Simpósio 2023 sobre a conetividade funcional marinha

UNICÓRNIO DO MAR

Simpósio 2023 sobre a conetividade funcional marinha

Simpósio 2023 sobre a conetividade funcional marinha 1480 800 Ocean Decade

Em maio de 2023, o SEA-UNICORN realizou o simpósio internacional Human Impacts on Marine Functional Connectivity (HI-MFC 2023) em Sesimbra (Portugal).

Este evento de disseminação, coorganizado com o Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES) e acolhido pela Universidade de Lisboa em Sesimbra (Portugal), reuniu 138 participantes, de 26 países (principalmente da Europa, mas também de todos os outros continentes), para discutir os últimos avanços no estudo dos impactos humanos na Conectividade Funcional Marinha (CFM) e possíveis opções de gestão para preservar a CFM necessária para um oceano saudável e funcional.

Nos dias 22, 23 e 24 de maio, os participantes (60% dos quais eram cientistas em início de carreira) partilharam os seus conhecimentos e as suas mais recentes descobertas sobre o tema, através de 62 apresentações (incluindo 5 palestras) e 48 posters, organizados em cinco sessões:

  1. Impactos humanos generalizados no ambiente e tendências da conetividade marinha
  2. Respostas da conetividade marinha a extremos ambientais e impactos humanos acidentais
  3. Impactos humanos na fenologia e sazonalidade das espécies na conetividade marinha
  4. Centros e vias de conetividade críticos no mar e na interface terra-mar
  5. Utilizar a conetividade marinha para informar as estratégias de gestão e atenuar os impactos humanos

Este debate conduziu a discussões frutuosas sobre as alterações passadas, actuais e esperadas da MFC e as suas consequências para a conservação (por exemplo, das pradarias de ervas marinhas no Mediterrâneo, das unidades populacionais de salmão na Califórnia, das sardinhas no Pacífico Norte e da biodiversidade das fontes de águas profundas), a política marinha (por exemplo, no sul do Adriático, no Estreito Jónico, no Mar do Norte e no Mediterrâneo Oriental) e o ordenamento do espaço marítimo (por exemplo, no Mar Céltico, no Mar Báltico e no Golfo do Leão).

Os impactos humanos nas MFC foram destacados a uma grande diversidade de escalas, com apresentações sobre as respostas das MFC em:

  • a todos os níveis ecológicos, desde o das metapopulações (por exemplo, em ervas marinhas, bivalves, lagostas, peixes, tartarugas marinhas, mamíferos marinhos) até ao de ecossistemas inteiros (por exemplo, recifes de coral, lodaçais, respiradouros de profundidade, parques eólicos offshore, zonas marinhas protegidas).
  • todas as escalas espaciais, desde as escalas local/regional (por exemplo, nos rios Tejo, Montego, Garonne e Sacramento e respectivos estuários, no Golfo do Leão e ao longo da plataforma continental portuguesa ou na costa sul da África do Sul) até à escala transoceânica/global (por exemplo, nos oceanos Ártico ou Índico, entre o Mar Mediterrâneo e o Atlântico, ou entre os oceanos Índico e Pacífico),
  • e em todos os períodos de tempo, desde o curto prazo (por exemplo, a recente propagação de espécies invasoras no Mediterrâneo, no Báltico e ao longo da costa chilena) até ao histórico (por exemplo, o desaparecimento de ostras planas europeias ao longo dos últimos séculos na Europa) ou geológico (por exemplo, o declínio dos peixes de águas intermédias no antigo Mediterrâneo Oriental).

Foram mencionados todos os principais tipos de pressões antropogénicas, incluindo os efeitos omnipresentes do aquecimento global (por exemplo, aumento da temperatura da água e fenómenos meteorológicos extremos), mas também outras actividades humanas que modificam os habitats e os ecossistemas marinhos (por exemplo, sobrepesca, parques eólicos offshore, transporte marítimo, aquicultura).

Várias apresentações mostraram abordagens inovadoras para estudar ou prever as alterações das MFC, ou propor estratégias de gestão adaptativa (ouvir mais sobre isto aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

Em suma, um programa de 3 dias muito completo e altamente instrutivo!

Para terminar com uma nota alta, na manhã de 25 de maio, foram organizados 2 workshops de brainstorming pelos grupos de trabalho do SEA-UNICORN, para partilhar experiências e debater temas:

  • Perspectivas geohistóricas sobre padrões de conetividade funcional (liderado por K. Agiadi e B. Caswell e organizado pelos GT1 e GT2, em colaboração com o grupo de trabalho PAGES do Q-MARE).
  • Conectividade marinha, política marinha e envolvimento das partes interessadas (organizado pelo WG3 e WG4, e liderado por Y. Teff-Seker, A.M. Addamo e P. Mackelworth).

Para mais informações, consultar: https://www.ices.dk/events/symposia/ImpactsMFC/Pages/default.aspx

***

Este artigo foi originalmente publicado aqui.

A DÉCADA DO OCEANO

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.