Visão 2030: O Grupo de Trabalho 1 desenvolve um esforço de colaboração para avaliar e atenuar a poluição marinha através de um roteiro abrangente

COI/UNESCO

Visão 2030: O Grupo de Trabalho 1 desenvolve um esforço de colaboração para avaliar e atenuar a poluição marinha através de um roteiro abrangente

Visão 2030: O Grupo de Trabalho 1 desenvolve um esforço de colaboração para avaliar e atenuar a poluição marinha através de um roteiro abrangente 1000 540 Década dos Oceanos

A poluição marinha, que em grande parte tem origem em fontes terrestres, representa uma ameaça significativa para os ecossistemas oceânicos e para a saúde humana. No âmbito da Década dos Oceanos, o desafio 1: Compreender e vencer a poluição marinha exige esforços colectivos para compreender as complexidades desta questão e aplicar soluções práticas. A fim de identificar as prioridades da Década dos Oceanos em relação à poluição marinha, foi criado um grupo de trabalho especializado no âmbito do processo Visão 2030.

Atualmente, a nossa compreensão e conhecimento das fontes e impactos da poluição marinha são limitados, centrando-se principalmente numa gama restrita de poluentes nas zonas costeiras do Norte Global. O Desafio 1 da Década dos Oceanos: Compreender e Combater a Poluição Marinha procura uma compreensão alargada das fontes de poluentes e contaminantes terrestres e marinhos, abordando os detritos marinhos, o plástico, o ruído subaquático, os produtos químicos perigosos, entre outros, nas massas de água globais. O objetivo final é conseguir um oceano mais limpo e mais saudável, identificando, reduzindo e mitigando as fontes de poluição, salvaguardando assim as funções e os serviços do ecossistema.

Como parte do processo Visão 2030 lançado pela Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável 2021-2030 ("Década dos Oceanos"), o Grupo de Trabalho 1 lidera os esforços para enfrentar o Desafio 1 da Década dos Oceanos. É liderado por dois co-presidentes especialistas, a Dra. Vanessa Hatje, Professora de Oceanografia Química na Universidade Federal da Bahia, Brasil, e a Dra. Rosemary Rayfuse, Professora Emerita Scientia de Direito Internacional na UNSW Sydney, Austrália. Tanto a Dra. Rayfuse como a Dra. Hatje são membros do GESAMP, o Grupo Conjunto de Peritos sobre os Aspectos Científicos da Proteção do Ambiente Marinho, que é co-patrocinado pela Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO, a agência coordenadora da Década dos Oceanos.

Vanessa Hatje
Rosemary Rayfuse

A experiência colectiva do Grupo de Trabalho 1, que abrange cientistas marinhos, ecologistas, decisores políticos e líderes comunitários, fornece um quadro que permite reunir informações essenciais sobre vários tipos de poluição (por exemplo, metais, radionuclídeos, plásticos, excesso de nutrientes, etc.), fontes, distribuição espacial, impactos nos ecossistemas e na saúde humana, com o objetivo de identificar áreas prioritárias de investigação e potenciais soluções inovadoras.

Através de um trabalho de colaboração transdisciplinar e interdisciplinar, os membros do Grupo de Trabalho elaborarão um livro branco descrevendo o estado atual do desafio da poluição, identificarão lacunas de conhecimento, bem como necessidades de reforço de capacidades, infra-estruturas e mobilização de recursos, e proporão medidas accionáveis como parte da Década dos Oceanos para melhor compreender o ciclo de vida dos poluentes, os seus impactos a longo prazo e a eficácia das medidas regulamentares e estratégias destinadas à sua minimização e mitigação. Os progressos e a eficácia no combate à poluição marinha serão medidos através de indicadores relevantes.

"A resolução das actuais lacunas de conhecimento é crucial para uma compreensão abrangente da poluição marinha e dos seus impactos cumulativos e duradouros nos ecossistemas", explica Vanessa Hatje. "Requer esforços concertados para melhorar a disponibilidade de dados, metodologias harmonizadas e o estabelecimento de locais representativos em todo o mundo para dar prioridade a locais de monitorização a longo prazo em diversos ambientes marinhos e regiões geográficas, à semelhança do que temos para as mediçõesdeCO2 atmosférico."

A concretização destes objectivos exige a produção de dados sobre diferentes aspectos que envolvem o ciclo dos poluentes, o estabelecimento de procedimentos harmonizados e controlos de qualidade, o desenvolvimento de infra-estruturas robustas, a promoção de parcerias e o reforço do desenvolvimento de capacidades através de colaborações estratégicas, formação e inovações tecnológicas. Acima de tudo, o sucesso depende de esforços coordenados de governos, indústrias, cientistas e comunidades de todo o mundo.

A adoção desta abordagem holística para compreender a poluição no continuum terra-oceano e o seu impacto nos ecossistemas e na saúde humana é crucial para o desenvolvimento de respostas legais e políticas eficazes, incluindo a futura concetualização de novos tratados internacionais para regular e facilitar uma melhor gestão de potenciais poluentes.

Sobre este tema, a copresidente do Grupo de Trabalho, Rosemary Rayfuse, sublinha que, embora a Convenção sobre o Direito do Mar coloque a questão da poluição marinha na agenda de alto nível, colmatar o fosso entre a política e as acções concretas continua a ser um desafio significativo. "Esta transição só pode ser conseguida através da aquisição e aplicação de conhecimentos científicos abrangentes e da cooperação global. O nosso Grupo de Trabalho 1 pretende identificar os mecanismos através dos quais estes objectivos podem ser alcançados."

Na primeira fase do processo da Visão 2030, os co-presidentes distribuíram um questionário entre os membros do Grupo de Trabalho e as suas redes para identificar, na perspetiva do utilizador, um conjunto de ambições estratégicas para colmatar as lacunas mais prementes na ciência, no conhecimento e nas soluções necessárias para alcançar um oceano limpo até 2030. As consultas conduziram à compilação de uma longa e extensa lista de potenciais prioridades. Atualmente, os co-presidentes estão a trabalhar numa "lista curta" refinada de prioridades que servirá de base para o Livro Branco.

Participe na jornada transformadora da Década dos Oceanos até 2030!

A revisão dos projectos de livros brancos elaborados pelos grupos de trabalho será lançada no início de 2024. As suas ideias, comentários e experiência contribuirão para moldar as ambições estratégicas e determinar os marcos para cada desafio, garantindo uma abordagem diversificada e inclusiva. Mais informações estarão disponíveis em breve no sítio Web da Década dos Oceanos.

As versões finais do projeto serão apresentadas e debatidas durante os "Fóruns de Soluções Científicas" temáticos na Conferência da Década dos Oceanos de 2024, em Barcelona, um evento crucial para o processo da Visão 2030.

Participe no processo da Visão 2030 e junte-se a nós em Barcelona para construir o roteiro da Década dos Oceanos até 2030 para o oceano que queremos: faça o pré-registo aqui!

Clique aqui para conhecer o Grupo de Trabalho 1 e saber mais sobre o processo Visão 2030.

Para mais informações, contactar:
Equipa Visão 2030(vision2030@unesco.org)

***

Sobre a Década dos Oceanos:

Proclamada em 2017 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030) ("Década dos Oceanos") procura estimular a ciência dos oceanos e a geração de conhecimento para inverter o declínio do estado do sistema oceânico e catalisar novas oportunidades para o desenvolvimento sustentável deste enorme ecossistema marinho. A visão da Década dos Oceanos é "a ciência de que precisamos para o oceano que queremos". A Década dos Oceanos fornece um quadro de convocação para cientistas e partes interessadas de diversos sectores desenvolverem o conhecimento científico e as parcerias necessárias para acelerar e aproveitar os avanços da ciência dos oceanos para alcançar uma melhor compreensão do sistema oceânico, e fornecer soluções baseadas na ciência para alcançar a Agenda 2030. A Assembleia Geral da ONU mandatou a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO para coordenar os preparativos e a implementação da Década.

Sobre a COI/UNESCO:

A Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO (COI/UNESCO) promove a cooperação internacional em ciências marinhas para melhorar a gestão dos oceanos, costas e recursos marinhos. O COI permite aos seus 150 Estados-Membros trabalhar em conjunto através da coordenação de programas de desenvolvimento de capacidades, observação e serviços oceânicos, ciência oceânica e alerta contra tsunamis. O trabalho do COI contribui para a missão da UNESCO de promover o avanço da ciência e as suas aplicações para desenvolver o conhecimento e a capacidade, chave para o progresso económico e social, a base da paz e do desenvolvimento sustentável.

A DÉCADA DOS OCEANOS

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.