Recife de coral raro descoberto perto do Tahiti por uma missão da UNESCO

UNESCO

Recife de coral raro descoberto perto do Tahiti por uma missão da UNESCO

Recife de coral raro descoberto perto do Tahiti por uma missão da UNESCO 2000 1333 Década do Oceano

Uma missão de investigação científica apoiada pela UNESCO descobriu um dos maiores recifes de coral do mundo ao largo da costa do Taiti. O estado primitivo e a extensa área coberta pelos corais em forma de rosa fazem desta descoberta uma descoberta de grande valor.

"Até à data, conhecemos melhor a superfície da lua do que o oceano profundo. Apenas 20% de todo o fundo marinho foi cartografado. Esta notável descoberta no Taiti demonstra o incrível trabalho de cientistas que, com o apoio da UNESCO, promovem a extensão do nosso conhecimento sobre o que está por baixo". Audrey Azoulay, Directora-Geral da UNESCO

Descoberta altamente invulgar

O recife está localizado a profundidades entre 30 e 65 metros. Tem aproximadamente 3 km de comprimento e entre 30m e 60/65m de largura, o que o torna um dos mais extensos recifes de coral saudáveis de que há registo. Os corais gigantes em forma de rosa têm até 2 metros de diâmetro.

Isto é altamente invulgar porque, até agora, a grande maioria dos recifes de coral conhecidos do mundo situam-se a profundidades até 25m. Portanto, esta descoberta sugere que existem muitos mais recifes grandes por aí, a profundidades superiores a 30 metros, no que é conhecido como a "zona crepuscular" do oceano, que simplesmente desconhecemos.

"Foi mágico ver corais rosa gigantes e lindos que se estendem até onde a vista alcança. Era como uma obra de arte". Alexis Rosenfeld, fotógrafo francês e fundador da campanha 1 Ocean.

Um passo em frente para a ciência

Esta expedição faz parte da abordagem global da UNESCO ao mapeamento do oceano. Os recifes de coral são uma importante fonte alimentar para outros organismos, pelo que a sua localização pode ajudar a investigação em torno da biodiversidade. Os organismos que vivem nos recifes podem ser importantes para a investigação medicinal e os recifes podem também fornecer protecção contra a erosão costeira e mesmo tsunamis.

"A Polinésia Francesa sofreu um evento de branqueamento significativo já em 2019, contudo este recife não parece ter sido significativamente afectado. A descoberta deste recife em tal estado imaculado é uma boa notícia e pode inspirar uma conservação futura. Pensamos que os recifes mais profundos podem ser mais bem protegidos do aquecimento global". Dra. Laetitia Hedouin, Centro Nacional de Investigação Científica da França (CNRS)

Até agora, muito poucos cientistas foram capazes de localizar, investigar e estudar recifes de coral a profundidades superiores a 30m. No entanto, a tecnologia significa agora que são possíveis mergulhos mais longos a estas profundidades. No total, a equipa efectuou mergulhos num total de cerca de 200 horas para estudar o recife e pôde testemunhar a desova dos corais. Estão previstos mais mergulhos nos próximos meses para continuar as investigações em torno do recife.

A acção da Unesco para o oceano

A UNESCO é a agência da ONU responsável pela investigação dos oceanos. A Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, fundada em 1960 e à qual aderiram 150 países, coordena programas globais como a cartografia dos oceanos e o sistema de alerta de tsunamis, bem como numerosos projectos de investigação científica. A agência é também a guardiã de lugares únicos nos oceanos, através de 232 reservas da biosfera marinha e 50 sítios marinhos do Património Mundial de Valor Universal Excecional. A UNESCO lidera a Década das Nações Unidas de Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, de 2021 a 2030, que este ano se reflecte na organização de várias grandes cimeiras internacionais que amplificarão a mobilização colectiva.

Campanha "1 Oceano, a anatomia".

Esta campanha é liderada pelo fotógrafo explorador Alexis Rosenfeld, em parceria com a UNESCO para a Década de Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável. Todos os anos, até 2030, serão realizadas expedições através do oceano para testemunhar os seus trunfos para a humanidade, as ameaças que enfrenta, mas também as soluções que podemos oferecer.

Para mais informações, queira contactar: Tom Burridge | Email: te.burridge@unesco.org

***

A DÉCADA DO OCEANO

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.