Questões oceânicas mais fortes do que nunca na histórica Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP28)

COI/UNESCO

Questões oceânicas mais fortes do que nunca na histórica Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP28)

Questões oceânicas mais fortes do que nunca na histórica Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP28) 1000 540 Década dos Oceanos

Na histórica Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP28), que formalizou o compromisso mundial de abandonar os combustíveis fósseis, a UNESCO defendeu o papel crucial da ciência dos oceanos como base para a ação sobre os oceanos e o clima. As questões relacionadas com os oceanos fizeram progressos importantes no primeiro "Balanço Global do Acordo de Paris", ilustrando um reconhecimento sem precedentes da necessidade de considerar os oceanos ao agir sobre as alterações climáticas e reforçar a ação dos oceanos com base na melhor ciência oceânica disponível.

De 30 de novembro a 12 de dezembro, chefes de Estado, ministros e negociadores, juntamente com activistas do clima, autarcas, representantes da sociedade civil e directores executivos, reuniram-se no Dubai para o maior encontro anual sobre a ação climática. O principal resultado foi um compromisso global histórico para abandonar os combustíveis fósseis até 2050, mas os países também realizaram um primeiro exercício de balanço global, para fazer um inventário da situação mundial em termos de ação e apoio climático, identificando as lacunas e trabalhando em conjunto para chegar a acordo sobre as vias de solução (até 2030 e mais além).

O documento final do Global Stocktake fez várias referências ao oceano, desde o preâmbulo até às orientações e caminhos a seguir, que são discutidos em pormenor neste artigo da Plataforma para os Oceanos e o Clima.

Para além do enfoque nos combustíveis fósseis, a COP28 apresentou resultados importantes dos diálogos sobre os oceanos e as alterações climáticas, que se realizam todos os anos em junho, e que ganharam força e visibilidade no âmbito dos processos da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (CQNUAC), tendo salientado a necessidade de reforçar as observações sistemáticas, a investigação e a gestão de dados com base nos oceanos, a fim de apoiar a tomada de decisões com base científica para a ação climática.

Com o lançamento dos " Ocean Breakthroughs " antes da COP28, a comunidade oceânica tem agora um ponto de encontro para promover a ação e os investimentos no oceano, a fim de cumprir os objectivos climáticos. Isto será fundamental no caminho para as próximas conferências sobre o clima a realizar no Azerbaijão em 2024 e no Brasil em 2025.

A UNESCO na COP28

A UNESCO esteve presente na COP28, organizando vários eventos paralelos e painéis de discussão, e a sua Comissão Oceanográfica Intergovernamental (IOC/UNESCO) participou numa grande coligação de parceiros empenhados em tornar o oceano mais central nas negociações climáticas e em informar os delegados sobre o potencial do oceano para apoiar a ação climática.

Década dos Oceanos

A Década dos Oceanos juntou-se à OceanX para acolher um pavilhão durante toda a COP28, proporcionando oportunidades para discussões aprofundadas sobre o papel da ciência na proteção do oceano, reforçando a ação climática do oceano e aumentando o compromisso de desenvolver o conhecimento necessário para limitar o aquecimento a 1,5°C e estabilizar o clima da Terra. Com mesas-redondas com curadoria centradas nos Desafios da Década dos Oceanos e meios de comunicação visual envolventes, o pavilhão foi um ponto de encontro para a discussão de soluções para o clima dos oceanos.

Vários programas emblemáticos da Década dos Oceanos que estão a centrar-se na criação de soluções para o clima dos oceanos foram apresentados durante um evento de meio dia no Pavilhão dos Oceanos. Este evento também contou com apresentações de alto nível sobre a ciência crítica e as lacunas de conhecimento que a Década dos Oceanos está a preencher, incluindo através do processo da Visão 2030, as ligações entre a ciência dos oceanos e o processo da UNFCCC, e a importância das parcerias multi-stakeholder para alcançar a visão da Década dos Oceanos para um oceano saudável e resiliente até 2030.

A Década dos Oceanos foi também apresentada em diversos eventos com parceiros-chave, incluindo debates conduzidos pela Fugro sobre a importância dos dados sobre os oceanos e sobre o papel da filantropia no apoio à ciência e inovação dos oceanos, com a Fundação Cortes Solaris e a Fundação Lloyd's Register. Este diálogo explorou os impactos e as soluções para vários factores de stress do clima oceânico, desde a acidificação dos oceanos à desoxigenação.

Carbono azul

As soluções marinhas e costeiras baseadas na natureza foram amplamente reconhecidas nos resultados do balanço global pelo seu papel vital para uma ação climática eficaz e sustentável.

Oito países (Austrália, Costa Rica, Fiji, França, Papua-Nova Guiné, Seychelles, Reino Unido e Estados Unidos da América) mostraram os seus esforços na integração progressiva do carbono azul na ação climática nacional durante um evento paralelo oficial sobre "Blue Carbon Coastal Wetlands in Climate Action: Taking Stock of Nature-based Solutions in Practice", coorganizado pela Parceria Internacional para o Carbono Azul (IPBC), a Plataforma Oceano e Clima e a Pew Charitable Trusts.

O IPBC é uma iniciativa do Governo australiano coordenada conjuntamente com a IOC/UNESCO, que reúne mais de 50 governos, IGOs, ONGs e instituições de investigação de todo o mundo. Na COP28, o Japão anunciou que se juntou ao IPBC como o mais recente parceiro, elevando o número total de países neste esforço global para 18.

No total, foram organizados e co-organizados pelos parceiros do IPBC no Dubai quase 30 eventos paralelos sobre o carbono azul e o papel das zonas húmidas costeiras na ação climática, incluindo um diálogo sobre o carbono azul no pavilhão Ocean Decade + OceanX, organizado pelo Programa Global Ocean Decade para o Carbono Azul (GO-BC), e um evento de alto nível no pavilhão francês sobre um Grupo de Ambição de Alto Nível sobre o carbono azul que contribui para a realização dos objectivos do IPBC, com representantes da Austrália, Costa Rica, França e Mónaco.

Stress oceânico (acidificação e desoxigenação dos oceanos)

A acidificação e a desoxigenação dos oceanos são resultados directos do aumento das emissões deCO2 para a atmosfera e para os oceanos. Durante a COP28, o COI/UNESCO apresentou as suas iniciativas relacionadas com estas alterações nos oceanos em vários eventos paralelos, diálogos e eventos mandatados.

A Rede Mundial de Observação dos Oceanos, apoiada pela COI/UNESCO, e o programa da Década de Investigação sobre a Acidificação dos Oceanos para a Sustentabilidade (OARS), co-liderado pela COI/UNESCO, explicaram os impactos da acidificação dos oceanos e da saúde dos oceanos durante o Café Mundial do Dia da Informação sobre a Terra e exploraram, em conjunto com a audiência, possíveis formas de a observação dos oceanos poder apoiar estratégias inovadoras de mitigação e adaptação.

O tema foi também fortemente promovido pela COI/UNESCO durante um diálogo com fundações, outras organizações das Nações Unidas, OIG e representantes governamentais no pavilhão Ocean Decade + OceanX, que permitiu identificar actividades OARS concretas para 2024, e através de um evento paralelo sobre "Leveraging UN Mechanisms for Local OA Adaptation and Resilience", convidando novos parceiros a aderir ao OARS e a apresentar compromissos OARS relacionados.

A desoxigenação continua a ser negligenciada em muitas discussões sobre os impactos do clima no oceano durante os eventos da UNFCCC. Para contrariar esta tendência perene, o COI/UNESCO, juntamente com a Rede Global de Oxigénio dos Oceanos, o programa da Década dos Oceanos, a Década Global de Oxigénio dos Oceanos e outros parceiros organizaram um evento no Pavilhão dos Oceanos intitulado "Alterações Climáticas, Desoxigenação e Biodiversidade no Alto Mar e no Mar Profundo: Interacções e oportunidades políticas" para mostrar a importância das observações do oxigénio nos oceanos.

Observação oceânica e dados

O Dia da Informação sobre a Terra 2023 (Earth Information Day 2023), que tem um mandato anual, proporcionou um diálogo para o intercâmbio de informações sobre o estado do sistema climático global e a evolução da observação sistemática.

O Sistema Mundial de Observação dos Oceanos, liderado pela COI/UNESCO, participou na plenária de alto nível e nos elementos do World Cafe do EID 2023, salientando a necessidade de uma observação global dos oceanos sustentada e reforçada para apoiar a compreensão do sistema climático e como base científica para a ação de adaptação, mitigação e sistemas de alerta precoce.

O EID 2023 contou com a presença de mais de 250 participantes e contribuiu diretamente para as negociações sobre a observação sistemática no âmbito do Órgão Subsidiário de Aconselhamento Científico e Tecnológico (SBSTA). As conclusões das partes sublinharam a importância de observações sustentadas e de longo prazo do sistema terrestre e a necessidade de colmatar as lacunas de dados, nomeadamente no que respeita aos oceanos e às regiões costeiras.

As partes reconheceram o novo Observatório Mundial dos Gases com Efeito de Estufa, liderado pela OMM, que visa estabelecer uma monitorização global sustentada e de rotina das concentrações e fluxos de gases com efeito de estufa, sendo vital reforçar a monitorização destes fluxos na interface oceano/atmosfera. Além disso, foi feito um apelo para que o apoio do Mecanismo de Financiamento das Observações Sistemáticas seja alargado à comunidade de observação sistemática.

Literacia dos oceanos

A literacia oceânica é cada vez mais reconhecida como um objetivo fundamental para toda a sociedade, se quisermos promover uma relação mais harmoniosa e equitativa entre a humanidade e o oceano. Isto inclui, evidentemente, a promoção de uma melhor compreensão da relação oceano-clima e o desenvolvimento de programas educativos específicos relacionados com a mesma.

Um evento de diálogo direcionado foi realizado no pavilhão Ocean X + Ocean Decade, promovido pelo COI/UNESCO, Communications Inc. e a Universidade Federal de São Paulo, que discutiu como podemos alavancar o poder da comunicação estratégica para transmitir mensagens relacionadas com a importância do oceano como o centro do discurso das soluções climáticas. Jornalistas, activistas e influenciadores de África, do Brasil e das regiões MENA discutiram como desenvolver iniciativas de desenvolvimento de capacidades para garantir que a informação fornecida pelos meios de comunicação tradicionais e não tradicionais se baseia em informação cientificamente sólida.

O conceito de escola azul, federado pela UNESCO, tem sido promovido com sucesso por muitos países e regiões em todo o mundo, incluindo a Europa, África, América do Norte, Central e do Sul. As Escolas Azuis trazem o oceano para a sala de aula. No percurso para se tornarem uma Escola Azul, professores e alunos melhorarão a sua compreensão do oceano e desenvolverão um sentido de responsabilidade para com o nosso planeta comum.

Na COP28, a COI/UNESCO e a Universidade Federal de São Paulo, e no contexto do Programa Literacia dos Oceanos com Todos da Década dos Oceanos, organizaram três eventos paralelos sobre como o programa da escola azul pode tornar-se um grupo de teste para a proposta do Currículo Azul da UNESCO, defendendo a inclusão da literacia dos oceanos nos quadros curriculares.

***

Sobre a COI/UNESCO:

A Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO (COI-UNESCO) promove a cooperação internacional no domínio das ciências marinhas para melhorar a gestão dos oceanos, das costas e dos recursos marinhos. A COI permite que os seus 150 Estados-Membros trabalhem em conjunto através da coordenação de programas de desenvolvimento de capacidades, observações e serviços oceânicos, ciência oceânica e alerta de tsunami. O trabalho do COI contribui para a missão da UNESCO de promover o avanço da ciência e das suas aplicações para desenvolver o conhecimento e as capacidades, fundamentais para o progresso económico e social, base da paz e do desenvolvimento sustentável.

Sobre a Década dos Oceanos:

Proclamada em 2017 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, a Década das Nações Unidas da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030) ("Década dos Oceanos") procura estimular a ciência dos oceanos e a geração de conhecimentos para inverter o declínio do estado do sistema oceânico e catalisar novas oportunidades de desenvolvimento sustentável deste enorme ecossistema marinho. A visão da Década dos Oceanos é "a ciência de que precisamos para o oceano que queremos". A Década dos Oceanos fornece um quadro de convocação para cientistas e partes interessadas de diversos sectores para desenvolver o conhecimento científico e as parcerias necessárias para acelerar e aproveitar os avanços na ciência dos oceanos para alcançar uma melhor compreensão do sistema oceânico e fornecer soluções baseadas na ciência para alcançar a Agenda 2030. A Assembleia Geral da ONU mandatou a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO para coordenar os preparativos e a implementação da Década.

A DÉCADA DOS OCEANOS

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.