanos e planeamento espacial marinho; avaliação do impacto ambiental; gestão de resíduos; e desenvolvimento de políticas. É também uma gestora de projectos certificada, com experiência na gestão de projectos nacionais e regionais nas Caraíbas. Susanna trabalha atualmente com a Comissão da Organização dos Estados das Caraíbas Orientais (OECS), onde presta apoio técnico e gere projectos em matéria de economia azul, incluindo a gestão de resíduos e a redução da poluição.

Emma Hospes

Emma Hospes

Emma é Directora de Ambiente Estratégico e Licenciamento e trabalha há mais de 15 anos em temas associados à gestão do impacto ambiental e ecológico no ambiente marinho e costeiro. A Ørsted é uma das maiores empresas de energias renováveis do mundo e líder global em energia eólica offshore. Em 2021, a Ørsted estabeleceu uma ambição de biodiversidade líder no sector. No mesmo ano, tornou-se a primeira empresa de energia a ter o seu objetivo de emissões líquidas nulas validado pela iniciativa Science-Based Targets. A empresa tem estado na vanguarda da transição para a energia verde e da gestão sustentável dos oceanos e defende a integração de acções sobre o clima e a biodiversidade. O papel de Emma na Ørsted abrange uma vasta gama de tópicos associados ao ambiente marinho e oceânico. Representa as equipas líderes mundiais de ambiente e licenciamento da Ørsted, que incluem mais de 120 cientistas marinhos e ambientais, peritos em políticas e gestores de partes interessadas que trabalham com comunidades locais e na identificação e gestão de impactos ambientais em países de todo o mundo. A sua equipa é também responsável pela gestão do programa global de investigação da Ørsted sobre o ambiente marinho e pela implementação do programa global de biodiversidade da Ørsted, líder no sector. Antes de entrar para a Ørsted, Emma trabalhou em consultoria ambiental e desempenhou funções de política marinha e ambiental no governo nacional e local do Reino Unido. Tem uma licenciatura em Biologia Marinha e Oceanografia pela Universidade de Southampton e um mestrado em Gestão Ecológica pelo Imperial College de Londres.

Erik Giercksky

Erik Giercksky

Erik Giercksky lidera o trabalho do Pacto Global da ONU sobre os Oceanos desde janeiro de 2018. O UNGC é o principal organismo das Nações Unidas para a cooperação com as empresas internacionais e é, com as suas 12 000 empresas signatárias e 4 000 organizações da sociedade civil, a maior iniciativa de sustentabilidade do mundo. O conselho de administração do UNGC é presidido pelo Secretário-Geral da ONU, António Guterres. A UNGC Ocean Stewardship Coalition é constituída por empresas marítimas e marinhas líderes a nível mundial, bem como por instituições académicas, organizações centrais das Nações Unidas e ONG. Desde a sua criação, o trabalho tem sido um fator normativo significativo para o trabalho de sustentabilidade nas indústrias relacionadas com os oceanos. De particular importância foi o estabelecimento dos Princípios do Oceano Sustentável durante a Assembleia Geral da ONU em 2019. Giercksky é também o principal autor do documento de referência sobre obrigações azuis, um documento de referência para o trabalho do mercado obrigacionista sobre a sustentabilidade das empresas relacionadas com os oceanos e parte da abordagem do Banco Mundial. Giercksky trabalhou anteriormente como diretor de comunicações na Associação Norueguesa de Armadores e desempenhou funções de liderança em várias empresas e organizações. Giercksky iniciou a sua carreira como diplomata norueguês e fez parte da equipa que liderou o trabalho da Noruega nos processos de paz em diferentes partes do mundo. Giercksky tem um mestrado da London School of Economics e da Universidade de Oslo.

Torsten Thiele

Torsten Thiele

Torsten Thiele é membro honorário do Plymouth Marine Laboratory, Reino Unido e bolseiro afiliado no Instituto de Investigação para a Sustentabilidade, Helmholtz Centro de Potsdam, Alemanha. Trabalha na governação dos oceanos e e finanças azuis sustentáveis, com base em mais de 20 anos de experiência em em financiamento de projectos e infra-estruturas com instituições financeiras de renome e uma década de de investigação sobre os oceanos. É fundador da Global Ocean Trust, consultor estratégico consultor estratégico do Mecanismo de Financiamento do Capital Natural Azul da UICN e consultor sénior para a Aliança de Ação para o Risco e Resiliência dos Oceanos (ORRAA) e actua como consultor de governos e outras partes interessadas nos oceanos. As suas publicações recentes abordam a política climática, infra-estruturas costeiras, soluções baseadas na natureza soluções baseadas na natureza e financiamento inovador dos oceanos (H-Index 15, 1099 citações). Torsten Thiele é licenciado pelas universidades de Cambridge, Bona e Harvard

admin-ajax

Erika Harms

Mais pormenores em breve.

joe

Joseph Appiott

Joe Appiott coordena o trabalho sobre biodiversidade marinha, costeira e insular no Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD). No Secretariado da CBD, Joe trabalha com governos, organizações internacionais e outras partes interessadas para apoiar a implementação da Convenção. Este trabalho inclui a facilitação da descrição e mapeamento de áreas marinhas ecológica ou biologicamente significativas (EBSAs), a coordenação de actividades de reforço de capacidades e a síntese de conselhos políticos relacionados com as pressões sobre a biodiversidade marinha. O trabalho da Joe inclui também a coordenação com outras agências das Nações Unidas e processos multilaterais, bem como a contribuição para os mesmos, no que respeita a questões relacionadas com a biodiversidade marinha, costeira e insular. 

WG4_Vivienne_Solis_Rivera

Vivienne Solis Rivera

Vivienne Solis Rivera é bióloga pela Universidade da Costa Rica. Mestre em Sistemática e Ecologia pela Universidade de Lawrence/Kansas, EUA. Biologia. Com mais de 30 anos de experiência na conservação da biodiversidade na Mesoamérica e nas Caraíbas. O seu trabalho nos últimos 30 anos tem sido desenvolvido no domínio da conservação marinha e dos direitos humanos, liderando os contributos da sociedade civil, dos governos e das organizações de pesca para a implementação das directrizes do SSF na sua região e promovendo modelos de governação do IPLC para uma conservação marinha mais equitativa, eficiente e eficaz. Faz parte da CoopeSoliDar R.L., uma Cooperativa de Solidariedade Social sediada na Costa Rica que promove a conservação da diversidade biológica e cultural como principal ativo para a resiliência dos Povos Indígenas e das comunidades locais a novos desafios e oportunidades. Faz parte do Conselho de Administração do Coletivo Internacional para o apoio aos trabalhadores da pesca e é membro honorário do Consórcio ICCA, das Comissões CEESP e de Áreas Protegidas da UICN e do grupo Major da ONU Mulheres, entre outros, a nível internacional.

WG3_Stefan_Gelcich

Stefan Gelcich

Stefan Gelcich é um biólogo marinho que trabalha na Universidade Católica do Chile e estuda as ligações e as reacções entre os sistemas sociais e ecológicos. Está particularmente interessado em fazer avançar a ciência que contribui para a gestão sustentável dos oceanos costeiros. Nos últimos 20 anos, fez parte de vários projectos e centros interdisciplinares onde conduziu investigação centrada no comportamento humano, nos serviços dos ecossistemas e na ecologia. Em todos os projectos, Stefan contribui ligando as dimensões sócio-ecológicas. Os temas actuais dos projectos incluem a conservação e gestão marinha, a capacidade de adaptação das indústrias costeiras e a pesca ilegal, entre outros. A investigação tem sido financiada por instituições nacionais e internacionais. Stefan é o diretor do Instituto Milenio en Socio-ecologia Costera.

Louise Heaps

Louise Heaps

Louise Heaps é a líder global do WWF em economia azul sustentável, com foco em influenciar o financiamento convencional e os facilitadores de políticas, bem como abordar as barreiras para fornecer uma economia azul sustentável inclusiva nos níveis da comunidade costeira. Louise trabalha na conservação dos oceanos e na gestão dos recursos naturais há mais de 25 anos, liderando políticas oceânicas e programas de campo no norte e no sul do mundo, com 5 anos na região das Ilhas do Pacífico como Directora de Conservação do WWF Pacífico Sul. Posteriormente, liderou o programa nacional e internacional do WWF-UK para os oceanos antes de se tornar conselheira-chefe para os mares. Depois de concluir um MBA na Universidade de Exeter em 2016, Louise liderou o processo de desenvolvimento dos Princípios Financeiros da Economia Azul Sustentável em parceria com a Comissão Europeia, o Banco Europeu de Investimento e a Unidade Internacional de Sustentabilidade do Príncipe de Gales. É agora membro do grupo de direção da UNEP FI para a Iniciativa de Financiamento da Economia Azul Sustentável e do Conselho de Direção da Aliança de Ação para o Risco e Resiliência dos Oceanos.

WG4_William_Kostka

William N Kostka

William N Kostka é um conservacionista dedicado e defensor de iniciativas de desenvolvimento sustentável na Micronésia. Desde que se juntou ao Micronesia Conservation Trust (MCT) em 2006, tem desempenhado um papel fundamental na transformação da organização num líder global reconhecido na conservação e adaptação às alterações climáticas. A liderança visionária de Kostka levou a realizações notáveis, posicionando o MCT como uma das poucas entidades credenciadas nacionalmente para o Fundo de Adaptação e o Fundo Verde para o Clima no Pacífico. Este sucesso sublinha o seu empenho em assegurar o financiamento de projectos de conservação cruciais. Sob a orientação de Kostka, o MCT adquiriu mais de 50 milhões de dólares em subsídios e fundos, promovendo esforços de colaboração com parceiros regionais. Este apoio financeiro permitiu a implementação de iniciativas de conservação com impacto que salvaguardam o património natural da Micronésia, incentivam o desenvolvimento sustentável e aumentam a resistência dos ecossistemas e das comunidades. As contribuições de Kostka foram reconhecidas com a prestigiada Pew Marine Fellowship em 2006, reconhecendo o seu papel fundamental no lançamento da Micronesia Challenge Initiative, um empreendimento de referência na conservação dos recursos naturais. O seu envolvimento demonstra a sua dedicação à resolução dos desafios ambientais e a sua capacidade de unir as partes interessadas em prol de um objetivo comum. Para além da MCT, Kostka participa ativamente em conselhos e redes nacionais, regionais e internacionais. Como membro fundador da Comunidade de Áreas Geridas e Protegidas das Ilhas do Pacífico e da Micronesians in Island Conservation Peer Learning Networks, ele promove a colaboração e a partilha de conhecimentos entre os profissionais de conservação do Pacífico. O seu empenho é ainda evidente em funções em conselhos como o Subcomité Sub-regional do PIFS sobre Regionalismo, o Conselho Consultivo do Pacífico do Fundo Global Greengrants e a IUCN-WCPA. A profunda dedicação de Kostka à formação de líderes emergentes é evidente na sua criação de estágios, bolsas de estudo e bolsas de estudo através do MCT. Estas oportunidades capacitam os talentos da Micronésia a contribuir para a conservação e o desenvolvimento sustentável. A profunda dedicação de William N Kostka, a sua liderança estratégica e o seu envolvimento ativo em iniciativas de conservação regionais e internacionais valeram-lhe um lugar respeitado na comunidade global de conservação. Através dos seus esforços incansáveis, continua a promover mudanças positivas, assegurando a preservação dos recursos naturais da Micronésia para as gerações futuras.

Ronnie Noonan-Birch

Ronnie Noonan-Birch

Ronnie Noonan-Birch é uma sócio-ecologista marinha que trabalha no Ocean Frontier Institute em Halifax, Nova Escócia, Canadá. O seu trabalho centra-se na intersecção entre as pessoas e o oceano, especificamente na forma como o bem-estar humano está intrinsecamente ligado à saúde do oceano. Ronnie concluiu recentemente a sua investigação de mestrado que operacionalizou os ODS para criar um padrão de Economia Azul para o Canadá que seja socialmente equitativo, ambientalmente sustentável e economicamente viável. Ronnie é também uma das co-fundadoras da ECOP Canadá, um nó nacional do Programa de Rede ECOP aprovado pela Década das Nações Unidas.

Aboud S. Jumbe

Aboud S. Jumbe

O Dr. Aboud S. Jumbe é o Secretário Principal do Ministério da Economia Azul e das Pescas, Zanzibar, na República Unida da Tanzânia. O Dr. Jumbe tem estado envolvido em vários processos de diálogo e desenvolvimento na implementação dos processos de Governação dos Oceanos, Economia Azul e Planeamento Espacial Marinho, centrando-se no Oceano Índico Ocidental (WIO) e na Área da Convenção de Nairobi do PNUA. Além disso, o Dr. Jumbe também participou em programas relacionados com iniciativas de Economia Azul na região do WIO apoiados pela Comissão do Oceano Índico (IOC), Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), Associação da Orla do Oceano Índico (IORA) e PNUD. No âmbito da Convenção de Nairobi do PNUA, o Dr. Jumbe participou em várias iniciativas dos Fóruns das Regiões Marinhas e nas aspirações de desenvolver uma Estratégia de Governação dos Oceanos através dos Programas Regionais dos Mares - criando uma parceria eficaz e multilateral para uma futura gestão das Áreas Fora da Jurisdição Nacional, especialmente na Região Ocidental do Oceano Índico. O Dr. Jumbe tem sido membro de diferentes plataformas sobre os oceanos na região da OMI, incluindo o "Fórum das Regiões Marinhas" e o "Nosso Futuro Azul". Tem um bacharelato. (Geral) em Botânica, Química e Zoologia pela Universidade de Deli (2000). Possui também os graus de Mestre e Doutor, respetivamente, em Ciências Ambientais, pela Universidade de Bangalore (Índia).

WG4_Marie-Maio Jeremie

Marie-Maio Jeremie

Marie-Maio Jeremie é a Directora Executiva do Seychelles Conservation and Climate Adaptation Trust (SeyCCAT). Marie-Maio tem um Mestrado em Ambiente pela Universidade de Melbourne e uma licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Edith Cowan. A Sra. Jeremie é uma executiva sénior altamente qualificada com grande interesse e experiência em conservação da biodiversidade, governação dos oceanos, defesa da ciência para a política e estabelecimento e gestão de áreas protegidas nas Seychelles. É uma bióloga de conservação formada que tem estado ativamente envolvida na conservação da biodiversidade nacional e na gestão ambiental, bem como no desenvolvimento de políticas e legislação ambiental nas Seychelles. Nos últimos 13 anos, tem estado ativa em trabalhos de conservação, tanto a nível governamental como de organizações não governamentais. É também uma negociadora experiente em acordos multilaterais no domínio do ambiente, incluindo, entre outros, a Convenção sobre a Diversidade Biológica, a Convenção de Nairobi, a CITES e a Biodiversidade para além da Jurisdição Nacional (BBNJ), tendo participado em vários conselhos de administração nos sectores do ambiente, da conservação e da gestão dos recursos. Antes de se juntar ao SeyCCAT, Marie-Maio foi Directora-Geral da Divisão de Conservação e Gestão da Biodiversidade, onde se concentrou no estabelecimento e implementação de todas as políticas e legislação relacionadas com a biodiversidade. Desempenhou um papel fundamental como líder política para a governação dos oceanos, incluindo o trabalho sobre o Plano Espacial Marinho das Seychelles, onde ainda faz parte do Comité de Direção. A Sra. Jeremie é também a atual Presidente do Conselho de Administração da Associação das Ciências Marinhas do Oceano Índico Ocidental (WIOMSA).

Grupo de Trabalho 5: Desbloquear soluções baseadas no oceano para as alterações climáticas

Co-Presidentes:

WG5_Carol_Robinson

Carol Robinson

Carol Robinson é professora de Ciências Marinhas na Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Dirige uma equipa de investigação que estuda o papel das bactérias marinhas, do fitoplâncton e do zooplâncton no ciclo global do carbono e do oxigénio e a forma como este varia com a alteração das condições ambientais, como o aumento do fornecimento de nutrientes, da temperatura e do dióxido de carbono e a diminuição do oxigénio dissolvido. Carol é membro da Royal Society of Biology, ex-presidente da Challenger Society for Marine Science e ex-presidente da rede de investigação global IMBeR (Integrated Marine Biosphere Research) do SCOR/Future Earth. Atualmente, é copresidente do Grupo de Peritos do COI para a Investigação Integrada do Carbono Oceânico (COI-R) e copresidente do programa da Década das Nações Unidas sobre Emissões Negativas de Carbono nos Oceanos (ONCE).

WG5_Christopher_Sabine

Christopher Sabine

Christopher L. Sabine é Vice-Reitor interino de Investigação e Bolsas de Estudo da Universidade do Havai em Mānoa e professor catedrático no Departamento de Oceanografia. Obteve o seu doutoramento em oceanografia química na UHM em 1992. Desde essa altura, publicou mais de 160 artigos em revistas e capítulos de livros sobre o ciclo do carbono, as alterações climáticas e a acidificação dos oceanos. A sua investigação atual centra-se na compreensão do ciclo global do carbono, no papel do oceano na absorção do CO2 libertado pela atividade humana e na acidificação dos oceanos. Foi consultor científico de vários programas nacionais de carbono nos EUA e a nível internacional. Ganhou vários prémios, incluindo o Prémio Medalha de Ouro do Departamento de Comércio dos EUA pela investigação pioneira que levou à descoberta do aumento da acidificação nos oceanos do mundo e foi reconhecido pelo Programa Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) pelas suas contribuições para o IPCC quando lhe foi atribuído o Prémio Nobel da Paz em 2007.

Membros especialistas:

Courtney McGeachy

Courtney McGeachy

Courtney McGeachy é atualmente Directora do Ocean Visions - Centro Colaborativo da Década das Nações Unidas para Soluções Climáticas para os Oceanos. Anteriormente, Courtney dirigiu o Programa GOLD+ (planetGOLD) na Conservation International. Antes de se juntar à Conservation International, Courtney foi Directora do Pew Marine Fellows Program na Pew Charitable Trusts, bem como Gestora do portfólio de Conservação Marinha na National Fish and Wildlife Foundation. Durante o seu tempo na National Fish Wildlife Foundation, Courtney geriu vários programas de conservação marinha, incluindo o Programa de Pesca para Energia, o Programa de Conservação dos Recifes de Coral e o Programa de Subsídios de Emergência Prescott, só para citar alguns. Courtney tem uma licenciatura em Ciências Marinhas e Ambientais da Universidade de Hampton e um mestrado em Ciências Marinhas e Estuarinas da Universidade de Maryland Eastern Shore. Anteriormente, Courtney também foi copresidente de Integridade, Diversidade e Equidade na Citizen Science Association.

Fangli Qiao

Fangli Qiao

O Dr. Fangli Qiao, membro da Academia Europeia (MAE), académico da Academia Internacional de Ciências da Eurásia e editor-chefe da revista Ocean Modelling, é professor catedrático de oceanografia física e diretor-geral adjunto do Primeiro Instituto de Oceanografia (FIO) do Ministério dos Recursos Naturais da China. Os seus interesses de investigação abrangem desenvolvimento de modelos oceânicos e climáticos, dinâmica oceânica, turbulência e interação ar-mar, etc.. Descobriu o papel fundamental das ondas superficiais de pequena escala na circulação oceânica de grande escala e no sistema climático global através da modulação da turbulência oceânica (Bv) e dos fluxos ar-mar, designada por Teoria de Qiao. A teoria tem sido utilizada por dezenas de centros de investigação de diferentes países e todos os modelos oceânicos e climáticos foram dramaticamente melhorados. Desenvolveu o primeiro modelo oceânico de nova geração de ondas de superfície, marés e circulação, totalmente acoplado (FIO-COM), que supera o desafio de meio século de profundidade da camada mista simulada no oceano superior, demasiado rasa, e a temperatura da superfície do mar sobrestimada, especialmente no verão, o modelo de tufão/furacão acoplado à atmosfera-oceano-ondas (FIO-AOW), que melhora consideravelmente a capacidade de previsão da intensidade do tufão, que tem sido um estrangulamento durante várias décadas, e o modelo do sistema terrestre, incluindo ondas de superfície (FIO-ESM v1.0 e 2.0), que elimina mais de metade das tendências tropicais de longa data. O Dr. Qiao é membro do Grupo de Planeamento Executivo e do Conselho Consultivo da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável. Recebeu numerosos prémios académicos, incluindo o Prémio Wooster do PICES, os Prémios Nacionais de Inovação da China, etc. Tem mais de 400 publicações em revistas científicas com revisão por pares.

sam

Dhrubajyoti Samanta (Dhruba)

O Dr. Dhrubajyoti Samanta (Dhruba) é investigador sénior no Observatório da Terra de Singapura na Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU), Singapura. É também investigador afiliado no Instituto Cooperativo de Investigação em Ciências Ambientais da Universidade do Colorado em Boulder, EUA. Antes de se juntar à NTU, Dhruba trabalhou como investigador de pós-doutoramento na Universidade de Aizu, Japão, e na Universidade Texas A&M no Qatar. Dhruba obteve o seu doutoramento no Instituto Indiano de Tecnologia de Kharagpur, Índia. Dhruba é membro do Painel da Região do Pacífico da CLIVAR e membro do grupo de trabalho internacional de Mudanças Globais Passadas (PAGES) CoralHydro2K. É membro vitalício da Ocean Society of India e da The Indian Science Congress Association. Dhruba trabalhou em vários projectos interdisciplinares em seis países (incluindo Índia, Qatar, Japão, Singapura, EUA e Noruega). Contribuiu significativamente para a compreensão da dinâmica dos oceanos e do clima na região tropical do Indo-Pacífico e para melhorar as suas simulações em modelos climáticos. Três das recentes publicações de primeira autoria de Dhruba são citadas no 6º Relatório de Avaliação do IPCC (AR6). Esteve ativamente envolvido nos processos de revisão de vários capítulos do IPCC AR6. Reviu várias subvenções e mais de 130 publicações em revistas internacionais de renome. Dhruba recebeu vários prémios, como o de revisor excecional e o de revisor de confiança, pelo seu empenho na integridade científica. Está ativamente envolvido no ensino, na supervisão, na obtenção de financiamento para a investigação e em actividades de divulgação. A investigação de Dhruba incide na dinâmica dos oceanos e do clima e na sua representação em modelos climáticos. O seu principal objetivo é compreender e prever o papel da dinâmica oceânica que determinou as alterações climáticas tropicais no passado e que irá moldar essas alterações no futuro. A sua investigação centra-se especificamente na modelação climática, nos estudos do nível do mar, nas monções, nos ciclones tropicais e nas interacções oceano-atmosfera.

Richard Bellerby

Richard Bellerby

Richard Bellerby é cientista principal no Instituto Norueguês de Investigação da Água, Bergen, Noruega, diretor do Centro SKLEC-NIVA de Investigação Marinha e Costeira, Universidade Normal da China Oriental, Xangai, China e professor adjunto na Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade UCSI, Kuala Lumpur, Malásia. Com formação como biogeoquímico marinho, investiga a interação entre as alterações climáticas e oceânicas, os ecossistemas marinhos e os serviços ecossistémicos, com uma ênfase crescente na socioecologia. Publicou mais de 150 artigos de investigação e capítulos de livros. É líder do grupo de trabalho AMAP Acidificação dos Oceanose autor principal do Grupo de Peritos em Clima do AMAP Grupo de Peritos sobre o Climae co-líder do grupo de trabalho IMBeR-Future Earth Coasts Grupo de Trabalho sobre Margens Continentaismembro do Comité Executivo da Rede Mundial de Observação da Acidificação dos Oceanosmembro do comité diretor do Centro Regional do Sul da Ásia para a Acidificação dos Oceanose copatrocinador do programa programa da Década OARS e coordenador regional do programa Programa da Década GO-BC.

Sónia Batten

Sónia Batten

Sonia Batten tem uma formação científica como oceanógrafa biológica, estudando o plâncton e o seu papel no ecossistema oceânico. Iniciou o inquérito do registador contínuo de plâncton do Pacífico Norte (CPR) e foi a sua coordenadora de 2000 a 2020, tendo contribuído para mais de 35 artigos baseados nos dados do inquérito. Durante a última parte desta função, foi também membro do painel GOOS Bio-Eco e presidiu à Aliança Global de Inquéritos CPR. Em abril de 2020, tornou-se Secretária Executiva da Organização de Ciências Marinhas do Pacífico Norte (PICES). O PICES é uma organização científica intergovernamental que promove a investigação marinha colaborativa no norte do Pacífico Norte e nos mares adjacentes nos seis países membros que fazem fronteira com a região (Canadá, Japão, República Popular da China, República da Coreia, Federação Russa e Estados Unidos da América). As prioridades do PICES são promover a recolha e o rápido intercâmbio de informações científicas sobre o ambiente oceânico, as alterações climáticas, os recursos vivos e os seus ecossistemas, e os impactos das actividades humanas no Pacífico Norte. O PICES patrocina e organiza conferências internacionais e eventos de desenvolvimento de capacidades, bem como a sua própria reunião anual, para facilitar, promover e divulgar conhecimentos científicos sobre estas questões.

Liliana Bastian

Liliana Bastian

Liliana Bastian, PhD, é Oficial de Programa na Ocean Visions, onde apoia iniciativas estratégicas para o Centro Colaborativo Ocean Visions-Década das Nações Unidas para Soluções Climáticas Oceânicas e o Ecossistema Global para Soluções Oceânicas (GEOS), uma ação endossada pela Década das Nações Unidas. É uma cientista social marinha com formação em geografia humana e desenvolvimento sustentável. Antes de se juntar à Ocean Visions, Liliana conduziu investigação participativa sobre justiça marinha e implementou projectos de capacitação multi-setorial em desenvolvimento sustentável e resiliência climática nos EUA, Reino Unido e Sudeste Asiático. Liliana tem um doutoramento em Geografia Humana pela Universidade de Exeter, um mestrado em Assuntos Marinhos pela Universidade de Washington e um bacharelato em Geociências Ambientais pela Universidade Texas A&M. 

Richard Sanders

Richard Sanders

Richard Sanders trabalha no NORCE em Bergen e é coordenador do projeto OceanICU do Horizonte Europa. Participou numa vasta gama de projectos de bombas biológicas oceânicas ao longo dos últimos 25 anos e passou recentemente para uma função mais orientada para a política como diretor do Centro Temático dos Oceanos no Sistema Integrado de Observação do Carbono. Antes de se mudar para Bergen, foi presidente do Grupo de Investigação de Biogeoquímica e Ecossistemas Oceânicos no Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido. É titular de uma cadeira honorária em biogeoquímica oceânica na Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Galen McKinley

Galen McKinley

Galen McKinley é Professor de Ciências da Terra e do Ambiente na Universidade de Columbia e no Lamont-Doherty Observatório da Terra. É Directora Adjunta do Centro para a Aprendizagem da Terra com Inteligência Artificial e Física (LEAP), um Centro de Tecnologia Científica (STC) da NSF para 2021-2026. O Professor McKinley é um cientista dos oceanos, do ciclo do carbono e do clima, cuja investigação se centra nos factores físicos, químicos e ecológicos do sumidouro de carbono antropogénico dos oceanos, a escalas que vão do regional ao global. As suas ferramentas de investigação incluem modelos do oceano e do clima, conjuntos de dados in situ e de satélite e aprendizagem automática. A Professora McKinley tem uma licenciatura em Engenharia Civil pela Universidade de Rice e um doutoramento em Física e Química do Clima pelo MIT. É membro do Conselho de Estudos dos Oceanos das Academias Nacionais dos EUA e da Mesa Redonda sobre Segurança Climática das Academias Nacionais dos EUA. Entre as suas distinções contam-se o prémio Ocean Science Voyager 2020 da União Geofísica Americana e, em 2011, o prémio Class of 1955 Teaching Award da Universidade de Wisconsin - Madison.

WG5_VVSS-Sarma

V.V.S.S. Sarma

V.V.S.S. Sarma é o Instituto Nacional de Oceanografia do CSIR, Cientista-Chefe e Diretor Regional do seu centro regional em Visakhapatnam e professor na Academia de Investigação Científica e Inovadora (AcSIR). Obteve o seu doutoramento em oceanografia química na Universidade de Goa em 1999. Desde então, publicou mais de 175 artigos em revistas e capítulos de livros sobre o ciclo do carbono, oxigénio e azoto, alterações climáticas, química dos aerossóis e acidificação dos oceanos através de observações, deteção remota e modelos numéricos. A sua investigação atual centra-se na troca ar-mar de CO2 no Oceano Índico, na zona mínima de oxigénio, na acidificação dos oceanos e no papel do impacto humano na biogeoquímica do ciclo do carbono, do azoto e do oxigénio no Oceano Índico. É membro do comité consultivo de investigação de vários laboratórios na Índia e no estrangeiro e também membro do Comité Consultivo de Peritos para o tema "Oceanos" do Grupo de Trabalho para a Sustentabilidade Climática no âmbito do G20, Ministério do Ambiente, das Florestas e das Alterações Climáticas e membro do Comité Diretor Nacional do Azoto para a aplicação da Resolução UNEA4 sobre a gestão sustentável do azoto na Índia, Ministério do Ambiente, das Florestas e das Alterações Climáticas. Faz parte do grupo de peritos das Nações Unidas. Recebeu vários prémios nacionais e internacionais, incluindo o Prémio Nacional de Ciências e Tecnologias dos Oceanos, o Prémio Hidaka para publicações excepcionais e o Prémio para Jovens Cientistas. É membro da Academia Nacional de Ciências, Bengaluru, Índia.

Kelly Ortega

Kelly Ortega

Kelly é investigadora no Departamento de Ciências Biológicas da Universidade da Cidade do Cabo. Tem formação em biologia e ciências da pesca e a sua investigação centra-se na utilização de modelos de ecossistemas para investigar o funcionamento dos ecossistemas marinhos e apoiar a gestão baseada em ecossistemas. Os seus interesses de investigação incluem também a influência da variabilidade ambiental e das alterações climáticas nos ecossistemas marinhos, bem como a vulnerabilidade e a capacidade de adaptação dos ecossistemas às alterações climáticas. Kelly é co-coordenadora dos modelos regionais do Projeto de Intercomparação de Modelos de Pescas e Ecossistemas Marinhos (FishMIP), que visa compreender e projetar melhor os impactos das alterações climáticas nas pescas e nos ecossistemas marinhos.

Robert Blasiak

Robert Blasiak

Robert é investigador no Centro de Resiliência de Estocolmo (SRC) da Universidade de Estocolmo, onde se concentra em diferentes aspectos da ciência dos oceanos, incluindo a vulnerabilidade e o risco associados às alterações climáticas, a alteração das normas de gestão dos oceanos e as questões de equidade e transparência associadas à utilização dos recursos genéticos marinhos e da biotecnologia. Robert é membro do Comité Científico da Plataforma para os Oceanos e o Clima, membro do conselho editorial do ICES Journal of Marine Science, participante na Coligação para a Gestão dos Oceanos do Pacto Global das Nações Unidas, membro do Comité de Revisão de Peritos para o Índice de Gestão dos Produtos do Mar e coordena a contribuição científica para a iniciativa SeaBOS (Seafood Business for Ocean Stewardship). Atualmente, lidera o projeto FORMAS sobre "A indústria da biotecnologia marinha e a governação equitativa dos recursos genéticos marinhos" e é co-líder do tema de investigação "Oceano Humano" do SRC. Antes de se juntar ao SRC, Robert trabalhou como investigador no Laboratório de Ciências Globais das Pescas na Universidade de Tóquio e como responsável pelas comunicações na Universidade das Nações Unidas. Anteriormente, foi investigador sénior no Programa NEREUS da Fundação Nippon, bem como investigador visitante na Universidade de Tóquio e na Universidade das Nações Unidas.

Andrea Lira Loarca

Andrea Lira Loarca

Andrea é uma cientista costeira e investigadora no grupo de investigação MeteOcean da Universidade de Génova, Itália. Tem um doutoramento da Universidade de Granada, em Espanha, e da Universidade de Parma, em Itália, especializado em Gestão Costeira. A sua investigação centra-se na modelação de alta resolução de ondas e tempestades e na sua alteração devido aos efeitos das alterações climáticas e aos impactos costeiros devidos a riscos compostos. Recentemente, Andrea recebeu uma bolsa do Selo de Excelência para Jovens Investigadores do Ministério da Universidade e Investigação italiano para desenvolver um projeto centrado na avaliação melhorada de futuros riscos múltiplos costeiros e riscos compostos no Mar Mediterrâneo. Andrea participou em vários projectos de investigação internacionais e colabora com investigadores de todo o mundo. É a coordenadora nacional guatemalteca dos Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira da América Central da Década dos Oceanos da ONU. Tem mais de 35 contribuições para revistas e conferências internacionais de topo no domínio das ciências costeiras e climáticas.

admin-ajax

Suchana Chavinich

Mais pormenores em breve.

richardsanders

Richard Sanders

Richard trabalha no NORCE em Bergen e é coordenador do projeto OceanICU do Horizonte Europa. Participou numa vasta gama de projectos de bombas biológicas oceânicas ao longo dos últimos 25 anos e passou recentemente para uma função mais orientada para a política como diretor do Centro Temático dos Oceanos no Sistema Integrado de Observação do Carbono. Antes de se mudar para Bergen, foi presidente do Grupo de Investigação de Biogeoquímica e Ecossistemas Oceânicos no Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido. É titular de uma cadeira honorária em biogeoquímica oceânica na Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Sophia Laarissa

Sophia Laarissa

Sophia Laarissa é estudante de doutoramento em Direito do Mar na Universidade Cadi Ayyad em Marraquexe, Marrocos. Detentora de uma bolsa de investigação de excelência nacional, a sua tese centra-se na "Definição e resolução de litígios relacionados com investimentos no mar". Sophia contribui ativamente como membro do Laboratório de Investigação em Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e da Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas. Além disso, é coordenadora da equipa de trabalho da ECOP África sobre literacia oceânica e reforço de capacidades. Participa ativamente em eventos nacionais e internacionais, como a formação ao ar livre da Academia de Direito Internacional de Haia sobre "O Direito do Mar", a conferência "Mulheres no Direito do Mar", organizada pela Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos, e moderou recentemente o evento "Dia Africano dos Mares e Oceanos", organizado pela ECOP África em colaboração com a IOC-África. Sophia também apresentou comunicações sobre temas como "Literacia dos Oceanos" e "A sobreposição de mecanismos de resolução de litígios no Direito do Mar e no Direito da OMC". Acredita no papel crítico da transdisciplinaridade na compreensão da complexidade e diversidade dos componentes do sistema oceânico e na abordagem dos desafios presentes e futuros no contexto do desenvolvimento do processo da Visão da Década dos Oceanos.

Jess Melbourne-Thomas

Jess Melbourne-Thomas

A Dra. Jess Melbourne-Thomas é investigadora transdisciplinar e mediadora de conhecimentos, e lidera uma equipa de sistemas socioecológicos marinhos na CSIRO Environment em Hobart. Tem experiência em modelação matemática e ciência das alterações climáticas na Antárctida, e o seu trabalho centra-se na ligação da investigação à tomada de decisões para a sustentabilidade e adaptação às alterações climáticas. Jess foi autora principal do Relatório Especial de 2019 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) sobre os Oceanos e a Criosfera em um Clima em Mudança e é co-convocadora do programa internacional MEASO (Avaliação do Ecossistema Marinho para o Oceano Austral).

Grupo de Trabalho 6: Aumentar a resiliência da comunidade aos riscos oceânicos

Co-Presidentes:

Srinivasa_Kumar(1)

Srinivasa Kumar Tummala

O Dr. Srinivasa Kumar Tummala tem um doutoramento em Ciências Marinhas e fez contribuições impactantes para o campo da oceanografia operacional e dos sistemas de alerta precoce de múltiplos perigos costeiros. Trabalhando no Centro Nacional Indiano de Serviços de Informação sobre os Oceanos (INCOIS) do Ministério das Ciências da Terra (MoES), sediado em Hyderabad, desde 2004, foi responsável pela implementação de vários projectos importantes, incluindo os Avisos de Zona de Pesca Potencial, Mapeamento de Vulnerabilidade a Riscos Múltiplos, Sistema de Alerta de Branqueamento de Recifes de Coral, Investigação Costeira e Oceanográfica por Satélite, etc. Após o tsunami de 2004, coordenou o estabelecimento bem sucedido do Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Índia, como um projeto multi-institucional. O centro de alerta precoce de tsunami, sediado no INCOIS, é identificado como um dos prestadores de serviços de tsunami no âmbito do Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunami do Oceano Índico (IOTWMS) da Comissão Oceanográfica Intergovernamental (IOC) da UNESCO. Entre outubro de 2016 e agosto de 2020, trabalhou com o COI-UNESCO como Chefe do Secretariado do IOTWMS em Perth, Austrália. Durante este período, foi fundamental no reforço do sistema regional de alerta precoce de tsunamis em colaboração ativa com 28 Estados-Membros, na harmonização global das operações de observação de tsunamis e na implementação do programa de reconhecimento da comunidade Tsunami Ready. Tendo iniciado a sua carreira científica com uma breve passagem pela Organização de Investigação Espacial Indiana (ISRO), o Dr. Tummala é atualmente o Diretor do INCOIS. É também Vice-Presidente do COI para a Região IV, Co-Presidente do Conselho de Colaboração Conjunto COI - OMM e Presidente do Comité Científico do Programa Tsunami da Década dos Oceanos.

Nadia Pinardi

Nadia Pinardi

Nadia Pinardi, Departamento de Física e Astronomia, Universidade de Bolonha. Nadia PINARDI é doutorada em Física Aplicada pela Universidade de Harvard e professora catedrática de Oceanografia na Universidade de Bolonha. A sua principal realização é a conceção concetual e a implementação prática de sistemas de previsão oceânica em todo o oceano aberto e nas zonas costeiras do mundo. De 2012 a 2019, foi copresidente do Comité Conjunto de Oceanografia e Meteorologia Marinha (JCOMM) da UNESCO-IOC e da OMM e é, desde 2019, vice-presidente eleita da Comissão de Observação, Infraestruturas e Sistemas de Informação (Comissão de Infraestruturas) da OMM. É presidente do Programa da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos "CoastPredict" e directora do Centro Colaborativo da Década das Nações Unidas para a Resiliência Costeira, acolhido pela Universidade de Bolonha.

Membros especialistas:

Hellen J. Kizenga

Hellen J. Kizenga

Hellen J. Kizenga é uma cientista marinha em início de carreira e professora assistente no Instituto de Ciências Marinhas da Universidade de Dar es Salaam, Tanzânia. Tem uma licenciatura em Microbiologia e um mestrado em Ciências Marinhas pela Universidade de Dar es Salaam. Tem também um certificado de pós-graduação em Oceanografia Observacional do programa do Centro de Excelência NF-POGO no Instituto Alfred Wegener para a Investigação Polar e Marinha, Alemanha. A sua investigação baseia-se nos recursos marinhos e costeiros, centrando-se principalmente na produtividade primária (fitoplâncton), na biogeoquímica marinha, na deteção remota e na pesca de pequenos pelágicos. Na sua investigação, está muito interessada em aplicar a deteção remota, as observações in-situ e as ciências sociais para garantir que a ciência colabora com o conhecimento tradicional para a geração de informações concretas sobre a sustentabilidade dos recursos marinhos e costeiros.

Enrique Alvarez Fanjul

Enrique Alvarez Fanjul

O Dr. Enrique Alvarez Fanjul é o Coordenador Técnico do Centro Colaborativo da Década de Previsão do Oceano, na Mercator Ocean International. Tem uma experiência de mais de 33 anos em oceanografia operacional, tendo desenvolvido serviços operacionais de previsão oceânica e gerido redes de medição oceânica. Coordenou vários projectos nacionais e europeus. É autor de mais de 100 publicações revistas por pares.

Leonardo Valenzuela Perez

Leonardo Valenzuela Perez

Leonardo Valenzuela Perez é o Diretor de Parcerias Internacionais e do Ecossistema Global para Soluções Oceânicas (GEOS) na Ocean Visions. O GEOS é um programa aprovado pela Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável que articula uma rede global multi-setorial dedicada ao desenvolvimento e implementação de soluções equitativas e escaláveis baseadas nos oceanos para enfrentar as alterações climáticas e os principais desafios do Desenvolvimento Sustentável. Anteriormente, liderou iniciativas internacionais de justiça climática em aliança com organizações de base nos sectores da energia e da mineração. Leonardo tem trabalhado durante quase duas décadas na intersecção dos direitos indígenas, ativismo climático e investigação sobre justiça ambiental com um enfoque global. Leonardo é doutorado em Geografia Humana pela Universidade de Sydney, bem como mestre em Assentamentos Humanos e Meio Ambiente e bacharel em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Martina Müller

Martina Muller

Como responsável pela gestão de programas no Gabinete das Nações Unidas para a Redução do Risco de Catástrofes, Martina Müller presta aconselhamento político e orientação substantiva aos Estados-Membros para integrar o Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Catástrofes e o desenvolvimento sustentável baseado no risco nas decisões intergovernamentais. A Sra. Müller serviu as Nações Unidas em várias funções durante cinco anos, nomeadamente acompanhando o desempenho do sistema de desenvolvimento das Nações Unidas nos domínios do ambiente e do clima e apoiando as negociações intergovernamentais sobre a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Ela também atuou como assessora internacional da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo entre 2015-2017, conectando o global ao local por meio do desenvolvimento de políticas pioneiras e projetos de cooperação; e como gerente da organização sem fins lucrativos de sustentabilidade Ceres, alavancando esforços corporativos para combater o desmatamento tropical. A Sra. Müller tem um mestrado em políticas públicas (Universidade de Harvard) e é advogada licenciada (Universidade de São Paulo / Universidade Ludwig-Maximilian) especializada em direito ambiental. Ela fala inglês, espanhol, francês, alemão e português.

Iris Monnereau

Iris Monnereau

A Dra. Iris Monnereau é atualmente a Oficial de Pescas - Choques e Emergências baseada na FAO-HQ. Apoia países de todo o mundo na prevenção, preparação, resposta e reabilitação do sector das pescas e da aquacultura. Isto abrange catástrofes naturais, tecnológicas e biológicas, bem como emergências complexas. Fornece também conteúdos e actualiza as estratégias e o planeamento da NFI sobre a gestão dos riscos de catástrofe para a pesca e a aquicultura e apoia a mobilização de recursos. De 2017 a 2022, foi Responsável de Projeto da FAO-SLC em Barbados, coordenando o projeto Adaptação às Alterações Climáticas no Sector das Pescas das Caraíbas Orientais (CC4FISH). O projeto de 5,5 milhões de dólares foi realizado em 7 países das Caraíbas Orientais e apoiou o reforço da resiliência do sector das pescas às alterações climáticas, incluindo o trabalho de reforço das capacidades dos pescadores e aquacultores, a gestão do risco de catástrofes, o desenvolvimento das pescas e da aquicultura e a integração das alterações climáticas e da gestão do risco de catástrofes nos planos e políticas de pesca. Iris Monnereau obteve o grau de doutoramento em 2012 pela Universidade de Amesterdão, Países Baixos, Faculdade de Ciências Sociais e Comportamentais, onde investigou os impactos de diferentes sistemas de governação da pesca da lagosta e cadeias de valor no bem-estar dos pescadores em Belize, Nicarágua e Jamaica. Realizou um pós-doutoramento de dois anos de 2012-2014 na Universidade das Índias Ocidentais, Centro de Gestão de Recursos e Estudos Ambientais (CERMES) em Barbados, onde investigou a vulnerabilidade às alterações climáticas do sector das pescas em pequenos Estados insulares em desenvolvimento. Publicou extensivamente sobre os impactos das alterações climáticas e a vulnerabilidade do sector das pescas na região das Caraíbas alargadas, tanto durante o seu tempo como investigadora como na FAO.

Loreto

Loreto Duffy-Mayers

Loreto Duffy-Mayers é uma profissional distinta com uma vasta experiência nos domínios do turismo, da sustentabilidade ambiental e da eficiência energética. Oriunda de uma família diversificada de origem irlandesa e barbadiana, dedicou a sua carreira a promover mudanças positivas na região das Caraíbas e não só. Com um historial notável, Loreto desempenhou papéis fundamentais em vários programas regionais. Foi Chefe de Projeto da Iniciativa de Arrefecimento das Caraíbas das Nações Unidas para o Ambiente, um projeto visionário que abordou a eficiência energética e soluções amigas do ambiente no sector do arrefecimento em todas as nações das Caraíbas. A paixão de Loreto pelo turismo sustentável levou-a a contribuir significativamente para o desenvolvimento de práticas ecológicas na indústria hoteleira das Caraíbas. Nomeadamente, geriu o Programa de Eficiência Energética e Energias Renováveis para Hotéis das Caraíbas (CHENACT) do BID, promovendo a eficiência energética e soluções de energias renováveis nos hotéis da região. Oradora prolífica, Loreto fez apresentações em numerosas conferências internacionais, partilhando as suas ideias sobre turismo sustentável, ambiente, energia e alterações climáticas. Para além das suas realizações profissionais, Loreto está ativamente envolvida em vários comités e organizações dedicados à sustentabilidade. É membro do Conselho de Administração da Aliança das Caraíbas para o Turismo Sustentável, da Associação de Energia Térmica Oceânica e membro do grupo de trabalho da Década dos Oceanos do COI da UNESCO. O empenho de Loreto em criar um futuro mais verde e mais resistente para as Caraíbas valeu-lhe numerosos prémios nas Caraíbas, tanto na área da energia como do turismo. A sua abordagem holística, combinada com capacidades excepcionais de comunicação e liderança, continua a ter um impacto duradouro nos domínios do turismo, do ambiente e da energia.

Alessandra Burgos

Alessandra Burgos

Alessandra (Ali) Burgos concluiu os seus estudos de licenciatura na Universidade Rutgers em 2016, obtendo um Bacharelato em Ciências em meteorologia. Posteriormente, prosseguiu os seus estudos de pós-graduação na Old Dominion University, onde obteve um mestrado em oceanografia em 2018. Dedicou a sua investigação à reconstrução da subida global relativa do nível do mar no século XX e à modelação de futuras inundações incómodas em Norfolk, Virgínia. Tendo o desejo de passar para a política científica, Ali foi aceite na estimada Sea Grant Knauss Fellowship e passou um ano em Washington DC na sede da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Aqui, trabalhou para melhorar o seu portefólio de resiliência costeira, apoiando o envolvimento no Congresso e a gestão de subsídios. Atualmente, Ali trabalha na Universidade do Estado do Oregon como gestora de projeto para o projeto financiado pela National Science Foundation "The Cascadia Coastlines and People's Hazards Research Hub", cujo objetivo é aumentar a resiliência costeira das comunidades costeiras do Noroeste do Pacífico.

Joel Kamdoum Ngueuko

Joel Kamdoum Ngueuko

Joel Kamdoum Ngueuko é um especialista em ambiente, alterações climáticas e planeamento oceânico, juntamente com a sua defesa da literacia de dados espaciais e do equilíbrio de género. Tem mais de dez anos de experiência em programas multidisciplinares, para além do desenvolvimento de metodologias quantitativas e qualitativas para o planeamento e implementação de políticas públicas espaciais, reforço de capacidades e desenvolvimento sustentável. As actividades de Kamdoum incluem, entre outras, os seus trabalhos anteriores como estagiário do COI-UNESCO e consultor internacional no âmbito do LME/IW: LEARN e do MSPglobal frameworks. É autor de artigos científicos e coautor do Relatório Técnico sobre o Estado da Vulnerabilidade Costeira nos países da África Central (série técnica N°152, ficheiro ICAM, IOC-UNESCO). Possui um Bacharelato em Ciências (com distinção) em Engenharia Química/Ambiental, um Diploma de Pós-Graduação em Deteção Remota/GIS e um Mestrado Erasmus Mundus em Planeamento do Espaço Marítimo.

Canais de Purificação

Canais de Purificação

Purificació Canals tem uma licenciatura e um doutoramento em Ciências Biológicas pela Universidade de Barcelona (1986 e 1996). Trabalha como consultora internacional independente em conservação marinha e costeira e como professora associada de Fisiologia na Universidade Rovira i Virgili (Tarragona). Desde 2009, é Presidente da MedPAN (Rede Mediterrânica de Gestores de Áreas Marinhas Protegidas). De 2016 a 2019, contribuiu para as redes de AMP em todo o Atlântico como líder de equipa do projeto da rede transatlântica de AMP da UE, alargado ao sudeste da Ásia desde 2020 no âmbito do projeto de governação oceânica da UE. É também membro do Conselho Consultivo para o Desenvolvimento Sustentável da Catalunha (CADS) desde 2014; do Conselho Científico do Conservatoire du Littoral, desde 2004; e da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da IUCN desde 2007. Entre outros cargos, foi Conselheira Regional da UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) para a Europa Ocidental (2000-2008); Vice-Presidente da UICN (2004-2008); Presidente do Comité Preparatório do IV Congresso Mundial de Conservação organizado pela UICN em Barcelona (2006-2008); Presidente da Liga para a Defesa do Património Natural (DEPANA) (1994-2010) e do Conselho Ibérico de Defesa da Natureza (CIDN) (1998-2010). Em 2020, foi agraciada com a Cruz de São Jorge pelo Governo da Catalunha pelo seu trabalho na conservação costeira e marinha e, em 2022, recebeu a Medalha Alfred Toepfer, da Federação EUROPARC, pela sua contribuição para a conservação da natureza na Europa.

Giovanni Coppini

Giovanni Coppini

Cientista Principal e Diretor da Divisão de Previsões e Aplicações Oceânicas da Fundação Centro Euro-Mediterrânico para as Alterações Climáticas (CMCC) em Lecce, Itália. Tem um doutoramento em Ciências Ambientais: proteção e gestão dos recursos naturais da Universidade de Bolonha. Desde 2003, trabalha no domínio do desenvolvimento de aplicações oceanográficas operacionais. Foi copresidente da MONGOOS (Mediterranean Oceanography Network for the Global Ocean Observing System-GOOS) e é o gestor do Gabinete de Resposta a Emergências do acordo MONGOOS-REMPEC. Foi membro da equipa de trabalho da JCOMM sobre segurança marítima e presidente da equipa de peritos da JCOMM sobre resposta a emergências ambientais marinhas. Desde maio de 2015, é líder do Serviço Marítimo Europeu Copernicus (CMEMS) para o Centro de Monitorização e Previsão do Mediterrâneo (MFC), que fornece previsões oceânicas para o Mar Mediterrâneo. Foi vice-líder do MFC do Mar Negro. Tem 45 artigos publicados em revistas internacionais com revisão por pares. No CMCC, coordenou e contribuiu para o desenvolvimento de várias aplicações relevantes para a segurança marítima e o ambiente marinho com base nos dados do CMEMS, incluindo Sea-Conditions, VISIR, WITOIL e OCEAN-SAR. Desde junho de 2021 é membro do Comité Diretivo do programa CoastPredict da Década dos Oceanos das Nações Unidas e desde junho de 2022 coordena a ação PredictOnTime da Década dos Oceanos das Nações Unidas.

andreavalentini

Andrea Valentini

Andrea Valentini é um engenheiro ambiental com um doutoramento no domínio do controlo e da modelização de sistemas ambientais. Atualmente, é cientista-chefe e especialista em programas no Centro de Colaboração da Década das Nações Unidas para a Resiliência Costeira, sediado na Universidade de Bolonha. Anteriormente Chefe da Unidade de Previsão Numérica Marinha e Costeira no Serviço Hidrometeorológico e Climático da Agência Regional de Prevenção, Ambiente e Energia da região de Emilia-Romagna, tem uma sólida experiência em dinâmica e modelação oceano-costeira, alterações climáticas, sistemas de observação e análise de dados marinhos. Gestor de vários projectos de investigação e cooperação da UE, principalmente relacionados com as alterações climáticas e planos de adaptação para zonas costeiras, avaliação, redução e mitigação de riscos costeiros e gestão e prevenção da poluição marinha. Professor Adjunto de Tecnologias Avançadas e Sistemas de Apoio à Decisão em Gestão da Água e Costeira na Universidade de Bolonha - Departamento de Ciências Biológicas, Geológicas e Ambientais. Membro de vários grupos de trabalho nacionais e internacionais no domínio dos sistemas de observação dos oceanos, da gestão da qualidade das águas balneares e da poluição das águas a curto prazo.

admin-ajax

Antoine Queval

Mais pormenores em breve.

sunanda

Sunanda Manneela

Sunanda Manneela trabalha como cientista no Centro Nacional Indiano de Serviços de Informação Oceânica (INCOIS), Ministério das Ciências da Terra, Governo da Índia, Hyderabad. As suas áreas de investigação incluem a tectónica de placas, os mecanismos sísmicos da zona de subducção, a previsão de tsunamis utilizando GNSS e a gestão de catástrofes. Contribuiu significativamente para o êxito do estabelecimento do sistema indiano de alerta precoce de tsunamis. Tem supervisionado o módulo sísmico do sistema de alerta de tsunamis desde o início do centro de alerta. A Sra. Sunanda tem representado o INCOIS no Grupo de Coordenação Intergovernamental para o Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunamis do Oceano Índico (ICG/IOTWMS) da UNESCO. Atualmente, é vice-presidente do Grupo de Trabalho Sub-regional para o Noroeste do Oceano Índico. É também membro do Ocean Decade Vision 2030 WG-6: Coastal Resilience e do Grupo de Trabalho sobre o Aumento do GNSS para Alerta de Tsunami do Sistema Global de Observação Geodésica (GGOS), União Internacional de Geodesia e Geofísica (IUGG). A Sra. Sunanda tem estado envolvida com o programa Tsunami Ready da UNESCO-IOC desde a sua primeira experiência na região do Oceano Índico (Índia) e é apaixonada pela expansão do programa. É uma pessoa versátil com uma carreira notável e um historial comprovado de 12 anos no INCOIS. Pelas suas contribuições significativas para o Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Índia, foi galardoada com o "Prémio Nacional de Geociências" para o ano de 2010 e com o prestigiado "Prémio Jovem Empreendedor para 2016", que é atribuído de quatro em quatro anos.

martin

Martin Smith

Martin D. Smith é o Professor Distinto de Economia Ambiental George M. Woodwell na Nicholas School of the Environment e no Departamento de Economia da Universidade de Duke. Obteve um doutoramento na Universidade da Califórnia, Davis, em Economia Agrícola e dos Recursos (2001) e um bacharelato na Universidade de Stanford em Políticas Públicas (1992). Smith estuda a economia dos oceanos e trabalha principalmente em bioeconomia da pesca, economia dos mercados e comércio globais de produtos do mar e economia da adaptação às alterações climáticas costeiras. Foi editor-chefe da revista Economia dos Recursos Marinhos e membro do Ocean Studies Board das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA, membro do Comité Científico e Estatístico do Mid-Atlantic Fishery Management Council e Presidente do International Institute of Fisheries Economics and Trade. Smith publicou mais de 100 artigos académicos, capítulos de livros e recensões, incluindo trabalhos em The American Economic Review, Nature, Science, e PNAS. Participou na National Public Radio e na BBC Radio para discutir questões relacionadas com o marisco e recebeu prémios nacionais e internacionais, incluindo uma Aldo Leopold Leadership Fellowship, Quality of Research Discovery da Agricultural and Applied Economics Association e Fellow do International Institute of Fisheries Economics and Trade. A sua investigação foi financiada pela National Science Foundation e pela National Oceanic and Atmospheric Administration.

davidcabana

David Cabana

O Dr. David Cabana é um cientista interdisciplinar centrado nas múltiplas dimensões da conservação marinha e da sustentabilidade dos oceanos. Com uma vasta experiência em investigação e consultoria, o seu trabalho atual centra-se numa melhor compreensão das dimensões humanas das zonas costeiras. Está sediado no Centro de Serviços Climáticos da Alemanha (GERICS), uma instituição do Helmholtz-Zentrum Hereon, onde trabalha no apoio às comunidades costeiras para se adaptarem às alterações climáticas. Os seus principais interesses incluem a integração dos serviços climáticos na governação e gestão costeiras, bem como a promoção de abordagens orientadas para a comunidade, a fim de fazer face aos impactos das alterações climáticas nas regiões costeiras.

jason

Jason Holt

Jason Holt lidera o grupo de Modelação de Sistemas Marinhos no Centro Nacional de Oceanografia (Reino Unido; noc.ac.uk). Tem estado ativamente envolvido no desenvolvimento da modelação dos oceanos costeiros para investigação, clima e oceanografia operacional desde a década de 1990. Os seus interesses de investigação centram-se nos impactos das alterações climáticas na física dos mares costeiros e de plataforma e nas consequências para a biogeoquímica, investigando potenciais "surpresas climáticas" em mares de plataforma em todo o mundo. Defende abordagens globais para a modelação dos oceanos costeiros e estudos de impacto climático. Lidera o programa científico internacional de capacidade nacional do NOC: Estados futuros do oceano costeiro global: Understanding for Solutions (FOCUS; noc.ac.uk/projects/focus) e ajuda a liderar o projeto Future Coastal Ocean Climates (FLAME) da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos, parte do programa COASTPREDICT (coastpredict.org). É professor honorário convidado na Universidade de Liverpool e membro do comité diretor do NEMO. Foi investigador principal ou co-investigador em mais de 30 projectos de investigação no Reino Unido e publicou 88 artigos em revistas com revisão por pares.

José

Joseph Ansong

O Dr. Joseph K. Ansong é atualmente Professor Sénior no Departamento de Matemática da Universidade do Gana, Legon. Obteve o seu doutoramento em Matemática Aplicada na Universidade de Alberta, no Canadá, um mestrado em Matemática de Engenharia na Universidade de Twente (Países Baixos) e uma licenciatura em Matemática na Universidade de Cape Coast (Gana). A sua área de investigação é a Matemática Aplicada, especificamente em Dinâmica de Fluidos, Modelação Matemática e Oceanografia Física. Interessa-se pela aplicação da matemática para compreender os fluxos geofísicos, as ondas de gravidade internas/superficiais oceânicas e a dinâmica das plumas turbulentas. Também gosta de utilizar a experimentação laboratorial para compreender os fluxos impulsionados pela flutuabilidade. Está envolvido no desenvolvimento de capacidades em ciências oceânicas. É co-organizador da Coastal Ocean Environment Summer School na Nigéria e no Gana (COESSING; https://coessing.org/), que tem como objetivo o desenvolvimento de capacidades em ciências oceanográficas e ambientais no Gana e na Nigéria, e noutros países da sub-região da África Ocidental. O Dr. Ansong é revisor de várias revistas científicas: Journal of Fluid Mechanics, Journal of Physical Oceanography, Geophysical Research Letters, Ocean Modeling, Journal of Advances in Modeling Earth Systems, Scientific Data, e Frontiers in Marine Science. É também revisor de propostas da National Science Foundation (EUA).

Julieta Hermes_WG6

Julieta Hermes

Juliet lidera uma equipa que se dedica à observação, modelação e investigação do ambiente marinho na África Austral, no âmbito da Rede de Observação Ambiental da África do Sul. Juliet é também professora na Universidade da Cidade do Cabo e na Universidade Nelson Mandela. Tem uma experiência significativa no desenvolvimento e gestão de observações oceânicas multidisciplinares nacionais, regionais e internacionais. A sua paixão é a promoção de colaborações regionais e internacionais, bem como o desenvolvimento de capacidades. Juliet concentra a sua atenção no desenvolvimento, assegurando a geração e partilha de conhecimentos, bem como o crescimento de um grupo diversificado de cientistas marinhos. Juliet fez parte do Painel Regional do Oceano Índico da CLIVAR, do GEO Blue Planet, da Associação da Orla do Oceano Índico, do GCOS e do Grupo Africano de Apoio aos Peritos Negociadores. Apoia os sistemas globais de observação dos oceanos através do GOOS Observation Coordination Group, bem como as suas normas e melhores práticas através do IOC/GOOS Ocean Best Practices Group.

Mitchell_Harley_WG6

Mitchell Harley

O Dr. Mitchell Harley é um dos principais investigadores internacionais em matéria de riscos costeiros, tecnologia de monitorização costeira e previsão costeira. Publicou mais de 50 artigos em revistas especializadas como a Nature Geoscience, Nature Communications, Journal of Geophysical Research e Coastal Engineering. Em 2017, fundou o programa CoastSnap, uma técnica de monitorização de praias com recurso a crowdsourcing através de smartphones que está atualmente a funcionar em mais de 25 países em todo o mundo. Recentemente, o Dr. Harley recebeu o prémio inaugural Coastal Achievement Award na conferência International Coastal Sediments, em reconhecimento da sua contribuição para o campo da investigação costeira nos últimos 7 anos.

Dwikorita_Karnawati_WG6

Dwikorita Karnawati

A Prof.ª Dwikorita Karnawati (Rita), doutorada, foi nomeada chefe da Agência Indonésia de Meteorologia, Climatologia e Geofísica (BMKG), desde novembro de 2017, após ter terminado o seu mandato como presidente da Universitas Gadjah Mada (UGM), uma universidade proeminente com 55 000 estudantes na Indonésia. Na verdade, ela é muito ativa na promoção e desenvolvimento do Sistema Nacional de Alerta Precoce de Múltiplos Riscos (MHEWS) e muito respeitada como uma das figuras-chave na preparação do Decreto Presidencial sobre o Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Indonésia (InaTEWS) (Decreto Presidencial, Número 93 de 2019). Obteve o grau de doutoramento em Ciências da Terra na Universidade de Leeds, Reino Unido, em 1996, e continuou a sua investigação sobre a previsão de catástrofes hidrometeorológicas através do programa de pós-doutoramento na Universidade de Agricultura e Tecnologia de Tóquio, Japão, em 1997. Rita trabalhou consistentemente no desenvolvimento de capacidades e em programas de educação para a mitigação de catástrofes desde 1997. Entre 2004 e 2014, foi Coordenadora da Rede de Universidades da ASEAN - Programa de Educação em Engenharia do Sudeste Asiático (AUN Seed Net) no domínio da Mitigação de Catástrofes (que inclui catástrofes hidrometeorológicas). Recebeu o prémio Leverhulme Professorship Award para desenvolver a sua investigação sobre o Sistema Comunitário de Alerta Precoce de Deslizamentos de Terra, no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Bristol, Reino Unido, em 2003. De facto, devido ao seu extraordinário trabalho em programas de educação baseados na investigação para a Mitigação de Catástrofes, recebeu uma série de bolsas de investigação do Banco Mundial, bem como da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e do Conselho Britânico, que foram muito importantes para apoiar o processo de desenvolvimento do Sistema de Alerta Precoce de Múltiplos Riscos, especialmente relacionado com catástrofes hidrometeorológicas, terramotos e tsunamis na Indonésia, no que diz respeito à sobrevivência e proteção ambiental. Em outubro de 2011, a sua investigação sobre o Sistema de Alerta Precoce de Deslizamento de Terra com Base na Comunidade foi selecionada como uma das melhores investigações sobre a Redução do Risco de Catástrofe de Deslizamento de Terra pelo Consórcio Internacional sobre Deslizamentos de Terra, o que levou à nomeação da sua Universidade UGM como Centro Mundial de Excelência para a Redução do Risco de Catástrofe de Deslizamento de Terra. Além disso, foi premiada com o Programa de Investigação Sénior Fulbright para desenvolver a Integração de Sensores Técnicos e Humanos para o Sistema de Alerta Precoce de Deslizamentos de Terra, realizado no The Visualization Center-Department of Geology, na Universidade Estadual de San Diego, Califórnia, EUA, em 2011-2012. Desde 2015, a Prof.ª Rita foi nomeada Vice-Presidente do Consórcio Internacional sobre Deslizamentos de Terra (ICL). Nessa posição, promoveu e desenvolveu ativamente a integração dos sensores técnicos e sensores humanos para o sistema de alerta hidrometeorológico precoce, no qual um dos produtos inovadores da sua equipa se tornou uma referência internacional (ISO 22327) em 2018. Assim, em 2019, foi eleita membro do Conselho Executivo da Organização Meteorológica Mundial (OMM) e presidente do Grupo de Coordenação Intergovernamental do Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunamis do Oceano Índico (ICG/IOTWMS). Foi também nomeada membro do Comité Diretor do Sistema Mundial de Observação dos Oceanos (GOOS) como representante da OMM em 2021. No seu recente cargo de Chefe da Agência, impulsiona ativamente a inovação em matéria de tecnologia de alerta precoce e de sistemas de previsão baseados no impacto para a meteorologia, a climatologia e a geofísica, alimentados por grandes volumes de dados, inteligência artificial (IA) e Internet das coisas (IOT), que também estão ligados às redes sociais, aplicações móveis e You Tube. Também promove ativamente o Programa de Sensibilização Comunitária sobre Adaptação Climática através da Escola de Campo sobre o Clima para a pesca e os agricultores, que são considerados as comunidades mais vulneráveis durante esta pandemia de Covid-19. Além disso, facilita o desenvolvimento e a aplicação do sistema de inundação costeira para reduzir o risco de perdas socioeconómicas na zona costeira da baía de Jacarta. E agora desempenha uma forte liderança na modernização e reforço do sistema nacional de observação e previsão marinho-atmosférica em toda a região marítima da Indonésia, a fim de apoiar a melhoria do desenvolvimento económico marítimo e a resiliência no país. Recebeu um reconhecimento extensivo de contrapartes nacionais e locais, bem como de várias organizações internacionais pelo seu trabalho, e também foi convidada a proferir discursos e palestras em conferências, reuniões e eventos em várias universidades e instituições nos EUA, Europa, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Japão, China e África, para partilhar as melhores práticas das suas experiências em Redução de Risco de Desastres e Sistema de Alerta Precoce.

Grupo de Trabalho 7: Expandir o Sistema Global de Observação dos Oceanos

Co-Presidentes:

Patricia Miloslavich (Departamento das Alterações Climáticas, Energia, Ambiente e Água, Austrália)

Patricia Miloslavich

A Dra. Patricia Miloslavich é a líder do Programa de Monitorização da Antárctida Oriental na Divisão Antárctica Australiana. O programa visa implementar observações científicas sustentadas e de longo prazo de variáveis biológicas, físicas e biogeoquímicas essenciais na Antártica Oriental e no Oceano Antártico. Entre 2020 e 2023, Patricia foi directora executiva do Comité Científico da Investigação Oceânica (SCOR), um organismo internacional que visa fazer avançar a ciência dos oceanos e abordar questões globais que exigem uma abordagem multidisciplinar.
É bióloga marinha, doutorada em Oceanografia pela Universidade do Quebeque em Rimouski, e professora sénior aposentada da Universidade Simon Bolívar, na Venezuela. Nos últimos 30 anos, tem trabalhado com programas internacionais que abordam desafios científicos, tecnológicos, de desenvolvimento de capacidades e de sustentabilidade relacionados com a biodiversidade marinha e a oceanografia biológica.
Foi responsável pelo Projeto Internacional do Painel de Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (GOOS), coordenando actividades para implementar observações sustentadas globais da biodiversidade e dos ecossistemas marinhos. Patricia desempenhou papéis-chave no programa do Censo da Vida Marinha, no Comité Executivo do SCOR e na Rede de Observação da Biodiversidade Marinha do GEO-BON. Contribuiu para as secções de Ciências do Oceano e de Observações do Oceano do COI/UNESCO, para as Conferências do Oceano da ONU, para a avaliação global do IPBES e para as Avaliações Mundiais do Oceano I e II da ONU, entre outras. Foi Presidente da Associação Internacional de Oceanografia Biológica (IABO). Em 2015, Patricia foi galardoada com o Prémio Nacional de Ciência da Venezuela.

Joe_O'Callaghan(1)

Joe O'Callaghan

Estar no mar ou no oceano é o lugar feliz de Joe. A Dra. Joe O'Callaghan é uma investigadora com 20 anos de experiência. Utiliza uma abordagem de observação para compreender melhor as áreas oceânicas onde as pessoas trabalham e se divertem. Joe é o Diretor da Oceanly Science, uma empresa científica independente que fornece investigação em toda a região Aotearoa da Nova Zelândia e a nível internacional. Especificamente, a oceanografia biofísica regula os ecossistemas tropicais nos oceanos Pacífico e Atlântico. Joe passou 15 anos no NIWA a fazer ciência em oceanografia costeira, de plataforma marítima e de profundidade, onde liderou uma mudança de paradigma na observação dos oceanos através de tecnologia autónoma para Aotearoa Nova Zelândia. Os seus interesses de investigação são vastos, abrangendo interacções terra-mar, impactos da exploração mineira em águas profundas, mistura oceânica em tempestades e ondas de calor marinhas. É perita em ligar observações e abordagens de modelização para maximizar os seus benefícios científicos mútuos para a sociedade e a economia azul. Joe compreende as necessidades e os constrangimentos da observação dos oceanos à escala local, mas tem uma visão estratégica para conseguir uma ligação global para os desafios da Visão 2030 da Década dos Oceanos.

Membros especialistas:

iSA

Isa Olalekan Elegbede

O Dr. Isa Olalekan Elegbede (PhD) traçou um percurso sem paralelo na observação dos recursos oceânicos para a sustentabilidade. Com um doutoramento em Ciências Ambientais pela Universidade de Tecnologia de Brandenburgo (BTU), Alemanha, as suas contribuições têm sido fundamentais para o avanço do estudo e da proteção dos ecossistemas marinhos. Impulsionado pela resiliência e por um compromisso inabalável com o mundo marinho, o Dr. Elegbede iniciou o seu percurso académico com uma licenciatura em Pescas pela Universidade Estatal de Lagos, na Nigéria. Para continuar a saciar a sua sede de conhecimento, obteve um mestrado em Ciências Marinhas na Universidade de Lagos e outro mestrado em Gestão Ambiental e de Recursos na BTU, Alemanha. A sua trajetória educativa inclui também numerosas formações e certificações profissionais internacionais. Para além do seu papel como professor adjunto no Departamento de Ciências Ambientais da Universidade Nacional Aberta da Nigéria, o Dr. Elegbede tem transmitido conhecimentos com paixão no Departamento de Pescas da Universidade Estatal de Lagos. A sua experiência anterior de investigação e ensino na BTU, Alemanha, testemunhou as suas palestras sobre sustentabilidade marinha, deixando uma marca indelével no assunto. As suas afiliações internacionais reforçam ainda mais o seu portfólio académico: Visiting Fellow and Scholar no Ocean Frontier Institute (OFI) e no Robin Rigby Trust (RRT), apoiado pela Marine Environmental Observation, Prediction and Response Network (MEOPAR) na Dalhousie University, Halifax, Canadá, Alumni do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia no Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, Brasil. A capacidade de liderança do Dr. Elegbede é evidente nas suas funções multifacetadas: Copresidente do Grupo de Trabalho GEO BON Blue Planet Fisheries, Vice-Presidente da IUCN/CEESP/TGER, Suíça, Fellow da Future Earth Coast (FEC), Membro da divisão de pescas da Deep Ocean Stewardship Initiative (DOSI), Membro do Grupo de Trabalho Regional de Investigação Científica do Atlântico Central e do Atlântico Sul, Co-líder da Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas do Challenger 150, Co-Coordenador do Early Career Ocean Professional (ECOP) Regional da África Ocidental. O Dr. Elegbede tira partido da sua experiência interdisciplinar na observação, inovação e gestão de dados oceânicos. Reconhecendo a necessidade imperativa de divulgação de conhecimentos em África, trabalhou como perito da diáspora com instituições alemãs proeminentes: a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e a Agência Federal de Emprego alemã. Distinguido com numerosos prémios, o envolvimento global do Dr. Elegbede reflecte-se em contribuições e voluntariado para vários Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O seu estatuto de membro honorário da Área Conservada Indígena e Comunitária (ICCAs) na Suíça é um testemunho da sua dedicação à sustentabilidade dos oceanos. Na paisagem marinha em constante evolução, as contribuições do Dr. Isa Olalekan Elegbede permanecem inigualáveis, moldando um futuro mais brilhante e mais sustentável para o nosso planeta azul.

nicholasrome

Nicholas Roma

O Sr. Nicholas Rome juntou-se ao Consórcio para a Liderança Oceânica em 2009 e é o Gestor de Programa Sénior do Centro para a Liderança Oceânica da UCAR. O Sr. Rome fornece planeamento estratégico e gestão de programas para todos os programas de observação dos oceanos no COL, o que inclui o planeamento e execução do OceanObs'19 e a coordenação de várias actividades relacionadas com a Década dos Oceanos da ONU. O Sr. Rome fornece gestão de programas em várias iniciativas de ciência e tecnologia dos oceanos no COL e lidera parcerias de observação dos oceanos, colaboração e envolvimento das partes interessadas. Antes de se juntar ao COL, concluiu um mestrado em política ambiental internacional e trabalhou como Analista de Políticas para o Monterey Bay Aquarium Research Institute.

stevevision

Steve Widdicombe

O Professor Steve Widdicombe é um ecologista marinho com mais de 30 anos de experiência na utilização de observações no terreno e de grandes experiências de manipulação para abordar questões relacionadas com a ecologia marinha, as alterações climáticas, a biodiversidade e a função dos ecossistemas. Durante duas décadas, tem sido fundamental para o desenvolvimento da compreensão da acidificação dos oceanos e dos seus efeitos no ambiente marinho. Steve é atualmente o copresidente do Conselho Executivo da Rede Global de Observação da Acidificação dos Oceanos (GOA-ON), uma rede internacional de colaboração com cerca de 1000 cientistas de mais de 100 países. Os objectivos da GOA-ON são detetar, compreender e prever os factores e impactos da acidificação dos oceanos. A rede é fundamental para fornecer um alerta precoce dos impactos da acidificação dos oceanos nos ecossistemas naturais, nas pescas selvagens e de aquacultura, na proteção costeira, no turismo e nas economias locais. Steve representou o GOA-ON no Grupo de Correspondência Intersessional da OSPAR sobre a acidificação dos oceanos e foi um dos autores do capítulo sobre acidificação dos oceanos no Relatório sobre o Estado da Qualidade de 2023. Steve co-lidera o programa aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas "Investigação sobre a acidificação dos oceanos para a sustentabilidade" (GOA-ON: OARS), que visa fornecer à sociedade as provas observacionais e científicas necessárias para identificar, monitorizar, mitigar e adaptar-se de forma sustentável à acidificação dos oceanos, desde a escala local à global. Steve contribui regularmente para debates políticos de alto nível, como nas reuniões das Nações Unidas sobre alterações climáticas, nas COP da CQNUAC, como moderador do Diálogo da Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos de 2022, através da copresidência de uma anterior reunião do grupo de peritos internacionais da CDB e da apresentação na COP15 da CDB. Atualmente, é membro do Grupo de Peritos Técnicos ad-hoc da Convenção das Nações Unidas para a Diversidade Biológica (CDB) sobre Indicadores para o Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal, do Comité do Programa da Conferência da Década dos Oceanos das Nações Unidas (2024) e do Grupo de Peritos da 3ª Avaliação Mundial dos Oceanos das Nações Unidas.

Aridane G. González WG7

Aridane Gonzalez

Licenciado em Ciências do Mar, Mestre em Oceanografia e Doutorado em Ciências do Mar pela Universidade de Las Palmas de Gran Canaria (ULPGC). Ao concluir a Tese de Doutoramento (2011), fez uma série de pós-doutoramentos na ULPGC (Espanha), Toulouse e Brest (França), Cinco anos depois, em 2017, regressaram à Gran Canaria com um contrato de Pós-Doutoramento na ULPGC. Desde 2020, ele é professor na mesma instituição. Atualmente, é também o Diretor de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico. Além disso, ele coordena o Especialista em Economia Circular em Territórios Isolados.

Com mais de 60 publicações indexadas ao JCR, mais de 120 apresentações em conferências nacionais e internacionais, e envolvimento em vários projectos europeus e nacionais, as suas contribuições académicas são substanciais. Participaram ativamente em numerosas campanhas oceanográficas, incluindo as do Ártico e das Ilhas Canárias, onde estiveram envolvidos nas erupções vulcânicas de Tagoro (El Hierro) e Tajogaite (La Palma). Como parte do grupo QUIMA, está também a participar na rede canária de sistema de CO2 e acidificação (incluída no programa ICOS). A sua investigação centra-se também no estudo dos ciclos biogeoquímicos dos metais em águas naturais, principalmente nos oceanos, explorando o papel dos compostos orgânicos na química e especiação dos metais e procurando novos bioindicadores de poluição marinha. Todo este trabalho é realizado num mundo em mudança devido ao impacto das alterações climáticas e da acidificação dos oceanos.

Em termos de gestão, é o Presidente do Comité Científico do Governo das Ilhas Canárias para as Alterações Climáticas, Economia Circular e Azul desde 2018. Este papel de liderança tem representado uma oportunidade significativa para promover uma intensa cooperação entre universidades, centros de investigação, empresas privadas e entidades públicas.

Michelle Heupel

Michelle Heupel

A Dra. Michelle Heupel é Directora do Sistema Integrado de Observação Marinha da Austrália (IMOS). É uma investigadora com mais de 25 anos de experiência em ecologia, conservação e gestão de predadores marinhos, predominantemente tubarões e peixes. A sua carreira abrangeu uma série de sectores das ciências marinhas (universidade, agência de investigação com financiamento público, laboratório de investigação privado sem fins lucrativos, joint ventures). É antiga membro do Comité Científico das Espécies Ameaçadas da Commonwealth e foi membro da Delegação Australiana às reuniões do MOU da Convenção sobre Espécies Migratórias de Tubarões em 2016 e 2018. Em 2022, foi convidada a discursar na vigésima segunda reunião do Processo Consultivo Informal Aberto das Nações Unidas sobre os Oceanos e o Direito do Mar, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, e é vice-presidente da Aliança Regional Global do Sistema Global de Observação dos Oceanos. É considerada uma líder nacional e internacional na aplicação de dados sobre os oceanos para apoiar a política e a tomada de decisões.

admin-ajax

Laura Lorenzoni

Mais pormenores em breve.

Pierre Testor

Pierre Testor

Pierre Testor é oceanógrafo físico no LOCEAN, Paris, França. Foi o primeiro na Europa a instalar planadores em 2004 e, desde então, tem participado na animação científica da comunidade mundial de planadores, nomeadamente através da rede EGO. Ajudou a lançar o OceanGliders como um programa associado do GOOS em 2016 e é atualmente copresidente do mesmo. Cientificamente, preocupa-se com a variabilidade dos oceanos, com ênfase nas observações da circulação e mistura dos oceanos utilizando várias plataformas, e planadores em particular. Interessa-se mais especificamente por 1) a oceanografia regional do Mar Mediterrâneo e o desenvolvimento de observatórios oceânicos de longo prazo neste ponto quente das alterações climáticas e da biodiversidade (está a co-coordenar uma componente noroeste, o Sistema Mediterrânico de Observação dos Oceanos para o Ambiente, MOOSE, os fenómenos de mesoescala e submesoescala e o seu papel nas trocas entre vertentes, a formação de águas de inverno e o acoplamento físico-biológico.

pierre.testor@locean.ipsl.fr, https://www.researchgate.net/profile/Pierre-Testor.

Jerónimo Aucan

Jerónimo Aucun

Jerome Aucan dirige o Pacific Community Center for Ocean Science, na Pacific Community (SPC). Jerome traz décadas de experiência em ciência oceânica na região do Oceano Pacífico. Antes de ocupar o seu cargo no SPC, Jerome foi investigador no Instituto Francês de Investigação e Desenvolvimento (IRD). Os seus tópicos de investigação utilizaram a observação e a modelação dos oceanos para abordar questões-chave relevantes para o Pacífico, relacionadas com as variações do nível do mar e a circulação oceânica. Antes de trabalhar para o IRD, Jerome trabalhou durante 10 anos no Centro do Nível do Mar da Universidade do Havai, responsável pela manutenção dos marégrafos nas ilhas do Pacífico. Durante esse período, Jerome estabeleceu uma nova rede de bóias de monitorização de ondas, que mais tarde formou a espinha dorsal do Sistema de Observação dos Oceanos das Ilhas do Pacífico. Jerome é membro de vários comités e conselhos científicos e é o presidente do comité científico da Task Force Conjunta para investigar a utilização de cabos submarinos de telecomunicações para a monitorização dos oceanos e do clima e para o alerta de catástrofes (SMART Cables). Jerome tem um doutoramento em Oceanografia Física pela Universidade do Havai, uma pós-graduação em Matemática e Física Aplicadas pela Universidade James Cook em Townsville, Austrália, e um mestrado em Engenharia do Ambiente Marinho pela Ecole Nationale Supérieure des Techniques Avancées (ENSTA Paris, França).

Erin Satterthwaite WG8

Erin Satterthwaite

Erin Satterthwaite, PhD, é especialista em extensão do California Sea Grant e ecologista marinha no Scripps Institution of Oceanography. O seu trabalho centra-se na utilização e gestão sustentáveis dos recursos marinhos face a um clima em mudança. Erin é a coordenadora da California Cooperative Oceanic Fisheries Investigations (CalCOFI), uma série cronológica de longo prazo do ecossistema marinho com uma história de 72 anos, que contribui com informações valiosas sobre os efeitos das alterações climáticas no ecossistema da Corrente da Califórnia e nas comunidades costeiras. Os seus conhecimentos abrangem questões de sustentabilidade dos oceanos, incluindo a biodiversidade marinha, observações oceânicas, oceanografia biológica, gestão baseada em ecossistemas, sistemas sócio-ecológicos, investigação participativa, envolvimento diversificado e governação dos oceanos. A Erin tem colaborado com instituições como a The Oceanography Society (TOS), o Interagency Ocean Observing Committee (IOOC), o Global Ocean Observing System (GOOS) e a North Pacific Marine Sciences Organization (PICES). Além disso, Erin desempenha um papel em iniciativas internacionais, contribuindo para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável através do programa Early Career Ocean Professional, do programa Global Ecosystem for Ocean Solutions, do programa SmartNet e do Centro de Colaboração da Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Pacífico Norte. Erin Satterthwaite ajuda a melhorar a nossa compreensão dos ecossistemas marinhos e a promover práticas sustentáveis num mundo em mudança. Erin obteve o seu doutoramento e mestrado na Universidade da Califórnia, Davis, em Ecologia, e o seu bacharelato no Juniata College.

Irene Schloss

Irene Schloss

A Dra. Irene Schloss dirige o laboratório de Oceanografia Biológica no Centro Austral de Investigação Científica do Conselho Nacional de Investigação Científica da Argentina (CONICET), com sede em Ushuaia, Argentina. É também investigadora no Instituto Antártico Argentino e professora na Universidade Nacional da Terra do Fogo. Nos últimos 25 anos, desenvolveu uma vasta experiência na dinâmica do plâncton marinho polar e sub-polar, nas variações temporais e espaciais das comunidades de plâncton e na resposta das variáveis físico-químicas às alterações climáticas globais a partir de dados de campo, trabalho experimental e modelação. Desempenhou um papel de liderança em muitos projectos de investigação internacionais, relacionando as alterações climáticas com os fluxos de CO2 entre a atmosfera e o oceano, os efeitos da radiação UVB e o papel do plâncton marinho. A Dra. Schloss está empenhada em promover a cooperação científica internacional, especialmente no que diz respeito à investigação nas regiões polares, e é atualmente Vice-Presidente da SOOS.

admin-ajax

Mathieu Belbeoch

Mais pormenores em breve.

marco

Marcos Fontela

Oceanógrafo e biólogo apaixonado pelo ciclo do carbono num oceano em mudança. Oceanógrafo químico em início de carreira, especializado em biogeoquímica e processos de grande escala no Oceano Atlântico, com foco na Península Ibérica (Espanha/Portugal). Linhas de investigação com uma forte componente de oceanografia operacional e recolha de dados multidisciplinares in situ, maioritariamente em navios. Membro do nó ECOPs Espanha. Alumni do grupo de trabalho Euromarine OYSTER - Orienting Young Scientist Through Euromarine para apoiar investigadores em início de carreira em ciências marinhas. 

Grupo de Trabalho 8: Criar uma representação digital do oceano

Co-Presidentes:

WG8_Paula_Sierra_Correa

Paula Cristina Sierra-Correa

Desde 1996, Paula Cristina Sierra-Correa trabalha na INVEMAR. Fez parte da equipa que elaborou a política ambiental da zona costeira na Colômbia. Desde 2009, tem uma carreira importante em actividades relacionadas com os projectos de informação e dados para o Fundo Fiduciário da UNESCO da Flandres (FUST), tais como 1) Ponto Focal para o Projeto SPINCAM "Red de Información del Pacífico Sur en apoyo a la Gestión Integrada de Áreas Costeras (Chile, Colombia, Ecuador, Panamá y Perú)"; 2) participação ativa na investigação do Atlas Marinho das Caraíbas (CMA) ligado ao CLME+ e à cooperação sul-sul com África (Atlas ACMA); 3) Desde 2014 é Coordenadora do RTC na Estratégia OTGA da IOC/IODE/UNESCO; 4) Fez parte do Conselho Editorial do Global Ocean Science Report II liderado pela IOC/UNESCO; bem como, 5) fez parte do Clearing House Mechanism, agora OIH/ODIS para a região da América Latina e Caraíbas. Desde 2012, ela é a Secretária ad hoc do Conselho de Administração da INVEMAR. Atualmente, é líder do projeto GEF "Conservação e Uso Sustentável da Ciénaga Grande de Santa Marta, Colômbia 2023-2028". Também lidera uma ação da União Europeia sobre manguezais, ervas marinhas e comunidades locais nas Caraíbas 2017-2023 (MAPCO). Por outro lado, participou na implementação da política da zona costeira colombiana com a elaboração, execução e coordenação de mais de 30 projectos de investigação (pelo menos 5 projectos internacionais na América Latina). Autora de mais de 20 publicações científicas. Responsável técnica e administrativa de uma equipa de investigação com pelo menos 40 pessoas. Fez parte das delegações oficiais dos países na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, na Conferência das Partes da Convenção de Ramsar sobre Zonas Húmidas Marinhas e Costeiras e na Convenção sobre Alterações Climáticas.

Jan-Bart Calewaert

Jan-Bart Calewaert

Jan-Bart Calewaert formou-se como bioengenheiro em biotecnologia celular e genética (Universidade de Ghent, 2001). Depois de trabalhar para uma grande empresa agroquímica durante um curto período de tempo, regressou aos estudos, concluindo um mestrado adicional em Gestão do Ambiente Marinho na Universidade Livre de Bruxelas e na Universidade de Antuérpia (2004). Desde então, Jan-Bart tem coordenado uma série de projectos de investigação multidisciplinares, iniciativas e órgãos consultivos de política científica em apoio à investigação marinha, à gestão sustentável dos ambientes marinhos e costeiros e aos quadros políticos conexos a nível nacional, regional e mundial. Durante mais de seis anos no Secretariado do Conselho Marinho Europeu, Jan-Bart coordenou actividades prospectivas e políticas numa série de questões marinhas, antes de criar o Secretariado da Rede Europeia de Observação e de Dados do Meio Marinho (EMODnet) em 2013 para coordenar as suas actividades, em apoio à Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da CE (DG MARE). Em 2017, Jan-Bart co-fundou a Seascape Belgium, liderando uma equipa profissional de especialistas dedicados às ciências marinhas e aos dados, assegurando e gerindo fundos para projectos e iniciativas de conhecimento marinho em colaboração com vários parceiros a nível nacional, europeu e internacional. Desde o início da Década da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável, Jan-Bart tem apoiado o seu progresso, entre outros como copresidente do Grupo de Coordenação de Dados da Década (DCG), que produziu a primeira versão da Estratégia de Dados e Informação da Década, lançada em maio de 2023 (https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000385542). Desde junho de 2023, Jan-Bart assumiu uma nova missão como Gestor Principal do Gabinete de Coordenação da Década (DCO) sobre a Partilha de Dados sobre os Oceanos (ODS) para estabelecer o DCO em bases sólidas, apoiar os intervenientes da Década nos desafios e oportunidades relacionados com a partilha de dados e informações e assegurar o financiamento para o crescimento e evolução do DCO. O Comissário aguarda com expetativa a criação do DCO e a promoção do desenvolvimento da componente de partilha de dados do ecossistema digital necessário para apoiar a implementação bem sucedida das ambições da Década.

Membros especialistas:

dickschaap

Dick Schaap

Com um mestrado em Engenharia Costeira, Dick iniciou a sua carreira em 1980, trabalhando como engenheiro de projectos na Direção do Mar do Norte do Rijkswaterstaat (Departamento de Obras Públicas dos Países Baixos), e continuou desde o final dos anos 80 como Diretor-Geral da fundação MARIS e, mais tarde, também da empresa MARIS, como um spin-off do anterior projeto governamental MARIS destinado a melhorar a visão geral e o acesso aos dados marinhos. Como tal, tem uma vasta experiência na coordenação de muitos projectos nacionais e da UE sobre infra-estruturas de gestão de dados marinhos. É um verdadeiro perito europeu, tanto no sentido técnico como organizacional, organizando e gerindo cooperações a uma escala transnacional. É cofundador e coordenador técnico da SeaDataNet, a rede pan-europeia de NODCs. Tem também uma participação importante na conceção e implantação da EMODnet como infraestrutura europeia líder para produtos de dados marinhos, sendo coordenador técnico da EMODnet Bathymetry e Chemistry, coordenador da EMODnet Ingestion e parceiro da EMODnet Physics. Foi também coordenador técnico dos projectos ODIP 1 e 2, que significam Ocean Data Interoperability Platform (plataforma de interoperabilidade de dados oceânicos), reunindo as principais infra-estruturas MDM da Europa, EUA e Austrália. Além disso, é coordenador técnico do projeto Horizon Europe Blue-Cloud 2026, além de participar em vários outros projectos da UE, incluindo vários projectos sobre FAIRness, interoperabilidade de dados, infra-estruturas inteligentes e a European Open Science Cloud (EOSC).

Martin Visbeck

Martin Visbeck

Martin Visbeck é diretor da unidade de investigação Oceanografia Física no Centro Helmholtz de Investigação Oceânica GEOMAR de Kiel e professor na Universidade de Kiel, Alemanha. Os seus interesses de investigação centram-se no papel dos oceanos no sistema climático, na circulação oceânica, nos sistemas de afloramento, na observação global integrada dos oceanos, nos gémeos digitais dos oceanos e na dimensão oceânica do desenvolvimento sustentável. Está profundamente envolvido na Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030) e na promoção de observações sustentadas dos oceanos e de gémeos digitais dos oceanos. Participa em vários comités consultivos nacionais e internacionais, incluindo o Conselho de Administração do Conselho Internacional da Ciência (ISC), o Comité Científico Conjunto do Programa Mundial de Investigação sobre o Clima (WCRP), o Conselho de Investigação da Organização Meteorológica Mundial (OMM), o Conselho de Liderança da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN) e, no passado, foi membro do Conselho Consultivo Interino da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável 2021-2030 e da Assembleia do Conselho de Missão dos Oceanos da UE. Foi eleito membro da AGU, AMS, TOS, ISC e da Academia Europeia de Ciências.

WG8_Iain_Shepherd

Iain Shepherd

Iain Shepherd é um quadro superior ativo na Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da Comissão Europeia. Licenciado em física, trabalhou durante muitos anos no Centro Comum de Investigação da Comissão, apoiando a política da UE com dados científicos sobre questões como a segurança nuclear, a ajuda humanitária, a desminagem, a gestão e o controlo das pescas e (a prevenção de) armas de destruição maciça. Desde que se mudou para a Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas, tem contribuído para questões como os dados ambientais e económicos marinhos, o lixo marinho, o investimento na economia azul, as alterações climáticas e (ultimamente) a observação dos oceanos.

WG8_Véronique_Jégat

Véronique Jégat

Véronique Jégat é engenheira sénior de Geo-Dados na Fugro. Tem mais de 20 anos de experiência em hidrografia, abrangendo uma vasta gama de aplicações: deteção remota, processamento de aquisição de dados multifeixe e lidar, cartografia náutica e desenvolvimento de capacidades. Baseada na área de Toronto, lidera atualmente projectos de observação da Terra para aplicações marítimas. É licenciada em Engenharia (Master of Science eq.) pela ENSTA Bretagne (FIG/IHO/ICA S-5 Categoria A).

admin-ajax

Alain Arnaud

Mais pormenores em breve.

Gustav Kågesten

Gustav Kågesten

Gustav Kågesten é Diretor de Dados na HUB Ocean, uma fundação sem fins lucrativos que trabalha para desbloquear dados globais sobre os oceanos para um oceano mais saudável. Com formação em engenharia ambiental e ciência dos oceanos, Gustav tem mais de 15 anos de experiência nos sectores privado e governamental em dados geoespaciais dos oceanos. As suas competências específicas incluem o mapeamento do habitat do fundo do mar e avaliações de impacto cumulativo com base no ecossistema em diversos contextos a nível mundial, percebendo a necessidade de dados abertos na governação dos oceanos. Recentemente, co-liderou uma coligação internacional através da Convenção de Nairobi, desenvolvendo uma ferramenta de ciência para política "WIO Symphony" para o Planeamento Espacial Marinho no Oceano Índico Ocidental.

WG8_Marc_Taconet

Marc Taconet

Marc Taconet é o chefe da equipa de gestão da informação e do conhecimento na Divisão de Pescas e Aquacultura da FAO, na sede em Roma. Com uma formação de engenheiro agrónomo especializado em pescas, a sua carreira estende-se desde 15 anos de nomeações nas Caraíbas, África Ocidental, Oceano Índico Ocidental e Norte de África como bioestatístico e perito em SIG envolvido em actividades de desenvolvimento de capacidades, até 24 anos de várias responsabilidades no Departamento de Pescas e Aquicultura da FAO (Roma), incluindo Chefe do Departamento de Estatística e Informação, liderando o Sistema Global de Informação das Pescas da FAO (FIGIS), Secretário da Parceria do Sistema de Monitorização das Pescas e Recursos (FIRMS), Secretário interino do Partido Coordenador das Estatísticas das Pescas (CWP) durante os anos 2015-2019, Presidente do Conselho iMarine e ponto focal alternativo para o Indicador SDG SDG14.4.1.

WG8_REN_Xingyuan

Ren Xingyuan

Mestre em ciências informáticas, chefe da Divisão de Planeamento e Gestão de Ciência e Tecnologia do NMDIS. Dedica-se principalmente à conceção e construção de engenharia de informação marinha, conceção de arquitetura de computação em nuvem e segurança da informação, desenvolvimento e integração de sistemas de informação e trabalhos relacionados com a cooperação internacional. Nos últimos anos, na qualidade de líder de vários projectos a nível nacional, foram alcançados resultados frutuosos na demonstração e construção de engenharia oceânica inteligente, conceção de alto nível de informatização marinha, construção e gestão de redes de informação oceânica e construção de plataformas de computação em nuvem oceânica.

WG8_SUN_Miao

Sun Miao

PHD em sistema de informação geográfica, posto de gestão dos negócios estrangeiros do NMDIS, interesses de investigação que incluem a extração, partilha e aplicação de dados marinhos. Participou no projeto nacional de investigação e desenvolvimento "investigação e desenvolvimento de técnicas de análise e previsão de grandes volumes de dados marinhos" e no projeto "desenvolvimento do sistema ODINWESTPAC" no âmbito da IODE.

Mike Smit

Mike Smit

O Dr. Mike Smit estuda a intersecção entre as pessoas, a informação e a tecnologia, baseando-se na ciência da informação e da informática para explorar a forma como utilizamos a tecnologia emergente para beneficiar as pessoas, as organizações e a sociedade. Grande parte do seu trabalho recente consiste em garantir que os dados sobre os oceanos, o ambiente e o clima estão disponíveis, acessíveis e utilizáveis. É diretor científico adjunto do Ocean Frontier Institute, diretor da Associação Regional Atlântica do Sistema Integrado de Observação dos Oceanos do Canadá e, recentemente, foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento da proposta Proposta de transformação da ação climática. É o Reitor em exercício da Faculdade de Gestão da Universidade de Dalhousie e um académico e instrutor interdisciplinar premiado.

Toru Suzuki

Toru Suzuki

O Dr. Toru Suzuki é diretor-geral do Centro de Investigação de Informação Marinha da Associação Hidrográfica do Japão. A sua formação científica é em oceanografia física e o seu trabalho centra-se na gestão, resgate e controlo de qualidade de dados e informações oceanográficas, com quase 25 anos de experiência. É membro de vários grupos de direção da IODE da UNESCO/IOC e também membro do Comité Técnico de Intercâmbio de Dados da Organização de Ciências Marinhas do Pacífico Norte.

Steve Hall

Steve Hall

Steve Hall trabalha no domínio da ciência, tecnologia e política dos oceanos desde 1990, quando se juntou ao Conselho de Investigação do Ambiente Natural do Reino Unido para trabalhar na Experiência Mundial de Circulação Oceânica. No final dos anos 90, estava a gerir o programa de missões científicas Autosub AUV, com base no que é agora o Centro Nacional de Oceanografia. O seu trabalho centrou-se na observação sustentada dos oceanos, sistemas robóticos, gestão de riscos para amarrações em oceanos profundos e ligação com escolas, até passar para a área da política em 2006. Elaborou documentos de posição e respondeu a consultas governamentais em áreas que vão desde o desmantelamento de submarinos nucleares e operações seguras de AUV até à regulamentação da dragagem de vieiras, desenvolvimento de energias renováveis marinhas, reforma das pescas e gestão do espaço marinho. Integrou a delegação do Reino Unido na UNESCO-IOC, tornando-se Chefe de Delegação em 2013 e eleito Vice-Presidente da IOC em 2015. Nessa função, esteve envolvido na contribuição do COI para o desenvolvimento da política de alto mar na ONU e na formação da Década dos Oceanos da ONU. Em 2017, mudou-se para o sector privado como CEO da Society for Underwater Technology, em 2021 como CEO do Pembrokeshire Coastal Forum & Marine Energy Wales, em 2022 tornando-se um consultor privado que trabalha principalmente para o projeto Nippon Foundation / GEBCO Seabed 2030 e clientes em tecnologia marinha, política e governação. Steve é membro da IMarEST e da SUT, um cientista marinho certificado e membro da Marine Technology Society, da Challenger Society for Marine Science e da Scottish Association for Marine Science. É um operador de drones certificado e já filmou para clientes como o New York Times na Gronelândia e empreiteiros de arqueologia no País de Gales.

Peter Teye Busumprah

Peter Teye Busumprah

Peter Teye Busumprah é o Coordenador do Nó de Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (Nó do Gana) (UN OCEAN DECADE). Atualmente, tive uma bolsa de estudos na Associação Internacional de Geodesia (IUGG) (Alemanha) e na Associação para as Ciências da Limnologia e Oceanografia (Texas, EUA), que está a trabalhar para os Desafios 8 e 9 da Década dos Oceanos das Nações Unidas, com vista a criar uma representação digital do oceano e competências, conhecimentos e tecnologia para todos. Peter Teye Busumprah é membro da Associação Internacional de Ciências Hidrológicas (IUGG) (Alemanha), da Sociedade Americana de Pescas (EUA), Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas e do Sistema Global de Observação dos Oceanos. O seu diploma universitário e os seus certificados adicionais são nas áreas das Pescas, Marinha, Aquacultura e Tecnologias da Informação (T.I.). Peter Teye Busumprah está atualmente afiliado ao Ministério das Pescas e do Desenvolvimento da Aquicultura (Governo do Gana) e é aluno do Centro Nacional de Aquicultura (Gana). Peter está altamente motivado e empenhado em computação e simulações utilizando a ferramenta de processamento de imagens ESA SNAP, programação, desenvolvimento de sítios Web, Copernicus (imagens de satélite), pirataria informática, deteção remota e análise de dados. Faz um esforço consciente no sentido de obter novas competências e auto-desenvolvimento.

Gerben J. de Boer

Gerben J. de Boer

O Dr. Gerben J. de Boer tem mais de 20 anos de experiência em sistemas de informação marinha e costeira. Depois de se ter formado como engenheiro hidráulico, obteve o seu doutoramento em oceanografia costeira na Universidade de Tecnologia de Delft. Durante 12 anos, trabalhou no instituto de investigação Deltares como consultor especializado em deteção remota, modelação numérica 3D e gestão de dados. Financiado pelo consórcio neerlandês Building with Nature, co-fundou a comunidade OpenEarth para difundir a utilização de normas abertas e ferramentas de fonte aberta para permitir a partilha de dados multidisciplinares. Entre 2010 e 2015, foi membro do grupo de exportação de dados marinhos MODEG para a Comissão Europeia, que prestou aconselhamento sobre a EMODnet; atualmente, é membro do grupo de peritos MKEG, que lhe sucedeu, numa perspetiva industrial. Em 2014, Gerben juntou-se à Van Oord, um empreiteiro marítimo para energia offshore, dragagem e adaptação climática costeira. Na Van Oord, criou o Datalab, que transformou num departamento interno de 20 FTE que desenvolve aplicações inovadoras para transformar dados em valor. Desde 2023, é diretor de I&D e inovação na Van Oord.

WG8_Kate_Crosman

Kate Crosman

Kate é André Hoffman Fellow em Big Data na Agenda de Ação para os Oceanos do Fórum Económico Mundial e no Departamento de Tecnologia Marinha da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, com sede em Trondheim, Noruega. A sua investigação atual centra-se na utilização da tecnologia de megadados na governação e na tomada de decisões para os oceanos e as costas, especificamente na forma como a tecnologia de megadados e os processos relacionados interagem com as percepções das partes interessadas e os juízos de confiança. Trabalhos anteriores relacionados examinam a equidade social na governação dos oceanos e o conhecimento, atitudes, incentivos e tomada de decisões das partes interessadas na governação complexa dos oceanos e do clima. O trabalho de Kate baseia-se em políticas públicas, ciência política, gestão colaborativa, recursos comuns, sociologia organizacional, cognição e comportamento humanos e estudos de risco e sustentabilidade, e assenta na colaboração interdisciplinar. Trabalha com métodos qualitativos e quantitativos, e a sua experiência de campo varia desde a co-criação de investigação de sistemas sócio-ecológicos com a Nação Indígena Quinault na costa exterior do Estado de Washington até à observação participante da implementação de tecnologia de monitorização oceânica de grandes volumes de dados em Svalbard, Noruega. Kate tem um doutoramento em Políticas Públicas e Gestão pela Universidade de Washington e um mestrado em Recursos Naturais e Ambiente pela Universidade de Michigan.

Ann-Christine Zinkann

Ann-Christine Zinkann

Ann-Christine Zinkann ingressou na NOAA em 2020 como bolsista do Sea Grant Knauss e tem continuado seu trabalho como especialista em projetos no UCAR CPAESS e no Programa Global de Monitoramento e Observação dos Oceanos da NOAA, apoiando os objetivos de observação dos oceanos nos programas da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) Sistema Global de Observação dos Oceanos; Grupo de Coordenação de Observações; Sistema de Observação de Todo o Atlântico; a Década do Oceano e dados. Ann representa os Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP) nos dois programas da Década dos Oceanos, Ocean Observing Co-Design e Digital Twins of the Ocean, é membro do Grupo de Coordenação das Observações no âmbito do GOOS e do recém-formado Grupo Consultivo para os Oceanos na OMM. Tem um doutoramento em Biologia Marinha pela Universidade do Alasca Fairbanks e trabalhou anteriormente na dinâmica de redes alimentares polares utilizando análises de isótopos estáveis e modelação de redes alimentares.

Tanya_Haddad_WG8

Tanya Haddad

Tanya Haddad é Especialista em Sistemas de Informação no Programa de Gestão Costeira do Oregon, com formação em Biologia/Ciências Ambientais e Ciências Informáticas. Tem um mestrado em Gestão Ambiental Costeira pela Universidade de Duke e é uma gestora de dados experiente, com especialização em Gestão Costeira, Planeamento Espacial Marinho e implementações técnicas. Tanya está envolvida em acções de sensibilização relacionadas com a partilha de dados, informações e conhecimentos, tanto a nível local, como líder da Implementação do Quadro Costeiro e Marinho do Oregon, como a nível regional, como líder técnica do Portal de Dados dos Oceanos da Costa Ocidental. Atualmente, também é copresidente da ICAN, a Rede Internacional de Atlas Costeiros, um projeto da IODE.

Grupo de Trabalho 9: Competências, conhecimentos e tecnologia para todos

Co-Presidentes:

WG9_Edem_Mahu

Edem Mahu

Edem Mahu é professora catedrática de Biogeoquímica Marinha na Universidade do Gana. O seu ensino e investigação abrangem reconstruções paleoclimáticas e ambientais de ecossistemas marinhos, poluição marinha, conservação e abordagens baseadas na natureza para mitigar os riscos costeiros induzidos pelo clima. Atualmente, lidera os projectos Restauração e Conservação dos Recifes de Ostras para a Subsistência e Proteção dos Ecossistemas e Mangues como Soluções Baseadas na Natureza para os Riscos Costeiros no Gana. É membro do Programa ARISE da União Africana/União Europeia e do programa FLAIR da Royal Society. É membro da direção da Parceria para a Observação do Oceano Global. Está fortemente envolvida em actividades de desenvolvimento de capacidades em ciências do oceano em África e é co-organizadora da Escola de verão sobre o Oceano Costeiro no Gana e na Nigéria (COESSING) desde 2015. Faz parte dos conselhos de administração de quatro (4) programas aprovados pela Década dos Oceanos da ONU, nomeadamente, CoastPredict, Global Ocean Corps and Conveyor, EQUISEA e Ocean Best Practices System. Com o apoio da National Geographic Society e de outras organizações parceiras, está a levar a Universidade do Gana a acolher o Simpósio de Ciências Marinhas da África Ocidental. O simpósio, que tem como objetivo promover parcerias para o avanço da ciência dos oceanos na África Ocidental, é o primeiro do género a ser realizado na sub-região e foi aprovado como uma atividade da Década. Mahu recebeu o Prémio África 2022 da União Geofísica Americana (AGU) para a Excelência da Investigação em Ciências do Oceano. Ela é apaixonada por orientar a próxima geração de cientistas marinhos em África e criar oportunidades para profissionais dos oceanos em início de carreira no continente.

WG9_Brian_Arbic

Brian Arbic 

Arbic é um antigo voluntário do Corpo de Paz dos EUA e oceanógrafo físico. A investigação do seu grupo, financiada pela NASA, NOAA, DOE, NSF e pelo Gabinete de Investigação Naval, centra-se nas marés, nas ondas gravitacionais internas, nos remoinhos de mesoescala e no papel do oceano no tempo e no clima. Arbic fundou a Coastal Ocean Environment Summer School in Ghana(COESSING), que decorre anualmente durante uma semana desde 2015, e o Global Ocean Corps and Conveyor, um esforço global para aumentar o número de oceanógrafos de países com menos recursos. As equipas do COESSING e do Ocean Corps incluem muitos cientistas em início de carreira e cientistas de países com menos recursos. O COESSING é um projeto aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, e o Ocean Corps é um programa global aprovado pela Década.

Membros especialistas:

WG9_Zhen_Sun

Zhen Sun
Zhen Sun, Professora Associada (Investigação/Sustentabilidade, Governação e Gestão dos Oceanos), WMU-Sasakawa Global Ocean Institute, Universidade Marítima Mundial.
Os principais interesses de investigação de Zhen incluem o direito do mar, a regulamentação internacional do transporte marítimo, a igualdade de género na governação dos oceanos, as acções climáticas e a proteção do ambiente marinho. Contribuiu para a realização do Mestrado e do Programa de Doutoramento em Assuntos Marítimos através de um importante trabalho de ensino e supervisão. A Zhen contribuiu para o trabalho editorial de alguns projectos de livros e publicou vários capítulos de livros e artigos de revistas sobre vários tópicos do direito do mar e da governação dos oceanos. Na WMU, Zhen tem desempenhado um papel ativo no lançamento e execução de uma série de programas de investigação de alto nível, incluindo a função de co-investigadora principal (PI) do programa Empowering Women for the United Nations Decade of Ocean Science for Sustainable Development. O programa "Empowering Women" foi aprovado como uma ação da Década (nível de programa) pela COI/UNESCO.

WG9_Samina_Kidwai

Samina Kidwai

A Dra. Samina Kidwai é a atual Directora-Geral do Instituto Nacional de Oceanografia, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo do Paquistão. Cientista marinha (Oceanografia Biológica) há mais de 29 anos, 26+ anos no NIO com mais de 15+ anos de experiência pós-doutoral. Mestrado. Ciências Marinhas e das Pescas (Universidade de Aberdeen, Escócia), Doutoramento em Biologia Marinha, Universidade de Karachi, Estágio pós-doutoral em Oceanografia Observacional, Bermuda Atlantic Time-Series, BIOS, Bermuda. Interesses de investigação em Oceanografia Biológica. Mestrado em Administração de Empresas, IoBM, especialização em Gestão de Recursos Humanos. Interessado em Capacitação Nacional & Fortalecimento em Ciências do Oceano para o Paquistão, e preparação do Paquistão para programas internacionais. Envolvimento na diplomacia científica internacional e coordenação nacional para o progresso em oceanografia. Foi cientista visitante no Instituto Dinamarquês de Investigação Pesqueira DFRIS (atualmente DFU), na Escola Rosenstiel de Investigação Marinha e Atmosférica (RSMAS), Miami, EUA. Ganhou bolsas de estudo para formação pós-doutoral e DIFRES através de concurso internacional aberto. Representou o Paquistão no Bangladesh, Bélgica, Bermudas, China, Dinamarca, Índia (SAARC), Itália, Kuwait, Líbano, Malásia, Noruega, Omã, Sri-Lanka, Tailândia, Reino Unido e Estados Unidos da América. Membro do Comité Nacional da SCOR (Comissão Científica de Investigação Oceanográfica) desde 2005, membro da IOCINDIO da UNESCO, membro a título pessoal da equipa de trabalho de reforço das capacidades (CBTT) da IMBeR (Integrated Marine Biogeochemistry & Ecosystem Research) desde 2010, membro do Conselho Executivo da IOC/UNESCO (PAQUISTÃO-Grupo IV). Recebeu vários prémios internacionais, incluindo o YOUNG SCIENTIST CERTIFICATE OF COMMENDATION IHDP, IGBP, WCRP, Washington, EUA, pela sua publicação. Coordenadora do lado paquistanês de duas colaborações internacionais do NIO com instituições de investigação chinesas. Mais de 60 publicações científicas (revistas científicas/revistas por pares com fator de impacto, capítulos de livros, relatórios de projectos/técnicos, etc.) e mais de 200 dias de experiência no mar. Chefe de equipa em muitos projectos de investigação e consultoria da NIO. Diretor de projeto de dois projectos de desenvolvimento do sector público, GOP, com experiência no ciclo de gestão de projectos e contratos públicos.

WG9_Evgeniia_Kostianaia

Evgeniia Kostianaia

Evgeniia é a coordenadora global do Programa para Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira ("Programa ECOP"), aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas, e consultora do COI/UNESCO. O objetivo do programa é apoiar os profissionais do oceano em início de carreira no desenvolvimento das suas capacidades e no seu trabalho, proporcionando uma rede de contactos significativa, formação, desenvolvimento profissional, oportunidades de financiamento e criando capacidade de cooperação e intercâmbio de conhecimentos. Evgeniia é uma gestora ambiental marinha com interesses de investigação em poluição marinha, clusters oceânicos, ligações entre alterações climáticas e segurança alimentar e impactos das alterações climáticas no turismo costeiro e nas infra-estruturas ferroviárias. Evgeniia é também o Ponto Focal de Moscovo do Instituto Internacional dos Oceanos (Malta). É membro de um grupo de trabalho sobre o desenvolvimento sustentável da região do Mar Cáspio e da Rede Científica Integrada do Cáspio (CASPISNET). Co-editora de um livro em dois volumes "Plastics in the Aquatic Environment" (Springer, 2022).

WG9_Sophie_Seeyave

Sophie Seeyave

Sophie Seeyave é Directora Executiva da Parceria para a Observação do Oceano Global (POGO), sediada no Laboratório Marinho de Plymouth, no Reino Unido. A sua formação científica é em ecologia do fitoplâncton, com um doutoramento em Harmful Algal Blooms em sistemas de afloramento, pela Universidade de Southampton. Desde 2009, tem estado envolvida na gestão de programas científicos, trabalhando inicialmente para o Surface Ocean Lower Atmosphere Study (SOLAS). Sophie lidera a POGO, enquanto organização internacional e instituição de solidariedade social do Reino Unido, e supervisiona o trabalho do Secretariado, uma equipa de quatro membros localizados no Reino Unido e em Portugal. Os membros da POGO são 55 instituições de investigação oceanográfica de 29 países, que trabalham em conjunto para a observação global dos oceanos. A missão do POGO articula-se em torno de 3 pilares: inovação, desenvolvimento de capacidades e divulgação/advocacia. A POGO é um parceiro de implementação da Década, e um dos seus objectivos neste contexto é ajudar a aumentar a participação dos países em desenvolvimento na Década. A POGO é também a organização líder da Rede de Observação Biomolecular dos Oceanos (OBON), um programa aprovado pela Década. Sophie contribui para a supervisão de programas científicos como o International Quiet Ocean Experiment (IQOE), OBON e, anteriormente, a GEO Blue Planet Initiative, da qual foi copresidente de 2016 a 2020. Também representa a POGO em organizações intergovernamentais, como o Grupo de Observação da Terra (GEO), a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (IOC/UNESCO) e a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (CQNUAC).

WG9_Aidy_Muslim

Aidy M Muçulmana

Aidy M Muslim é professor catedrático no Instituto de Oceanografia e Ambiente da Universiti Malaysia Terengganu, Malásia. Aidy está envolvido em várias investigações sobre a aplicação da tecnologia espacial e da gestão de dados, especialmente em teledeteção, SIG e tecnologias conexas. O seu grupo de investigação tem recebido financiamento de organismos internacionais e nacionais em vários sectores, especialmente recursos nacionais, gestão ambiental e de catástrofes e planeamento estratégico. Aidy estabeleceu-se internacionalmente, especialmente na Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO. Desde 2015, é copresidente da Academia Global OceanTeacher e membro de vários grupos directores internacionais, entre os quais o quadro de gestão da qualidade da COI, o Grupo de Peritos em Desenvolvimento de Capacidades da COI (GE-CD) e o Sistema de Informação e Dados Oceânicos da COI (ODIS).

WG9_Sarah_Mahadeo

Sarah Mahadeo

Bolseiro de investigação. Sasakawa Global Ocean Institute, Universidade Marítima Mundial, Malmo, Suécia. Sarah é uma planeadora espacial com formação em Biologia, Planeamento Urbano, Planeamento Espacial Marinho (PEM) e Economia Azul. Atualmente, trabalha como investigadora sobre o OEM nas Caraíbas Orientais em temas que incluem o envolvimento das partes interessadas, o planeamento transfronteiriço, as interacções terra-mar e o desenvolvimento do OEM em pequenos Estados insulares em desenvolvimento (PEID). Antes da investigação, trabalhou na prática de planeamento com o Estado na sua terra natal, Trinidad e Tobago. Também trabalhou com a iniciativa MSP Global da IOC-UNESCO para actividades de desenvolvimento de capacidades sobre MSP e Economia Azul e como editora de uma série de resumos de políticas relacionadas com MSP numa série de tópicos, incluindo Alterações Climáticas, Governação dos Oceanos, Economia Azul e Desenvolvimento de Capacidades. Sarah também tem experiência no planeamento e facilitação de workshops sobre Planeamento Azul, participando em eventos de formação para os SIDS das Caraíbas e países do Oceano Índico Ocidental.

WG9_Pamela_Buchan

Pamela Buchan

Bolseiro de investigação, Universidade de Exeter, Reino Unido. Buchan é um cientista social marinho e académico ativista que trabalha na interface interdisciplinar e multissectorial dos seres humanos e do oceano. Buchan ganhou o Prémio de Impacto ESRC 2022 e lidera a atividade aprovada pela Ocean Decade, Co-conceptualising Marine Identities. Como investigador, Buchan está focado em compreender as motivações da cidadania marinha e democratizar a governação marinha, como forma de enfrentar o Desafio 10 da Década do Oceano da ONU. Com formação em biologia marinha e gestão de zonas costeiras, a sua investigação atual abrange a geografia humana, a psicologia ambiental e o direito ambiental, entre outras disciplinas. Para apoiar esta missão, Buchan desempenha também funções públicas na Devon & Severn Inshore Fisheries and Conservation Authority e na Cattewater Harbour Commissioners, que gerem, respetivamente, a pesca costeira regional em zonas marinhas protegidas e o porto comercial de Plymouth, no Reino Unido.

WG9_Kristina_Alexander

Kristina Alexander

Kristina Alexander é a Cátedra de Política e Direito Marítimo do Harte Research Institute for Gulf of Mexico Studies (HRI) em Corpus Christi, Texas. Exerceu advocacia na área dos recursos naturais durante mais de 20 anos, incluindo no Serviço de Investigação do Congresso em Washington, D.C., e no Sea Grant. Atualmente, concentra-se na comunicação de questões jurídicas relacionadas com a gestão das pescas, a resiliência costeira, a dessalinização e outras questões marinhas, através do ensino e da publicação do HRI Third Coast Lines.

WG9_Juliet_Hermes

Julieta Hermes

Juliet lidera uma equipa que se dedica à observação, modelação e investigação do ambiente marinho na África Austral, no âmbito da Rede de Observação Ambiental da África do Sul. Juliet é também professora na Universidade da Cidade do Cabo e na Universidade Nelson Mandela. Tem uma experiência significativa no desenvolvimento e gestão de observações oceânicas multidisciplinares nacionais, regionais e internacionais. A sua paixão é a promoção de colaborações regionais e internacionais, bem como o desenvolvimento de capacidades. Juliet concentra a sua atenção no desenvolvimento, assegurando a geração e partilha de conhecimentos, bem como o crescimento de um grupo diversificado de cientistas marinhos. Juliet fez parte do Painel Regional do Oceano Índico da CLIVAR, do GEO Blue Planet, da Associação da Orla do Oceano Índico, do GCOS e do Grupo Africano de Apoio aos Peritos Negociadores. Apoia os sistemas globais de observação dos oceanos através do GOOS Observation Coordination Group, bem como as suas normas e melhores práticas através do IOC/GOOS Ocean Best Practices Group.

WG9_Xin_Lin

Xin Lin

Professor associado da Faculdade de Ciências do Mar e da Terra, Universidade de Xiamen.
Xin é bióloga marinha. A sua investigação, financiada pela Fundação Nacional de Ciências Naturais da China e pelo Programa Nacional de Investigação e Desenvolvimento da China, centra-se na biodiversidade marinha, na fisiologia e ecologia do fitoplâncton, na proliferação de algas nocivas, na simbiose dos corais e no ecossistema de carbono azul. Xin é membro do comité do 70.8 Media Lab, que é o primeiro meio de comunicação marinho criado conjuntamente por instituições de investigação de topo e meios de comunicação social de renome na China, e que se dedica a tornar-se uma plataforma inovadora para a divulgação de conhecimentos sobre ciências marinhas, o cultivo de talentos científicos e a transformação de realizações científicas e tecnológicas. Xin é o membro do IPO do projeto COASTAL-SOS, que é um projeto aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. Esta iniciativa articula uma abordagem inovadora de parceria trans-setorial na conceção, realização e entrega "da ciência de que precisamos para o oceano que queremos". Estamos a estabelecer uma parceria com vários intervenientes, incluindo instituições académicas de renome, empresas industriais e fundações sem fins lucrativos e ONG/OIG, dos países da Ásia Oriental, para co-desenhar eficazmente a implementação do projeto.

WG9_Li_Li

Li Li

Li é a Directora da Divisão de Cooperação Internacional no Primeiro Instituto de Oceanografia (FIO), Ministério dos Recursos Naturais, na China. Tem experiência na organização de eventos internacionais de formação, actividades e conferências, bem como na gestão e coordenação de projectos científicos internacionais. É também geoquímica marinha e o seu interesse de investigação centra-se nos processos de ciclo biogeoquímico de elementos vestigiais no sistema marinho. Liderou uma série de projectos fundados pelo CNSF, COMRA e MOST na China. É atualmente a representante do Comité Nacional da Década da China.

WG9_Elígio_de_Raús_Maúre

Elígio de Raús Maúre

Oceanógrafo com vasta experiência em cruzeiros oceanográficos e atualmente a trabalhar no desenvolvimento de soluções geoespaciais no Google Earth Engine (GEE). Foi investigador do Northwest Pacific Region Environmental Cooperation Center(NPEC), uma organização sem fins lucrativos em Toyama, Japão, onde passou mais de 4 anos a trabalhar na aplicação de imagens de satélite para a monitorização da qualidade da água e para a promoção da literacia oceânica através da formação em análise de dados de deteção remota por satélite utilizando o Google Earth Engine e Python. Contribuiu com o Global Eutrophication Watch, uma aplicação GEE para a monitorização da eutrofização utilizando imagens de satélite. É a primeira do seu género e foi desenvolvida no âmbito do projeto "Marine Coastal Eutrophication" como parte da iniciativa de oferecer acesso gratuito ao GEE pelo Grupo de Observações da Terra (GEO) para aumentar a utilização das observações da Terra para enfrentar os maiores desafios do mundo. Desde 2022, tem liderado um grupo de Profissionais do Oceano em Início de Carreira (ECOPs) em toda a África no desenvolvimento de recursos de treinamento em análise de dados de cores do oceano para ajudar os ECOPs africanos a enfrentar melhor os desafios da Década do Oceano. Tem um doutoramento em estudos ambientais (oceanografia) e uma pós-graduação em estudos clínicos ambientais pela Universidade de Nagoya, Japão. A sua investigação de doutoramento centrou-se nos impactos dos remoinhos de mesoescala na produtividade do fitoplâncton.

WG9_Cosmas_Nzaka_Munga

Cosmas Nzaka Munga

Cosmas Nzaka Munga é Professor Sénior na Universidade Técnica de Mombaça (TUM), servindo como Presidente do Departamento de Ciências do Ambiente e da Saúde. Sob este departamento, nos últimos 4 anos desde 2019, ele tem gerido 5 programas académicos: Saúde Pública, Saúde Comunitária, Ciências Ambientais, Nutrição e Dietética, e Marinha e Pescas, com um total de 13 docentes a tempo inteiro e, em qualquer altura, um total de 8 docentes a tempo parcial. Há mais de 18 anos que trabalha na ecologia, biologia e avaliação de stocks da pesca artesanal e semi-industrial ao longo da costa do Quénia. Especificamente para responder a questões de investigação sobre o estado de exploração de espécies de pesca comercial de peixes e mariscos na promoção da utilização sustentável. Isto para além da aplicação da Abordagem do Ecossistema para responder a questões de investigação relacionadas com a sustentabilidade ambiental e a promoção do bem-estar humano.

Gail Sant

Gail Sant

Gail Sant é uma mulher maltesa que é motivada pessoal e profissionalmente por um amor de longa data pelo oceano. Tem formação em biologia e em política global dos oceanos e do clima e trabalha como responsável pelo programa Ocean Voices da Nippon Foundation-University of Edinburgh. Além disso, Gail trabalha em projectos ambientais a vários níveis organizacionais através da sua consultoria independente. A sua experiência inclui trabalhar com a UNFCCC, Earth Negotiations Bulletin, The Conservation Collective, entre outros. Ao longo do seu trabalho, Gail sente que está sempre a "regressar às bases". Esta noção deriva de um profundo apreço e de um reconhecimento acionável de que as comunidades na vanguarda dos desafios dos oceanos e do ambiente têm de ser os líderes de movimentos globais de maior dimensão. Durante o seu tempo de trabalho e as muitas horas que passa ao ar livre, Gail procura aprender mais sobre a relação da humanidade com a natureza e como os nossos sistemas podem refletir a crença de que não existe uma verdadeira separação entre os dois grupos. Ela espera que, através do seu trabalho, possa ser uma pequena parte da mudança de paradigma em direção a um planeta equitativo e saudável para todos.

Grupo de Trabalho 10: Mudar a relação da humanidade com o oceano

Co-Presidentes:

WG10_Diz_Glithero

Diz Glithero

O trabalho da Diz como educadora interdisciplinar, investigadora em ciências sociais e líder de projectos é especializado na aprendizagem e envolvimento cívico dos oceanos, do clima e da sustentabilidade. Ao longo de 20 anos de experiência como educador, investigador, professor adjunto (Universidade de Ottawa) e consultor, Diz liderou vários projectos regionais e nacionais. Em 2017, Diz atuou como líder de educação para o Canadá C3, uma expedição de 150 dias baseada em navios de Toronto a Victoria através da Passagem do Noroeste. Desde 2018, Diz atua como líder nacional da Canadian Ocean Literacy Coalition, co-liderando o estudoUnderstanding Ocean Literacy in Canada (2019-2020), coautor de Land, Water, Ocean, Us: A Canadian Ocean Literacy Strategy (março de 2021), e cofundador da Ocean Week Canada. Diz atua como uma das comunidades de campeões da Ocean Decade do Canadá. Internacionalmente, Diz co-lidera a iniciativa Ocean Literacy Research Community (OLRC), bem como atua como membro do Comité Diretor do Programa Ocean Literacy With All liderado pela IOC-UNESCO, um especialista no Grupo de Trabalho Ocean Citizen Awareness da All-Atlantic Ocean Research and Innovation Alliance, um membro do Comité do Programa para a Conferência da Ocean Decade 2024 da ONU e copresidente do Grupo de Trabalho 10 para o processo Ocean Decade Vision 2030. A Diz é mãe de um filho e de uma filha fantásticos e é uma ávida esquiadora, remadora, nadadora de águas abertas e leitora.

WG10_Nicola_Bridge

Nicola Bridge

Nicola Bridge é a Directora da Ocean Advocacy and Engagement na Ocean Conservation Trust (OCT). Nicola é Bióloga de Conservação com mais de 17 anos de experiência em educação ambiental formal e informal, envolvimento e comunicação científica, especificamente ligada ao ambiente marinho. Nicola dedicou a sua carreira a ajudar as pessoas a ligarem-se ao oceano, a acederem aos benefícios que este lhes proporciona, ao mesmo tempo que promove a sua própria compreensão de como podem ajudar a apoiar um oceano próspero. Através do seu trabalho, muitos milhares de pessoas tiveram a oportunidade de conhecer o oceano em primeira mão. Nicola é membro do Defra Ocean Literacy Working Group e co-fundadora da rede We Are Ocean. Nicola é Presidente da EMSEA (European Marine Science Educators Association), liderando a organização na sua missão de atuar como um centro para a comunidade europeia de educação marinha, promovendo a literacia do oceano em toda a sociedade e trabalhando com cientistas, professores, decisores políticos e o público. É apaixonada por mudar a narrativa sobre o que constitui a conservação, reconhecendo que todos no planeta são responsáveis pela saúde do mundo natural que nos sustenta e que a proteção dos habitats e das espécies é, em muitos casos, apenas uma questão de comportamento humano. Nicola também adora o oceano!

Membros especialistas:

Louisa Hooper

Louisa Hooper

A Louisa tem uma longa e variada carreira na Fundação e, desde 2010, tem sido pioneira em programas no âmbito do pilar de financiamento ambiental da Delegação do Reino Unido. Nos últimos anos, tem-se centrado na Valorização do Oceano - apoiando novas redes e abordagens para promover um envolvimento efetivo na proteção marinha em colaboração com colegas em Portugal e no sector da conservação. Louisa foi fundamental para a criação do grupo Marine CoLABoration. Participa em vários grupos consultivos, incluindo a Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos e o Desenvolvimento Sustentável e o Grupo de Trabalho sobre Literacia dos Oceanos do Reino Unido. Louisa foi Secretária do Trustees for the Saint Sarkis Charitable Trust (também criado por Calouste Gulbenkian) de 2003 a 2013 e tem experiência em comunicação, publicação e educação. Os seus primeiros trabalhos para a Fundação incluíram a produção da antologia de arte e ambiente, Wild Reckoning, e de Saudade: Uma antologia de poesia de fado com traduções originais dos principais nomes da poesia inglesa atual. No passado, foi professora no Japão e trabalhou para a Organização Nacional de Turismo do Japão. Louisa estudou inglês em Cambridge e é uma poetisa publicada. Foi júri dos Prémios Koestler e editou a revista Brittle Star para novos escritores durante muitos anos.

WG10_Judy_Mann

Judy Mann-Lang

A Judy é apaixonada pelos oceanos. Começou a sua carreira na Associação Sul-Africana para a Investigação Biológica Marinha (SAAMBR) em Durban, em 1992, onde desempenhou várias funções, incluindo - Directora de Educação, Directora do uShaka Sea World, a primeira mulher a ser Directora Executiva da SAAMBR e Estratega de Conservação. Atualmente, é Executiva de Projectos Estratégicos na Two Oceans Aquarium Foundation, na Cidade do Cabo. Tem um mestrado em Ictiologia, uma licenciatura em Administração de Empresas e um doutoramento em Cultura e Aprendizagem Ambiental pela Universidade de Queensland, na Austrália. É Presidente da Associação Internacional de Educadores de Zoo (IZE) e faz parte do Conselho da Associação Mundial de Zoos e Aquários (WAZA).

carlie

Carlie Wiener

A Dra. Carlie Wiener é a Directora de Comunicação e Estratégia de Envolvimento do Schmidt Ocean Institute. Iesta função de liderança, ela chamou a atenção internacional para a ciência realizada através do programa de navios do instituto e expandiu as parcerias globais. A Dra. Wiener tem mais de quinze anos de experiência em comunicações de ciências marinhas, trabalhando em estratégia, investigação, sensibilização da comunidade, avaliação e liderança profissional. Obteve o seu bacharelato magna cum laude em comunicações e o seu mestrado e doutoramento em estudos ambientais na Universidade de York em Toronto, Canadá. A sua investigação anterior centrou-se na integração das ciências naturais e sociais na gestão marinha, na educação ambiental, na aprendizagem experimental e no turismo de mamíferos marinhos. Carlie também foi a anfitriã do podcast mensal sobre ciências marinhas, All Things Marine durante seis anos, e leccionou vários cursos sobre a comunicação das ciências oceânicas ao público. Tem mais de doze publicações revistas por pares, abrangendo investigação em gestão baseada em ecossistemas, análise qualitativa, impacto ambiental e educação científica.

WG10_ACHARE ELVIS AYAMBA

Achare Elvis Ayamba

Com um mestrado em Pescas e Ciências Aquáticas, Achare Elvis Ayamba é um Profissional dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP) com mais de 06 anos de experiência na conservação de ecossistemas de água doce, costeiros e marinhos, trabalhando com Povos Indígenas e Comunidades Locais (IPLC), Jovens e Mulheres jovens. Ele é o fundador da Environment and Food Foundation (E2F), com a missão de minimizar e reduzir a degradação dos ecossistemas marinhos, costeiros e de água doce e construir um futuro em que os seres humanos tenham a mentalidade certa para viver em harmonia com a natureza, usando o poder de: Educação, Ativismo, Defesa de Políticas, Economia Circular, Investigação e Conservação. Ayamba é um criador de mudanças apaixonado envolvido em; Trazendo novas abordagens para a conservação que leva em conta os direitos, valores e culturas do IPLC, bem como perspectivas críticas da juventude sobre a conservação da natureza e da diversidade biológica, tendo um espaço inclusivo, diversificado e equitativo para todos os atores e promovendo uma cogestão eficaz e governança equitativa em áreas marinhas protegidas e conservadas. A Ayamba está empenhada em construir um futuro sustentável para os Camarões e para África, onde as pessoas e a natureza prosperem, procurando seguir um caminho claro para um desenvolvimento sustentável, com baixas emissões de carbono e resiliente. Ayamba é membro de mais de 20 redes e coligações internacionais, incluindo: Membro especialista do Grupo de Trabalho 10 para o processo Ocean Decade Vision 2030 do COI da UNESCO. Membro da Global Ghost Gear Initiative (GGGI). Membro da Prevent Waste Alliance. Membro das comissões da UICN da WCPA, CEC e CEM. Membro da Aliança para a Biodiversidade das OSC de África (ACBA). Membro do nó regional da ECOP em África. Ayamba ganhou igualmente 4 prémios internacionais notáveis, incluindo Galardoado com o Commonwealth Youth Award for Excellence in Development Work, galardoado com o EE 30 Under 30, galardoado com o Top 100 Young African Conservation Leaders e galardoado com o Youth Innovation Challenge.

WG10_Easkey_ Britton

Easkey Britton

A Dra. Easkey Britton é uma reputada surfista irlandesa e cientista social marinha com um profundo amor e paixão pelo mar. Especializada em "saúde azul" e nas interdependências entre os oceanos e os seres humanos, contribui com a sua experiência em projectos de investigação nacionais e internacionais, incluindo o projeto INCLUSEA, financiado pelo programa Erasmus+, que promove uma maior inclusão das pessoas com deficiência no surf na Europa. Easkey publicou numerosos artigos em revistas especializadas e é autora de vários livros sobre a nossa relação humana com o oceano, incluindo "Saltwater in the Blood" (2021), "50 Things to Do By the Sea" (2021) e "Ebb and Flow: Connect with the Patterns and Power of Water" (2023). A sua experiência combinada como embaixadora profissional do surf e investigadora ultrapassa o âmbito académico e estende-se a parcerias de investigação aplicada e de ação e a projectos co-criativos liderados pela comunidade, incluindo o seu papel como membro do conselho de administração da Save the Waves International; a facilitação de experiências baseadas no género do espaço azul no Médio Oriente; o Seasuit Project, a conceção de vestuário desportivo destinado a criar uma maior diversidade e inclusão das mulheres nos desportos aquáticos.

WG10_Sebastian_Thomas

Sebastião Tomás

O Dr. Sebastian Thomas é um consultor estratégico e académico de renome em matéria de alterações climáticas, economia azul, carbono azul, transição energética e ciência da sustentabilidade. Trabalha com a indústria e o meio académico e tem uma experiência significativa em vários sectores, incluindo o desenvolvimento internacional, as energias renováveis, os recursos e o ambiente, e a educação. É Diretor da Blue Praxis, uma empresa de consultoria internacional que fornece inteligência organizacional estratégica e educação nas áreas das alterações climáticas, sustentabilidade dos oceanos, mercados de carbono, tecnologias emergentes, transformação e resiliência empresarial e política ambiental. É também o responsável pelo clima e pelo ambiente na QIC - a Queensland Investment Corporation - onde lidera a descarbonização da carteira de investimentos globais de 60 mil milhões de dólares da QIC. É membro sénior adjunto da Curtin University e membro do Conselho da Sociedade Internacional de Desenvolvimento Sustentável (ISDRS). Sebastian é um instrutor de mergulho e mergulhador técnico, um ávido caminhante e leitor, e pai de dois filhos e um border collie.

WG10_Diaz Costanzo

Guadalupe Diaz Costanzo 

Guadalupe Díaz Costanzo é Directora de Museus, Exposições e Feiras do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação da Argentina e directora executiva do Centro Cultural da Ciência (C3) desde 2017. Trabalha desde 2014 em divulgação científica e exposições em museus. A exposição Ocean, que foi lançada pela primeira vez em outubro de 2021 e foi desenvolvida sob sua coordenação, recebeu o prêmio internacional do ICOM (Conselho Internacional de Museus) por "estabelecer um padrão inspirador para museus de ciência sobre como eles devem desenvolver exposições e programas no futuro". É responsável pelo desenvolvimento e implementação de políticas públicas nacionais de educação e divulgação científica. Entre outras iniciativas, foi responsável pelo desenvolvimento do primeiro prémio nacional para mulheres cientistas em comunicação científica, em colaboração com a Embaixada de França na Argentina, e pelo Programa Nacional Escolas Azuis, para encorajar as escolas a trabalharem em temas oceânicos e ambientais nas suas comunidades. Tem um doutoramento em física pela Universidade de Buenos Aires, que incluiu uma bolsa Erasmus na Universidade de Groningen, nos Países Baixos. Além disso, concluiu uma pós-graduação em educação e novas tecnologias na Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO). Participa frequentemente em conferências e encontros nacionais e internacionais sobre divulgação científica, centros de ciência e políticas públicas. Foi consultora de organismos internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento e a Inter-Academy Partnership. É a representante argentina especialista em Literacia do Oceano no projeto europeu AANCHOR. Foi recentemente convidada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos para participar no International Visitor Leadership Program.

Olga Mashkina

Olga Mashkina

Como perito sénior da ACTeon com mais de 15 anos de experiência em economia marinha e da água, política, governação (internacional dos oceanos) e literacia dos oceanos, Olga lidera as actividades marinhas e oceânicas do ACTeon, prestando apoio regular a projectos de investigação e consultoria para a CE (DG MARE e EG ENV em particular). As áreas de especialização de Olga incluem a análise socioeconómica, a avaliação de políticas e a avaliação de impacto. No seu trabalho, Olga tem também trabalhado extensivamente no envolvimento de diferentes audiências (decisores políticos, jovens, sector privado, investigação e sociedade em geral) em questões relacionadas com o mar. Há quase 10 anos que Olga se dedica à literacia dos oceanos e à comunicação marinha. Coordenou o projeto ResponSEAble www.responseable.eu e desde 2020 é coordenadora da Coligação EU4Ocean www.eu-oceanliteracy.eu.

WG10_Apripril_Peebler

Abril Peebler

Depois de ter deixado a sua prática de advocacia para garantir que os seus filhos recebessem uma educação significativa em que os problemas do mundo real fossem abordados, em 2016, Abril apoiou os seus filhos na criação da Heirs To Our Ocean (H2OO), juntamente com outros 11 adolescentes que estavam preocupados com o planeta que estão a herdar. Abril assumiu os papéis de Directora Executiva e Directora de Programas, doando o seu tempo em ambas as funções, e aplicou o modelo de aprendizagem interdisciplinar baseado em projectos e centrado em temas do mundo real que tinha desenvolvido em 2010 à programação da H2OO. A H2OO serve jovens de todo o mundo, em todos os continentes habitáveis, e a Abril trabalha incansavelmente para garantir que 4/5 dos jovens participantes provêm de circunstâncias e origens tradicionalmente marginalizadas e que recebem bolsas de estudo completas com base nas necessidades para participar na programação da H2OO. Todos os programas da H2OO têm uma base de liderança empática, são holísticos e abrangentes, ligam os jovens através de barreiras e dão prioridade a servir os jovens que se encontram atualmente em situação mais vulnerável. Abril acredita de todo o coração que a sobrevivência da humanidade depende do facto de a educação se afastar dos modelos que enfatizam o "sucesso" competitivo orientado para o lucro e o estatuto, ou do "eu" e do "mim". Abril é uma líder de pensamento na educação para o futuro, partilhando que a educação que promove a humanidade tem no seu cerne uma liderança empática, centrada no "nós", em que todos os jovens têm a oportunidade de compreender o valor das fontes de vida intactas no nosso planeta, de se aperceberem dos impactos humanos nessas fontes de vida hoje em dia e de desenvolverem competências da vida real para navegarem eficazmente naquilo que estão a herdar. Mais importante ainda, a educação deve proporcionar uma oportunidade intencional para que os jovens de hoje resolvam, em colaboração, os maiores desafios que a sua geração enfrenta, a partir do ensino básico, de modo a desenvolver uma base de conhecimentos e a adquirir competências muito antes de seleccionarem as suas carreiras e entrarem na universidade.

WG10_Rachel_Kelly

Rachel Kelly

A Dra. Rachel Kelly é uma socioecologista marinha e mediadora de conhecimentos no Centro de Socioecologia Marinha da Universidade da Tasmânia. Supervisiona a abordagem do centro em relação ao envolvimento dos utilizadores finais e à utilização da investigação no contexto da informação sobre questões e soluções marinhas, costeiras e climáticas. Nesta função, também efectua investigação. A investigação de Rachel centra-se nas dimensões humanas da sustentabilidade e é predominantemente inter/transdisciplinar, trabalhando com diversas equipas para desenvolver soluções sustentáveis para os desafios do oceano e do clima, incluindo no Future Seas 2030 e nos programas Curious Climate Tasmania e Curious Climate Schools . Tem colaborado amplamente, por exemplo, no âmbito da Universidade Marítima Mundial na Suécia, do consórcio Future Oceans and Coastal Infrastructures (FOCI) no Canadá, do iDiv na Alemanha, do NESP Climate Systems Hub, da Universidade Nacional Australiana e de outros grupos interdisciplinares internacionais. A Rachel também demonstrou uma forte liderança como investigadora em início de carreira, evidenciada pelo reconhecimento como uma das 40 melhores investigadoras em início de carreira e uma das 5 melhores em Ciências Sociais na Austrália. Com um forte enfoque em conhecimentos teóricos e aplicados e uma abordagem altamente interdisciplinar, Rachel é uma embaixadora forte e entusiasta da investigação e da prática da sustentabilidade marinha.

WG10_Natalie_Hart

Natalie Hart

Natalie Hart é Directora da Unidade de Estratégia e Perspetiva dos Oceanos na Communications Inc. É responsável pela investigação e estratégia de comunicação para a OneOcean Flotilla, uma rede de cerca de cem organizações oceânicas em todo o mundo. É especialista na utilização da comunicação, da narrativa e do storytelling para combater alguns dos problemas mais complexos do mundo. Natalie tem uma vasta experiência na conceção e realização de campanhas de mudança comportamental em todo o mundo, incluindo vários anos passados no Médio Oriente e no Norte de África. Como autora, Natalie tem um interesse pessoal pelo papel da literatura na mudança social. Vive na Cornualha, Reino Unido, com um cão chamado Slug.

Romney McPhie

Romney McPhie

Romney McPhie (ela/ele) é bióloga marinha, educadora, artista, conservacionista dos oceanos e colaboradora empenhada. Tem um mestrado em biologia marinha pela Dalhousie University e uma licenciatura em Ciências do Ambiente pela University of British Columbia. Como Coordenadora Científica do Centro Colaborativo da Década do Oceano da Fundação Tula para o Pacífico Nordeste e o Instituto Hakai, trabalha com uma equipa apaixonada para apoiar e facilitar o conhecimento co-desenhado e co-produzido para soluções colaborativas para os desafios do oceano na região do Pacífico Nordeste. Nos últimos 20 anos, teve uma carreira variada, promovendo a recuperação de espécies em risco, trabalhando para melhor compreender e proteger a diversidade biológica e apoiando as pessoas na utilização sustentável dos ambientes costeiros e marinhos. Trabalhou com entusiasmo como cientista de campo e mergulhadora de expedição; bióloga de tubarões para o Departamento Canadiano de Pescas e Oceanos (DFO); consultora ambiental centrada nos ecossistemas costeiros e na recuperação de habitats; coordenadora de projectos regionais e planeadora marinha para a Parceria do Plano Marinho para a Costa do Pacífico Norte (MaPP); e bióloga sénior e planeadora de recuperação de espécies em risco para o DFO, com ênfase na grande megafauna marinha. Atualmente, ajuda a gerir a Rede de Ação para a Biodiversidade do Pacífico Nordeste, uma rede transfronteiriça de profissionais dos oceanos, aprovada pela Década dos Oceanos, que trabalha para promover o conhecimento e a ação no domínio da biodiversidade marinha no Mar Salish e não só. Através desta e de outras funções, tem experiência na ligação entre a ciência e a tomada de decisões e gosta de reunir as pessoas para desenvolverem em conjunto a ciência e a divulgação de soluções. É membro do Shark Specialist Group North America Group da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e também desenha sempre que pode, emprestando a sua caneta a projectos centrados na ciência e na conservação, sempre que o seu trabalho diário o permite.

WG10_Paul_ Anderson

Paul Anderson

O Professor Paul Anderson ocupa atualmente o cargo de Reitor da Escola de Design do Royal College of Art (RCA). A RCA lidera a tabela das 200 melhores universidades do mundo para o estudo da arte e do design no QS World University Subject Rankings de 2023 e tem mantido esta posição nos últimos nove anos. Com um papel de liderança executiva sénior no ensino superior, o Professor Anderson tem uma vasta experiência académica e no mundo real, contribuindo para a prática do design e oferecendo consultoria tanto à indústria como ao governo do Reino Unido. Reconhecido internacionalmente pela sua investigação pioneira em interfaces 3D, háptica, som 3D e interação baseada em gestos, o Professor Anderson tem uma reputação mundial. A importância da sua investigação é reconhecida por entidades de prestígio como a Ford Motor Company e a QinetiQ (anteriormente The British Defence Evaluation Research Agency), resultando em esforços de colaboração significativos. Foi responsável pela geração pessoal de receitas de investigação no valor de 8,1 milhões de libras de fontes como o EPSRC, NESTA e AHRC e publicou mais de 69 livros, revistas, relatórios estratégicos, actas de conferências e patentes revistos por pares sobre o tema da visualização 3D avançada e investigação de interação em vários domínios. A sua investigação abrange a Simulação em Tempo Real, Resiliência de Design, Desenvolvimento Avançado de Produtos, Design para Segurança, Comando e Controlo, bem como Sistemas Complexos e Críticos relacionados com ambientes, anatomia humana e plataformas complexas. O Professor Anderson faz atualmente parte do Conselho Consultivo Internacional para o Design for Good e é membro do Conselho do AidLab e do Comité Técnico (estabelecendo o Primeiro Laboratório de Design Alimentado por IA do Mundo com a RCA e a Universidade Politécnica de Hong Kong (PolyU). É também responsável pelo estabelecimento do RCA como parceiro da UNESCO na Década dos Oceanos, apoiando o NEMO (Novo Modelo Económico para os Oceanos do Mundo) na Escola de Design do RCA.  

turra

Alexander Turra

Sou professor do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo e coordenador da Cátedra UNESCO de Sustentabilidade Oceânica. Exerço pesquisa interdisciplinar e integrada, com foco em temas como biodiversidade marinha, governança, gestão integrada, conservação marinha e impacto ambiental, mudanças climáticas e poluição marinha (lixo marinho). Procuro promover a integração entre ciência e sociedade e promover a Literacia do Oceano, apoiando a educação formal e não formal através da capacitação de professores e da produção de materiais de apoio. O meu trabalho procura também estabelecer um diálogo com o sector privado para o desenvolvimento tecnológico e a inovação aplicada ao oceano. Tenho trabalhado em fóruns e organizações nacionais (e.g. Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Secretaria Interministerial para os Recursos do Mar, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, BPBES) e internacionais (e.g. GESAMP, UNESCO, UNEP, UNEA, Instituto Interamericano de Pesquisas sobre Mudanças Globais, Ocean Decade, Regular Process) com abordagens multi e transdisciplinares visando a integração da ciência e da tomada de decisão.

WG10_Ken_Paul

Ken Paul

Ken é membro da Primeira Nação Wolastoqey, na comunidade de Neqotkuk, cujo território tradicional se situa na costa atlântica setentrional, abrangendo a fronteira Canadá/EUA entre o Maine, New Brunswick e o Quebeque, incluindo a Baía de Fundy e as proximidades do Golfo do Maine. Nos últimos 11 anos, ocupou os cargos de Diretor das Pescas na Assembleia das Primeiras Nações e, anteriormente, no Atlantic Policy Congress of First Nations Chiefs. Ken tem defendido as Primeiras Nações a nível regional, nacional e internacional em todos os aspectos relacionados com as pescas, a aquacultura, a proteção dos oceanos e os recursos aquáticos, na medida em que se relacionam com os direitos, a legislação e a política inerentes aos aborígenes e protegidos por tratados. Isto inclui sistemas de conhecimentos indígenas, prosperidade económica, envolvimento da comunidade, transporte marítimo, energias renováveis e gestão de recursos. Anteriormente, trabalhou durante 10 anos em cartografia oceânica no terreno com o Serviço Hidrográfico Canadiano e outros 10 anos com a Parks Canada como Conselheiro Sénior de Políticas no Canadá Atlântico e como Superintendente da Unidade de Campo nos Territórios do Noroeste. Ken tem um MBA da St Mary's University e uma licenciatura da Dalhousie University em Halifax, Nova Escócia, e tem uma formação extensiva em liderança, desenvolvimento de políticas, mediação, relações laborais, governação das Primeiras Nações e ensinamentos tradicionais. Entre as suas outras iniciativas, Ken é o negociador principal das pescas e coordenador de investigação da Nação Wolastoqey de New Brunswick.

WG10_Ray_Yen

Ray Yen

O Dr. Yen licenciou-se no programa de doutoramento do Instituto de Gestão de Recursos Humanos da Universidade Nacional Central (2008-2013) e no Instituto/Departamento de Turismo da Universidade de Cultura Chinesa (1999-2005). Atualmente, é Diretor do Centro de Planeamento e Formação da Academia Nacional de Investigação Marinha (2022-presente), Professor Associado do Instituto de Pós-Graduação em Educação/Centro de Formação de Professores da Universidade Nacional dos Oceanos de Taiwan (2015-presente), Presidente do Comité de Formação da Associação Internacional de Cruzeiros de Taiwan (2020-presente), Secretário-Geral da Associação de Educadores Marinhos da Ásia (AMEA) (2017-presente), Diretor Executivo da Associação de Desenvolvimento do Distrito Empresarial da Ilha de Keelung Zhengbin Heping (2022-presente), Diretor da Associação de Intercâmbio para o Desenvolvimento Sustentável de Taiwan (2021-presente).
Antigo académico visitante na Universidade da Califórnia, em Berkeley (2019), investigador de pós-doutoramento (2013-2015) e líder de desenvolvimento de políticas (2015-2017) do Centro de Educação Marinha de Taiwan, responsável pelo cultivo de profissionais marinhos, incluindo o desenvolvimento da política de cultivo de talentos da indústria de cruzeiros. Participou na primeira e segunda fase dos Projectos Nacionais de Energia, responsável pela formação de talentos no domínio da energia eólica e pelos projectos de popularização da ciência da energia (2009-2013). Lecciona principalmente cursos como educação marinha, gestão de recursos humanos, seminário de educação em turismo marinho, cultivo de talentos profissionais marinhos e organização da aprendizagem. Orienta os estudantes para investirem na criação local e na inovação e empreendedorismo, tendo obtido excelentes resultados em muitos concursos nacionais.

GT1

Grupo de Trabalho 1: Compreender e combater a poluição marinha

Co-Presidentes:

Captura de ecrã 2023-08-25 às 11.29.22 (1)

Rosemary Rayfuse

Rosemary Rayfuse é Professora Catedrática Emérita de Direito Internacional na Faculdade de Direito e Justiça, UNSW Sydney (Universidade de Nova Gales do Sul, Sydney, Austrália). É membro da Academia das Ciências Sociais da Austrália, membro do Grupo Conjunto de Peritos sobre os Aspectos Científicos da Proteção do Ambiente Marinho (GESAMP), Professora Visitante Honorária na Escola de Negócios, Economia e Direito da Universidade de Gotemburgo, Suécia, Professora Adjunta da Universidade da Tasmânia, membro do Comité da Associação de Direito Internacional sobre Direito Internacional e Subida do Nível do Mar e Árbitro ao abrigo do Protocolo Ambiental do Tratado da Antárctida. Generalista em direito internacional público, é especialista em Direito do Mar e proteção do ambiente marinho, com especial incidência nos oceanos polares, pescarias de alto mar, poluição marinha, biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional e alterações climáticas e oceanos. Tem mais de 300 publicações em seu nome e prestou aconselhamento a vários governos, organizações internacionais e organizações não governamentais internacionais.

inominado

Vanessa Hatje

Vanessa Hatje é uma oceanógrafa com um doutoramento em Ciências Marinhas. A sua investigação centra-se nos metais vestigiais e no ciclo biogeoquímico do carbono e na forma como os processos naturais e antropogénicos influenciam estes elementos. O seu grupo de investigação desenvolve novas técnicas analíticas para detetar metais vestigiais, incluindo elementos de terras raras e contaminantes orgânicos em matrizes marinhas. Ela e os seus alunos aplicam estes métodos novos e pré-existentes para compreender melhor os factores que afectam o ciclo dos contaminantes vestigiais, as transferências nas interfaces continente-oceano e as interacções com componentes bióticos e abióticos nos ecossistemas costeiros. Os seus projectos mais recentemente financiados incluem o estudo de elementos críticos para a tecnologia (por exemplo, REE) em ambientes marinhos tropicais, isótopos de REE e Nd na Antárctida e a dinâmica do Blue C em mangais e ervas marinhas. Entre 2014 e 2020, foi membro do comité científico do Programa Internacional GEOTRACES. Entre 2019 e 2021, foi membro do Grupo Consultivo Permanente da AIEA sobre Aplicações Nucleares (SAGNA) e do Comité de Capacitação do Comité Científico de Investigação Oceânica (SCOR) entre 2017-2022. É membro do GESAMP e presidente do grupo de trabalho WG45 do GESAMP - Alterações climáticas e impactos relacionados com os gases com efeito de estufa nos contaminantes do oceano. É editora associada da revista Limnology & Oceanography.

Membros especialistas:

WG1_Peter_Kershaw

Peter Kershaw

Peter Kershaw é um cientista independente do ambiente marinho sediado no Reino Unido. De 1980 a 2014, trabalhou no Centro de Ciências do Ambiente, Pescas e Aquacultura (Cefas) em Lowestoft, tendo participado numa grande variedade de projectos e iniciativas de investigação nacionais, europeus e internacionais. Estes projectos incidiam sobre muitos aspectos diferentes da proteção do ambiente marinho, desde processos ambientais específicos, contaminantes e actividades até sistemas socioecológicos e a interface ciência-política. Desde 2014, tem trabalhado como consultor independente, em grande parte no domínio internacional, com um foco principal nos plásticos. Envolveu-se no GESAMP em 2008, foi presidente/copresidente do WG40 sobre 'Fontes, destino e efeitos dos plásticos no ambiente marinho desde 2012, e é um antigo presidente do GESAMP (2013 - 2019). Representou o GESAMP em várias actividades da Década dos Oceanos: i) Copresidente do workshop Clean Ocean na reunião de Planeamento Global em Copenhaga, maio de 2019; ii) Copresidente do WG1 Clean Ocean na reunião de Planeamento Regional do Atlântico Norte em Halifax, janeiro de 2020; e, iii) orador no Laboratório virtual Clean Ocean em novembro de 2021, liderando a sessão de abertura sobre "A procura da mudança - a necessidade de partilha de conhecimentos e reforço de capacidades". Atualmente, é co-convocador de uma sessão especial na Conferência Científica Anual do PICES (outubro de 2023, Seattle), como contributo para o objetivo do Oceano Limpo, sobre: 'The emergence and ecological impact of emerging pollutants in the coastal marine environment'.

Paco Bustamante

Paco Bustamante

Paco Bustamante é Professor Catedrático na Universidade de La Rochelle, onde é também Diretor Adjunto da Escola de Doutoramento. A sua investigação centra-se na bioacumulação e transferência de poluentes nas teias alimentares marinhas, com especial atenção para os diferentes compartimentos superiores, cefalópodes, peixes, aves e mamíferos marinhos. Para além da ecotoxicologia marinha, trabalha na ecologia trófica dos organismos marinhos utilizando marcadores tróficos (isótopos estáveis, elementos vestigiais, lípidos). Publicou mais de 300 artigos em revistas com revisão por pares nestes domínios. De 2017 a 2022, foi membro sénior do IUF (Institut Universitaire de France) e, desde 2022, é perito científico do OESG (Open-ended Scientific Group) para a avaliação da eficácia da Convenção de Minamata sobre o Mercúrio. princípios.

WG1_Lara_Pinheiro

Lara Pinheiro

Lara Pinheiro é Bióloga, com Mestrado e Doutoramento em Oceanografia, os quais se centraram maioritariamente na poluição por plásticos no ambiente marinho. A sua experiência de investigação vai desde a avaliação da contaminação por macro e microplásticos em sistemas costeiros (como praias arenosas, salinas e mangais), passando pela compreensão dos impactos destes poluentes nos invertebrados, até ao seu trabalho atual no sentido de ajudar a desenvolver alternativas seguras aos plásticos derivados do petróleo utilizando os princípios da economia circular.

WG1_Heidi_Fiedler

Heidelore "Heidi" Fiedler

Heidelore "Heidi" Fiedler é professora aposentada de Química da Universidade de Örebro, em Örebro, Suécia (2015-2021). Antes de assumir esta função, trabalhou durante 15 anos no Departamento de Produtos Químicos do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) em Genebra, na Suíça. Iniciou a sua carreira académica na Universidade de Bayreuth, na Cátedra de Química Ecológica e Geoquímica, e no Instituto Bávaro de Investigação de Resíduos em Augsburgo, Alemanha. Com um mestrado em química e um doutoramento em ciências naturais, a sua investigação centra-se na química ambiental; desde a identificação e quantificação de fontes de poluentes ambientais (orgânicos persistentes) até ao seu destino no ambiente e posterior transporte para a exposição humana e efeitos nos seres humanos e no ambiente. Começou por trabalhar com dibenzodioxinas e furanos policlorados e, nos últimos anos, tem liderado um projeto de monitorização global de substâncias alquílicas perfluoradas (PFAS) para o PNUA em 42 países. É também professora convidada na Universidade de Tsinghua (Pequim, China) e na Universidade de Jinan (Jinan, China) e tem um doutoramento honorário da Universidade de Örebro (2009). Tem muitos anos de experiência em gestão de projectos, publicações, organização de conferências (Simpósio Internacional sobre Poluentes Orgânicos Persistentes Halogenados, Dioxin20xx) e fez parte da direção de muitas instituições nacionais e internacionais.

WG1_Maxi_Castrillejo

Maxi Castrillejo

Maxi Castrillejo é um oceanógrafo amplamente interessado na forma como o oceano adquire, redistribui e armazena propriedades que são de importância crítica para o clima e os ecossistemas marinhos. Por um lado, a sua investigação centra-se na quantificação e compreensão da origem e destino da radioatividade marinha. Por exemplo, esteve envolvido na quantificação das descargas radioactivas das centrais nucleares danificadas de Fukushima Daiichi no Oceano Pacífico e das descargas das instalações nucleares europeias no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo. Por outro lado, utiliza a radioatividade natural e antropogénica para compreender como as águas oceânicas se deslocam e se misturam nas bacias oceânicas. Para além deste trabalho, também contribuiu para estudos que utilizam a radioatividade para quantificar a força da bomba biológica marinha e as entradas atmosféricas de micronutrientes essenciais no oceano. No meu dia a dia, pode encontrar o Maxi em expedições oceanográficas no mar, a desenvolver novos métodos num laboratório de química ou a analisar os resultados dos modelos de circulação geral dos oceanos.

WG1_Rebecca_Zitoun

Rebecca Zitoun

Rebecca Zitoun é investigadora de pós-doutoramento no GEOMAR Helmholtz Centre for Ocean Research Kiel, trabalhando na biogeoquímica de metais vestigiais e nos impactos ambientais das actividades mineiras em águas profundas. A sua formação inclui especiação de metais vestigiais, toxicologia, acidificação dos oceanos e paleoceanografia. É membro ativo do Konsortium Deutsche Meeresforschung (KDM) e trabalhou como consultora para a Agência Internacional da Energia Atómica (IAEA) em questões marinhas, incluindo plásticos marinhos. Nos últimos anos, centrou-se também no reforço das capacidades dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento, na literacia oceânica, na interface com a política científica e no envolvimento de profissionais dos oceanos em início de carreira (ECOP) na Década das Nações Unidas. É antiga Jovem Embaixadora do Conselho Marinho Europeu, presidente do Comité SCOR para o Desenvolvimento de Capacidades, copresidente eleita do Sistema de Melhores Práticas do Oceano (OBPS), co-líder da Equipa de Trabalho de Literacia do Oceano do Programa ECOP da Década das Nações Unidas e perita convidada do Grupo de Trabalho 45 do GESAMP "Alterações Climáticas e Impactos Relacionados com os Gases com Efeito de Estufa nos Contaminantes do Oceano". Tem um doutoramento e um diploma de pós-graduação da Universidade de Otago (Nova Zelândia), um mestrado da Universidade de Oldenburg (Alemanha) e uma licenciatura da Universidade de Frankfurt (Alemanha).

JIANG_Chunhua_WG1

Chunhua Jiang

Centra-se no transporte de microplásticos em estuários e em metodologias de amostragem de plásticos em margens de rios e praias para a ciência cidadã. Trabalha voluntariamente como atual coordenadora da ECOP (Early Career Ocean Professionals) China para ajudar a capacitar as ECOP, participando na literacia oceânica da Aisa, membro do Centro Regional de Formação e Investigação sobre Detritos Marinhos Plásticos e Microplásticos, IOC/UNESCO, e membro do Instituto de Reciclagem e Inovação de Plásticos.
Tem 8 anos de experiência de estudo no domínio marinho, obteve um mestrado académico no State Key Laboratory of Estuarine and Coastal Research e no Plastic Marine Debris Research Center da East China Normal University. Obteve um bacharelato em ciência e tecnologia da pesca marinha na Ocean University of China. Começará um estágio no CJN - Joint FAO/IAEA Centre of Nuclear Techniques in Food and Agriculture - Soil Water Management and Crop Nutrition Laboratory (SWMCNL) para investigar os microplásticos nos solos agrícolas.

WG1_Charles_Goddard

Charles Goddard

Charles Goddard é Diretor Executivo da Back to Blue, uma iniciativa da Economic Impact e da The Nippon Foundation. Charles imagina e constrói as iniciativas emblemáticas da Economist Impact, cujo objetivo é catalisar o progresso em questões-chave da atualidade. Trabalha em estreita colaboração com os parceiros em temas que vão desde o envelhecimento e a longevidade até à saúde dos oceanos, centrando-se particularmente nos cuidados de saúde, no Antropoceno e na economia azul. Baseado em Hong Kong, Charles foi anteriormente diretor editorial para a Ásia da Economist Intelligence Unit, diretor de investigação na Ásia e diretor executivo da Economist Corporate Network, uma rede de pares para executivos seniores. Atualmente, é diretor executivo da World Ocean Initiative.

WG1 Andrei Polejack

Andrei Polejack

Andrei Polejack é consultor sénior para os oceanos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, com um doutoramento em Assuntos Marítimos pela Universidade Marítima Mundial e uma licenciatura e mestrado em Ecologia pela Universidade de Brasília. Profundamente envolvido na interface ciência-política, as suas funções incluem a coordenação de programas nacionais de investigação oceânica e polar, a prestação de aconselhamento técnico à governação, a formulação e implementação de políticas públicas, a gestão do orçamento e a negociação de acordos internacionais, entre muitas outras. Como investigador transdisciplinar, Andrei está interessado na Diplomacia da Ciência dos Oceanos como campo de estudo, procurando compreender a complexa interação entre cientistas dos oceanos e diplomatas, juntamente com a esfera política da dinâmica do poder e dos interesses no domínio marinho. Teoricamente apaixonado pelo raciocínio pós-colonial e descolonial aplicado às relações internacionais e as suas muitas formas de ligação com a ciência dos oceanos. Uma alma latina, pai orgulhoso de três dos melhores seres humanos e um amante de cães, gatos, papagaios-do-mar, cerveja e fikas.

WG1_Kenneth_Leung

Kenneth Leung

Kenneth Leung é Professor Catedrático no Departamento de Química da Universidade da Cidade de Hong Kong, onde também é Diretor do Laboratório Estatal de Poluição Marinha e Reitor Associado (Investigação e Ensino de Pós-Graduação) na Faculdade de Ciências. Os seus interesses de investigação incluem a poluição marinha, a ecotoxicologia, a ecologia marinha, a conservação da biodiversidade e a restauração ecológica utilizando a eco-engenharia. Publicou mais de 280 artigos em revistas com revisão por pares nestas áreas, com um índice H de 57 e mais de 10.500 citações. Em junho de 2021, a sua proposta de lançamento do Programa de Monitorização Global de Estuários (GEM) foi aprovada pelas Nações Unidas como uma Ação da Década dos Oceanos para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030). O Prof. Leung recebeu numerosos prémios e reconhecimentos pelas suas contribuições para a ecologia aquática e a toxicologia ambiental na região Ásia-Pacífico. Foi agraciado como membro da Sociedade de Toxicologia e Química Ambiental (SETAC) em 2017 e recebeu o 19.º Prémio Biwako de Ecologia da Sociedade Ecológica do Japão. Em 2018, foi reconhecido como um dos 100 melhores cientistas asiáticos pela Asian Scientist Magazine. Em 2022, o Prof. Leung foi eleito Fellow da Royal Society of Chemistry e Fellow da Royal Society of Biology.

Mahesh PRADHAN

Mahesh Pradhan

Com quase três décadas de experiência no Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), Mahesh é atualmente o Coordenador do Órgão de Coordenação dos Mares da Ásia Oriental (COBSEA), um mecanismo intergovernamental que reúne nove países (Camboja, República Popular da China, Indonésia, República da Coreia, Malásia, Filipinas, Tailândia, Singapura e Vietname) na proteção e conservação da região dos mares da Ásia Oriental. O Programa para os Mares Regionais inclui 18 Convenções e Planos de Ação para os Mares Regionais a nível mundial, estando o seu 50º aniversário previsto para 2024. A COBSEA é uma das 7 Convenções e Planos de Ação para os Mares Regionais administrados pelo PNUA. Em abril de 2023, os países participantes da COBSEA aprovaram um novo Quadro sobre Ecossistemas Marinhos e Costeiros, sob o tema geral da Economia Azul Sustentável. Este Quadro centra-se no Planeamento Espacial Marinho e Costeiro, nas Áreas Marinhas Protegidas, bem como na Conservação e Restauração de Habitats (recifes de coral, mangais, ervas marinhas e zonas húmidas costeiras) em apoio aos objectivos e metas do Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal (K-M GBF). Os países participantes da COBSEA aprovaram anteriormente um Plano de Ação Regional para o Lixo Marinho (RAP MALI), que é atualizado de dois em dois anos. O RAP MALI da COBSEA está estreitamente ligado aos esforços globais em curso para um novo tratado juridicamente vinculativo sobre plásticos e lixo marinho através do processo do Comité de Negociação Intergovernamental (INC). O COBSEA acolhe o Nó Regional da Ásia Oriental da Parceria Global sobre Plásticos e Lixo Marinho (GPML), que é uma plataforma de conhecimento que também inclui uma base de dados de investigação com mais de 700 publicações científicas e dados sobre a poluição por plásticos na região dos mares da Ásia Oriental.

WG1_Kathryn_Sheps

Kathryn Sheps

Kathryn é uma cientista marinha de formação e uma facilitadora e organizadora de coração. Depois de concluir um mestrado em ciências marinhas na Universidade do Sul da Florida, Kathryn dividiu o seu tempo entre o campo e o laboratório, trabalhando para uma pequena empresa de investigação e desenvolvimento. O desenvolvimento de novas tecnologias marinhas relacionadas com o clima e o facto de passar muito tempo nas águas da Baía de Tampa e arredores incutiram-lhe um sentido de urgência na abordagem das alterações climáticas e uma paixão pelo desenvolvimento de soluções climáticas, especialmente as que envolvem o oceano. De regresso a Vancouver, Kathryn seguiu a sua paixão para o Morris J Wosk Centre for Dialogue na Simon Fraser University, onde trabalhou como convocadora, facilitadora e gestora de programas no programa de soluções climáticas, reunindo pessoas com diversas origens e experiências num diálogo transformador e centrado em soluções sobre questões, ideias e políticas cruciais. No Centro de Colaboração da Década dos Oceanos para o Pacífico Nordeste, Kathryn continua a dedicar-se à ideia de que, trabalhando em conjunto, não há desafios que não possam ser resolvidos.

WG1_Soraya_Silva

Soraya Silva

Soraya J. Silva é Investigadora Associada, chefe do Laboratório de Fitoplâncton, no Centro de Oceanologia e Estudos Antárcticos (COEA) do Instituto Venezuelano de Investigação Científica (IVIC). É também o segundo ponto focal da COI/UNESCO e é uma das vice-presidentes da Subcomissão da COI/UNESCO para as Caraíbas e Regiões Adjacentes (COIARIBE). É doutorada em Oceanografia e Ciências Costeiras, tendo estudado os efeitos do gasóleo e do cobre na comunidade fitobentónica de uma zona costeira, através da análise de pigmentos fotossintéticos de diferentes taxa utilizando Cromatografia Líquida de Alta Resolução (HPLC). O seu interesse de investigação é na área da oceanografia biológica, com enfoque na dinâmica do fitoplâncton e nos blooms de algas nocivas. Tem uma vasta experiência na cultura de microalgas e atualmente gere uma coleção de culturas de microalgas e cianobactérias de diferentes origens e coordena vários projectos de investigação, tanto nacionais como regionais. A par da coordenação e execução de projectos de investigação, desenvolve actividades de transferência de conhecimento para as comunidades costeiras e integra actividades de ensino, tutoria e formação de alunos de licenciatura e pós-graduação.

WG1_Joana_Akrofi

Joana Akrofi

Joana Akrofi é responsável pela gestão de programas no Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), Divisão de Ciência, Secção de Grandes Dados. Atualmente, lidera a co-conceção do Sistema Global de Monitorização Ambiental dos Oceanos (GEMS Ocean) com parceiros para disponibilizar dados, análises e informações relevantes que orientem as acções de conservação e utilização sustentável dos oceanos e das costas. Isto inclui a coordenação da construção e convocação de uma comunidade global de prática entre especialistas e a sociedade em geral para fornecer capacidade, análise, inovação e informação sintetizada aos decisores e políticos, sociedade civil, organizações internacionais em todo o mundo numa abordagem holística para manter o oceano global e as costas saudáveis e produtivas. O GEMS Ocean promove e convoca uma abordagem de parceria transdisciplinar, incluindo parceiros da ONU e da sociedade civil, fornecedores de dados, sistemas de observação e detentores de activos de conhecimento para traduzir o conhecimento coletivo dos oceanos e das costas em informação sustentada e orientada para os decisores, e para desencadear acções transformadoras à escala centrada na utilização sustentável das costas e dos oceanos e na saúde dos ecossistemas, bem como para informar desenvolvimentos como a economia azul sustentável e o planeamento espacial marinho. As suas funções na Divisão Científica incluíram também avaliações científicas do ambiente marinho e costeiro, nomeadamente no âmbito do Global Environment Outlook (GEO), da Avaliação Mundial dos Oceanos (WOA) e da Avaliação das Águas Transfronteiriças do GEF (GEF-TWAP). É também a Secretária Técnica do Grupo Conjunto de Peritos sobre os Aspectos Científicos da Proteção do Ambiente Marinho (GESAMP) para o PNUA e o Ponto Focal para a Avaliação Mundial dos Oceanos (WOA). É formada pela Universidade de Ciência e Tecnologia Kwame Nkrumah, Kumasi, Gana, e pela Universidade de Hull, Reino Unido.

Dimitris Faloutsos-small

Dimitris Faloutsos

Dimitris Faloutsos is the Deputy Regional Coordinator of Global Water Partnership – Mediterranean and the Global Water Partnership’s Deputy Coordinator on the Transboundary Waters Cooperation theme. He is an Environmental scientist with an MSc in Oceanography. He has twenty years of experience in designing and implementing processes and projects in the fields of integrated water resources management applied in a source-to-sea context. He has extensively worked with multi-stakeholders partnerships and developed several strategic documents and management plans. His work has led to the enhancement of transboundary cooperation in a number of shared basins, including through the signing of relevant legal arrangements. He coordinates the implementation of the Healthy Rivers for Healthy Oceans programme endorsed under the UN Ocean Decade.

WG1_Daniel_Jones

Daniel Jones

O Dr. Daniel Jones é um biólogo de águas profundas e Diretor Associado do Grupo de Biociências Oceânicas no Centro Nacional de Oceanografia em Southampton, Reino Unido. É especialista na compreensão de padrões temporais e espaciais em ecossistemas de águas profundas, incluindo os afectados por perturbações antropogénicas. Aplica a sua experiência de trabalho em águas profundas para melhorar a avaliação e a gestão ambiental, incluindo as indústrias de extração mineira em águas profundas e de energia offshore. Presta aconselhamento regular ao governo e participa no desenvolvimento de políticas. Participou em mais de trinta expedições de investigação, incluindo viagens a duas áreas-chave de interesse mineiro, a Zona Clarion Clipperton do Pacífico e a Crista Média Atlântica. Os seus mais de 140 artigos científicos centram-se principalmente na descrição de padrões e processos em ecossistemas de águas profundas. Desempenha um papel fundamental em muitas das principais iniciativas internacionais de investigação centradas nos aspectos ambientais da exploração mineira em águas profundas e lidera um programa de investigação britânico de 5 milhões de libras, SMARTEX, que investiga as respostas dos ecossistemas às perturbações da exploração mineira em águas profundas.

WG1_Thorsten_Kiefer

Thorsten Kiefer

Thorsten é o Diretor Executivo da Iniciativa de Programação Conjunta Mares e Oceanos Saudáveis e Produtivos (JPI Oceans). A JPI Oceans é uma plataforma intergovernamental pan-europeia que reforça a investigação e a inovação marinha e marítima através da cooperação transnacional por meio de convites conjuntos à apresentação de propostas de investigação e inovação, grupos de peritos, partilha de infra-estruturas e ação coordenada para impacto político. O leque temático é vasto. As ações conjuntas transnacionais apoiam, entre outras, a saúde ecológica, abordam a poluição por microplásticos, ruído, luz, produtos químicos e munições, ajudam na adaptação às alterações do nível do mar e na gestão do orçamento de carbono, apoiam os regulamentos para a mineração em alto mar e a transformação sustentável da economia oceânica, e promovem uma melhor observação dos oceanos. Antes de se juntar à JPI Oceans em 2019, Thorsten foi diretor do Future Earth Global Hub em Paris. A Future Earth é uma rede global de investigadores e inovadores que apoiam a sustentabilidade nos sectores ambiental e social. Mais atrás, Thorsten foi diretor executivo do programa Past Global Changes (PAGES), que facilita a investigação global e a síntese das alterações ambientais anteriores às medições sistemáticas, utilizando arquivos como corais fósseis, anéis de árvores, sedimentos ou núcleos de gelo. As raízes de Thorsten estão na investigação no domínio da paleoceanografia. Nas Universidades de Kiel, na Alemanha, e de Cambridge, no Reino Unido, analisou sedimentos de águas profundas para estudar as alterações oceanográficas e climáticas substanciais que ocorreram nos últimos milhares a dez mil anos.

GT2

Grupo de Trabalho 2: Proteger e restaurar os ecossistemas e a biodiversidade

Co-Presidentes:

WG2_Frank_Muller-Kager

Frank E. Müller-Karger

Frank E. Müller-Karger é professor na Faculdade de Ciências Marinhas da Universidade do Sul da Florida (EUA). Estuda os ecossistemas marinhos, incluindo as ligações entre a qualidade da água, a produção biológica e a biodiversidade em ambientes marinhos costeiros, e a forma como estes podem estar ligados às alterações climáticas e às actividades humanas. Utiliza a deteção remota e o trabalho de campo para compreender melhor o impacto de grandes rios como o Amazonas, o Orinoco e o Mississipi na biogeoquímica dos oceanos, para cartografar os recifes de coral e as zonas húmidas, para avaliar a importância das margens continentais no orçamento global do carbono e para compreender melhor a forma como o fluxo de carbono particulado que se afunda afecta a vida marinha nas cristas meso-oceânicas e no fundo do oceano. Muller-Karger é o co-líder da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) dos EUA e internacional, do programa Marine Life 2030 aprovado pela Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável e do Gabinete do Programa Climático da NOAA/Força de Trabalho dos Indicadores Climáticos dos Santuários. Publicou mais de 340 artigos revistos por pares. Recebeu o prémio individual William T. Pecora em 2021, é membro da AAAS e fez parte da Comissão dos EUA para a Política dos Oceanos. Muller-Karger promove a ciência e a tecnologia como um elemento integral da sociedade, trabalhando com o público e as comunidades aplicadas e de pesquisa para criar benefícios sociais e promover a conservação ambiental, local, nacional e internacionalmente.

sem nome (1)

Aileen Tan

A Professora Dato' Dr.ª Aileen Tan Shau Hwai (AT) é uma cientista marinha de grande sucesso, conhecida pelas suas contribuições significativas para a ciência marinha e o envolvimento da comunidade. É professora na Faculdade de Ciências Biológicas da Universiti Sains Malaysia (USM) e directora do Centro de Estudos Marinhos e Costeiros (CEMACS). AT é também Directora Executiva da Rede de Envolvimento Universidade-Comunidade da Ásia-Pacífico (APUCEN) desde 2015. AT é uma cientista marinha respeitada em todo o mundo, destacando-se por tornar a ciência complexa acessível às comunidades, impulsionando transformações positivas a nível global. O seu impacto multifacetado abrange a educação, a defesa da comunidade, o ambientalismo e o humanitarismo. Nomeadamente, tornou-se a primeira mulher presidente da UNITAS Malacologica, promovendo a sustentabilidade na região da Ásia-Pacífico. Ocupa cargos importantes em organismos globais como a Subcomissão do COI para o Pacífico Ocidental (WESTPAC) e a Parceria para a Observação dos Oceanos Globais (POGO). A dedicação de AT estende-se à capacitação das comunidades costeiras através de iniciativas como a conservação da amêijoa gigante. A sua ênfase na colaboração, no respeito e no conhecimento local alimenta as práticas sustentáveis e a redução da pobreza. O seu empenho valeu-lhe o prestigiado prémio Top Research Scientist Malaysia (TRSM) em 2020. A influência de AT vai além da Malásia, pois ela promove globalmente a aquicultura sustentável e a conservação ambiental. Ela prevê que os cientistas marinhos dêem prioridade aos ambientes e às comunidades, sublinhando o seu impacto transformador nas ciências marinhas, na capacitação das comunidades e no bem-estar ambiental.

Membros especialistas:

WG2_Joana_Soares

Joana Soares

Joana Soares é licenciada em Ciências Aquáticas e doutorada em Ciências Biomédicas pela Universidade do Porto. Tem uma sólida formação em Ecotoxicologia e Desregulação Endócrina e uma forte experiência em biologia molecular e toxicogenómica. Nos últimos anos, tem trabalhado como investigadora em vários projectos de investigação internacionais com equipas multidisciplinares. A abordagem das alterações globais, numa perspetiva integradora do espaço, do clima e do oceano no Atlântico, com enfoque na conservação da biodiversidade marinha, são temas emergentes do seu trabalho. Atualmente, é Secretária Executiva da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) do Grupo de Observação da Terra - Rede de Observação da Biodiversidade (GEO BON) e Responsável de Projeto no Laboratório de Observação da Terra do Centro Internacional de Investigação do Atlântico (AIR Centre).

WG2_Steven_Bograd

Steven Bograd

Steven Bograd é oceanógrafo no NOAA Southwest Fisheries Science Center em Monterey, CA, onde lidera o Grupo Clima-Ecosistema, e é professor adjunto no Departamento de Ciências do Oceano da Universidade da Califórnia-Santa Cruz e investigador associado no Scripps Institution of Oceanography. Os seus interesses de investigação centram-se nos impactos climáticos nos ecossistemas marinhos, com destaque para os sistemas de afloramento da fronteira oriental. Steven é atualmente copresidente do programa científico emblemático da Organização das Ciências Marinhas do Pacífico Norte (PICES), FUTURE, e é o editor-chefe da revista Fisheries Oceanography. Steven também co-dirige dois programas da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos (SmartNet e SUPREME). Steven tem uma licenciatura em física (Universidade do Arizona), um mestrado em ciências atmosféricas (Universidade de Washington) e um doutoramento em oceanografia física (Universidade da Colúmbia Britânica). Fez um pós-doutoramento no Scripps Institution of Oceanography antes de se juntar à NOAA em 2001. Steven nasceu e cresceu no Mississippi, EUA, mas passou a maior parte da sua vida adulta na Costa Oeste.

antónio

Anthony B. Ndah

Anthony B. Ndah é um Cientista de Ecossistemas baseado no Laboratório Marinho de Plymouth no Reino Unido, onde também é o Coordenador do Nó Regional para África no Programa de Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP), IOC-UNESCO. Anthony obteve um diploma de pós-graduação em Oceanografia Observacional do Alfred Wegener Institute for Polar & Marine Research no âmbito do programa NF-POGO. Durante a sua investigação de pós-doutoramento, especializou-se no desenvolvimento de indicadores e metodologias baseados no zooplâncton para avaliações ecológicas no Mar do Norte alemão ao abrigo da Diretiva-Quadro Estratégia Marinha da UE. Anthony tem um doutoramento em Estudos Ambientais, com especialização em Biogeoquímica Marinha e CO2 no Mar do Sul da China, pela Universidade de Brunei Darussalam. Trabalhou também como professor assistente graduado na mesma universidade. Tem um mestrado em Assuntos Marinhos pela Universidade de Xiamen, China, onde trabalhou em Gestão Costeira Integrada, e uma licenciatura em Geografia pela Universidade de Buea, Camarões.

WG2_Paula_Spiniello

Paula Spiniello

Nasceu e cresceu na Venezuela. Licenciou-se em Biologia na Universidade Central da Venezuela, fez um mestrado em Engenharia Ambiental na Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, e um doutoramento em Ecologia na Universidade Central da Venezuela. Foi Professora Associada do Instituto de Zoologia e Ecologia Tropical (IZET) da Universidade Central da Venezuela, onde permaneceu durante 15 anos. A Dra. Spiniello também foi professora adjunta de Ciências Ambientais e Oceanografia no Golden West College (Califórnia-EUA) e no State College of Florida (EUA). Desde 2019, o Dr. Spiniello é Professor Assistente do Departamento de Biologia, Ecologia e Conservação da Universidade de St. George, Granada, W.I. O interesse de investigação do Dr. Spiniello é a ecologia marinha, centrando-se na compreensão dos factores que controlam as estruturas da comunidade marinha e as eficiências de transferência trófica nas águas costeiras. A investigação do Dr. Spiniello tem-se centrado na avaliação dos efeitos dos impactos naturais e humanos na diversidade e distribuição do plâncton e no papel do plâncton nos ciclos biogeoquímicos, nas pescas e como indicador da saúde dos ecossistemas costeiros. Além de facilitar e apoiar o trabalho de investigadores visitantes de instituições de todo o mundo, o Dr. Spiniello supervisionou uma variedade de projectos de investigação de licenciatura e pós-graduação da St. George's University e da Universidad Central de Venezuela.

WG2_Harriet Harden-Davies

Harriet Harden-Davies

Harriet Harden-Davies é a Directora do Programa Vozes do Oceano da Fundação Nippon-Universidade de Edimburgo. Os seus interesses de investigação situam-se na intersecção entre o direito dos oceanos e a ciência, incluindo a governação internacional dos oceanos e a equidade, a conservação marinha e o desenvolvimento sustentável, a criação de capacidades e a gestão dos oceanos. Harriet foi co-fundadora do programa Early Career Ocean Professional no âmbito da Década dos Oceanos da ONU e é membro do Grupo de Peritos em Desenvolvimento de Capacidades da COI/UNESCO. A sua investigação de doutoramento e pós-doutoramento centrou-se no desenvolvimento de um novo tratado da ONU para a biodiversidade marinha fora da jurisdição nacional. É co-líder da Deep Ocean Stewardship Initiative e membro do Conselho Editorial da Marine Policy, bem como Directora Adjunta do Nippon Foundation Ocean Nexus Centre. Entre as suas funções anteriores contam-se a de investigadora no Centro Nacional Australiano para os Recursos e a Segurança dos Oceanos, na Universidade de Wollongong; investigadora convidada no Centro de Política Marinha do Instituto Oceanográfico Woods Hole; e gestora de política e projectos na Academia Australiana de Ciências Tecnológicas e Engenharia.

WG2_Virni_Arifanti

Virni Budi Arifanti

Virni Budi Arifanti, Ph.D., é investigadora sénior na Agência Nacional de Investigação e Inovação da República da Indonésia (BRIN). Anteriormente, trabalhou como investigadora no Ministério do Ambiente e das Florestas da Indonésia. Na BRIN, lidera um grupo de investigação sobre a restauração e conservação do ecossistema dos mangais (MERCi). Em 2023, Virni foi nomeada Secretária do Comité de Implementação do Programa Homem e Biosfera (MAB) da UNESCO para a Indonésia. Desde 2022, Virni foi nomeada como Ponto Focal da Indonésia para o Painel de Revisão Científica e Técnica (STRP) da Convenção de Ramsar. Em 2023, foi nomeada Perita Técnica do STRP da Convenção de Ramsar para o triénio 2023-2025. É especialista em ecossistemas de mangais tropicais, ecologia de zonas húmidas, carbono azul, inventário de gases com efeito de estufa e estudos sobre alterações climáticas. Tem um grande interesse na dinâmica do carbono e nas soluções baseadas na natureza (NbS) dos ecossistemas das zonas húmidas. Tem estado envolvida em várias colaborações internacionais de investigação e publicou em várias revistas internacionais revistas por pares. Virni é doutorada em ecologia de zonas húmidas pela Oregon State University, EUA. O seu mestrado foi obtido na Universidade de Ghent, Bélgica, em ciências geoespaciais florestais.

WG2_Dominique_Pelletier

Dominique Pelletier

A Dra. Dominique Pelletier é Investigadora Principal no Instituto Francês para a Exploração do Mar (Ifremer), onde liderou sucessivamente projectos transdisciplinares de modelização das pescas e de monitorização e avaliação da eficácia da gestão das Áreas Marinhas Protegidas em ecossistemas temperados e de recifes de coral. Desenvolveu um protocolo de monitorização baseado em vídeo que é amplamente utilizado para habitats bentónicos e peixes. É perita do Pólo Nacional Francês da Biodiversidade, que desenvolve ferramentas de análise e divulgação de dados sobre a biodiversidade, e membro da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha e do BON francês.

WG2_Maria_ Lourdes_San Diego

Maria Lourdes San Diego-McGlone

A Dra. Maria Lourdes San Diego-McGlone é uma figura pioneira da oceanografia química nas Filipinas. No Instituto de Ciências Marinhas da Universidade das Filipinas (UP MSI), criou o Laboratório de Biogeoquímica Marinha, equipado para inquéritos no terreno, análise de parâmetros da água e muito mais. A sua investigação abrange a alteração da qualidade da água costeira, a dinâmica dos nutrientes, as respostas dos ecossistemas aos factores de stress, a estimativa do carbono azul e a atenuação da proliferação de algas nocivas. O seu impacto estende-se à abordagem das mortes de peixes e dos efeitos ambientais da maricultura. Tem sido mentora de estudos internacionais sobre zonas costeiras e líder na investigação sobre a acidificação dos oceanos. É especialista em qualidade da água e tem sido uma oradora de recurso em debates sobre alterações climáticas. A Dra. San Diego-McGlone tem 70 artigos publicados e 5 capítulos de livros. Foi distinguida como Cientista da UP em 2007, recebeu a Cátedra/Grémio do Centenário da UP de 2008 a 2021, recebeu um Prémio de Divulgação de Invenções em 2016 e tornou-se Professora Emérita em 2020. Foi mentora de vários estudantes de pós-graduação e de licenciatura, bem como de estagiários universitários e do ensino secundário. Com um doutoramento em Oceanografia Química pela Old Dominion University, recebeu o prémio Most Outstanding PhD Graduate in Oceanography (1991).

Alex David Rogers

Alex David Rogers

Alex é um ecologista marinho que se interessa pela forma como a biodiversidade se distribui no oceano, especialmente no mar profundo e nos recifes de coral tropicais. Interessa-se igualmente pelos impactos humanos no oceano e pela forma de gerir as actividades humanas para atenuar ou reduzir a degradação dos ecossistemas marinhos. O seu trabalho levou-o aos oceanos Atlântico, Índico e Austral e às Caraíbas, investigando os ecossistemas dos recifes de coral, os montes submarinos e as fontes hidrotermais de profundidade. Alex tem trabalhado com governos, organizações intergovernamentais e não governamentais na divulgação dos impactos humanos, especialmente os da pesca de profundidade e das alterações climáticas, e no desenvolvimento de soluções políticas para esses problemas. É Diretor Científico do Ocean Census. Alex publicou recentemente o livro The Deep: The Hidden Wonders of Our Ocean and How We Can Protect Them Wildfire (2019).

WG2_Rebecca_Martone

Rebecca Martone

Baseada perto de Victoria, BC, Canadá, a Dra. Rebecca Martone é a Directora Executiva do Ocean Decade Collaborative Center for the NE Pacific, uma contribuição da Fundação Tula. Nos últimos 20 anos, a Dra. Martone trabalhou como ecologista marinha aplicada, abordando uma variedade de questões nos ecossistemas costeiros da costa oeste da América do Norte, incluindo o planeamento espacial marinho, a sustentabilidade da pesca em pequena escala, os impactos cumulativos nos ecossistemas costeiros e a monitorização para informar a gestão baseada nos ecossistemas. O Dr. Martone tem um doutoramento da Universidade de Stanford em ciências biológicas, um mestrado em gestão ambiental da Universidade de Duke e um bacharelato em ciências ambientais da Universidade Northwestern. Como antiga directora científica assistente no Center for Ocean Solutions da Universidade de Stanford, na Califórnia, tem experiência na ligação da ciência à tomada de decisões e no co-desenvolvimento da ciência para soluções. Antes de trabalhar no Ocean Decade Collaborative Center, Rebecca trabalhou como bióloga marinha na Província da Colúmbia Britânica para ajudar a implementar a Parceria do Plano Marinho e desenvolver uma rede de Áreas Marinhas Protegidas em colaboração com 17 Primeiras Nações costeiras no norte da Colúmbia Britânica. Rebecca é apaixonada por trabalhar com uma comunidade diversificada de cientistas, membros da comunidade, representantes da indústria e profissionais dos oceanos e das zonas costeiras para resolver os principais desafios que os nossos oceanos enfrentam e para ajudar a proteger as nossas costas e oceanos, apoiando simultaneamente os meios de subsistência e as ligações culturais das pessoas.

verónica

Verónica Relano

Verónica tem um doutoramento em Oceanos e Pescas da Universidade da Colúmbia Britânica e foi supervisionada pelo Dr. Daniel Pauly. Interessa-se pela conservação marinha, conetividade e questões sócio-ecológicas resultantes da má gestão dos recursos marinhos. Uma componente importante da sua investigação é compreender como comunicar melhor as acções de conservação a um público mais vasto para conseguir mudanças no terreno. O seu projeto "SOS - Somos OceanoS (histórias dos oceanos para a conservação)" foi aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas. Explora as necessidades das pessoas que vivem dentro e à volta das "Áreas Marinhas Protegidas de papel", levantando vozes locais e encontrando formas de iniciar uma conversa para uma gestão equitativa e a conservação dos recursos marinhos. A Veronica contribui com as suas competências para fazer avançar o trabalho da ONG Onewater como Gestora do Programa Oceanos.

Louise Allcock

Louise Allcock

Louise Allcock é professora de Zoologia na Universidade de Galway, Irlanda. É membro do Comité Nacional da Década para a Irlanda, presidente do grupo de trabalho regional do Atlântico Norte do programa da Década dos Oceanos da ONU "Challenger 150" e vice-presidente da ação da Década dos Oceanos da ONU "Floresta de Animais Marinhos do Mundo". Louise é membro do Grupo de Especialistas em Moluscos da IUCN SSC e dirigiu a avaliação da lista vermelha de 750 espécies de cefalópodes. Presidiu, em nome da Irlanda, às avaliações do estado dos habitats VME de águas profundas listados na OSPAR como ameaçados/em declínio, trabalhando com peritos internacionais de toda a Europa. É membro do Grupo Consultivo para as Áreas Marinhas Protegidas (MPA) da Irlanda, prestando aconselhamento especializado ao Governo sobre a expansão das MPA. Louise é coautora de dois livros ricamente ilustrados: Octopus, Squid and Cuttlefish (University of Chicago Press, 2018) e Deep Ocean (Princeton University Press, 2023). É membro da Academia Real Irlandesa.

Audrey Darnaude

Audrey Darnaude

Audrey Darnaude é uma cientista marinha que trabalha para o Centro Nacional Francês de Investigação Científica (CNRS), na unidade de investigação conjunta MARBEC (Center for MARine Biodiversity, Exploitation & Conservation), que reúne cientistas de vários institutos de investigação franceses (CNRS, Ifremer, IRD, INRAE) na Universidade de Montpellier (França). Originalmente especializada em ecologia de peixes, tem estudado a diversidade da história de vida (estratégias de crescimento, alimentação e migração) de várias espécies marinhas, bem como a estrutura das redes alimentares em muitas regiões do mundo, principalmente através da utilização de marcadores biogeoquímicos individuais. Além de presidir a uma vasta iniciativa internacional destinada a fazer avançar a investigação sobre a conetividade marinha (o projeto europeu COST Action & UN Ocean Decade SEA-UNICORN: www.sea-unicorn.com), estuda atualmente as estratégias de vida e a estrutura populacional de vários peixes de elevado valor económico, em ligação com o funcionamento da teia alimentar costeira e a conetividade de habitats na interface mar-continente. Ensina também ecologia de peixes, estrutura de redes alimentares e biogeoquímica na Universidade de Montpellier, e está envolvida em vários grupos de peritos nacionais e internacionais, fornecendo orientações sobre a conservação da biodiversidade e o planeamento sustentável do espaço marítimo, em relação a questões de conetividade.

costello

Mark John Costello

Ecologista especializado em biogeografia, áreas marinhas protegidas e efeitos das alterações climáticas na biodiversidade, incluindo interacções aquacultura-ambiente. Foi pioneiro da "informática da biodiversidade dos oceanos", nomeadamente ao liderar a criação das bases de dados do Registo Mundial de Espécies Marinhas e do Sistema de Informação sobre a Biodiversidade dos Oceanos. Desempenhou papéis de relevo em muitas organizações internacionais, incluindo: foi um dos principais autores do recente relatório deavaliaçãodo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, em que co-dirigiu o capítulo transversal sobre os pontos críticos da biodiversidade; co-presidiu a Rede de Observação da Biodiversidade Marinha do Grupo de Observação da Terra durante 10 anos; Presidente e Secretário da Associação Internacional de Oceanografia Biológica; Vice-Presidente do Comité Científico do Mecanismo de Informação sobre a Biodiversidade Mundial. Mark supervisionou mais de 70 estudantes de pós-graduação. Tem mais de 270 publicações revistas por pares (total de mais de 500, citadas 19.000 vezes) e um índice H de 68(57 desde 2018). Atualmente, lidera a iniciativa MBON Europe para estabelecer uma rede de longo prazo de monitorização da biodiversidade marinha na Europa e o MPA Europe, um projeto que mapeia os melhores locais para proteger a biodiversidade e as reservas de carbono em todos os mares europeus. Da Irlanda, o fascínio pela vida selvagem levou-o a estudar em Galway (BSc Hon.), seguido de um doutoramento na única reserva marinha da Irlanda, pós-doutoramento na Marine Biological Association em Plymouth, Inglaterra, e no Scottish Office Aberdeen e na Napier University em Edimburgo, Escócia, um estágio no Trinity College Dublin, a criação da empresa de consultoria ambiental EcoServe e um mandato como diretor executivo do Huntsman Marine Science Centre no Canadá, até regressar a um cargo académico em Auckland, Nova Zelândia. Atualmente, é professor na Nord University, no Ártico da Noruega, e professor convidado na Ocean University of China, em Qingdao.

admin-ajax

Britt Dupuis

Mais pormenores em breve.

Alice

Alice Terpereau

Licenciada em economia e matemática, Alice prosseguiu o seu percurso académico no domínio do desenvolvimento territorial sustentável. Interessada em numerosos domínios no cruzamento das ciências ambientais e sociais, aprofundou os seus conhecimentos em soluções baseadas na natureza e em catástrofes induzidas pelo clima através de projectos de investigação em diferentes regiões do mundo. Atualmente, está a estagiar na Comissão Europeia, onde se ocupa de projectos informáticos.

Martina H. Stiasny

Martina H. Stiasny

A Dra. Martina H. Stiasny é uma bióloga marinha que trabalha em ecologia de peixes (larvas), ecologia evolutiva e ciência interdisciplinar das pescas. Martina está interessada em questões relacionadas com o equilíbrio entre a segurança alimentar e a sustentabilidade na gestão das pescas, os efeitos das alterações climáticas nas populações de peixes e a forma de incorporar restrições económicas e sociais na gestão das pescas que, no entanto, se baseia em dados e teorias ecológicas sólidas. É licenciada pela Universidade de St Andrews (BSc), na Escócia, e pela Universidade de Kiel (MSc. em Oceanografia Biológica no GEOMAR), no norte da Alemanha, onde também concluiu o seu doutoramento em Biologia Pesqueira. Depois de um pós-doutoramento na Alemanha e na Noruega e de um ano a trabalhar para a Comissão Europeia em Bruxelas, Martina começou recentemente a lecionar na Universidade de Southampton, em Inglaterra. Iniciou o seu próprio grupo de investigação, continuando o seu trabalho no aquário de investigação do Centro Nacional de Oceanografia, estudando os efeitos das alterações climáticas e de outros factores de stress antropogénicos nos peixes temperados.

Lina Mtwana Nordlund WG2
Lina Mtwana Nordlund

Lina Mtwana Nordlund é professora associada de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentável na Universidade de Uppsala, na Suécia. Nordlund tem as suas raízes na teoria dos sistemas sócio-ecológicos, com especial incidência nos ambientes costeiros e marinhos. A sua especialização é sobretudo em abordagens inter e transdisciplinares para futuros costeiros sustentáveis. Realizou uma extensa investigação na África Oriental e no Oceano Índico Ocidental, centrando-se particularmente nos ecossistemas intertidais, ervas marinhas, pescas, gestão e política. A sua investigação no Mar Báltico centra-se na monitorização marinha integrada e nos alimentos azuis. Trabalhou anteriormente como gestora de uma Área Marinha Protegida e tem um grande interesse no conhecimento ecológico local e no pensamento do futuro. Nordlund é a co-líder das ervas marinhas no Painel de Peritos em Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (IOC/UNESCO) e é Directora da Rede de Ervas Marinhas do Indo-Pacífico.

Ward Appeltans

Ward Appeltans

O Sr. Ward Appeltans é o ponto focal da biodiversidade marinha na Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, onde gere o Sistema de Informação sobre a Biodiversidade dos Oceanos (OBIS) e apoia o Painel de Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (GOOS BioEco). O Sr. Appeltans também gere dois projectos de eDNA, um nas Ilhas do Pacífico para detetar espécies marinhas invasoras e outro recente para avaliar a biodiversidade nos sítios marinhos do Património Mundial da UNESCO. É também membro do grupo diretor da Rede de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON) e da equipa de coordenação do programa Vida Marinha 2030 da Década dos Oceanos da ONU.

Linwood Pendleton

Linwood Pendleton

Linwood Pendleton é o Diretor Executivo da Ocean Knowledge Action Network e professor no Instituto Europeu de Estudos Marinhos. Fez parte do Comité de Planeamento Executivo e do Conselho Consultivo Interino da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável e faz agora parte do Conselho Consultivo da Década das Nações Unidas para a Restauração dos Ecossistemas. Foi Vice-Presidente Sénior para a Ciência no Centro para a 4ª Revolução Industrial; Ocean, Global Lead for Ocean Science no WWF; e Economista-Chefe Interino da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica de 2011 a 2013.

GT3

Grupo de Trabalho 3: Alimentar de forma sustentável a população mundial

Co-Presidentes:

WG3_Erik_Olsen

Erik Olsen

Erik Olsen é o diretor do Grupo de Investigação para o Desenvolvimento Sustentável no Instituto de Investigação Marinha, em Bergen, Noruega, onde trabalha desde 1999. Obteve um doutoramento em biologia das pescas na Universidade de Bergen (2002). Erik é membro da Direção do Portfólio dos Oceanos no Conselho de Investigação Norueguês. Está ativamente envolvido na Década dos Oceanos da ONU, tanto como líder do Projeto ClimeFOOD Ocean Decade, como membro do Comité Nacional Norueguês da Década dos Oceanos. Tem uma vasta experiência na organização e condução de inquéritos e investigações científicas em águas norueguesas, bem como em África e na Ásia. A gestão integrada dos oceanos, a modelação de ecossistemas e o planeamento espacial marinho têm sido também uma área de trabalho fundamental, e Erik esteve profundamente envolvido no desenvolvimento dos planos de gestão integrada noruegueses.

WG3_Vera_Agostini

Vera Agostini

A Dra. Vera Agostini é a Directora Adjunta da Divisão de Pescas e Aquacultura da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), onde fornece supervisão, liderança estratégica e apoio técnico. De 2007 a 2017, Vera esteve na The Nature Conservancy, inicialmente como cientista sénior na equipa dos Oceanos Globais e depois como directora de ciência e directora de adaptação ao clima na equipa das Caraíbas. A Dra. Agostini é uma cientista das pescas de formação, que ocupou cargos em três sectores (não governamental, governamental e académico/educacional), proporcionando liderança técnica e estratégica numa série de esforços multidisciplinares em todo o mundo. A sua experiência vai desde a investigação exaustiva de ecossistemas até à política e planeamento gerais. Embora o seu trabalho tenha começado em sistemas temperados, passou uma parte considerável da sua carreira a concentrar-se em geografias tropicais.

Membros especialistas:

WG3_Shakuntala_Thilste

Shakuntala Haraksingh Thilsted

Shakuntala Haraksingh Thilsted é a Directora da Plataforma da Área de Impacto da Nutrição, Saúde e Segurança Alimentar, CGIAR. Anteriormente, ela era a líder global de nutrição e saúde pública da WorldFish. Ela recebeu o Prêmio Mundial da Alimentação de 2021 por sua pesquisa pioneira, percepções críticas e inovações marcantes no desenvolvimento de abordagens holísticas e sensíveis à nutrição para sistemas alimentares aquáticos. Foi galardoada com o Arrell Global Food Innovation Award 2021 pela inovação na investigação. É Presidente do Comité Consultivo Científico (SAC) do Centro de Coordenação de Sistemas Alimentares da ONU. É membro do Comité Diretor do Painel de Peritos de Alto Nível em Segurança Alimentar e Nutricional (HLPE) do Comité das Nações Unidas para a Segurança Alimentar Mundial (CFS). Foi vice-presidente da Cimeira dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas de 2021: Action Track 4 - Advance Equitable Livelihoods, e também Campeã dos Sistemas Alimentares. Em 2022, Shakuntala foi nomeada copresidente da Comissão EAT-Lancet 2.0. Shakuntala tem um doutoramento da Universidade Real de Veterinária e Agricultura, na Dinamarca. Tem doutoramentos honorários da Universidade Sueca de Ciências Agrícolas e da Universidade das Índias Ocidentais.

WG3_Christopher_Costello

Christopher Costello

Christopher Costello é professor de Economia do Ambiente e dos Recursos e Diretor do Laboratório de Mercados Ambientais na Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, e é Investigador Associado no NBER. Obteve o seu doutoramento na Universidade da Califórnia, em Berkeley, em 2000, e realiza investigação sobre a economia dos recursos naturais e a política relativa aos direitos de propriedade, com destaque para a tomada de decisões em condições de incerteza, informação, valores de activos e escassez de recursos naturais. O seu trabalho combina teoria aplicada com modelação e análise empírica, muitas vezes para informar a política nos oceanos, utilização dos solos, clima e conceção do mercado ambiental. O trabalho de Costello é global, mas inclui projectos recentes na Polinésia Francesa, Seychelles, Peru, México e Indonésia. Costello faz parte do conselho de administração do Environmental Defense Fund e da The Nature Conservancy (Califórnia), e faz parte do Conselho de Consultores Económicos do Governador da Califórnia. Publicou mais de 100 artigos revistos por pares em revistas de economia e ciência e foi o principal orientador de mais de 30 doutorandos e pós-doutorandos.

eddieallison

Edward Allison

Eddie Allison trabalha na interface entre a investigação, a política e a prática do desenvolvimento, com um enfoque na gestão dos sistemas alimentares aquáticos para combater a pobreza, a desnutrição e a desigualdade através de transformações no sistema alimentar e na governação dos oceanos. Eddie trabalhou para organizações internacionais de desenvolvimento (FCDO e UN FAO) e como consultor, e ocupou cargos de professor universitário em Estudos de Desenvolvimento na Universidade de East Anglia, Reino Unido, e em Assuntos Marinhos, na Universidade de Washington, EUA. Tem um doutoramento em avaliação e gestão das pescas pela Universidade de Liverpool, no Reino Unido. Publicou mais de 250 artigos de investigação e está entre os 0,1% dos cientistas interdisciplinares mais influentes do mundo, com base nas contagens de citações do seu trabalho no Clarivate. Foi autor principal do "blue paper" do Painel de Alto Nível sobre a Futura Economia dos Oceanos sobre "A Relação Humana com os Oceanos" e autor colaborador dos documentos sobre Equidade e sobre Transformação da Governação dos Oceanos. Atualmente, lidera a unidade científica de Sistemas Alimentares Aquáticos Sustentáveis na WorldFish e está sediado em Penang, Malásia. Também é professor adjunto e visitante na Universidade de Washington, Seattle, EUA, e na Universidade de Lancaster, Reino Unido. 

WG3_David_Obura

David Obura

David Obura é Diretor Fundador da CORDIO East Africa, uma organização de conhecimento que apoia a sustentabilidade dos recifes de coral e dos sistemas marinhos no Oceano Índico Ocidental. A CORDIO leva a investigação à gestão e à política, desenvolve capacidades e trabalha com as partes interessadas, gestores e decisores políticos. A investigação principal de David incide sobre a resiliência dos recifes de coral, a biogeografia e os impactos das alterações climáticas, e está agora a orientar-se para a ciência da sustentabilidade, utilizando os recifes de coral como modelo e o enquadramento da ciência dos sistemas terrestres.
Na fronteira entre a ciência e a ação, David trabalha para integrar a conservação e o desenvolvimento a várias escalas, no contexto fornecido pelos objectivos e metas globais de sustentabilidade. Trabalha desde a escala local, através do fomento de acções inovadoras para promover a sustentabilidade, passando pelo alinhamento e integração à escala regional, até às escalas globais, trazendo o conhecimento e a prática local-regional para contextos de tomada de decisão. David faz parte da Comissão da Terra, co-preside a Avaliação Nexus da IPBES (2022-2024) e tem estado ativo na integração da ciência da sustentabilidade no Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal e noutros processos internacionais sobre biodiversidade, oceanos e alterações climáticas, bem como na identificação das prioridades, oportunidades e posições africanas para alcançar um futuro sustentável. David foi galardoado com a honra nacional do Quénia, Moran of the Burning Spear, em dezembro de 2021, e com o Prémio de Conservação dos Recifes de Coral da Sociedade Internacional dos Recifes de Coral em 2022.

Janet Coetzee

Janet Coetzee

Janet Coetzee é uma cientista sénior das pescas no Departamento de Florestas, Pescas e Ambiente na Cidade do Cabo, África do Sul, com experiência em métodos de levantamento hidroacústico, pesca de peixes forrageiros e dinâmica de ecossistemas. Participou ativamente na avaliação e gestão dos recursos de peixes forrageiros da África do Sul nos últimos 30 anos e contribuiu para a compreensão do seu significado ecológico e do papel que desempenham na economia e segurança alimentar do país. Participou na colaboração de investigação interdisciplinar tanto no Grande Ecossistema Marinho da Corrente de Benguela como noutros locais, explorou novas pescarias potenciais e formulou políticas que promovem a sustentabilidade das pescarias de peixes forrageiros existentes. Possui conhecimentos e experiência abrangentes neste domínio e uma abordagem equilibrada para lidar com conflitos entre as indústrias pesqueiras e os organismos de conservação.

WG3_Flor_Msuya

Flor Msuya

A Dra. Flower Msuya, investigadora sénior e consultora freelancer (tendo trabalhado com a Universidade de Dar es Salaam, Tanzânia, durante 33 anos), é especialista em aquacultura de algas marinhas com mais de 30 anos de experiência. Investiga a aquacultura de algas marinhas, incluindo o desenvolvimento de meios de subsistência, as alterações climáticas e as questões de saúde, bem como a integração de algas marinhas com animais marinhos para melhorar a produção alimentar. A Dra. Msuya é a fundadora e presidente da Zanzibar Seaweed Cluster Initiative, onde liga os agricultores e os pequenos processadores à investigação, ao governo e ao sector privado. Produziu o primeiro produto de valor acrescentado de algas marinhas em 2006 e os produtos são atualmente comercializados em toda a África Oriental, incluindo produtos alimentares. Está empenhada no desenvolvimento de tecnologias agrícolas inteligentes do ponto de vista climático para a cultura de algas e outros organismos marinhos em águas profundas, a fim de travar o impacto das alterações climáticas e produzir alimentos à base de algas nos esforços da economia azul. A Dra. Msuya é membro de órgãos de algumas organizações internacionais, incluindo o Comité Diretivo da Safe Seaweed Coalition, o Conselho Científico da Global Seaweed Coalition e o Conselho da International Marine Biotechnology Association.

WG3_Stefan_Gelcich

Stefan Gelcich

Stefan Gelcich é um biólogo marinho que trabalha na Universidade Católica do Chile e estuda as ligações e as reacções entre os sistemas sociais e ecológicos. Está particularmente interessado em fazer avançar a ciência que contribui para a gestão sustentável dos oceanos costeiros. Nos últimos 20 anos, fez parte de vários projectos e centros interdisciplinares onde conduziu investigação centrada no comportamento humano, nos serviços dos ecossistemas e na ecologia. Em todos os projectos, Stefan contribui ligando as dimensões sócio-ecológicas. Os temas actuais dos projectos incluem a conservação e gestão marinha, a capacidade de adaptação das indústrias costeiras e a pesca ilegal, entre outros. A investigação tem sido financiada por instituições nacionais e internacionais. Stefan é o diretor do Instituto Milenio en Socio-ecologia Costera.

WG3_Michael_Fabinyi

Michael Fabinyi

Michael Fabinyi é Professor Associado no Centro de Investigação sobre Clima, Sociedade e Ambiente da Universidade de Tecnologia de Sydney. De 2010 a 2016, trabalhou no Centro de Excelência do Conselho Australiano de Investigação para Estudos de Recifes de Coral, na Universidade James Cook, e viveu e trabalhou na China, Indonésia, Malásia, Papua Nova Guiné, Filipinas e Ilhas Salomão. É um cientista social ambiental e os seus principais interesses de investigação são os meios de subsistência costeiros, a segurança alimentar em contextos costeiros e o comércio de produtos do mar.

WG3_Michael_Fabinyi

Andreea L. Cojocaru

Andreea L. Cojocaru é Professora Associada na Universidade de Stavanger, na Noruega. Tem formação em ciências actuariais e estatística pela Universidade de Toronto e KU Leuven, complementada por um doutoramento em economia industrial pela UiS. A sua investigação centra-se na economia dos oceanos, concentrando-se na aquicultura, nas pescas, nos mercados de produtos do mar e nas comunidades costeiras. Originária da Roménia, Andreea viveu, estudou e trabalhou no Canadá, na Bélgica, na Noruega e nos EUA. Esforça-se por estar envolvida em colaborações interdisciplinares que reconheçam as muitas facetas das questões relacionadas com os recursos naturais, sem perder de vista as complexidades dos sistemas socio-ambientais.

WG3_Michelle_Tigchelaar

Michelle Tigchelaar

A Dra. Michelle Tigchelaar é investigadora do Centro de Soluções Oceânicas da Universidade de Stanford. Ela é uma cientista climática interdisciplinar cujo trabalho se concentra nos impactos das mudanças climáticas nos sistemas alimentares, abrangendo o aquático e o terrestre e o ecológico e o humano. Desde 2020, Michelle tem coordenado a Blue Food Assessment, uma avaliação integrativa do papel dos alimentos aquáticos nas transformações para sistemas alimentares saudáveis, sustentáveis, justos e resilientes, bem como apoiado a Aquatic/Blue Food Coalition na introdução de conhecimentos sobre alimentos azuis em arenas políticas fundamentais. A sua investigação ativa envolve o desenvolvimento de ferramentas para avaliar o risco climático azul-verde para a nutrição e identificar os impactos climáticos e as adaptações para a saúde dos trabalhadores do sector alimentar.

WG3_Maria_Darias

Maria Darias

A Dra. Maria Darias é investigadora titular no Instituto Nacional de Investigação para o Desenvolvimento Sustentável (IRD). O seu foco principal é o desenvolvimento de práticas de aquacultura sustentáveis em países de baixo e médio rendimento, com particular ênfase na aquacultura sensível à nutrição. Os seus interesses de investigação giram em torno da exploração da interação entre as condições de aquacultura, particularmente a nutrição, e a composição nutricional dos alimentos aquáticos. A Dra. Darias é codiretora do Laboratório Interdisciplinar Africano em Aquacultura Marinha Sustentável e Sensível à Nutrição (LIMAQUA), uma iniciativa interdisciplinar de investigação e formação coordenada conjuntamente pela África do Sul e pela França, que aborda os desafios nutricionais e de sustentabilidade enfrentados pela aquacultura marinha na região. Além disso, o Dr. Darias lidera o programa da Década dos Oceanos da ONU "Aquacultura Marinha Sensível à Nutrição em África" (AfriMAQUA).

WG3_Katherine_Mills

Katherine Mills

A Dra. Katherine Mills é uma investigadora sénior no Instituto de Investigação do Golfo do Maine em Portland, Maine. Obteve o seu doutoramento em Recursos Naturais na Universidade de Cornell. Como ecologista quantitativa de pescas, Kathy estuda as alterações do ecossistema marinho e as relações peixe-ecossistema-pesca, com especial incidência nas regiões do Golfo do Maine e da Plataforma Nordeste dos EUA. Especificamente, a sua investigação investiga (1) como as condições físicas e do ecossistema estão a mudar; (2) como estas mudanças afectam as populações de peixes, as comunidades biológicas e as pescarias marinhas; e (3) como as pescarias e as comunidades piscatórias podem responder eficazmente. Grande parte do seu trabalho é interdisciplinar e colaborativo, trabalhando com cientistas e partes interessadas para compreender e informar a gestão das pescas como sistemas sócio-ecológicos acoplados e para apoiar a adaptação climática e a resiliência nas pescas marinhas. Lidera um programa da Década dos Oceanos das Nações Unidas -Estratégias de Pescapara Oceanos em Mudança e Ecossistemas Resilientes até 2030 (FishSCORE), é a autora principal do capítulo "Ecossistemas Oceânicos e Recursos Marinhos" da 5ª Avaliação Nacional do Clima dos EUA e é presidente da Iniciativa Estratégica ICES-PICES sobre os Impactos das Alterações Climáticas nos Ecossistemas Marinhos (SICCME).

WG3_Beth_Fulton

Beth Fulton

A Dra. Beth Fulton é Investigadora Principal da CSIRO. Beth é a líder do domínio de investigação da CSIRO para a gestão integrada dos oceanos e a economia azul. Ao definir a direção estratégica da investigação da CSIRO nesta área, está a desenvolver mais de 20 anos de trabalho no desenvolvimento de várias ferramentas de modelação de sistemas para analisar os ecossistemas marinhos e a sustentabilidade. Beth é também Professora Adjunta e Directora Adjunta do Centro de Socioecologia Marinha, que se dedica a encontrar soluções transdisciplinares, equitativas e sustentáveis para os problemas que as costas e os oceanos enfrentam. O tema comum ao trabalho de Beth tem sido o desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão à escala do sistema para apoiar a gestão sustentável de utilizações potencialmente concorrentes dos ambientes marinhos e a adaptação às alterações globais.

WG3_Fatima_Zohra_HASSOUNI

Fatima Zohra Hassouni

Chefe da divisão de sustentabilidade e gestão dos recursos haliêuticos, no âmbito do departamento de pescas marítimas, tem mais de 23 anos de experiência no domínio do desenvolvimento e gestão dos recursos haliêuticos e mais de 15 anos de experiência em organizações regionais e internacionais de gestão das pescas (CGPM, ICCAT, CECAF, FAO, etc.). Membro do comité e ponto focal de vários projectos relativos à gestão sustentável dos recursos marinhos e à preservação dos ecossistemas e da biodiversidade, ao ordenamento do espaço marítimo, às zonas marinhas protegidas e à economia azul. Ponto Focal Nacional para a Biodiversidade Marinha e Costeira.

GT4

Grupo de Trabalho 4: Desenvolver uma economia oceânica sustentável e equitativa

Co-Presidentes:

WG4_Peter_ Haugan

Peter M. Haugan

Instituto de Investigação Marinha, Noruega. Mais pormenores em breve.

WG4_Andrew_John_Rhodes_ Espinoza

Andrew John Rhodes Espinoza

Andrew John Rhodes Espinoza trabalha atualmente como Coordenador dos Oceanos, adstrito à Subsecretaria de Assuntos Multilaterais e Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores do México, e é Sous Sherpa do Painel de Alto Nível para uma Economia Sustentável dos Oceanos. Antes desta missão, ocupou cargos executivos na Comissão Nacional de Áreas Naturais Protegidas (CONANP); como Comissário Nacional (chefe da agência), Diretor Geral de Desenvolvimento e Promoção Institucional e Diretor de Estratégias de Alterações Climáticas. Além disso, foi Diretor Geral do Sistema Pronatura e Coordenador Central do Fundo para Áreas Naturais Protegidas no Fundo Mexicano para a Conservação da Natureza AC. Por último, Andrew Rhodes é o Vice-Presidente da Comissão Mundial das Áreas Protegidas da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Membros especialistas:

WG4_Georgia_Park

Parque da Geórgia

Georgia é Gestora Sénior do Programa Ciência na Vida Pública na Royal Society, que facilita a transferência de conhecimentos e pessoas entre o meio académico e a política. A vertente Política da Ciência dos Oceanos proporciona uma plataforma para investigadores em início de carreira, profissionais e decisores políticos no domínio das ciências marinhas e dos oceanos em todo o Reino Unido para acederem aos conhecimentos e redes na interface ciência-política, e as oportunidades de desenvolvimento profissional do programa ajudam a criar uma reserva de talentos para futuros conselheiros científicos e funcionários públicos com formação científica no Governo. O programa de Política Científica dos Oceanos é aprovado como uma contribuição oficial para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável 2021-2030. Antes de trabalhar na Royal Society, Georgia trabalhou em publicações académicas para a Macmillan e a Oxford University Press, e tem uma licenciatura em Geografia pela Universidade de Southampton e um mestrado pela Universidade Napier de Edimburgo.

WG4_Rafael_Gonzales_Quiros

Rafael Gonzales-Quiros

Rafael é o Diretor do Centro Oceanográfico de Gijón, um dos nove laboratórios costeiros do Instituto Espanhol de Oceanografia (IEO-CSIC). A sua carreira de investigação centra-se na relação entre o ecossistema e a dinâmica das populações de peixes e a ecologia do plâncton, e tem estado sempre envolvido em programas multidisciplinares de observação oceânica a longo prazo. Durante os últimos 8 anos, teve diferentes responsabilidades no Instituto Espanhol de Oceanografia, que é a maior instituição em Espanha exclusivamente dedicada às Ciências do Oceano e com o mandato de fornecer aconselhamento científico para as políticas do oceano ao Governo espanhol, particularmente em questões de pesca e ambientais. Antes de ser diretor em Gijón, foi chefe da área do ambiente marinho (uma das três áreas de investigação e consultoria do IEO, juntamente com as pescas e a aquicultura), diretor adjunto para a investigação e, temporariamente, diretor do IEO (em acumulação com o cargo de diretor adjunto). Rafael tem também um papel ativo de representação em diferentes organizações e processos internacionais e nacionais relacionados com as ciências e a sustentabilidade dos oceanos. Foi chefe da Delegação de Espanha na Comissão Oceanográfica Intergovernamental desde 2017, membro do Grupo de Peritos para o terceiro ciclo da Avaliação Mundial dos Oceanos, coordenador do Comité Nacional da Década e de um grupo de trabalho sobre dados marinhos em Espanha, entre outros.

Joel Mokenye

Joel Mokenye

O Sr. Joel Mokenye possui um MSc. em Ciências e Gestão Marítimas e Lacustres e Licenciatura em Pescas e Ciências Aquáticas. Licenciatura em Pescas e Ciências Aquáticas. Trabalha há mais de 15 anos em aspectos de gestão da pesca costeira e marinha. Trabalhou inicialmente como Investigador Associado no KMFRI entre 2011-2018, Professor a tempo parcial na Universidade Técnica de Mombaça no Departamento de Ciências do Ambiente e da Saúde, secção de Ciências Marinhas (até à data) e atualmente como Especialista em Biodiversidade Aquática no Gabinete Interafricano de Recursos Animais da União Africana (AU-IBAR) desde 2022. As experiências do Sr. Mokenye abrangem a investigação científica, a gestão das pescas, a gestão dos ecossistemas aquáticos através da utilização de quadros MPAs, MCS e MSP e uma vasta gama de consultoria a nível nacional, regional e internacional. A sua experiência multidisciplinar em ciências marinhas e das pescas abrange a ecologia marinha e das pescas, a oceanografia, a avaliação do impacto ambiental e social de projectos, a economia azul concetual, o ambiente bentónico, a poluição ambiental e marinha por plásticos. Desempenhou uma série de tarefas, incluindo: Projeto de Desenvolvimento Costeiro do Quénia (KCDP) financiado pelo Banco Mundial; Estudo de Diagnóstico sobre as Fontes, Caminhos e Impactos do Lixo Marinho no Projeto Costeiro do Quénia, financiado pelo Banco Mundial e executado em parceria com a Cardno Emerging Markets Ltd" ao longo da costa do Quénia; Small Scale Fisheries Management in the Transboundary conservation area in Southern Kenya - WCS- BAF-Project; Standing Stock Marine Litter Survey along Kenya's coastline" (Um estudo conjunto entre a CSIRO e o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA); Desenvolveu um programa de conservação e formou grupos de conservação locais para o estabelecimento de LMMAs/CCAs/CMAs no baixo rio Tana, costa norte do Quénia; coordenou um projeto comunitário de restauração de zonas húmidas na Área de Co-Gestão de Kilelengwani, baixo rio Tana, costa norte do Quénia; e está atualmente a implementar o projeto "Conservação da biodiversidade aquática na economia azul africana" na AU-IBAR, onde as comunidades económicas regionais (RECs), as RFMOs, os BMs e os estados membros da UA são parceiros de implementação.

WG4_Susanna_DeBeauville_Scott

Susanna DeBeauville-Scott

Susanna possui mais de 20 anos de experiência no domínio da conservação e do desenvolvimento sustentável e tem experiência direta nas seguintes áreas: desenvolvimento e implementação de medidas de adaptação às alterações climáticas e de redução do risco de catástrofes; gestão de áreas protegidas; gestão da biodiversidade; gestão das pescas; gestão integrada das zonas costeiras; governação dos oceanos e planeamento espacial marinho; avaliação do impacto ambiental; gestão de resíduos; e desenvolvimento de políticas. É também uma gestora de projectos certificada, com experiência na gestão de projectos nacionais e regionais nas Caraíbas. Susanna trabalha atualmente com a Comissão da Organização dos Estados das Caraíbas Orientais (OECS), onde presta apoio técnico e gere projectos em matéria de economia azul, incluindo a gestão de resíduos e a redução da poluição.

Emma Hospes

Emma Hospes

Emma é Directora de Ambiente Estratégico e Licenciamento e trabalha há mais de 15 anos em temas associados à gestão do impacto ambiental e ecológico no ambiente marinho e costeiro. A Ørsted é uma das maiores empresas de energias renováveis do mundo e líder global em energia eólica offshore. Em 2021, a Ørsted estabeleceu uma ambição de biodiversidade líder no sector. No mesmo ano, tornou-se a primeira empresa de energia a ter o seu objetivo de emissões líquidas nulas validado pela iniciativa Science-Based Targets. A empresa tem estado na vanguarda da transição para a energia verde e da gestão sustentável dos oceanos e defende a integração de acções sobre o clima e a biodiversidade. O papel de Emma na Ørsted abrange uma vasta gama de tópicos associados ao ambiente marinho e oceânico. Representa as equipas líderes mundiais de ambiente e licenciamento da Ørsted, que incluem mais de 120 cientistas marinhos e ambientais, peritos em políticas e gestores de partes interessadas que trabalham com comunidades locais e na identificação e gestão de impactos ambientais em países de todo o mundo. A sua equipa é também responsável pela gestão do programa global de investigação da Ørsted sobre o ambiente marinho e pela implementação do programa global de biodiversidade da Ørsted, líder no sector. Antes de entrar para a Ørsted, Emma trabalhou em consultoria ambiental e desempenhou funções de política marinha e ambiental no governo nacional e local do Reino Unido. Tem uma licenciatura em Biologia Marinha e Oceanografia pela Universidade de Southampton e um mestrado em Gestão Ecológica pelo Imperial College de Londres.

Erik Giercksky

Erik Giercksky

Erik Giercksky lidera o trabalho do Pacto Global da ONU sobre os Oceanos desde janeiro de 2018. O UNGC é o principal organismo das Nações Unidas para a cooperação com as empresas internacionais e é, com as suas 12 000 empresas signatárias e 4 000 organizações da sociedade civil, a maior iniciativa de sustentabilidade do mundo. O conselho de administração do UNGC é presidido pelo Secretário-Geral da ONU, António Guterres. A UNGC Ocean Stewardship Coalition é constituída por empresas marítimas e marinhas líderes a nível mundial, bem como por instituições académicas, organizações centrais das Nações Unidas e ONG. Desde a sua criação, o trabalho tem sido um fator normativo significativo para o trabalho de sustentabilidade nas indústrias relacionadas com os oceanos. De particular importância foi o estabelecimento dos Princípios do Oceano Sustentável durante a Assembleia Geral da ONU em 2019. Giercksky é também o principal autor do documento de referência sobre obrigações azuis, um documento de referência para o trabalho do mercado obrigacionista sobre a sustentabilidade das empresas relacionadas com os oceanos e parte da abordagem do Banco Mundial. Giercksky trabalhou anteriormente como diretor de comunicações na Associação Norueguesa de Armadores e desempenhou funções de liderança em várias empresas e organizações. Giercksky iniciou a sua carreira como diplomata norueguês e fez parte da equipa que liderou o trabalho da Noruega nos processos de paz em diferentes partes do mundo. Giercksky tem um mestrado da London School of Economics e da Universidade de Oslo.

Torsten Thiele

Torsten Thiele

Torsten Thiele é membro honorário do Plymouth Marine Laboratory, Reino Unido e bolseiro afiliado no Instituto de Investigação para a Sustentabilidade, Helmholtz Centro de Potsdam, Alemanha. Trabalha na governação dos oceanos e e finanças azuis sustentáveis, com base em mais de 20 anos de experiência em em financiamento de projectos e infra-estruturas com instituições financeiras de renome e uma década de de investigação sobre os oceanos. É fundador da Global Ocean Trust, consultor estratégico consultor estratégico do Mecanismo de Financiamento do Capital Natural Azul da UICN e consultor sénior para a Aliança de Ação para o Risco e Resiliência dos Oceanos (ORRAA) e actua como consultor de governos e outras partes interessadas nos oceanos. As suas publicações recentes abordam a política climática, infra-estruturas costeiras, soluções baseadas na natureza soluções baseadas na natureza e financiamento inovador dos oceanos (H-Index 15, 1099 citações). Torsten Thiele é licenciado pelas universidades de Cambridge, Bona e Harvard

admin-ajax

Erika Harms

Mais pormenores em breve.

joe

Joseph Appiott

Joe Appiott coordena o trabalho sobre biodiversidade marinha, costeira e insular no Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD). No Secretariado da CBD, Joe trabalha com governos, organizações internacionais e outras partes interessadas para apoiar a implementação da Convenção. Este trabalho inclui a facilitação da descrição e mapeamento de áreas marinhas ecológica ou biologicamente significativas (EBSAs), a coordenação de actividades de reforço de capacidades e a síntese de conselhos políticos relacionados com as pressões sobre a biodiversidade marinha. O trabalho da Joe inclui também a coordenação com outras agências das Nações Unidas e processos multilaterais, bem como a contribuição para os mesmos, no que respeita a questões relacionadas com a biodiversidade marinha, costeira e insular. 

WG4_Vivienne_Solis_Rivera

Vivienne Solis Rivera

Vivienne Solis Rivera é bióloga pela Universidade da Costa Rica. Mestre em Sistemática e Ecologia pela Universidade de Lawrence/Kansas, EUA. Biologia. Com mais de 30 anos de experiência na conservação da biodiversidade na Mesoamérica e nas Caraíbas. O seu trabalho nos últimos 30 anos tem sido desenvolvido no domínio da conservação marinha e dos direitos humanos, liderando os contributos da sociedade civil, dos governos e das organizações de pesca para a implementação das directrizes do SSF na sua região e promovendo modelos de governação do IPLC para uma conservação marinha mais equitativa, eficiente e eficaz. Faz parte da CoopeSoliDar R.L., uma Cooperativa de Solidariedade Social sediada na Costa Rica que promove a conservação da diversidade biológica e cultural como principal ativo para a resiliência dos Povos Indígenas e das comunidades locais a novos desafios e oportunidades. Faz parte do Conselho de Administração do Coletivo Internacional para o apoio aos trabalhadores da pesca e é membro honorário do Consórcio ICCA, das Comissões CEESP e de Áreas Protegidas da UICN e do grupo Major da ONU Mulheres, entre outros, a nível internacional.

WG3_Stefan_Gelcich

Stefan Gelcich

Stefan Gelcich é um biólogo marinho que trabalha na Universidade Católica do Chile e estuda as ligações e as reacções entre os sistemas sociais e ecológicos. Está particularmente interessado em fazer avançar a ciência que contribui para a gestão sustentável dos oceanos costeiros. Nos últimos 20 anos, fez parte de vários projectos e centros interdisciplinares onde conduziu investigação centrada no comportamento humano, nos serviços dos ecossistemas e na ecologia. Em todos os projectos, Stefan contribui ligando as dimensões sócio-ecológicas. Os temas actuais dos projectos incluem a conservação e gestão marinha, a capacidade de adaptação das indústrias costeiras e a pesca ilegal, entre outros. A investigação tem sido financiada por instituições nacionais e internacionais. Stefan é o diretor do Instituto Milenio en Socio-ecologia Costera.

Louise Heaps

Louise Heaps

Louise Heaps é a líder global do WWF em economia azul sustentável, com foco em influenciar o financiamento convencional e os facilitadores de políticas, bem como abordar as barreiras para fornecer uma economia azul sustentável inclusiva nos níveis da comunidade costeira. Louise trabalha na conservação dos oceanos e na gestão dos recursos naturais há mais de 25 anos, liderando políticas oceânicas e programas de campo no norte e no sul do mundo, com 5 anos na região das Ilhas do Pacífico como Directora de Conservação do WWF Pacífico Sul. Posteriormente, liderou o programa nacional e internacional do WWF-UK para os oceanos antes de se tornar conselheira-chefe para os mares. Depois de concluir um MBA na Universidade de Exeter em 2016, Louise liderou o processo de desenvolvimento dos Princípios Financeiros da Economia Azul Sustentável em parceria com a Comissão Europeia, o Banco Europeu de Investimento e a Unidade Internacional de Sustentabilidade do Príncipe de Gales. É agora membro do grupo de direção da UNEP FI para a Iniciativa de Financiamento da Economia Azul Sustentável e do Conselho de Direção da Aliança de Ação para o Risco e Resiliência dos Oceanos.

WG4_William_Kostka

William N Kostka

William N Kostka é um conservacionista dedicado e defensor de iniciativas de desenvolvimento sustentável na Micronésia. Desde que se juntou ao Micronesia Conservation Trust (MCT) em 2006, tem desempenhado um papel fundamental na transformação da organização num líder global reconhecido na conservação e adaptação às alterações climáticas. A liderança visionária de Kostka levou a realizações notáveis, posicionando o MCT como uma das poucas entidades credenciadas nacionalmente para o Fundo de Adaptação e o Fundo Verde para o Clima no Pacífico. Este sucesso sublinha o seu empenho em assegurar o financiamento de projectos de conservação cruciais. Sob a orientação de Kostka, o MCT adquiriu mais de 50 milhões de dólares em subsídios e fundos, promovendo esforços de colaboração com parceiros regionais. Este apoio financeiro permitiu a implementação de iniciativas de conservação com impacto que salvaguardam o património natural da Micronésia, incentivam o desenvolvimento sustentável e aumentam a resistência dos ecossistemas e das comunidades. As contribuições de Kostka foram reconhecidas com a prestigiada Pew Marine Fellowship em 2006, reconhecendo o seu papel fundamental no lançamento da Micronesia Challenge Initiative, um empreendimento de referência na conservação dos recursos naturais. O seu envolvimento demonstra a sua dedicação à resolução dos desafios ambientais e a sua capacidade de unir as partes interessadas em prol de um objetivo comum. Para além da MCT, Kostka participa ativamente em conselhos e redes nacionais, regionais e internacionais. Como membro fundador da Comunidade de Áreas Geridas e Protegidas das Ilhas do Pacífico e da Micronesians in Island Conservation Peer Learning Networks, ele promove a colaboração e a partilha de conhecimentos entre os profissionais de conservação do Pacífico. O seu empenho é ainda evidente em funções em conselhos como o Subcomité Sub-regional do PIFS sobre Regionalismo, o Conselho Consultivo do Pacífico do Fundo Global Greengrants e a IUCN-WCPA. A profunda dedicação de Kostka à formação de líderes emergentes é evidente na sua criação de estágios, bolsas de estudo e bolsas de estudo através do MCT. Estas oportunidades capacitam os talentos da Micronésia a contribuir para a conservação e o desenvolvimento sustentável. A profunda dedicação de William N Kostka, a sua liderança estratégica e o seu envolvimento ativo em iniciativas de conservação regionais e internacionais valeram-lhe um lugar respeitado na comunidade global de conservação. Através dos seus esforços incansáveis, continua a promover mudanças positivas, assegurando a preservação dos recursos naturais da Micronésia para as gerações futuras.

Ronnie Noonan-Birch

Ronnie Noonan-Birch

Ronnie Noonan-Birch é uma sócio-ecologista marinha que trabalha no Ocean Frontier Institute em Halifax, Nova Escócia, Canadá. O seu trabalho centra-se na intersecção entre as pessoas e o oceano, especificamente na forma como o bem-estar humano está intrinsecamente ligado à saúde do oceano. Ronnie concluiu recentemente a sua investigação de mestrado que operacionalizou os ODS para criar um padrão de Economia Azul para o Canadá que seja socialmente equitativo, ambientalmente sustentável e economicamente viável. Ronnie é também uma das co-fundadoras da ECOP Canadá, um nó nacional do Programa de Rede ECOP aprovado pela Década das Nações Unidas.

Aboud S. Jumbe

Aboud S. Jumbe

O Dr. Aboud S. Jumbe é o Secretário Principal do Ministério da Economia Azul e das Pescas, Zanzibar, na República Unida da Tanzânia. O Dr. Jumbe tem estado envolvido em vários processos de diálogo e desenvolvimento na implementação dos processos de Governação dos Oceanos, Economia Azul e Planeamento Espacial Marinho, centrando-se no Oceano Índico Ocidental (WIO) e na Área da Convenção de Nairobi do PNUA. Além disso, o Dr. Jumbe também participou em programas relacionados com iniciativas de Economia Azul na região do WIO apoiados pela Comissão do Oceano Índico (IOC), Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), Associação da Orla do Oceano Índico (IORA) e PNUD. No âmbito da Convenção de Nairobi do PNUA, o Dr. Jumbe participou em várias iniciativas dos Fóruns das Regiões Marinhas e nas aspirações de desenvolver uma Estratégia de Governação dos Oceanos através dos Programas Regionais dos Mares - criando uma parceria eficaz e multilateral para uma futura gestão das Áreas Fora da Jurisdição Nacional, especialmente na Região Ocidental do Oceano Índico. O Dr. Jumbe tem sido membro de diferentes plataformas sobre os oceanos na região da OMI, incluindo o "Fórum das Regiões Marinhas" e o "Nosso Futuro Azul". Tem um bacharelato. (Geral) em Botânica, Química e Zoologia pela Universidade de Deli (2000). Possui também os graus de Mestre e Doutor, respetivamente, em Ciências Ambientais, pela Universidade de Bangalore (Índia).

WG4_Marie-Maio Jeremie

Marie-Maio Jeremie

Marie-Maio Jeremie é a Directora Executiva do Seychelles Conservation and Climate Adaptation Trust (SeyCCAT). Marie-Maio tem um Mestrado em Ambiente pela Universidade de Melbourne e uma licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Edith Cowan. A Sra. Jeremie é uma executiva sénior altamente qualificada com grande interesse e experiência em conservação da biodiversidade, governação dos oceanos, defesa da ciência para a política e estabelecimento e gestão de áreas protegidas nas Seychelles. É uma bióloga de conservação formada que tem estado ativamente envolvida na conservação da biodiversidade nacional e na gestão ambiental, bem como no desenvolvimento de políticas e legislação ambiental nas Seychelles. Nos últimos 13 anos, tem estado ativa em trabalhos de conservação, tanto a nível governamental como de organizações não governamentais. É também uma negociadora experiente em acordos multilaterais no domínio do ambiente, incluindo, entre outros, a Convenção sobre a Diversidade Biológica, a Convenção de Nairobi, a CITES e a Biodiversidade para além da Jurisdição Nacional (BBNJ), tendo participado em vários conselhos de administração nos sectores do ambiente, da conservação e da gestão dos recursos. Antes de se juntar ao SeyCCAT, Marie-Maio foi Directora-Geral da Divisão de Conservação e Gestão da Biodiversidade, onde se concentrou no estabelecimento e implementação de todas as políticas e legislação relacionadas com a biodiversidade. Desempenhou um papel fundamental como líder política para a governação dos oceanos, incluindo o trabalho sobre o Plano Espacial Marinho das Seychelles, onde ainda faz parte do Comité de Direção. A Sra. Jeremie é também a atual Presidente do Conselho de Administração da Associação das Ciências Marinhas do Oceano Índico Ocidental (WIOMSA).

GT5

Grupo de Trabalho 5: Desbloquear soluções baseadas no oceano para as alterações climáticas

Co-Presidentes:

WG5_Carol_Robinson

Carol Robinson

Carol Robinson é professora de Ciências Marinhas na Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Dirige uma equipa de investigação que estuda o papel das bactérias marinhas, do fitoplâncton e do zooplâncton no ciclo global do carbono e do oxigénio e a forma como este varia com a alteração das condições ambientais, como o aumento do fornecimento de nutrientes, da temperatura e do dióxido de carbono e a diminuição do oxigénio dissolvido. Carol é membro da Royal Society of Biology, ex-presidente da Challenger Society for Marine Science e ex-presidente da rede de investigação global IMBeR (Integrated Marine Biosphere Research) do SCOR/Future Earth. Atualmente, é copresidente do Grupo de Peritos do COI para a Investigação Integrada do Carbono Oceânico (COI-R) e copresidente do programa da Década das Nações Unidas sobre Emissões Negativas de Carbono nos Oceanos (ONCE).

WG5_Christopher_Sabine

Christopher Sabine

Christopher L. Sabine é Vice-Reitor interino de Investigação e Bolsas de Estudo da Universidade do Havai em Mānoa e professor catedrático no Departamento de Oceanografia. Obteve o seu doutoramento em oceanografia química na UHM em 1992. Desde essa altura, publicou mais de 160 artigos em revistas e capítulos de livros sobre o ciclo do carbono, as alterações climáticas e a acidificação dos oceanos. A sua investigação atual centra-se na compreensão do ciclo global do carbono, no papel do oceano na absorção do CO2 libertado pela atividade humana e na acidificação dos oceanos. Foi consultor científico de vários programas nacionais de carbono nos EUA e a nível internacional. Ganhou vários prémios, incluindo o Prémio Medalha de Ouro do Departamento de Comércio dos EUA pela investigação pioneira que levou à descoberta do aumento da acidificação nos oceanos do mundo e foi reconhecido pelo Programa Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) pelas suas contribuições para o IPCC quando lhe foi atribuído o Prémio Nobel da Paz em 2007.

Membros especialistas:

Courtney McGeachy

Courtney McGeachy

Courtney McGeachy é atualmente Directora do Ocean Visions - Centro Colaborativo da Década das Nações Unidas para Soluções Climáticas para os Oceanos. Anteriormente, Courtney dirigiu o Programa GOLD+ (planetGOLD) na Conservation International. Antes de se juntar à Conservation International, Courtney foi Directora do Pew Marine Fellows Program na Pew Charitable Trusts, bem como Gestora do portfólio de Conservação Marinha na National Fish and Wildlife Foundation. Durante o seu tempo na National Fish Wildlife Foundation, Courtney geriu vários programas de conservação marinha, incluindo o Programa de Pesca para Energia, o Programa de Conservação dos Recifes de Coral e o Programa de Subsídios de Emergência Prescott, só para citar alguns. Courtney tem uma licenciatura em Ciências Marinhas e Ambientais da Universidade de Hampton e um mestrado em Ciências Marinhas e Estuarinas da Universidade de Maryland Eastern Shore. Anteriormente, Courtney também foi copresidente de Integridade, Diversidade e Equidade na Citizen Science Association.

Fangli Qiao

Fangli Qiao

O Dr. Fangli Qiao, membro da Academia Europeia (MAE), académico da Academia Internacional de Ciências da Eurásia e editor-chefe da revista Ocean Modelling, é professor catedrático de oceanografia física e diretor-geral adjunto do Primeiro Instituto de Oceanografia (FIO) do Ministério dos Recursos Naturais da China. Os seus interesses de investigação abrangem desenvolvimento de modelos oceânicos e climáticos, dinâmica oceânica, turbulência e interação ar-mar, etc.. Descobriu o papel fundamental das ondas superficiais de pequena escala na circulação oceânica de grande escala e no sistema climático global através da modulação da turbulência oceânica (Bv) e dos fluxos ar-mar, designada por Teoria de Qiao. A teoria tem sido utilizada por dezenas de centros de investigação de diferentes países e todos os modelos oceânicos e climáticos foram dramaticamente melhorados. Desenvolveu o primeiro modelo oceânico de nova geração de ondas de superfície, marés e circulação, totalmente acoplado (FIO-COM), que supera o desafio de meio século de profundidade da camada mista simulada no oceano superior, demasiado rasa, e a temperatura da superfície do mar sobrestimada, especialmente no verão, o modelo de tufão/furacão acoplado à atmosfera-oceano-ondas (FIO-AOW), que melhora consideravelmente a capacidade de previsão da intensidade do tufão, que tem sido um estrangulamento durante várias décadas, e o modelo do sistema terrestre, incluindo ondas de superfície (FIO-ESM v1.0 e 2.0), que elimina mais de metade das tendências tropicais de longa data. O Dr. Qiao é membro do Grupo de Planeamento Executivo e do Conselho Consultivo da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável. Recebeu numerosos prémios académicos, incluindo o Prémio Wooster do PICES, os Prémios Nacionais de Inovação da China, etc. Tem mais de 400 publicações em revistas científicas com revisão por pares.

sam

Dhrubajyoti Samanta (Dhruba)

O Dr. Dhrubajyoti Samanta (Dhruba) é investigador sénior no Observatório da Terra de Singapura na Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU), Singapura. É também investigador afiliado no Instituto Cooperativo de Investigação em Ciências Ambientais da Universidade do Colorado em Boulder, EUA. Antes de se juntar à NTU, Dhruba trabalhou como investigador de pós-doutoramento na Universidade de Aizu, Japão, e na Universidade Texas A&M no Qatar. Dhruba obteve o seu doutoramento no Instituto Indiano de Tecnologia de Kharagpur, Índia. Dhruba é membro do Painel da Região do Pacífico da CLIVAR e membro do grupo de trabalho internacional de Mudanças Globais Passadas (PAGES) CoralHydro2K. É membro vitalício da Ocean Society of India e da The Indian Science Congress Association. Dhruba trabalhou em vários projectos interdisciplinares em seis países (incluindo Índia, Qatar, Japão, Singapura, EUA e Noruega). Contribuiu significativamente para a compreensão da dinâmica dos oceanos e do clima na região tropical do Indo-Pacífico e para melhorar as suas simulações em modelos climáticos. Três das recentes publicações de primeira autoria de Dhruba são citadas no 6º Relatório de Avaliação do IPCC (AR6). Esteve ativamente envolvido nos processos de revisão de vários capítulos do IPCC AR6. Reviu várias subvenções e mais de 130 publicações em revistas internacionais de renome. Dhruba recebeu vários prémios, como o de revisor excecional e o de revisor de confiança, pelo seu empenho na integridade científica. Está ativamente envolvido no ensino, na supervisão, na obtenção de financiamento para a investigação e em actividades de divulgação. A investigação de Dhruba incide na dinâmica dos oceanos e do clima e na sua representação em modelos climáticos. O seu principal objetivo é compreender e prever o papel da dinâmica oceânica que determinou as alterações climáticas tropicais no passado e que irá moldar essas alterações no futuro. A sua investigação centra-se especificamente na modelação climática, nos estudos do nível do mar, nas monções, nos ciclones tropicais e nas interacções oceano-atmosfera.

Richard Bellerby

Richard Bellerby

Richard Bellerby é cientista principal no Instituto Norueguês de Investigação da Água, Bergen, Noruega, diretor do Centro SKLEC-NIVA de Investigação Marinha e Costeira, Universidade Normal da China Oriental, Xangai, China e professor adjunto na Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade UCSI, Kuala Lumpur, Malásia. Com formação como biogeoquímico marinho, investiga a interação entre as alterações climáticas e oceânicas, os ecossistemas marinhos e os serviços ecossistémicos, com uma ênfase crescente na socioecologia. Publicou mais de 150 artigos de investigação e capítulos de livros. É líder do grupo de trabalho AMAP Acidificação dos Oceanose autor principal do Grupo de Peritos em Clima do AMAP Grupo de Peritos sobre o Climae co-líder do grupo de trabalho IMBeR-Future Earth Coasts Grupo de Trabalho sobre Margens Continentaismembro do Comité Executivo da Rede Mundial de Observação da Acidificação dos Oceanosmembro do comité diretor do Centro Regional do Sul da Ásia para a Acidificação dos Oceanose copatrocinador do programa programa da Década OARS e coordenador regional do programa Programa da Década GO-BC.

Sónia Batten

Sónia Batten

Sonia Batten tem uma formação científica como oceanógrafa biológica, estudando o plâncton e o seu papel no ecossistema oceânico. Iniciou o inquérito do registador contínuo de plâncton do Pacífico Norte (CPR) e foi a sua coordenadora de 2000 a 2020, tendo contribuído para mais de 35 artigos baseados nos dados do inquérito. Durante a última parte desta função, foi também membro do painel GOOS Bio-Eco e presidiu à Aliança Global de Inquéritos CPR. Em abril de 2020, tornou-se Secretária Executiva da Organização de Ciências Marinhas do Pacífico Norte (PICES). O PICES é uma organização científica intergovernamental que promove a investigação marinha colaborativa no norte do Pacífico Norte e nos mares adjacentes nos seis países membros que fazem fronteira com a região (Canadá, Japão, República Popular da China, República da Coreia, Federação Russa e Estados Unidos da América). As prioridades do PICES são promover a recolha e o rápido intercâmbio de informações científicas sobre o ambiente oceânico, as alterações climáticas, os recursos vivos e os seus ecossistemas, e os impactos das actividades humanas no Pacífico Norte. O PICES patrocina e organiza conferências internacionais e eventos de desenvolvimento de capacidades, bem como a sua própria reunião anual, para facilitar, promover e divulgar conhecimentos científicos sobre estas questões.

Liliana Bastian

Liliana Bastian

Liliana Bastian, PhD, é Oficial de Programa na Ocean Visions, onde apoia iniciativas estratégicas para o Centro Colaborativo Ocean Visions-Década das Nações Unidas para Soluções Climáticas Oceânicas e o Ecossistema Global para Soluções Oceânicas (GEOS), uma ação endossada pela Década das Nações Unidas. É uma cientista social marinha com formação em geografia humana e desenvolvimento sustentável. Antes de se juntar à Ocean Visions, Liliana conduziu investigação participativa sobre justiça marinha e implementou projectos de capacitação multi-setorial em desenvolvimento sustentável e resiliência climática nos EUA, Reino Unido e Sudeste Asiático. Liliana tem um doutoramento em Geografia Humana pela Universidade de Exeter, um mestrado em Assuntos Marinhos pela Universidade de Washington e um bacharelato em Geociências Ambientais pela Universidade Texas A&M. 

Richard Sanders

Richard Sanders

Richard Sanders trabalha no NORCE em Bergen e é coordenador do projeto OceanICU do Horizonte Europa. Participou numa vasta gama de projectos de bombas biológicas oceânicas ao longo dos últimos 25 anos e passou recentemente para uma função mais orientada para a política como diretor do Centro Temático dos Oceanos no Sistema Integrado de Observação do Carbono. Antes de se mudar para Bergen, foi presidente do Grupo de Investigação de Biogeoquímica e Ecossistemas Oceânicos no Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido. É titular de uma cadeira honorária em biogeoquímica oceânica na Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Galen McKinley

Galen McKinley

Galen McKinley é Professor de Ciências da Terra e do Ambiente na Universidade de Columbia e no Lamont-Doherty Observatório da Terra. É Directora Adjunta do Centro para a Aprendizagem da Terra com Inteligência Artificial e Física (LEAP), um Centro de Tecnologia Científica (STC) da NSF para 2021-2026. O Professor McKinley é um cientista dos oceanos, do ciclo do carbono e do clima, cuja investigação se centra nos factores físicos, químicos e ecológicos do sumidouro de carbono antropogénico dos oceanos, a escalas que vão do regional ao global. As suas ferramentas de investigação incluem modelos do oceano e do clima, conjuntos de dados in situ e de satélite e aprendizagem automática. A Professora McKinley tem uma licenciatura em Engenharia Civil pela Universidade de Rice e um doutoramento em Física e Química do Clima pelo MIT. É membro do Conselho de Estudos dos Oceanos das Academias Nacionais dos EUA e da Mesa Redonda sobre Segurança Climática das Academias Nacionais dos EUA. Entre as suas distinções contam-se o prémio Ocean Science Voyager 2020 da União Geofísica Americana e, em 2011, o prémio Class of 1955 Teaching Award da Universidade de Wisconsin - Madison.

WG5_VVSS-Sarma

V.V.S.S. Sarma

V.V.S.S. Sarma é o Instituto Nacional de Oceanografia do CSIR, Cientista-Chefe e Diretor Regional do seu centro regional em Visakhapatnam e professor na Academia de Investigação Científica e Inovadora (AcSIR). Obteve o seu doutoramento em oceanografia química na Universidade de Goa em 1999. Desde então, publicou mais de 175 artigos em revistas e capítulos de livros sobre o ciclo do carbono, oxigénio e azoto, alterações climáticas, química dos aerossóis e acidificação dos oceanos através de observações, deteção remota e modelos numéricos. A sua investigação atual centra-se na troca ar-mar de CO2 no Oceano Índico, na zona mínima de oxigénio, na acidificação dos oceanos e no papel do impacto humano na biogeoquímica do ciclo do carbono, do azoto e do oxigénio no Oceano Índico. É membro do comité consultivo de investigação de vários laboratórios na Índia e no estrangeiro e também membro do Comité Consultivo de Peritos para o tema "Oceanos" do Grupo de Trabalho para a Sustentabilidade Climática no âmbito do G20, Ministério do Ambiente, das Florestas e das Alterações Climáticas e membro do Comité Diretor Nacional do Azoto para a aplicação da Resolução UNEA4 sobre a gestão sustentável do azoto na Índia, Ministério do Ambiente, das Florestas e das Alterações Climáticas. Faz parte do grupo de peritos das Nações Unidas. Recebeu vários prémios nacionais e internacionais, incluindo o Prémio Nacional de Ciências e Tecnologias dos Oceanos, o Prémio Hidaka para publicações excepcionais e o Prémio para Jovens Cientistas. É membro da Academia Nacional de Ciências, Bengaluru, Índia.

Kelly Ortega

Kelly Ortega

Kelly é investigadora no Departamento de Ciências Biológicas da Universidade da Cidade do Cabo. Tem formação em biologia e ciências da pesca e a sua investigação centra-se na utilização de modelos de ecossistemas para investigar o funcionamento dos ecossistemas marinhos e apoiar a gestão baseada em ecossistemas. Os seus interesses de investigação incluem também a influência da variabilidade ambiental e das alterações climáticas nos ecossistemas marinhos, bem como a vulnerabilidade e a capacidade de adaptação dos ecossistemas às alterações climáticas. Kelly é co-coordenadora dos modelos regionais do Projeto de Intercomparação de Modelos de Pescas e Ecossistemas Marinhos (FishMIP), que visa compreender e projetar melhor os impactos das alterações climáticas nas pescas e nos ecossistemas marinhos.

Robert Blasiak

Robert Blasiak

Robert é investigador no Centro de Resiliência de Estocolmo (SRC) da Universidade de Estocolmo, onde se concentra em diferentes aspectos da ciência dos oceanos, incluindo a vulnerabilidade e o risco associados às alterações climáticas, a alteração das normas de gestão dos oceanos e as questões de equidade e transparência associadas à utilização dos recursos genéticos marinhos e da biotecnologia. Robert é membro do Comité Científico da Plataforma para os Oceanos e o Clima, membro do conselho editorial do ICES Journal of Marine Science, participante na Coligação para a Gestão dos Oceanos do Pacto Global das Nações Unidas, membro do Comité de Revisão de Peritos para o Índice de Gestão dos Produtos do Mar e coordena a contribuição científica para a iniciativa SeaBOS (Seafood Business for Ocean Stewardship). Atualmente, lidera o projeto FORMAS sobre "A indústria da biotecnologia marinha e a governação equitativa dos recursos genéticos marinhos" e é co-líder do tema de investigação "Oceano Humano" do SRC. Antes de se juntar ao SRC, Robert trabalhou como investigador no Laboratório de Ciências Globais das Pescas na Universidade de Tóquio e como responsável pelas comunicações na Universidade das Nações Unidas. Anteriormente, foi investigador sénior no Programa NEREUS da Fundação Nippon, bem como investigador visitante na Universidade de Tóquio e na Universidade das Nações Unidas.

Andrea Lira Loarca

Andrea Lira Loarca

Andrea é uma cientista costeira e investigadora no grupo de investigação MeteOcean da Universidade de Génova, Itália. Tem um doutoramento da Universidade de Granada, em Espanha, e da Universidade de Parma, em Itália, especializado em Gestão Costeira. A sua investigação centra-se na modelação de alta resolução de ondas e tempestades e na sua alteração devido aos efeitos das alterações climáticas e aos impactos costeiros devidos a riscos compostos. Recentemente, Andrea recebeu uma bolsa do Selo de Excelência para Jovens Investigadores do Ministério da Universidade e Investigação italiano para desenvolver um projeto centrado na avaliação melhorada de futuros riscos múltiplos costeiros e riscos compostos no Mar Mediterrâneo. Andrea participou em vários projectos de investigação internacionais e colabora com investigadores de todo o mundo. É a coordenadora nacional guatemalteca dos Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira da América Central da Década dos Oceanos da ONU. Tem mais de 35 contribuições para revistas e conferências internacionais de topo no domínio das ciências costeiras e climáticas.

admin-ajax

Suchana Chavinich

Mais pormenores em breve.

richardsanders

Richard Sanders

Richard trabalha no NORCE em Bergen e é coordenador do projeto OceanICU do Horizonte Europa. Participou numa vasta gama de projectos de bombas biológicas oceânicas ao longo dos últimos 25 anos e passou recentemente para uma função mais orientada para a política como diretor do Centro Temático dos Oceanos no Sistema Integrado de Observação do Carbono. Antes de se mudar para Bergen, foi presidente do Grupo de Investigação de Biogeoquímica e Ecossistemas Oceânicos no Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido. É titular de uma cadeira honorária em biogeoquímica oceânica na Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Sophia Laarissa

Sophia Laarissa

Sophia Laarissa é estudante de doutoramento em Direito do Mar na Universidade Cadi Ayyad em Marraquexe, Marrocos. Detentora de uma bolsa de investigação de excelência nacional, a sua tese centra-se na "Definição e resolução de litígios relacionados com investimentos no mar". Sophia contribui ativamente como membro do Laboratório de Investigação em Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e da Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas. Além disso, é coordenadora da equipa de trabalho da ECOP África sobre literacia oceânica e reforço de capacidades. Participa ativamente em eventos nacionais e internacionais, como a formação ao ar livre da Academia de Direito Internacional de Haia sobre "O Direito do Mar", a conferência "Mulheres no Direito do Mar", organizada pela Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos, e moderou recentemente o evento "Dia Africano dos Mares e Oceanos", organizado pela ECOP África em colaboração com a IOC-África. Sophia também apresentou comunicações sobre temas como "Literacia dos Oceanos" e "A sobreposição de mecanismos de resolução de litígios no Direito do Mar e no Direito da OMC". Acredita no papel crítico da transdisciplinaridade na compreensão da complexidade e diversidade dos componentes do sistema oceânico e na abordagem dos desafios presentes e futuros no contexto do desenvolvimento do processo da Visão da Década dos Oceanos.

Jess Melbourne-Thomas

Jess Melbourne-Thomas

A Dra. Jess Melbourne-Thomas é investigadora transdisciplinar e mediadora de conhecimentos, e lidera uma equipa de sistemas socioecológicos marinhos na CSIRO Environment em Hobart. Tem experiência em modelação matemática e ciência das alterações climáticas na Antárctida, e o seu trabalho centra-se na ligação da investigação à tomada de decisões para a sustentabilidade e adaptação às alterações climáticas. Jess foi autora principal do Relatório Especial de 2019 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) sobre os Oceanos e a Criosfera em um Clima em Mudança e é co-convocadora do programa internacional MEASO (Avaliação do Ecossistema Marinho para o Oceano Austral).

GT6

Grupo de Trabalho 6: Aumentar a resiliência da comunidade aos riscos oceânicos

Co-Presidentes:

Srinivasa_Kumar(1)

Srinivasa Kumar Tummala

O Dr. Srinivasa Kumar Tummala tem um doutoramento em Ciências Marinhas e fez contribuições impactantes para o campo da oceanografia operacional e dos sistemas de alerta precoce de múltiplos perigos costeiros. Trabalhando no Centro Nacional Indiano de Serviços de Informação sobre os Oceanos (INCOIS) do Ministério das Ciências da Terra (MoES), sediado em Hyderabad, desde 2004, foi responsável pela implementação de vários projectos importantes, incluindo os Avisos de Zona de Pesca Potencial, Mapeamento de Vulnerabilidade a Riscos Múltiplos, Sistema de Alerta de Branqueamento de Recifes de Coral, Investigação Costeira e Oceanográfica por Satélite, etc. Após o tsunami de 2004, coordenou o estabelecimento bem sucedido do Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Índia, como um projeto multi-institucional. O centro de alerta precoce de tsunami, sediado no INCOIS, é identificado como um dos prestadores de serviços de tsunami no âmbito do Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunami do Oceano Índico (IOTWMS) da Comissão Oceanográfica Intergovernamental (IOC) da UNESCO. Entre outubro de 2016 e agosto de 2020, trabalhou com o COI-UNESCO como Chefe do Secretariado do IOTWMS em Perth, Austrália. Durante este período, foi fundamental no reforço do sistema regional de alerta precoce de tsunamis em colaboração ativa com 28 Estados-Membros, na harmonização global das operações de observação de tsunamis e na implementação do programa de reconhecimento da comunidade Tsunami Ready. Tendo iniciado a sua carreira científica com uma breve passagem pela Organização de Investigação Espacial Indiana (ISRO), o Dr. Tummala é atualmente o Diretor do INCOIS. É também Vice-Presidente do COI para a Região IV, Co-Presidente do Conselho de Colaboração Conjunto COI - OMM e Presidente do Comité Científico do Programa Tsunami da Década dos Oceanos.

Nadia Pinardi

Nadia Pinardi

Nadia Pinardi, Departamento de Física e Astronomia, Universidade de Bolonha. Nadia PINARDI é doutorada em Física Aplicada pela Universidade de Harvard e professora catedrática de Oceanografia na Universidade de Bolonha. A sua principal realização é a conceção concetual e a implementação prática de sistemas de previsão oceânica em todo o oceano aberto e nas zonas costeiras do mundo. De 2012 a 2019, foi copresidente do Comité Conjunto de Oceanografia e Meteorologia Marinha (JCOMM) da UNESCO-IOC e da OMM e é, desde 2019, vice-presidente eleita da Comissão de Observação, Infraestruturas e Sistemas de Informação (Comissão de Infraestruturas) da OMM. É presidente do Programa da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos "CoastPredict" e directora do Centro Colaborativo da Década das Nações Unidas para a Resiliência Costeira, acolhido pela Universidade de Bolonha.

Membros especialistas:

Hellen J. Kizenga

Hellen J. Kizenga

Hellen J. Kizenga é uma cientista marinha em início de carreira e professora assistente no Instituto de Ciências Marinhas da Universidade de Dar es Salaam, Tanzânia. Tem uma licenciatura em Microbiologia e um mestrado em Ciências Marinhas pela Universidade de Dar es Salaam. Tem também um certificado de pós-graduação em Oceanografia Observacional do programa do Centro de Excelência NF-POGO no Instituto Alfred Wegener para a Investigação Polar e Marinha, Alemanha. A sua investigação baseia-se nos recursos marinhos e costeiros, centrando-se principalmente na produtividade primária (fitoplâncton), na biogeoquímica marinha, na deteção remota e na pesca de pequenos pelágicos. Na sua investigação, está muito interessada em aplicar a deteção remota, as observações in-situ e as ciências sociais para garantir que a ciência colabora com o conhecimento tradicional para a geração de informações concretas sobre a sustentabilidade dos recursos marinhos e costeiros.

Enrique Alvarez Fanjul

Enrique Alvarez Fanjul

O Dr. Enrique Alvarez Fanjul é o Coordenador Técnico do Centro Colaborativo da Década de Previsão do Oceano, na Mercator Ocean International. Tem uma experiência de mais de 33 anos em oceanografia operacional, tendo desenvolvido serviços operacionais de previsão oceânica e gerido redes de medição oceânica. Coordenou vários projectos nacionais e europeus. É autor de mais de 100 publicações revistas por pares.

Leonardo Valenzuela Perez

Leonardo Valenzuela Perez

Leonardo Valenzuela Perez é o Diretor de Parcerias Internacionais e do Ecossistema Global para Soluções Oceânicas (GEOS) na Ocean Visions. O GEOS é um programa aprovado pela Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável que articula uma rede global multi-setorial dedicada ao desenvolvimento e implementação de soluções equitativas e escaláveis baseadas nos oceanos para enfrentar as alterações climáticas e os principais desafios do Desenvolvimento Sustentável. Anteriormente, liderou iniciativas internacionais de justiça climática em aliança com organizações de base nos sectores da energia e da mineração. Leonardo tem trabalhado durante quase duas décadas na intersecção dos direitos indígenas, ativismo climático e investigação sobre justiça ambiental com um enfoque global. Leonardo é doutorado em Geografia Humana pela Universidade de Sydney, bem como mestre em Assentamentos Humanos e Meio Ambiente e bacharel em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Martina Müller

Martina Muller

Como responsável pela gestão de programas no Gabinete das Nações Unidas para a Redução do Risco de Catástrofes, Martina Müller presta aconselhamento político e orientação substantiva aos Estados-Membros para integrar o Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Catástrofes e o desenvolvimento sustentável baseado no risco nas decisões intergovernamentais. A Sra. Müller serviu as Nações Unidas em várias funções durante cinco anos, nomeadamente acompanhando o desempenho do sistema de desenvolvimento das Nações Unidas nos domínios do ambiente e do clima e apoiando as negociações intergovernamentais sobre a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Ela também atuou como assessora internacional da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo entre 2015-2017, conectando o global ao local por meio do desenvolvimento de políticas pioneiras e projetos de cooperação; e como gerente da organização sem fins lucrativos de sustentabilidade Ceres, alavancando esforços corporativos para combater o desmatamento tropical. A Sra. Müller tem um mestrado em políticas públicas (Universidade de Harvard) e é advogada licenciada (Universidade de São Paulo / Universidade Ludwig-Maximilian) especializada em direito ambiental. Ela fala inglês, espanhol, francês, alemão e português.

Iris Monnereau

Iris Monnereau

A Dra. Iris Monnereau é atualmente a Oficial de Pescas - Choques e Emergências baseada na FAO-HQ. Apoia países de todo o mundo na prevenção, preparação, resposta e reabilitação do sector das pescas e da aquacultura. Isto abrange catástrofes naturais, tecnológicas e biológicas, bem como emergências complexas. Fornece também conteúdos e actualiza as estratégias e o planeamento da NFI sobre a gestão dos riscos de catástrofe para a pesca e a aquicultura e apoia a mobilização de recursos. De 2017 a 2022, foi Responsável de Projeto da FAO-SLC em Barbados, coordenando o projeto Adaptação às Alterações Climáticas no Sector das Pescas das Caraíbas Orientais (CC4FISH). O projeto de 5,5 milhões de dólares foi realizado em 7 países das Caraíbas Orientais e apoiou o reforço da resiliência do sector das pescas às alterações climáticas, incluindo o trabalho de reforço das capacidades dos pescadores e aquacultores, a gestão do risco de catástrofes, o desenvolvimento das pescas e da aquicultura e a integração das alterações climáticas e da gestão do risco de catástrofes nos planos e políticas de pesca. Iris Monnereau obteve o grau de doutoramento em 2012 pela Universidade de Amesterdão, Países Baixos, Faculdade de Ciências Sociais e Comportamentais, onde investigou os impactos de diferentes sistemas de governação da pesca da lagosta e cadeias de valor no bem-estar dos pescadores em Belize, Nicarágua e Jamaica. Realizou um pós-doutoramento de dois anos de 2012-2014 na Universidade das Índias Ocidentais, Centro de Gestão de Recursos e Estudos Ambientais (CERMES) em Barbados, onde investigou a vulnerabilidade às alterações climáticas do sector das pescas em pequenos Estados insulares em desenvolvimento. Publicou extensivamente sobre os impactos das alterações climáticas e a vulnerabilidade do sector das pescas na região das Caraíbas alargadas, tanto durante o seu tempo como investigadora como na FAO.

Loreto

Loreto Duffy-Mayers

Loreto Duffy-Mayers é uma profissional distinta com uma vasta experiência nos domínios do turismo, da sustentabilidade ambiental e da eficiência energética. Oriunda de uma família diversificada de origem irlandesa e barbadiana, dedicou a sua carreira a promover mudanças positivas na região das Caraíbas e não só. Com um historial notável, Loreto desempenhou papéis fundamentais em vários programas regionais. Foi Chefe de Projeto da Iniciativa de Arrefecimento das Caraíbas das Nações Unidas para o Ambiente, um projeto visionário que abordou a eficiência energética e soluções amigas do ambiente no sector do arrefecimento em todas as nações das Caraíbas. A paixão de Loreto pelo turismo sustentável levou-a a contribuir significativamente para o desenvolvimento de práticas ecológicas na indústria hoteleira das Caraíbas. Nomeadamente, geriu o Programa de Eficiência Energética e Energias Renováveis para Hotéis das Caraíbas (CHENACT) do BID, promovendo a eficiência energética e soluções de energias renováveis nos hotéis da região. Oradora prolífica, Loreto fez apresentações em numerosas conferências internacionais, partilhando as suas ideias sobre turismo sustentável, ambiente, energia e alterações climáticas. Para além das suas realizações profissionais, Loreto está ativamente envolvida em vários comités e organizações dedicados à sustentabilidade. É membro do Conselho de Administração da Aliança das Caraíbas para o Turismo Sustentável, da Associação de Energia Térmica Oceânica e membro do grupo de trabalho da Década dos Oceanos do COI da UNESCO. O empenho de Loreto em criar um futuro mais verde e mais resistente para as Caraíbas valeu-lhe numerosos prémios nas Caraíbas, tanto na área da energia como do turismo. A sua abordagem holística, combinada com capacidades excepcionais de comunicação e liderança, continua a ter um impacto duradouro nos domínios do turismo, do ambiente e da energia.

Alessandra Burgos

Alessandra Burgos

Alessandra (Ali) Burgos concluiu os seus estudos de licenciatura na Universidade Rutgers em 2016, obtendo um Bacharelato em Ciências em meteorologia. Posteriormente, prosseguiu os seus estudos de pós-graduação na Old Dominion University, onde obteve um mestrado em oceanografia em 2018. Dedicou a sua investigação à reconstrução da subida global relativa do nível do mar no século XX e à modelação de futuras inundações incómodas em Norfolk, Virgínia. Tendo o desejo de passar para a política científica, Ali foi aceite na estimada Sea Grant Knauss Fellowship e passou um ano em Washington DC na sede da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Aqui, trabalhou para melhorar o seu portefólio de resiliência costeira, apoiando o envolvimento no Congresso e a gestão de subsídios. Atualmente, Ali trabalha na Universidade do Estado do Oregon como gestora de projeto para o projeto financiado pela National Science Foundation "The Cascadia Coastlines and People's Hazards Research Hub", cujo objetivo é aumentar a resiliência costeira das comunidades costeiras do Noroeste do Pacífico.

Joel Kamdoum Ngueuko

Joel Kamdoum Ngueuko

Joel Kamdoum Ngueuko é um especialista em ambiente, alterações climáticas e planeamento oceânico, juntamente com a sua defesa da literacia de dados espaciais e do equilíbrio de género. Tem mais de dez anos de experiência em programas multidisciplinares, para além do desenvolvimento de metodologias quantitativas e qualitativas para o planeamento e implementação de políticas públicas espaciais, reforço de capacidades e desenvolvimento sustentável. As actividades de Kamdoum incluem, entre outras, os seus trabalhos anteriores como estagiário do COI-UNESCO e consultor internacional no âmbito do LME/IW: LEARN e do MSPglobal frameworks. É autor de artigos científicos e coautor do Relatório Técnico sobre o Estado da Vulnerabilidade Costeira nos países da África Central (série técnica N°152, ficheiro ICAM, IOC-UNESCO). Possui um Bacharelato em Ciências (com distinção) em Engenharia Química/Ambiental, um Diploma de Pós-Graduação em Deteção Remota/GIS e um Mestrado Erasmus Mundus em Planeamento do Espaço Marítimo.

Canais de Purificação

Canais de Purificação

Purificació Canals tem uma licenciatura e um doutoramento em Ciências Biológicas pela Universidade de Barcelona (1986 e 1996). Trabalha como consultora internacional independente em conservação marinha e costeira e como professora associada de Fisiologia na Universidade Rovira i Virgili (Tarragona). Desde 2009, é Presidente da MedPAN (Rede Mediterrânica de Gestores de Áreas Marinhas Protegidas). De 2016 a 2019, contribuiu para as redes de AMP em todo o Atlântico como líder de equipa do projeto da rede transatlântica de AMP da UE, alargado ao sudeste da Ásia desde 2020 no âmbito do projeto de governação oceânica da UE. É também membro do Conselho Consultivo para o Desenvolvimento Sustentável da Catalunha (CADS) desde 2014; do Conselho Científico do Conservatoire du Littoral, desde 2004; e da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da IUCN desde 2007. Entre outros cargos, foi Conselheira Regional da UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) para a Europa Ocidental (2000-2008); Vice-Presidente da UICN (2004-2008); Presidente do Comité Preparatório do IV Congresso Mundial de Conservação organizado pela UICN em Barcelona (2006-2008); Presidente da Liga para a Defesa do Património Natural (DEPANA) (1994-2010) e do Conselho Ibérico de Defesa da Natureza (CIDN) (1998-2010). Em 2020, foi agraciada com a Cruz de São Jorge pelo Governo da Catalunha pelo seu trabalho na conservação costeira e marinha e, em 2022, recebeu a Medalha Alfred Toepfer, da Federação EUROPARC, pela sua contribuição para a conservação da natureza na Europa.

Giovanni Coppini

Giovanni Coppini

Cientista Principal e Diretor da Divisão de Previsões e Aplicações Oceânicas da Fundação Centro Euro-Mediterrânico para as Alterações Climáticas (CMCC) em Lecce, Itália. Tem um doutoramento em Ciências Ambientais: proteção e gestão dos recursos naturais da Universidade de Bolonha. Desde 2003, trabalha no domínio do desenvolvimento de aplicações oceanográficas operacionais. Foi copresidente da MONGOOS (Mediterranean Oceanography Network for the Global Ocean Observing System-GOOS) e é o gestor do Gabinete de Resposta a Emergências do acordo MONGOOS-REMPEC. Foi membro da equipa de trabalho da JCOMM sobre segurança marítima e presidente da equipa de peritos da JCOMM sobre resposta a emergências ambientais marinhas. Desde maio de 2015, é líder do Serviço Marítimo Europeu Copernicus (CMEMS) para o Centro de Monitorização e Previsão do Mediterrâneo (MFC), que fornece previsões oceânicas para o Mar Mediterrâneo. Foi vice-líder do MFC do Mar Negro. Tem 45 artigos publicados em revistas internacionais com revisão por pares. No CMCC, coordenou e contribuiu para o desenvolvimento de várias aplicações relevantes para a segurança marítima e o ambiente marinho com base nos dados do CMEMS, incluindo Sea-Conditions, VISIR, WITOIL e OCEAN-SAR. Desde junho de 2021 é membro do Comité Diretivo do programa CoastPredict da Década dos Oceanos das Nações Unidas e desde junho de 2022 coordena a ação PredictOnTime da Década dos Oceanos das Nações Unidas.

andreavalentini

Andrea Valentini

Andrea Valentini é um engenheiro ambiental com um doutoramento no domínio do controlo e da modelização de sistemas ambientais. Atualmente, é cientista-chefe e especialista em programas no Centro de Colaboração da Década das Nações Unidas para a Resiliência Costeira, sediado na Universidade de Bolonha. Anteriormente Chefe da Unidade de Previsão Numérica Marinha e Costeira no Serviço Hidrometeorológico e Climático da Agência Regional de Prevenção, Ambiente e Energia da região de Emilia-Romagna, tem uma sólida experiência em dinâmica e modelação oceano-costeira, alterações climáticas, sistemas de observação e análise de dados marinhos. Gestor de vários projectos de investigação e cooperação da UE, principalmente relacionados com as alterações climáticas e planos de adaptação para zonas costeiras, avaliação, redução e mitigação de riscos costeiros e gestão e prevenção da poluição marinha. Professor Adjunto de Tecnologias Avançadas e Sistemas de Apoio à Decisão em Gestão da Água e Costeira na Universidade de Bolonha - Departamento de Ciências Biológicas, Geológicas e Ambientais. Membro de vários grupos de trabalho nacionais e internacionais no domínio dos sistemas de observação dos oceanos, da gestão da qualidade das águas balneares e da poluição das águas a curto prazo.

admin-ajax

Antoine Queval

Mais pormenores em breve.

sunanda

Sunanda Manneela

Sunanda Manneela trabalha como cientista no Centro Nacional Indiano de Serviços de Informação Oceânica (INCOIS), Ministério das Ciências da Terra, Governo da Índia, Hyderabad. As suas áreas de investigação incluem a tectónica de placas, os mecanismos sísmicos da zona de subducção, a previsão de tsunamis utilizando GNSS e a gestão de catástrofes. Contribuiu significativamente para o êxito do estabelecimento do sistema indiano de alerta precoce de tsunamis. Tem supervisionado o módulo sísmico do sistema de alerta de tsunamis desde o início do centro de alerta. A Sra. Sunanda tem representado o INCOIS no Grupo de Coordenação Intergovernamental para o Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunamis do Oceano Índico (ICG/IOTWMS) da UNESCO. Atualmente, é vice-presidente do Grupo de Trabalho Sub-regional para o Noroeste do Oceano Índico. É também membro do Ocean Decade Vision 2030 WG-6: Coastal Resilience e do Grupo de Trabalho sobre o Aumento do GNSS para Alerta de Tsunami do Sistema Global de Observação Geodésica (GGOS), União Internacional de Geodesia e Geofísica (IUGG). A Sra. Sunanda tem estado envolvida com o programa Tsunami Ready da UNESCO-IOC desde a sua primeira experiência na região do Oceano Índico (Índia) e é apaixonada pela expansão do programa. É uma pessoa versátil com uma carreira notável e um historial comprovado de 12 anos no INCOIS. Pelas suas contribuições significativas para o Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Índia, foi galardoada com o "Prémio Nacional de Geociências" para o ano de 2010 e com o prestigiado "Prémio Jovem Empreendedor para 2016", que é atribuído de quatro em quatro anos.

martin

Martin Smith

Martin D. Smith é o Professor Distinto de Economia Ambiental George M. Woodwell na Nicholas School of the Environment e no Departamento de Economia da Universidade de Duke. Obteve um doutoramento na Universidade da Califórnia, Davis, em Economia Agrícola e dos Recursos (2001) e um bacharelato na Universidade de Stanford em Políticas Públicas (1992). Smith estuda a economia dos oceanos e trabalha principalmente em bioeconomia da pesca, economia dos mercados e comércio globais de produtos do mar e economia da adaptação às alterações climáticas costeiras. Foi editor-chefe da revista Economia dos Recursos Marinhos e membro do Ocean Studies Board das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA, membro do Comité Científico e Estatístico do Mid-Atlantic Fishery Management Council e Presidente do International Institute of Fisheries Economics and Trade. Smith publicou mais de 100 artigos académicos, capítulos de livros e recensões, incluindo trabalhos em The American Economic Review, Nature, Science, e PNAS. Participou na National Public Radio e na BBC Radio para discutir questões relacionadas com o marisco e recebeu prémios nacionais e internacionais, incluindo uma Aldo Leopold Leadership Fellowship, Quality of Research Discovery da Agricultural and Applied Economics Association e Fellow do International Institute of Fisheries Economics and Trade. A sua investigação foi financiada pela National Science Foundation e pela National Oceanic and Atmospheric Administration.

davidcabana

David Cabana

O Dr. David Cabana é um cientista interdisciplinar centrado nas múltiplas dimensões da conservação marinha e da sustentabilidade dos oceanos. Com uma vasta experiência em investigação e consultoria, o seu trabalho atual centra-se numa melhor compreensão das dimensões humanas das zonas costeiras. Está sediado no Centro de Serviços Climáticos da Alemanha (GERICS), uma instituição do Helmholtz-Zentrum Hereon, onde trabalha no apoio às comunidades costeiras para se adaptarem às alterações climáticas. Os seus principais interesses incluem a integração dos serviços climáticos na governação e gestão costeiras, bem como a promoção de abordagens orientadas para a comunidade, a fim de fazer face aos impactos das alterações climáticas nas regiões costeiras.

jason

Jason Holt

Jason Holt lidera o grupo de Modelação de Sistemas Marinhos no Centro Nacional de Oceanografia (Reino Unido; noc.ac.uk). Tem estado ativamente envolvido no desenvolvimento da modelação dos oceanos costeiros para investigação, clima e oceanografia operacional desde a década de 1990. Os seus interesses de investigação centram-se nos impactos das alterações climáticas na física dos mares costeiros e de plataforma e nas consequências para a biogeoquímica, investigando potenciais "surpresas climáticas" em mares de plataforma em todo o mundo. Defende abordagens globais para a modelação dos oceanos costeiros e estudos de impacto climático. Lidera o programa científico internacional de capacidade nacional do NOC: Estados futuros do oceano costeiro global: Understanding for Solutions (FOCUS; noc.ac.uk/projects/focus) e ajuda a liderar o projeto Future Coastal Ocean Climates (FLAME) da Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos, parte do programa COASTPREDICT (coastpredict.org). É professor honorário convidado na Universidade de Liverpool e membro do comité diretor do NEMO. Foi investigador principal ou co-investigador em mais de 30 projectos de investigação no Reino Unido e publicou 88 artigos em revistas com revisão por pares.

José

Joseph Ansong

O Dr. Joseph K. Ansong é atualmente Professor Sénior no Departamento de Matemática da Universidade do Gana, Legon. Obteve o seu doutoramento em Matemática Aplicada na Universidade de Alberta, no Canadá, um mestrado em Matemática de Engenharia na Universidade de Twente (Países Baixos) e uma licenciatura em Matemática na Universidade de Cape Coast (Gana). A sua área de investigação é a Matemática Aplicada, especificamente em Dinâmica de Fluidos, Modelação Matemática e Oceanografia Física. Interessa-se pela aplicação da matemática para compreender os fluxos geofísicos, as ondas de gravidade internas/superficiais oceânicas e a dinâmica das plumas turbulentas. Também gosta de utilizar a experimentação laboratorial para compreender os fluxos impulsionados pela flutuabilidade. Está envolvido no desenvolvimento de capacidades em ciências oceânicas. É co-organizador da Coastal Ocean Environment Summer School na Nigéria e no Gana (COESSING; https://coessing.org/), que tem como objetivo o desenvolvimento de capacidades em ciências oceanográficas e ambientais no Gana e na Nigéria, e noutros países da sub-região da África Ocidental. O Dr. Ansong é revisor de várias revistas científicas: Journal of Fluid Mechanics, Journal of Physical Oceanography, Geophysical Research Letters, Ocean Modeling, Journal of Advances in Modeling Earth Systems, Scientific Data, e Frontiers in Marine Science. É também revisor de propostas da National Science Foundation (EUA).

Julieta Hermes_WG6

Julieta Hermes

Juliet lidera uma equipa que se dedica à observação, modelação e investigação do ambiente marinho na África Austral, no âmbito da Rede de Observação Ambiental da África do Sul. Juliet é também professora na Universidade da Cidade do Cabo e na Universidade Nelson Mandela. Tem uma experiência significativa no desenvolvimento e gestão de observações oceânicas multidisciplinares nacionais, regionais e internacionais. A sua paixão é a promoção de colaborações regionais e internacionais, bem como o desenvolvimento de capacidades. Juliet concentra a sua atenção no desenvolvimento, assegurando a geração e partilha de conhecimentos, bem como o crescimento de um grupo diversificado de cientistas marinhos. Juliet fez parte do Painel Regional do Oceano Índico da CLIVAR, do GEO Blue Planet, da Associação da Orla do Oceano Índico, do GCOS e do Grupo Africano de Apoio aos Peritos Negociadores. Apoia os sistemas globais de observação dos oceanos através do GOOS Observation Coordination Group, bem como as suas normas e melhores práticas através do IOC/GOOS Ocean Best Practices Group.

Mitchell_Harley_WG6

Mitchell Harley

O Dr. Mitchell Harley é um dos principais investigadores internacionais em matéria de riscos costeiros, tecnologia de monitorização costeira e previsão costeira. Publicou mais de 50 artigos em revistas especializadas como a Nature Geoscience, Nature Communications, Journal of Geophysical Research e Coastal Engineering. Em 2017, fundou o programa CoastSnap, uma técnica de monitorização de praias com recurso a crowdsourcing através de smartphones que está atualmente a funcionar em mais de 25 países em todo o mundo. Recentemente, o Dr. Harley recebeu o prémio inaugural Coastal Achievement Award na conferência International Coastal Sediments, em reconhecimento da sua contribuição para o campo da investigação costeira nos últimos 7 anos.

Dwikorita_Karnawati_WG6

Dwikorita Karnawati

A Prof.ª Dwikorita Karnawati (Rita), doutorada, foi nomeada chefe da Agência Indonésia de Meteorologia, Climatologia e Geofísica (BMKG), desde novembro de 2017, após ter terminado o seu mandato como presidente da Universitas Gadjah Mada (UGM), uma universidade proeminente com 55 000 estudantes na Indonésia. Na verdade, ela é muito ativa na promoção e desenvolvimento do Sistema Nacional de Alerta Precoce de Múltiplos Riscos (MHEWS) e muito respeitada como uma das figuras-chave na preparação do Decreto Presidencial sobre o Sistema de Alerta Precoce de Tsunami da Indonésia (InaTEWS) (Decreto Presidencial, Número 93 de 2019). Obteve o grau de doutoramento em Ciências da Terra na Universidade de Leeds, Reino Unido, em 1996, e continuou a sua investigação sobre a previsão de catástrofes hidrometeorológicas através do programa de pós-doutoramento na Universidade de Agricultura e Tecnologia de Tóquio, Japão, em 1997. Rita trabalhou consistentemente no desenvolvimento de capacidades e em programas de educação para a mitigação de catástrofes desde 1997. Entre 2004 e 2014, foi Coordenadora da Rede de Universidades da ASEAN - Programa de Educação em Engenharia do Sudeste Asiático (AUN Seed Net) no domínio da Mitigação de Catástrofes (que inclui catástrofes hidrometeorológicas). Recebeu o prémio Leverhulme Professorship Award para desenvolver a sua investigação sobre o Sistema Comunitário de Alerta Precoce de Deslizamentos de Terra, no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Bristol, Reino Unido, em 2003. De facto, devido ao seu extraordinário trabalho em programas de educação baseados na investigação para a Mitigação de Catástrofes, recebeu uma série de bolsas de investigação do Banco Mundial, bem como da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e do Conselho Britânico, que foram muito importantes para apoiar o processo de desenvolvimento do Sistema de Alerta Precoce de Múltiplos Riscos, especialmente relacionado com catástrofes hidrometeorológicas, terramotos e tsunamis na Indonésia, no que diz respeito à sobrevivência e proteção ambiental. Em outubro de 2011, a sua investigação sobre o Sistema de Alerta Precoce de Deslizamento de Terra com Base na Comunidade foi selecionada como uma das melhores investigações sobre a Redução do Risco de Catástrofe de Deslizamento de Terra pelo Consórcio Internacional sobre Deslizamentos de Terra, o que levou à nomeação da sua Universidade UGM como Centro Mundial de Excelência para a Redução do Risco de Catástrofe de Deslizamento de Terra. Além disso, foi premiada com o Programa de Investigação Sénior Fulbright para desenvolver a Integração de Sensores Técnicos e Humanos para o Sistema de Alerta Precoce de Deslizamentos de Terra, realizado no The Visualization Center-Department of Geology, na Universidade Estadual de San Diego, Califórnia, EUA, em 2011-2012. Desde 2015, a Prof.ª Rita foi nomeada Vice-Presidente do Consórcio Internacional sobre Deslizamentos de Terra (ICL). Nessa posição, promoveu e desenvolveu ativamente a integração dos sensores técnicos e sensores humanos para o sistema de alerta hidrometeorológico precoce, no qual um dos produtos inovadores da sua equipa se tornou uma referência internacional (ISO 22327) em 2018. Assim, em 2019, foi eleita membro do Conselho Executivo da Organização Meteorológica Mundial (OMM) e presidente do Grupo de Coordenação Intergovernamental do Sistema de Alerta e Mitigação de Tsunamis do Oceano Índico (ICG/IOTWMS). Foi também nomeada membro do Comité Diretor do Sistema Mundial de Observação dos Oceanos (GOOS) como representante da OMM em 2021. No seu recente cargo de Chefe da Agência, impulsiona ativamente a inovação em matéria de tecnologia de alerta precoce e de sistemas de previsão baseados no impacto para a meteorologia, a climatologia e a geofísica, alimentados por grandes volumes de dados, inteligência artificial (IA) e Internet das coisas (IOT), que também estão ligados às redes sociais, aplicações móveis e You Tube. Também promove ativamente o Programa de Sensibilização Comunitária sobre Adaptação Climática através da Escola de Campo sobre o Clima para a pesca e os agricultores, que são considerados as comunidades mais vulneráveis durante esta pandemia de Covid-19. Além disso, facilita o desenvolvimento e a aplicação do sistema de inundação costeira para reduzir o risco de perdas socioeconómicas na zona costeira da baía de Jacarta. E agora desempenha uma forte liderança na modernização e reforço do sistema nacional de observação e previsão marinho-atmosférica em toda a região marítima da Indonésia, a fim de apoiar a melhoria do desenvolvimento económico marítimo e a resiliência no país. Recebeu um reconhecimento extensivo de contrapartes nacionais e locais, bem como de várias organizações internacionais pelo seu trabalho, e também foi convidada a proferir discursos e palestras em conferências, reuniões e eventos em várias universidades e instituições nos EUA, Europa, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Japão, China e África, para partilhar as melhores práticas das suas experiências em Redução de Risco de Desastres e Sistema de Alerta Precoce.

GT7

Grupo de Trabalho 7: Expandir o Sistema Global de Observação dos Oceanos

Co-Presidentes:

Patricia Miloslavich (Departamento das Alterações Climáticas, Energia, Ambiente e Água, Austrália)

Patricia Miloslavich

A Dra. Patricia Miloslavich é a líder do Programa de Monitorização da Antárctida Oriental na Divisão Antárctica Australiana. O programa visa implementar observações científicas sustentadas e de longo prazo de variáveis biológicas, físicas e biogeoquímicas essenciais na Antártica Oriental e no Oceano Antártico. Entre 2020 e 2023, Patricia foi directora executiva do Comité Científico da Investigação Oceânica (SCOR), um organismo internacional que visa fazer avançar a ciência dos oceanos e abordar questões globais que exigem uma abordagem multidisciplinar.
É bióloga marinha, doutorada em Oceanografia pela Universidade do Quebeque em Rimouski, e professora sénior aposentada da Universidade Simon Bolívar, na Venezuela. Nos últimos 30 anos, tem trabalhado com programas internacionais que abordam desafios científicos, tecnológicos, de desenvolvimento de capacidades e de sustentabilidade relacionados com a biodiversidade marinha e a oceanografia biológica.
Foi responsável pelo Projeto Internacional do Painel de Biologia e Ecossistemas do Sistema Global de Observação dos Oceanos (GOOS), coordenando actividades para implementar observações sustentadas globais da biodiversidade e dos ecossistemas marinhos. Patricia desempenhou papéis-chave no programa do Censo da Vida Marinha, no Comité Executivo do SCOR e na Rede de Observação da Biodiversidade Marinha do GEO-BON. Contribuiu para as secções de Ciências do Oceano e de Observações do Oceano do COI/UNESCO, para as Conferências do Oceano da ONU, para a avaliação global do IPBES e para as Avaliações Mundiais do Oceano I e II da ONU, entre outras. Foi Presidente da Associação Internacional de Oceanografia Biológica (IABO). Em 2015, Patricia foi galardoada com o Prémio Nacional de Ciência da Venezuela.

Joe_O'Callaghan(1)

Joe O'Callaghan

Estar no mar ou no oceano é o lugar feliz de Joe. A Dra. Joe O'Callaghan é uma investigadora com 20 anos de experiência. Utiliza uma abordagem de observação para compreender melhor as áreas oceânicas onde as pessoas trabalham e se divertem. Joe é o Diretor da Oceanly Science, uma empresa científica independente que fornece investigação em toda a região Aotearoa da Nova Zelândia e a nível internacional. Especificamente, a oceanografia biofísica regula os ecossistemas tropicais nos oceanos Pacífico e Atlântico. Joe passou 15 anos no NIWA a fazer ciência em oceanografia costeira, de plataforma marítima e de profundidade, onde liderou uma mudança de paradigma na observação dos oceanos através de tecnologia autónoma para Aotearoa Nova Zelândia. Os seus interesses de investigação são vastos, abrangendo interacções terra-mar, impactos da exploração mineira em águas profundas, mistura oceânica em tempestades e ondas de calor marinhas. É perita em ligar observações e abordagens de modelização para maximizar os seus benefícios científicos mútuos para a sociedade e a economia azul. Joe compreende as necessidades e os constrangimentos da observação dos oceanos à escala local, mas tem uma visão estratégica para conseguir uma ligação global para os desafios da Visão 2030 da Década dos Oceanos.

Membros especialistas:

iSA

Isa Olalekan Elegbede

O Dr. Isa Olalekan Elegbede (PhD) traçou um percurso sem paralelo na observação dos recursos oceânicos para a sustentabilidade. Com um doutoramento em Ciências Ambientais pela Universidade de Tecnologia de Brandenburgo (BTU), Alemanha, as suas contribuições têm sido fundamentais para o avanço do estudo e da proteção dos ecossistemas marinhos. Impulsionado pela resiliência e por um compromisso inabalável com o mundo marinho, o Dr. Elegbede iniciou o seu percurso académico com uma licenciatura em Pescas pela Universidade Estatal de Lagos, na Nigéria. Para continuar a saciar a sua sede de conhecimento, obteve um mestrado em Ciências Marinhas na Universidade de Lagos e outro mestrado em Gestão Ambiental e de Recursos na BTU, Alemanha. A sua trajetória educativa inclui também numerosas formações e certificações profissionais internacionais. Para além do seu papel como professor adjunto no Departamento de Ciências Ambientais da Universidade Nacional Aberta da Nigéria, o Dr. Elegbede tem transmitido conhecimentos com paixão no Departamento de Pescas da Universidade Estatal de Lagos. A sua experiência anterior de investigação e ensino na BTU, Alemanha, testemunhou as suas palestras sobre sustentabilidade marinha, deixando uma marca indelével no assunto. As suas afiliações internacionais reforçam ainda mais o seu portfólio académico: Visiting Fellow and Scholar no Ocean Frontier Institute (OFI) e no Robin Rigby Trust (RRT), apoiado pela Marine Environmental Observation, Prediction and Response Network (MEOPAR) na Dalhousie University, Halifax, Canadá, Alumni do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia no Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, Brasil. A capacidade de liderança do Dr. Elegbede é evidente nas suas funções multifacetadas: Copresidente do Grupo de Trabalho GEO BON Blue Planet Fisheries, Vice-Presidente da IUCN/CEESP/TGER, Suíça, Fellow da Future Earth Coast (FEC), Membro da divisão de pescas da Deep Ocean Stewardship Initiative (DOSI), Membro do Grupo de Trabalho Regional de Investigação Científica do Atlântico Central e do Atlântico Sul, Co-líder da Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas do Challenger 150, Co-Coordenador do Early Career Ocean Professional (ECOP) Regional da África Ocidental. O Dr. Elegbede tira partido da sua experiência interdisciplinar na observação, inovação e gestão de dados oceânicos. Reconhecendo a necessidade imperativa de divulgação de conhecimentos em África, trabalhou como perito da diáspora com instituições alemãs proeminentes: a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e a Agência Federal de Emprego alemã. Distinguido com numerosos prémios, o envolvimento global do Dr. Elegbede reflecte-se em contribuições e voluntariado para vários Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O seu estatuto de membro honorário da Área Conservada Indígena e Comunitária (ICCAs) na Suíça é um testemunho da sua dedicação à sustentabilidade dos oceanos. Na paisagem marinha em constante evolução, as contribuições do Dr. Isa Olalekan Elegbede permanecem inigualáveis, moldando um futuro mais brilhante e mais sustentável para o nosso planeta azul.

nicholasrome

Nicholas Roma

O Sr. Nicholas Rome juntou-se ao Consórcio para a Liderança Oceânica em 2009 e é o Gestor de Programa Sénior do Centro para a Liderança Oceânica da UCAR. O Sr. Rome fornece planeamento estratégico e gestão de programas para todos os programas de observação dos oceanos no COL, o que inclui o planeamento e execução do OceanObs'19 e a coordenação de várias actividades relacionadas com a Década dos Oceanos da ONU. O Sr. Rome fornece gestão de programas em várias iniciativas de ciência e tecnologia dos oceanos no COL e lidera parcerias de observação dos oceanos, colaboração e envolvimento das partes interessadas. Antes de se juntar ao COL, concluiu um mestrado em política ambiental internacional e trabalhou como Analista de Políticas para o Monterey Bay Aquarium Research Institute.

stevevision

Steve Widdicombe

O Professor Steve Widdicombe é um ecologista marinho com mais de 30 anos de experiência na utilização de observações no terreno e de grandes experiências de manipulação para abordar questões relacionadas com a ecologia marinha, as alterações climáticas, a biodiversidade e a função dos ecossistemas. Durante duas décadas, tem sido fundamental para o desenvolvimento da compreensão da acidificação dos oceanos e dos seus efeitos no ambiente marinho. Steve é atualmente o copresidente do Conselho Executivo da Rede Global de Observação da Acidificação dos Oceanos (GOA-ON), uma rede internacional de colaboração com cerca de 1000 cientistas de mais de 100 países. Os objectivos da GOA-ON são detetar, compreender e prever os factores e impactos da acidificação dos oceanos. A rede é fundamental para fornecer um alerta precoce dos impactos da acidificação dos oceanos nos ecossistemas naturais, nas pescas selvagens e de aquacultura, na proteção costeira, no turismo e nas economias locais. Steve representou o GOA-ON no Grupo de Correspondência Intersessional da OSPAR sobre a acidificação dos oceanos e foi um dos autores do capítulo sobre acidificação dos oceanos no Relatório sobre o Estado da Qualidade de 2023. Steve co-lidera o programa aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas "Investigação sobre a acidificação dos oceanos para a sustentabilidade" (GOA-ON: OARS), que visa fornecer à sociedade as provas observacionais e científicas necessárias para identificar, monitorizar, mitigar e adaptar-se de forma sustentável à acidificação dos oceanos, desde a escala local à global. Steve contribui regularmente para debates políticos de alto nível, como nas reuniões das Nações Unidas sobre alterações climáticas, nas COP da CQNUAC, como moderador do Diálogo da Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos de 2022, através da copresidência de uma anterior reunião do grupo de peritos internacionais da CDB e da apresentação na COP15 da CDB. Atualmente, é membro do Grupo de Peritos Técnicos ad-hoc da Convenção das Nações Unidas para a Diversidade Biológica (CDB) sobre Indicadores para o Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal, do Comité do Programa da Conferência da Década dos Oceanos das Nações Unidas (2024) e do Grupo de Peritos da 3ª Avaliação Mundial dos Oceanos das Nações Unidas.

Aridane G. González WG7

Aridane Gonzalez

Licenciado em Ciências do Mar, Mestre em Oceanografia e Doutorado em Ciências do Mar pela Universidade de Las Palmas de Gran Canaria (ULPGC). Ao concluir a Tese de Doutoramento (2011), fez uma série de pós-doutoramentos na ULPGC (Espanha), Toulouse e Brest (França), Cinco anos depois, em 2017, regressaram à Gran Canaria com um contrato de Pós-Doutoramento na ULPGC. Desde 2020, ele é professor na mesma instituição. Atualmente, é também o Diretor de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico. Além disso, ele coordena o Especialista em Economia Circular em Territórios Isolados.

Com mais de 60 publicações indexadas ao JCR, mais de 120 apresentações em conferências nacionais e internacionais, e envolvimento em vários projectos europeus e nacionais, as suas contribuições académicas são substanciais. Participaram ativamente em numerosas campanhas oceanográficas, incluindo as do Ártico e das Ilhas Canárias, onde estiveram envolvidos nas erupções vulcânicas de Tagoro (El Hierro) e Tajogaite (La Palma). Como parte do grupo QUIMA, está também a participar na rede canária de sistema de CO2 e acidificação (incluída no programa ICOS). A sua investigação centra-se também no estudo dos ciclos biogeoquímicos dos metais em águas naturais, principalmente nos oceanos, explorando o papel dos compostos orgânicos na química e especiação dos metais e procurando novos bioindicadores de poluição marinha. Todo este trabalho é realizado num mundo em mudança devido ao impacto das alterações climáticas e da acidificação dos oceanos.

Em termos de gestão, é o Presidente do Comité Científico do Governo das Ilhas Canárias para as Alterações Climáticas, Economia Circular e Azul desde 2018. Este papel de liderança tem representado uma oportunidade significativa para promover uma intensa cooperação entre universidades, centros de investigação, empresas privadas e entidades públicas.

Michelle Heupel

Michelle Heupel

A Dra. Michelle Heupel é Directora do Sistema Integrado de Observação Marinha da Austrália (IMOS). É uma investigadora com mais de 25 anos de experiência em ecologia, conservação e gestão de predadores marinhos, predominantemente tubarões e peixes. A sua carreira abrangeu uma série de sectores das ciências marinhas (universidade, agência de investigação com financiamento público, laboratório de investigação privado sem fins lucrativos, joint ventures). É antiga membro do Comité Científico das Espécies Ameaçadas da Commonwealth e foi membro da Delegação Australiana às reuniões do MOU da Convenção sobre Espécies Migratórias de Tubarões em 2016 e 2018. Em 2022, foi convidada a discursar na vigésima segunda reunião do Processo Consultivo Informal Aberto das Nações Unidas sobre os Oceanos e o Direito do Mar, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, e é vice-presidente da Aliança Regional Global do Sistema Global de Observação dos Oceanos. É considerada uma líder nacional e internacional na aplicação de dados sobre os oceanos para apoiar a política e a tomada de decisões.

admin-ajax

Laura Lorenzoni

Mais pormenores em breve.

Pierre Testor

Pierre Testor

Pierre Testor é oceanógrafo físico no LOCEAN, Paris, França. Foi o primeiro na Europa a instalar planadores em 2004 e, desde então, tem participado na animação científica da comunidade mundial de planadores, nomeadamente através da rede EGO. Ajudou a lançar o OceanGliders como um programa associado do GOOS em 2016 e é atualmente copresidente do mesmo. Cientificamente, preocupa-se com a variabilidade dos oceanos, com ênfase nas observações da circulação e mistura dos oceanos utilizando várias plataformas, e planadores em particular. Interessa-se mais especificamente por 1) a oceanografia regional do Mar Mediterrâneo e o desenvolvimento de observatórios oceânicos de longo prazo neste ponto quente das alterações climáticas e da biodiversidade (está a co-coordenar uma componente noroeste, o Sistema Mediterrânico de Observação dos Oceanos para o Ambiente, MOOSE, os fenómenos de mesoescala e submesoescala e o seu papel nas trocas entre vertentes, a formação de águas de inverno e o acoplamento físico-biológico.

pierre.testor@locean.ipsl.fr, https://www.researchgate.net/profile/Pierre-Testor.

Jerónimo Aucan

Jerónimo Aucun

Jerome Aucan dirige o Pacific Community Center for Ocean Science, na Pacific Community (SPC). Jerome traz décadas de experiência em ciência oceânica na região do Oceano Pacífico. Antes de ocupar o seu cargo no SPC, Jerome foi investigador no Instituto Francês de Investigação e Desenvolvimento (IRD). Os seus tópicos de investigação utilizaram a observação e a modelação dos oceanos para abordar questões-chave relevantes para o Pacífico, relacionadas com as variações do nível do mar e a circulação oceânica. Antes de trabalhar para o IRD, Jerome trabalhou durante 10 anos no Centro do Nível do Mar da Universidade do Havai, responsável pela manutenção dos marégrafos nas ilhas do Pacífico. Durante esse período, Jerome estabeleceu uma nova rede de bóias de monitorização de ondas, que mais tarde formou a espinha dorsal do Sistema de Observação dos Oceanos das Ilhas do Pacífico. Jerome é membro de vários comités e conselhos científicos e é o presidente do comité científico da Task Force Conjunta para investigar a utilização de cabos submarinos de telecomunicações para a monitorização dos oceanos e do clima e para o alerta de catástrofes (SMART Cables). Jerome tem um doutoramento em Oceanografia Física pela Universidade do Havai, uma pós-graduação em Matemática e Física Aplicadas pela Universidade James Cook em Townsville, Austrália, e um mestrado em Engenharia do Ambiente Marinho pela Ecole Nationale Supérieure des Techniques Avancées (ENSTA Paris, França).

Erin Satterthwaite WG8

Erin Satterthwaite

Erin Satterthwaite, PhD, é especialista em extensão do California Sea Grant e ecologista marinha no Scripps Institution of Oceanography. O seu trabalho centra-se na utilização e gestão sustentáveis dos recursos marinhos face a um clima em mudança. Erin é a coordenadora da California Cooperative Oceanic Fisheries Investigations (CalCOFI), uma série cronológica de longo prazo do ecossistema marinho com uma história de 72 anos, que contribui com informações valiosas sobre os efeitos das alterações climáticas no ecossistema da Corrente da Califórnia e nas comunidades costeiras. Os seus conhecimentos abrangem questões de sustentabilidade dos oceanos, incluindo a biodiversidade marinha, observações oceânicas, oceanografia biológica, gestão baseada em ecossistemas, sistemas sócio-ecológicos, investigação participativa, envolvimento diversificado e governação dos oceanos. A Erin tem colaborado com instituições como a The Oceanography Society (TOS), o Interagency Ocean Observing Committee (IOOC), o Global Ocean Observing System (GOOS) e a North Pacific Marine Sciences Organization (PICES). Além disso, Erin desempenha um papel em iniciativas internacionais, contribuindo para a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável através do programa Early Career Ocean Professional, do programa Global Ecosystem for Ocean Solutions, do programa SmartNet e do Centro de Colaboração da Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Pacífico Norte. Erin Satterthwaite ajuda a melhorar a nossa compreensão dos ecossistemas marinhos e a promover práticas sustentáveis num mundo em mudança. Erin obteve o seu doutoramento e mestrado na Universidade da Califórnia, Davis, em Ecologia, e o seu bacharelato no Juniata College.

Irene Schloss

Irene Schloss

A Dra. Irene Schloss dirige o laboratório de Oceanografia Biológica no Centro Austral de Investigação Científica do Conselho Nacional de Investigação Científica da Argentina (CONICET), com sede em Ushuaia, Argentina. É também investigadora no Instituto Antártico Argentino e professora na Universidade Nacional da Terra do Fogo. Nos últimos 25 anos, desenvolveu uma vasta experiência na dinâmica do plâncton marinho polar e sub-polar, nas variações temporais e espaciais das comunidades de plâncton e na resposta das variáveis físico-químicas às alterações climáticas globais a partir de dados de campo, trabalho experimental e modelação. Desempenhou um papel de liderança em muitos projectos de investigação internacionais, relacionando as alterações climáticas com os fluxos de CO2 entre a atmosfera e o oceano, os efeitos da radiação UVB e o papel do plâncton marinho. A Dra. Schloss está empenhada em promover a cooperação científica internacional, especialmente no que diz respeito à investigação nas regiões polares, e é atualmente Vice-Presidente da SOOS.

admin-ajax

Mathieu Belbeoch

Mais pormenores em breve.

marco

Marcos Fontela

Oceanógrafo e biólogo apaixonado pelo ciclo do carbono num oceano em mudança. Oceanógrafo químico em início de carreira, especializado em biogeoquímica e processos de grande escala no Oceano Atlântico, com foco na Península Ibérica (Espanha/Portugal). Linhas de investigação com uma forte componente de oceanografia operacional e recolha de dados multidisciplinares in situ, maioritariamente em navios. Membro do nó ECOPs Espanha. Alumni do grupo de trabalho Euromarine OYSTER - Orienting Young Scientist Through Euromarine para apoiar investigadores em início de carreira em ciências marinhas. 

GT8

Grupo de Trabalho 8: Criar uma representação digital do oceano

Co-Presidentes:

WG8_Paula_Sierra_Correa

Paula Cristina Sierra-Correa

Desde 1996, Paula Cristina Sierra-Correa trabalha na INVEMAR. Fez parte da equipa que elaborou a política ambiental da zona costeira na Colômbia. Desde 2009, tem uma carreira importante em actividades relacionadas com os projectos de informação e dados para o Fundo Fiduciário da UNESCO da Flandres (FUST), tais como 1) Ponto Focal para o Projeto SPINCAM "Red de Información del Pacífico Sur en apoyo a la Gestión Integrada de Áreas Costeras (Chile, Colombia, Ecuador, Panamá y Perú)"; 2) participação ativa na investigação do Atlas Marinho das Caraíbas (CMA) ligado ao CLME+ e à cooperação sul-sul com África (Atlas ACMA); 3) Desde 2014 é Coordenadora do RTC na Estratégia OTGA da IOC/IODE/UNESCO; 4) Fez parte do Conselho Editorial do Global Ocean Science Report II liderado pela IOC/UNESCO; bem como, 5) fez parte do Clearing House Mechanism, agora OIH/ODIS para a região da América Latina e Caraíbas. Desde 2012, ela é a Secretária ad hoc do Conselho de Administração da INVEMAR. Atualmente, é líder do projeto GEF "Conservação e Uso Sustentável da Ciénaga Grande de Santa Marta, Colômbia 2023-2028". Também lidera uma ação da União Europeia sobre manguezais, ervas marinhas e comunidades locais nas Caraíbas 2017-2023 (MAPCO). Por outro lado, participou na implementação da política da zona costeira colombiana com a elaboração, execução e coordenação de mais de 30 projectos de investigação (pelo menos 5 projectos internacionais na América Latina). Autora de mais de 20 publicações científicas. Responsável técnica e administrativa de uma equipa de investigação com pelo menos 40 pessoas. Fez parte das delegações oficiais dos países na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, na Conferência das Partes da Convenção de Ramsar sobre Zonas Húmidas Marinhas e Costeiras e na Convenção sobre Alterações Climáticas.

Jan-Bart Calewaert

Jan-Bart Calewaert

Jan-Bart Calewaert formou-se como bioengenheiro em biotecnologia celular e genética (Universidade de Ghent, 2001). Depois de trabalhar para uma grande empresa agroquímica durante um curto período de tempo, regressou aos estudos, concluindo um mestrado adicional em Gestão do Ambiente Marinho na Universidade Livre de Bruxelas e na Universidade de Antuérpia (2004). Desde então, Jan-Bart tem coordenado uma série de projectos de investigação multidisciplinares, iniciativas e órgãos consultivos de política científica em apoio à investigação marinha, à gestão sustentável dos ambientes marinhos e costeiros e aos quadros políticos conexos a nível nacional, regional e mundial. Durante mais de seis anos no Secretariado do Conselho Marinho Europeu, Jan-Bart coordenou actividades prospectivas e políticas numa série de questões marinhas, antes de criar o Secretariado da Rede Europeia de Observação e de Dados do Meio Marinho (EMODnet) em 2013 para coordenar as suas actividades, em apoio à Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da CE (DG MARE). Em 2017, Jan-Bart co-fundou a Seascape Belgium, liderando uma equipa profissional de especialistas dedicados às ciências marinhas e aos dados, assegurando e gerindo fundos para projectos e iniciativas de conhecimento marinho em colaboração com vários parceiros a nível nacional, europeu e internacional. Desde o início da Década da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável, Jan-Bart tem apoiado o seu progresso, entre outros como copresidente do Grupo de Coordenação de Dados da Década (DCG), que produziu a primeira versão da Estratégia de Dados e Informação da Década, lançada em maio de 2023 (https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000385542). Desde junho de 2023, Jan-Bart assumiu uma nova missão como Gestor Principal do Gabinete de Coordenação da Década (DCO) sobre a Partilha de Dados sobre os Oceanos (ODS) para estabelecer o DCO em bases sólidas, apoiar os intervenientes da Década nos desafios e oportunidades relacionados com a partilha de dados e informações e assegurar o financiamento para o crescimento e evolução do DCO. O Comissário aguarda com expetativa a criação do DCO e a promoção do desenvolvimento da componente de partilha de dados do ecossistema digital necessário para apoiar a implementação bem sucedida das ambições da Década.

Membros especialistas:

dickschaap

Dick Schaap

Com um mestrado em Engenharia Costeira, Dick iniciou a sua carreira em 1980, trabalhando como engenheiro de projectos na Direção do Mar do Norte do Rijkswaterstaat (Departamento de Obras Públicas dos Países Baixos), e continuou desde o final dos anos 80 como Diretor-Geral da fundação MARIS e, mais tarde, também da empresa MARIS, como um spin-off do anterior projeto governamental MARIS destinado a melhorar a visão geral e o acesso aos dados marinhos. Como tal, tem uma vasta experiência na coordenação de muitos projectos nacionais e da UE sobre infra-estruturas de gestão de dados marinhos. É um verdadeiro perito europeu, tanto no sentido técnico como organizacional, organizando e gerindo cooperações a uma escala transnacional. É cofundador e coordenador técnico da SeaDataNet, a rede pan-europeia de NODCs. Tem também uma participação importante na conceção e implantação da EMODnet como infraestrutura europeia líder para produtos de dados marinhos, sendo coordenador técnico da EMODnet Bathymetry e Chemistry, coordenador da EMODnet Ingestion e parceiro da EMODnet Physics. Foi também coordenador técnico dos projectos ODIP 1 e 2, que significam Ocean Data Interoperability Platform (plataforma de interoperabilidade de dados oceânicos), reunindo as principais infra-estruturas MDM da Europa, EUA e Austrália. Além disso, é coordenador técnico do projeto Horizon Europe Blue-Cloud 2026, além de participar em vários outros projectos da UE, incluindo vários projectos sobre FAIRness, interoperabilidade de dados, infra-estruturas inteligentes e a European Open Science Cloud (EOSC).

Martin Visbeck

Martin Visbeck

Martin Visbeck é diretor da unidade de investigação Oceanografia Física no Centro Helmholtz de Investigação Oceânica GEOMAR de Kiel e professor na Universidade de Kiel, Alemanha. Os seus interesses de investigação centram-se no papel dos oceanos no sistema climático, na circulação oceânica, nos sistemas de afloramento, na observação global integrada dos oceanos, nos gémeos digitais dos oceanos e na dimensão oceânica do desenvolvimento sustentável. Está profundamente envolvido na Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030) e na promoção de observações sustentadas dos oceanos e de gémeos digitais dos oceanos. Participa em vários comités consultivos nacionais e internacionais, incluindo o Conselho de Administração do Conselho Internacional da Ciência (ISC), o Comité Científico Conjunto do Programa Mundial de Investigação sobre o Clima (WCRP), o Conselho de Investigação da Organização Meteorológica Mundial (OMM), o Conselho de Liderança da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN) e, no passado, foi membro do Conselho Consultivo Interino da Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável 2021-2030 e da Assembleia do Conselho de Missão dos Oceanos da UE. Foi eleito membro da AGU, AMS, TOS, ISC e da Academia Europeia de Ciências.

WG8_Iain_Shepherd

Iain Shepherd

Iain Shepherd é um quadro superior ativo na Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da Comissão Europeia. Licenciado em física, trabalhou durante muitos anos no Centro Comum de Investigação da Comissão, apoiando a política da UE com dados científicos sobre questões como a segurança nuclear, a ajuda humanitária, a desminagem, a gestão e o controlo das pescas e (a prevenção de) armas de destruição maciça. Desde que se mudou para a Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas, tem contribuído para questões como os dados ambientais e económicos marinhos, o lixo marinho, o investimento na economia azul, as alterações climáticas e (ultimamente) a observação dos oceanos.

WG8_Véronique_Jégat

Véronique Jégat

Véronique Jégat é engenheira sénior de Geo-Dados na Fugro. Tem mais de 20 anos de experiência em hidrografia, abrangendo uma vasta gama de aplicações: deteção remota, processamento de aquisição de dados multifeixe e lidar, cartografia náutica e desenvolvimento de capacidades. Baseada na área de Toronto, lidera atualmente projectos de observação da Terra para aplicações marítimas. É licenciada em Engenharia (Master of Science eq.) pela ENSTA Bretagne (FIG/IHO/ICA S-5 Categoria A).

admin-ajax

Alain Arnaud

Mais pormenores em breve.

Gustav Kågesten

Gustav Kågesten

Gustav Kågesten é Diretor de Dados na HUB Ocean, uma fundação sem fins lucrativos que trabalha para desbloquear dados globais sobre os oceanos para um oceano mais saudável. Com formação em engenharia ambiental e ciência dos oceanos, Gustav tem mais de 15 anos de experiência nos sectores privado e governamental em dados geoespaciais dos oceanos. As suas competências específicas incluem o mapeamento do habitat do fundo do mar e avaliações de impacto cumulativo com base no ecossistema em diversos contextos a nível mundial, percebendo a necessidade de dados abertos na governação dos oceanos. Recentemente, co-liderou uma coligação internacional através da Convenção de Nairobi, desenvolvendo uma ferramenta de ciência para política "WIO Symphony" para o Planeamento Espacial Marinho no Oceano Índico Ocidental.

WG8_Marc_Taconet

Marc Taconet

Marc Taconet é o chefe da equipa de gestão da informação e do conhecimento na Divisão de Pescas e Aquacultura da FAO, na sede em Roma. Com uma formação de engenheiro agrónomo especializado em pescas, a sua carreira estende-se desde 15 anos de nomeações nas Caraíbas, África Ocidental, Oceano Índico Ocidental e Norte de África como bioestatístico e perito em SIG envolvido em actividades de desenvolvimento de capacidades, até 24 anos de várias responsabilidades no Departamento de Pescas e Aquicultura da FAO (Roma), incluindo Chefe do Departamento de Estatística e Informação, liderando o Sistema Global de Informação das Pescas da FAO (FIGIS), Secretário da Parceria do Sistema de Monitorização das Pescas e Recursos (FIRMS), Secretário interino do Partido Coordenador das Estatísticas das Pescas (CWP) durante os anos 2015-2019, Presidente do Conselho iMarine e ponto focal alternativo para o Indicador SDG SDG14.4.1.

WG8_REN_Xingyuan

Ren Xingyuan

Mestre em ciências informáticas, chefe da Divisão de Planeamento e Gestão de Ciência e Tecnologia do NMDIS. Dedica-se principalmente à conceção e construção de engenharia de informação marinha, conceção de arquitetura de computação em nuvem e segurança da informação, desenvolvimento e integração de sistemas de informação e trabalhos relacionados com a cooperação internacional. Nos últimos anos, na qualidade de líder de vários projectos a nível nacional, foram alcançados resultados frutuosos na demonstração e construção de engenharia oceânica inteligente, conceção de alto nível de informatização marinha, construção e gestão de redes de informação oceânica e construção de plataformas de computação em nuvem oceânica.

WG8_SUN_Miao

Sun Miao

PHD em sistema de informação geográfica, posto de gestão dos negócios estrangeiros do NMDIS, interesses de investigação que incluem a extração, partilha e aplicação de dados marinhos. Participou no projeto nacional de investigação e desenvolvimento "investigação e desenvolvimento de técnicas de análise e previsão de grandes volumes de dados marinhos" e no projeto "desenvolvimento do sistema ODINWESTPAC" no âmbito da IODE.

Mike Smit

Mike Smit

O Dr. Mike Smit estuda a intersecção entre as pessoas, a informação e a tecnologia, baseando-se na ciência da informação e da informática para explorar a forma como utilizamos a tecnologia emergente para beneficiar as pessoas, as organizações e a sociedade. Grande parte do seu trabalho recente consiste em garantir que os dados sobre os oceanos, o ambiente e o clima estão disponíveis, acessíveis e utilizáveis. É diretor científico adjunto do Ocean Frontier Institute, diretor da Associação Regional Atlântica do Sistema Integrado de Observação dos Oceanos do Canadá e, recentemente, foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento da proposta Proposta de transformação da ação climática. É o Reitor em exercício da Faculdade de Gestão da Universidade de Dalhousie e um académico e instrutor interdisciplinar premiado.

Toru Suzuki

Toru Suzuki

O Dr. Toru Suzuki é diretor-geral do Centro de Investigação de Informação Marinha da Associação Hidrográfica do Japão. A sua formação científica é em oceanografia física e o seu trabalho centra-se na gestão, resgate e controlo de qualidade de dados e informações oceanográficas, com quase 25 anos de experiência. É membro de vários grupos de direção da IODE da UNESCO/IOC e também membro do Comité Técnico de Intercâmbio de Dados da Organização de Ciências Marinhas do Pacífico Norte.

Steve Hall

Steve Hall

Steve Hall trabalha no domínio da ciência, tecnologia e política dos oceanos desde 1990, quando se juntou ao Conselho de Investigação do Ambiente Natural do Reino Unido para trabalhar na Experiência Mundial de Circulação Oceânica. No final dos anos 90, estava a gerir o programa de missões científicas Autosub AUV, com base no que é agora o Centro Nacional de Oceanografia. O seu trabalho centrou-se na observação sustentada dos oceanos, sistemas robóticos, gestão de riscos para amarrações em oceanos profundos e ligação com escolas, até passar para a área da política em 2006. Elaborou documentos de posição e respondeu a consultas governamentais em áreas que vão desde o desmantelamento de submarinos nucleares e operações seguras de AUV até à regulamentação da dragagem de vieiras, desenvolvimento de energias renováveis marinhas, reforma das pescas e gestão do espaço marinho. Integrou a delegação do Reino Unido na UNESCO-IOC, tornando-se Chefe de Delegação em 2013 e eleito Vice-Presidente da IOC em 2015. Nessa função, esteve envolvido na contribuição do COI para o desenvolvimento da política de alto mar na ONU e na formação da Década dos Oceanos da ONU. Em 2017, mudou-se para o sector privado como CEO da Society for Underwater Technology, em 2021 como CEO do Pembrokeshire Coastal Forum & Marine Energy Wales, em 2022 tornando-se um consultor privado que trabalha principalmente para o projeto Nippon Foundation / GEBCO Seabed 2030 e clientes em tecnologia marinha, política e governação. Steve é membro da IMarEST e da SUT, um cientista marinho certificado e membro da Marine Technology Society, da Challenger Society for Marine Science e da Scottish Association for Marine Science. É um operador de drones certificado e já filmou para clientes como o New York Times na Gronelândia e empreiteiros de arqueologia no País de Gales.

Peter Teye Busumprah

Peter Teye Busumprah

Peter Teye Busumprah é o Coordenador do Nó de Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (Nó do Gana) (UN OCEAN DECADE). Atualmente, tive uma bolsa de estudos na Associação Internacional de Geodesia (IUGG) (Alemanha) e na Associação para as Ciências da Limnologia e Oceanografia (Texas, EUA), que está a trabalhar para os Desafios 8 e 9 da Década dos Oceanos das Nações Unidas, com vista a criar uma representação digital do oceano e competências, conhecimentos e tecnologia para todos. Peter Teye Busumprah é membro da Associação Internacional de Ciências Hidrológicas (IUGG) (Alemanha), da Sociedade Americana de Pescas (EUA), Rede Africana de Investigadores de Águas Profundas e do Sistema Global de Observação dos Oceanos. O seu diploma universitário e os seus certificados adicionais são nas áreas das Pescas, Marinha, Aquacultura e Tecnologias da Informação (T.I.). Peter Teye Busumprah está atualmente afiliado ao Ministério das Pescas e do Desenvolvimento da Aquicultura (Governo do Gana) e é aluno do Centro Nacional de Aquicultura (Gana). Peter está altamente motivado e empenhado em computação e simulações utilizando a ferramenta de processamento de imagens ESA SNAP, programação, desenvolvimento de sítios Web, Copernicus (imagens de satélite), pirataria informática, deteção remota e análise de dados. Faz um esforço consciente no sentido de obter novas competências e auto-desenvolvimento.

Gerben J. de Boer

Gerben J. de Boer

O Dr. Gerben J. de Boer tem mais de 20 anos de experiência em sistemas de informação marinha e costeira. Depois de se ter formado como engenheiro hidráulico, obteve o seu doutoramento em oceanografia costeira na Universidade de Tecnologia de Delft. Durante 12 anos, trabalhou no instituto de investigação Deltares como consultor especializado em deteção remota, modelação numérica 3D e gestão de dados. Financiado pelo consórcio neerlandês Building with Nature, co-fundou a comunidade OpenEarth para difundir a utilização de normas abertas e ferramentas de fonte aberta para permitir a partilha de dados multidisciplinares. Entre 2010 e 2015, foi membro do grupo de exportação de dados marinhos MODEG para a Comissão Europeia, que prestou aconselhamento sobre a EMODnet; atualmente, é membro do grupo de peritos MKEG, que lhe sucedeu, numa perspetiva industrial. Em 2014, Gerben juntou-se à Van Oord, um empreiteiro marítimo para energia offshore, dragagem e adaptação climática costeira. Na Van Oord, criou o Datalab, que transformou num departamento interno de 20 FTE que desenvolve aplicações inovadoras para transformar dados em valor. Desde 2023, é diretor de I&D e inovação na Van Oord.

WG8_Kate_Crosman

Kate Crosman

Kate é André Hoffman Fellow em Big Data na Agenda de Ação para os Oceanos do Fórum Económico Mundial e no Departamento de Tecnologia Marinha da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, com sede em Trondheim, Noruega. A sua investigação atual centra-se na utilização da tecnologia de megadados na governação e na tomada de decisões para os oceanos e as costas, especificamente na forma como a tecnologia de megadados e os processos relacionados interagem com as percepções das partes interessadas e os juízos de confiança. Trabalhos anteriores relacionados examinam a equidade social na governação dos oceanos e o conhecimento, atitudes, incentivos e tomada de decisões das partes interessadas na governação complexa dos oceanos e do clima. O trabalho de Kate baseia-se em políticas públicas, ciência política, gestão colaborativa, recursos comuns, sociologia organizacional, cognição e comportamento humanos e estudos de risco e sustentabilidade, e assenta na colaboração interdisciplinar. Trabalha com métodos qualitativos e quantitativos, e a sua experiência de campo varia desde a co-criação de investigação de sistemas sócio-ecológicos com a Nação Indígena Quinault na costa exterior do Estado de Washington até à observação participante da implementação de tecnologia de monitorização oceânica de grandes volumes de dados em Svalbard, Noruega. Kate tem um doutoramento em Políticas Públicas e Gestão pela Universidade de Washington e um mestrado em Recursos Naturais e Ambiente pela Universidade de Michigan.

Ann-Christine Zinkann

Ann-Christine Zinkann

Ann-Christine Zinkann ingressou na NOAA em 2020 como bolsista do Sea Grant Knauss e tem continuado seu trabalho como especialista em projetos no UCAR CPAESS e no Programa Global de Monitoramento e Observação dos Oceanos da NOAA, apoiando os objetivos de observação dos oceanos nos programas da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) Sistema Global de Observação dos Oceanos; Grupo de Coordenação de Observações; Sistema de Observação de Todo o Atlântico; a Década do Oceano e dados. Ann representa os Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP) nos dois programas da Década dos Oceanos, Ocean Observing Co-Design e Digital Twins of the Ocean, é membro do Grupo de Coordenação das Observações no âmbito do GOOS e do recém-formado Grupo Consultivo para os Oceanos na OMM. Tem um doutoramento em Biologia Marinha pela Universidade do Alasca Fairbanks e trabalhou anteriormente na dinâmica de redes alimentares polares utilizando análises de isótopos estáveis e modelação de redes alimentares.

Tanya_Haddad_WG8

Tanya Haddad

Tanya Haddad é Especialista em Sistemas de Informação no Programa de Gestão Costeira do Oregon, com formação em Biologia/Ciências Ambientais e Ciências Informáticas. Tem um mestrado em Gestão Ambiental Costeira pela Universidade de Duke e é uma gestora de dados experiente, com especialização em Gestão Costeira, Planeamento Espacial Marinho e implementações técnicas. Tanya está envolvida em acções de sensibilização relacionadas com a partilha de dados, informações e conhecimentos, tanto a nível local, como líder da Implementação do Quadro Costeiro e Marinho do Oregon, como a nível regional, como líder técnica do Portal de Dados dos Oceanos da Costa Ocidental. Atualmente, também é copresidente da ICAN, a Rede Internacional de Atlas Costeiros, um projeto da IODE.

GT9

Grupo de Trabalho 9: Competências, conhecimentos e tecnologia para todos

Co-Presidentes:

WG9_Edem_Mahu

Edem Mahu

Edem Mahu é professora catedrática de Biogeoquímica Marinha na Universidade do Gana. O seu ensino e investigação abrangem reconstruções paleoclimáticas e ambientais de ecossistemas marinhos, poluição marinha, conservação e abordagens baseadas na natureza para mitigar os riscos costeiros induzidos pelo clima. Atualmente, lidera os projectos Restauração e Conservação dos Recifes de Ostras para a Subsistência e Proteção dos Ecossistemas e Mangues como Soluções Baseadas na Natureza para os Riscos Costeiros no Gana. É membro do Programa ARISE da União Africana/União Europeia e do programa FLAIR da Royal Society. É membro da direção da Parceria para a Observação do Oceano Global. Está fortemente envolvida em actividades de desenvolvimento de capacidades em ciências do oceano em África e é co-organizadora da Escola de verão sobre o Oceano Costeiro no Gana e na Nigéria (COESSING) desde 2015. Faz parte dos conselhos de administração de quatro (4) programas aprovados pela Década dos Oceanos da ONU, nomeadamente, CoastPredict, Global Ocean Corps and Conveyor, EQUISEA e Ocean Best Practices System. Com o apoio da National Geographic Society e de outras organizações parceiras, está a levar a Universidade do Gana a acolher o Simpósio de Ciências Marinhas da África Ocidental. O simpósio, que tem como objetivo promover parcerias para o avanço da ciência dos oceanos na África Ocidental, é o primeiro do género a ser realizado na sub-região e foi aprovado como uma atividade da Década. Mahu recebeu o Prémio África 2022 da União Geofísica Americana (AGU) para a Excelência da Investigação em Ciências do Oceano. Ela é apaixonada por orientar a próxima geração de cientistas marinhos em África e criar oportunidades para profissionais dos oceanos em início de carreira no continente.

WG9_Brian_Arbic

Brian Arbic 

Arbic é um antigo voluntário do Corpo de Paz dos EUA e oceanógrafo físico. A investigação do seu grupo, financiada pela NASA, NOAA, DOE, NSF e pelo Gabinete de Investigação Naval, centra-se nas marés, nas ondas gravitacionais internas, nos remoinhos de mesoescala e no papel do oceano no tempo e no clima. Arbic fundou a Coastal Ocean Environment Summer School in Ghana(COESSING), que decorre anualmente durante uma semana desde 2015, e o Global Ocean Corps and Conveyor, um esforço global para aumentar o número de oceanógrafos de países com menos recursos. As equipas do COESSING e do Ocean Corps incluem muitos cientistas em início de carreira e cientistas de países com menos recursos. O COESSING é um projeto aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, e o Ocean Corps é um programa global aprovado pela Década.

Membros especialistas:

WG9_Zhen_Sun

Zhen Sun
Zhen Sun, Professora Associada (Investigação/Sustentabilidade, Governação e Gestão dos Oceanos), WMU-Sasakawa Global Ocean Institute, Universidade Marítima Mundial.
Os principais interesses de investigação de Zhen incluem o direito do mar, a regulamentação internacional do transporte marítimo, a igualdade de género na governação dos oceanos, as acções climáticas e a proteção do ambiente marinho. Contribuiu para a realização do Mestrado e do Programa de Doutoramento em Assuntos Marítimos através de um importante trabalho de ensino e supervisão. A Zhen contribuiu para o trabalho editorial de alguns projectos de livros e publicou vários capítulos de livros e artigos de revistas sobre vários tópicos do direito do mar e da governação dos oceanos. Na WMU, Zhen tem desempenhado um papel ativo no lançamento e execução de uma série de programas de investigação de alto nível, incluindo a função de co-investigadora principal (PI) do programa Empowering Women for the United Nations Decade of Ocean Science for Sustainable Development. O programa "Empowering Women" foi aprovado como uma ação da Década (nível de programa) pela COI/UNESCO.

WG9_Samina_Kidwai

Samina Kidwai

A Dra. Samina Kidwai é a atual Directora-Geral do Instituto Nacional de Oceanografia, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo do Paquistão. Cientista marinha (Oceanografia Biológica) há mais de 29 anos, 26+ anos no NIO com mais de 15+ anos de experiência pós-doutoral. Mestrado. Ciências Marinhas e das Pescas (Universidade de Aberdeen, Escócia), Doutoramento em Biologia Marinha, Universidade de Karachi, Estágio pós-doutoral em Oceanografia Observacional, Bermuda Atlantic Time-Series, BIOS, Bermuda. Interesses de investigação em Oceanografia Biológica. Mestrado em Administração de Empresas, IoBM, especialização em Gestão de Recursos Humanos. Interessado em Capacitação Nacional & Fortalecimento em Ciências do Oceano para o Paquistão, e preparação do Paquistão para programas internacionais. Envolvimento na diplomacia científica internacional e coordenação nacional para o progresso em oceanografia. Foi cientista visitante no Instituto Dinamarquês de Investigação Pesqueira DFRIS (atualmente DFU), na Escola Rosenstiel de Investigação Marinha e Atmosférica (RSMAS), Miami, EUA. Ganhou bolsas de estudo para formação pós-doutoral e DIFRES através de concurso internacional aberto. Representou o Paquistão no Bangladesh, Bélgica, Bermudas, China, Dinamarca, Índia (SAARC), Itália, Kuwait, Líbano, Malásia, Noruega, Omã, Sri-Lanka, Tailândia, Reino Unido e Estados Unidos da América. Membro do Comité Nacional da SCOR (Comissão Científica de Investigação Oceanográfica) desde 2005, membro da IOCINDIO da UNESCO, membro a título pessoal da equipa de trabalho de reforço das capacidades (CBTT) da IMBeR (Integrated Marine Biogeochemistry & Ecosystem Research) desde 2010, membro do Conselho Executivo da IOC/UNESCO (PAQUISTÃO-Grupo IV). Recebeu vários prémios internacionais, incluindo o YOUNG SCIENTIST CERTIFICATE OF COMMENDATION IHDP, IGBP, WCRP, Washington, EUA, pela sua publicação. Coordenadora do lado paquistanês de duas colaborações internacionais do NIO com instituições de investigação chinesas. Mais de 60 publicações científicas (revistas científicas/revistas por pares com fator de impacto, capítulos de livros, relatórios de projectos/técnicos, etc.) e mais de 200 dias de experiência no mar. Chefe de equipa em muitos projectos de investigação e consultoria da NIO. Diretor de projeto de dois projectos de desenvolvimento do sector público, GOP, com experiência no ciclo de gestão de projectos e contratos públicos.

WG9_Evgeniia_Kostianaia

Evgeniia Kostianaia

Evgeniia é a coordenadora global do Programa para Profissionais dos Oceanos em Início de Carreira ("Programa ECOP"), aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas, e consultora do COI/UNESCO. O objetivo do programa é apoiar os profissionais do oceano em início de carreira no desenvolvimento das suas capacidades e no seu trabalho, proporcionando uma rede de contactos significativa, formação, desenvolvimento profissional, oportunidades de financiamento e criando capacidade de cooperação e intercâmbio de conhecimentos. Evgeniia é uma gestora ambiental marinha com interesses de investigação em poluição marinha, clusters oceânicos, ligações entre alterações climáticas e segurança alimentar e impactos das alterações climáticas no turismo costeiro e nas infra-estruturas ferroviárias. Evgeniia é também o Ponto Focal de Moscovo do Instituto Internacional dos Oceanos (Malta). É membro de um grupo de trabalho sobre o desenvolvimento sustentável da região do Mar Cáspio e da Rede Científica Integrada do Cáspio (CASPISNET). Co-editora de um livro em dois volumes "Plastics in the Aquatic Environment" (Springer, 2022).

WG9_Sophie_Seeyave

Sophie Seeyave

Sophie Seeyave é Directora Executiva da Parceria para a Observação do Oceano Global (POGO), sediada no Laboratório Marinho de Plymouth, no Reino Unido. A sua formação científica é em ecologia do fitoplâncton, com um doutoramento em Harmful Algal Blooms em sistemas de afloramento, pela Universidade de Southampton. Desde 2009, tem estado envolvida na gestão de programas científicos, trabalhando inicialmente para o Surface Ocean Lower Atmosphere Study (SOLAS). Sophie lidera a POGO, enquanto organização internacional e instituição de solidariedade social do Reino Unido, e supervisiona o trabalho do Secretariado, uma equipa de quatro membros localizados no Reino Unido e em Portugal. Os membros da POGO são 55 instituições de investigação oceanográfica de 29 países, que trabalham em conjunto para a observação global dos oceanos. A missão do POGO articula-se em torno de 3 pilares: inovação, desenvolvimento de capacidades e divulgação/advocacia. A POGO é um parceiro de implementação da Década, e um dos seus objectivos neste contexto é ajudar a aumentar a participação dos países em desenvolvimento na Década. A POGO é também a organização líder da Rede de Observação Biomolecular dos Oceanos (OBON), um programa aprovado pela Década. Sophie contribui para a supervisão de programas científicos como o International Quiet Ocean Experiment (IQOE), OBON e, anteriormente, a GEO Blue Planet Initiative, da qual foi copresidente de 2016 a 2020. Também representa a POGO em organizações intergovernamentais, como o Grupo de Observação da Terra (GEO), a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (IOC/UNESCO) e a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (CQNUAC).

WG9_Aidy_Muslim

Aidy M Muçulmana

Aidy M Muslim é professor catedrático no Instituto de Oceanografia e Ambiente da Universiti Malaysia Terengganu, Malásia. Aidy está envolvido em várias investigações sobre a aplicação da tecnologia espacial e da gestão de dados, especialmente em teledeteção, SIG e tecnologias conexas. O seu grupo de investigação tem recebido financiamento de organismos internacionais e nacionais em vários sectores, especialmente recursos nacionais, gestão ambiental e de catástrofes e planeamento estratégico. Aidy estabeleceu-se internacionalmente, especialmente na Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO. Desde 2015, é copresidente da Academia Global OceanTeacher e membro de vários grupos directores internacionais, entre os quais o quadro de gestão da qualidade da COI, o Grupo de Peritos em Desenvolvimento de Capacidades da COI (GE-CD) e o Sistema de Informação e Dados Oceânicos da COI (ODIS).

WG9_Sarah_Mahadeo

Sarah Mahadeo

Bolseiro de investigação. Sasakawa Global Ocean Institute, Universidade Marítima Mundial, Malmo, Suécia. Sarah é uma planeadora espacial com formação em Biologia, Planeamento Urbano, Planeamento Espacial Marinho (PEM) e Economia Azul. Atualmente, trabalha como investigadora sobre o OEM nas Caraíbas Orientais em temas que incluem o envolvimento das partes interessadas, o planeamento transfronteiriço, as interacções terra-mar e o desenvolvimento do OEM em pequenos Estados insulares em desenvolvimento (PEID). Antes da investigação, trabalhou na prática de planeamento com o Estado na sua terra natal, Trinidad e Tobago. Também trabalhou com a iniciativa MSP Global da IOC-UNESCO para actividades de desenvolvimento de capacidades sobre MSP e Economia Azul e como editora de uma série de resumos de políticas relacionadas com MSP numa série de tópicos, incluindo Alterações Climáticas, Governação dos Oceanos, Economia Azul e Desenvolvimento de Capacidades. Sarah também tem experiência no planeamento e facilitação de workshops sobre Planeamento Azul, participando em eventos de formação para os SIDS das Caraíbas e países do Oceano Índico Ocidental.

WG9_Pamela_Buchan

Pamela Buchan

Bolseiro de investigação, Universidade de Exeter, Reino Unido. Buchan é um cientista social marinho e académico ativista que trabalha na interface interdisciplinar e multissectorial dos seres humanos e do oceano. Buchan ganhou o Prémio de Impacto ESRC 2022 e lidera a atividade aprovada pela Ocean Decade, Co-conceptualising Marine Identities. Como investigador, Buchan está focado em compreender as motivações da cidadania marinha e democratizar a governação marinha, como forma de enfrentar o Desafio 10 da Década do Oceano da ONU. Com formação em biologia marinha e gestão de zonas costeiras, a sua investigação atual abrange a geografia humana, a psicologia ambiental e o direito ambiental, entre outras disciplinas. Para apoiar esta missão, Buchan desempenha também funções públicas na Devon & Severn Inshore Fisheries and Conservation Authority e na Cattewater Harbour Commissioners, que gerem, respetivamente, a pesca costeira regional em zonas marinhas protegidas e o porto comercial de Plymouth, no Reino Unido.

WG9_Kristina_Alexander

Kristina Alexander

Kristina Alexander é a Cátedra de Política e Direito Marítimo do Harte Research Institute for Gulf of Mexico Studies (HRI) em Corpus Christi, Texas. Exerceu advocacia na área dos recursos naturais durante mais de 20 anos, incluindo no Serviço de Investigação do Congresso em Washington, D.C., e no Sea Grant. Atualmente, concentra-se na comunicação de questões jurídicas relacionadas com a gestão das pescas, a resiliência costeira, a dessalinização e outras questões marinhas, através do ensino e da publicação do HRI Third Coast Lines.

WG9_Juliet_Hermes

Julieta Hermes

Juliet lidera uma equipa que se dedica à observação, modelação e investigação do ambiente marinho na África Austral, no âmbito da Rede de Observação Ambiental da África do Sul. Juliet é também professora na Universidade da Cidade do Cabo e na Universidade Nelson Mandela. Tem uma experiência significativa no desenvolvimento e gestão de observações oceânicas multidisciplinares nacionais, regionais e internacionais. A sua paixão é a promoção de colaborações regionais e internacionais, bem como o desenvolvimento de capacidades. Juliet concentra a sua atenção no desenvolvimento, assegurando a geração e partilha de conhecimentos, bem como o crescimento de um grupo diversificado de cientistas marinhos. Juliet fez parte do Painel Regional do Oceano Índico da CLIVAR, do GEO Blue Planet, da Associação da Orla do Oceano Índico, do GCOS e do Grupo Africano de Apoio aos Peritos Negociadores. Apoia os sistemas globais de observação dos oceanos através do GOOS Observation Coordination Group, bem como as suas normas e melhores práticas através do IOC/GOOS Ocean Best Practices Group.

WG9_Xin_Lin

Xin Lin

Professor associado da Faculdade de Ciências do Mar e da Terra, Universidade de Xiamen.
Xin é bióloga marinha. A sua investigação, financiada pela Fundação Nacional de Ciências Naturais da China e pelo Programa Nacional de Investigação e Desenvolvimento da China, centra-se na biodiversidade marinha, na fisiologia e ecologia do fitoplâncton, na proliferação de algas nocivas, na simbiose dos corais e no ecossistema de carbono azul. Xin é membro do comité do 70.8 Media Lab, que é o primeiro meio de comunicação marinho criado conjuntamente por instituições de investigação de topo e meios de comunicação social de renome na China, e que se dedica a tornar-se uma plataforma inovadora para a divulgação de conhecimentos sobre ciências marinhas, o cultivo de talentos científicos e a transformação de realizações científicas e tecnológicas. Xin é o membro do IPO do projeto COASTAL-SOS, que é um projeto aprovado pela Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. Esta iniciativa articula uma abordagem inovadora de parceria trans-setorial na conceção, realização e entrega "da ciência de que precisamos para o oceano que queremos". Estamos a estabelecer uma parceria com vários intervenientes, incluindo instituições académicas de renome, empresas industriais e fundações sem fins lucrativos e ONG/OIG, dos países da Ásia Oriental, para co-desenhar eficazmente a implementação do projeto.

WG9_Li_Li

Li Li

Li é a Directora da Divisão de Cooperação Internacional no Primeiro Instituto de Oceanografia (FIO), Ministério dos Recursos Naturais, na China. Tem experiência na organização de eventos internacionais de formação, actividades e conferências, bem como na gestão e coordenação de projectos científicos internacionais. É também geoquímica marinha e o seu interesse de investigação centra-se nos processos de ciclo biogeoquímico de elementos vestigiais no sistema marinho. Liderou uma série de projectos fundados pelo CNSF, COMRA e MOST na China. É atualmente a representante do Comité Nacional da Década da China.

WG9_Elígio_de_Raús_Maúre

Elígio de Raús Maúre

Oceanógrafo com vasta experiência em cruzeiros oceanográficos e atualmente a trabalhar no desenvolvimento de soluções geoespaciais no Google Earth Engine (GEE). Foi investigador do Northwest Pacific Region Environmental Cooperation Center(NPEC), uma organização sem fins lucrativos em Toyama, Japão, onde passou mais de 4 anos a trabalhar na aplicação de imagens de satélite para a monitorização da qualidade da água e para a promoção da literacia oceânica através da formação em análise de dados de deteção remota por satélite utilizando o Google Earth Engine e Python. Contribuiu com o Global Eutrophication Watch, uma aplicação GEE para a monitorização da eutrofização utilizando imagens de satélite. É a primeira do seu género e foi desenvolvida no âmbito do projeto "Marine Coastal Eutrophication" como parte da iniciativa de oferecer acesso gratuito ao GEE pelo Grupo de Observações da Terra (GEO) para aumentar a utilização das observações da Terra para enfrentar os maiores desafios do mundo. Desde 2022, tem liderado um grupo de Profissionais do Oceano em Início de Carreira (ECOPs) em toda a África no desenvolvimento de recursos de treinamento em análise de dados de cores do oceano para ajudar os ECOPs africanos a enfrentar melhor os desafios da Década do Oceano. Tem um doutoramento em estudos ambientais (oceanografia) e uma pós-graduação em estudos clínicos ambientais pela Universidade de Nagoya, Japão. A sua investigação de doutoramento centrou-se nos impactos dos remoinhos de mesoescala na produtividade do fitoplâncton.

WG9_Cosmas_Nzaka_Munga

Cosmas Nzaka Munga

Cosmas Nzaka Munga é Professor Sénior na Universidade Técnica de Mombaça (TUM), servindo como Presidente do Departamento de Ciências do Ambiente e da Saúde. Sob este departamento, nos últimos 4 anos desde 2019, ele tem gerido 5 programas académicos: Saúde Pública, Saúde Comunitária, Ciências Ambientais, Nutrição e Dietética, e Marinha e Pescas, com um total de 13 docentes a tempo inteiro e, em qualquer altura, um total de 8 docentes a tempo parcial. Há mais de 18 anos que trabalha na ecologia, biologia e avaliação de stocks da pesca artesanal e semi-industrial ao longo da costa do Quénia. Especificamente para responder a questões de investigação sobre o estado de exploração de espécies de pesca comercial de peixes e mariscos na promoção da utilização sustentável. Isto para além da aplicação da Abordagem do Ecossistema para responder a questões de investigação relacionadas com a sustentabilidade ambiental e a promoção do bem-estar humano.

Gail Sant

Gail Sant

Gail Sant é uma mulher maltesa que é motivada pessoal e profissionalmente por um amor de longa data pelo oceano. Tem formação em biologia e em política global dos oceanos e do clima e trabalha como responsável pelo programa Ocean Voices da Nippon Foundation-University of Edinburgh. Além disso, Gail trabalha em projectos ambientais a vários níveis organizacionais através da sua consultoria independente. A sua experiência inclui trabalhar com a UNFCCC, Earth Negotiations Bulletin, The Conservation Collective, entre outros. Ao longo do seu trabalho, Gail sente que está sempre a "regressar às bases". Esta noção deriva de um profundo apreço e de um reconhecimento acionável de que as comunidades na vanguarda dos desafios dos oceanos e do ambiente têm de ser os líderes de movimentos globais de maior dimensão. Durante o seu tempo de trabalho e as muitas horas que passa ao ar livre, Gail procura aprender mais sobre a relação da humanidade com a natureza e como os nossos sistemas podem refletir a crença de que não existe uma verdadeira separação entre os dois grupos. Ela espera que, através do seu trabalho, possa ser uma pequena parte da mudança de paradigma em direção a um planeta equitativo e saudável para todos.

GT10

Grupo de Trabalho 10: Mudar a relação da humanidade com o oceano

Co-Presidentes:

WG10_Diz_Glithero

Diz Glithero

O trabalho da Diz como educadora interdisciplinar, investigadora em ciências sociais e líder de projectos é especializado na aprendizagem e envolvimento cívico dos oceanos, do clima e da sustentabilidade. Ao longo de 20 anos de experiência como educador, investigador, professor adjunto (Universidade de Ottawa) e consultor, Diz liderou vários projectos regionais e nacionais. Em 2017, Diz atuou como líder de educação para o Canadá C3, uma expedição de 150 dias baseada em navios de Toronto a Victoria através da Passagem do Noroeste. Desde 2018, Diz atua como líder nacional da Canadian Ocean Literacy Coalition, co-liderando o estudoUnderstanding Ocean Literacy in Canada (2019-2020), coautor de Land, Water, Ocean, Us: A Canadian Ocean Literacy Strategy (março de 2021), e cofundador da Ocean Week Canada. Diz atua como uma das comunidades de campeões da Ocean Decade do Canadá. Internacionalmente, Diz co-lidera a iniciativa Ocean Literacy Research Community (OLRC), bem como atua como membro do Comité Diretor do Programa Ocean Literacy With All liderado pela IOC-UNESCO, um especialista no Grupo de Trabalho Ocean Citizen Awareness da All-Atlantic Ocean Research and Innovation Alliance, um membro do Comité do Programa para a Conferência da Ocean Decade 2024 da ONU e copresidente do Grupo de Trabalho 10 para o processo Ocean Decade Vision 2030. A Diz é mãe de um filho e de uma filha fantásticos e é uma ávida esquiadora, remadora, nadadora de águas abertas e leitora.

WG10_Nicola_Bridge

Nicola Bridge

Nicola Bridge é a Directora da Ocean Advocacy and Engagement na Ocean Conservation Trust (OCT). Nicola é Bióloga de Conservação com mais de 17 anos de experiência em educação ambiental formal e informal, envolvimento e comunicação científica, especificamente ligada ao ambiente marinho. Nicola dedicou a sua carreira a ajudar as pessoas a ligarem-se ao oceano, a acederem aos benefícios que este lhes proporciona, ao mesmo tempo que promove a sua própria compreensão de como podem ajudar a apoiar um oceano próspero. Através do seu trabalho, muitos milhares de pessoas tiveram a oportunidade de conhecer o oceano em primeira mão. Nicola é membro do Defra Ocean Literacy Working Group e co-fundadora da rede We Are Ocean. Nicola é Presidente da EMSEA (European Marine Science Educators Association), liderando a organização na sua missão de atuar como um centro para a comunidade europeia de educação marinha, promovendo a literacia do oceano em toda a sociedade e trabalhando com cientistas, professores, decisores políticos e o público. É apaixonada por mudar a narrativa sobre o que constitui a conservação, reconhecendo que todos no planeta são responsáveis pela saúde do mundo natural que nos sustenta e que a proteção dos habitats e das espécies é, em muitos casos, apenas uma questão de comportamento humano. Nicola também adora o oceano!

Membros especialistas:

Louisa Hooper

Louisa Hooper

A Louisa tem uma longa e variada carreira na Fundação e, desde 2010, tem sido pioneira em programas no âmbito do pilar de financiamento ambiental da Delegação do Reino Unido. Nos últimos anos, tem-se centrado na Valorização do Oceano - apoiando novas redes e abordagens para promover um envolvimento efetivo na proteção marinha em colaboração com colegas em Portugal e no sector da conservação. Louisa foi fundamental para a criação do grupo Marine CoLABoration. Participa em vários grupos consultivos, incluindo a Década das Nações Unidas para a Ciência dos Oceanos e o Desenvolvimento Sustentável e o Grupo de Trabalho sobre Literacia dos Oceanos do Reino Unido. Louisa foi Secretária do Trustees for the Saint Sarkis Charitable Trust (também criado por Calouste Gulbenkian) de 2003 a 2013 e tem experiência em comunicação, publicação e educação. Os seus primeiros trabalhos para a Fundação incluíram a produção da antologia de arte e ambiente, Wild Reckoning, e de Saudade: Uma antologia de poesia de fado com traduções originais dos principais nomes da poesia inglesa atual. No passado, foi professora no Japão e trabalhou para a Organização Nacional de Turismo do Japão. Louisa estudou inglês em Cambridge e é uma poetisa publicada. Foi júri dos Prémios Koestler e editou a revista Brittle Star para novos escritores durante muitos anos.

WG10_Judy_Mann

Judy Mann-Lang

A Judy é apaixonada pelos oceanos. Começou a sua carreira na Associação Sul-Africana para a Investigação Biológica Marinha (SAAMBR) em Durban, em 1992, onde desempenhou várias funções, incluindo - Directora de Educação, Directora do uShaka Sea World, a primeira mulher a ser Directora Executiva da SAAMBR e Estratega de Conservação. Atualmente, é Executiva de Projectos Estratégicos na Two Oceans Aquarium Foundation, na Cidade do Cabo. Tem um mestrado em Ictiologia, uma licenciatura em Administração de Empresas e um doutoramento em Cultura e Aprendizagem Ambiental pela Universidade de Queensland, na Austrália. É Presidente da Associação Internacional de Educadores de Zoo (IZE) e faz parte do Conselho da Associação Mundial de Zoos e Aquários (WAZA).

carlie

Carlie Wiener

A Dra. Carlie Wiener é a Directora de Comunicação e Estratégia de Envolvimento do Schmidt Ocean Institute. Iesta função de liderança, ela chamou a atenção internacional para a ciência realizada através do programa de navios do instituto e expandiu as parcerias globais. A Dra. Wiener tem mais de quinze anos de experiência em comunicações de ciências marinhas, trabalhando em estratégia, investigação, sensibilização da comunidade, avaliação e liderança profissional. Obteve o seu bacharelato magna cum laude em comunicações e o seu mestrado e doutoramento em estudos ambientais na Universidade de York em Toronto, Canadá. A sua investigação anterior centrou-se na integração das ciências naturais e sociais na gestão marinha, na educação ambiental, na aprendizagem experimental e no turismo de mamíferos marinhos. Carlie também foi a anfitriã do podcast mensal sobre ciências marinhas, All Things Marine durante seis anos, e leccionou vários cursos sobre a comunicação das ciências oceânicas ao público. Tem mais de doze publicações revistas por pares, abrangendo investigação em gestão baseada em ecossistemas, análise qualitativa, impacto ambiental e educação científica.

WG10_ACHARE ELVIS AYAMBA

Achare Elvis Ayamba

Com um mestrado em Pescas e Ciências Aquáticas, Achare Elvis Ayamba é um Profissional dos Oceanos em Início de Carreira (ECOP) com mais de 06 anos de experiência na conservação de ecossistemas de água doce, costeiros e marinhos, trabalhando com Povos Indígenas e Comunidades Locais (IPLC), Jovens e Mulheres jovens. Ele é o fundador da Environment and Food Foundation (E2F), com a missão de minimizar e reduzir a degradação dos ecossistemas marinhos, costeiros e de água doce e construir um futuro em que os seres humanos tenham a mentalidade certa para viver em harmonia com a natureza, usando o poder de: Educação, Ativismo, Defesa de Políticas, Economia Circular, Investigação e Conservação. Ayamba é um criador de mudanças apaixonado envolvido em; Trazendo novas abordagens para a conservação que leva em conta os direitos, valores e culturas do IPLC, bem como perspectivas críticas da juventude sobre a conservação da natureza e da diversidade biológica, tendo um espaço inclusivo, diversificado e equitativo para todos os atores e promovendo uma cogestão eficaz e governança equitativa em áreas marinhas protegidas e conservadas. A Ayamba está empenhada em construir um futuro sustentável para os Camarões e para África, onde as pessoas e a natureza prosperem, procurando seguir um caminho claro para um desenvolvimento sustentável, com baixas emissões de carbono e resiliente. Ayamba é membro de mais de 20 redes e coligações internacionais, incluindo: Membro especialista do Grupo de Trabalho 10 para o processo Ocean Decade Vision 2030 do COI da UNESCO. Membro da Global Ghost Gear Initiative (GGGI). Membro da Prevent Waste Alliance. Membro das comissões da UICN da WCPA, CEC e CEM. Membro da Aliança para a Biodiversidade das OSC de África (ACBA). Membro do nó regional da ECOP em África. Ayamba ganhou igualmente 4 prémios internacionais notáveis, incluindo Galardoado com o Commonwealth Youth Award for Excellence in Development Work, galardoado com o EE 30 Under 30, galardoado com o Top 100 Young African Conservation Leaders e galardoado com o Youth Innovation Challenge.

WG10_Easkey_ Britton

Easkey Britton

A Dra. Easkey Britton é uma reputada surfista irlandesa e cientista social marinha com um profundo amor e paixão pelo mar. Especializada em "saúde azul" e nas interdependências entre os oceanos e os seres humanos, contribui com a sua experiência em projectos de investigação nacionais e internacionais, incluindo o projeto INCLUSEA, financiado pelo programa Erasmus+, que promove uma maior inclusão das pessoas com deficiência no surf na Europa. Easkey publicou numerosos artigos em revistas especializadas e é autora de vários livros sobre a nossa relação humana com o oceano, incluindo "Saltwater in the Blood" (2021), "50 Things to Do By the Sea" (2021) e "Ebb and Flow: Connect with the Patterns and Power of Water" (2023). A sua experiência combinada como embaixadora profissional do surf e investigadora ultrapassa o âmbito académico e estende-se a parcerias de investigação aplicada e de ação e a projectos co-criativos liderados pela comunidade, incluindo o seu papel como membro do conselho de administração da Save the Waves International; a facilitação de experiências baseadas no género do espaço azul no Médio Oriente; o Seasuit Project, a conceção de vestuário desportivo destinado a criar uma maior diversidade e inclusão das mulheres nos desportos aquáticos.

WG10_Sebastian_Thomas

Sebastião Tomás

O Dr. Sebastian Thomas é um consultor estratégico e académico de renome em matéria de alterações climáticas, economia azul, carbono azul, transição energética e ciência da sustentabilidade. Trabalha com a indústria e o meio académico e tem uma experiência significativa em vários sectores,