Década do Oceano Conversas: Aimee Clark (Nova Zelândia)

Década do Oceano

Década do Oceano Conversas: Aimee Clark (Nova Zelândia)

Década do Oceano Conversas: Aimee Clark (Nova Zelândia) 1500 1001 Década do Oceano

A líder dos jovens da UNESCO Aotearoa, Aimee Clark, partilha connosco a sua paixão pelo oceano, os seus pensamentos sobre como podemos melhorar a interação entre o Década do Oceano e a Década Internacional das Línguas Indígenas, o seu ditado Māori favorito e muito mais! Mergulhe no mundo desta jovem representante do Comité Nacional da Década da Nova Zelândia!

  1. Pode dar-nos mais informações sobre si e como começou a sua ligação ao oceano?

O meu nome é Aimee Clark, tenho 24 anos e sou de Aotearoa, Nova Zelândia.

Tenho sido um defensor do nosso oceano durante toda a minha vida. Crescendo junto à praia numa ilha no Pacífico, estive sempre rodeado de água. O oceano fazia parte da minha identidade, adorava a sua beleza, o seu poder e a biodiversidade sob as ondas. Quando eu tinha nove anos, o meu avô enviou-me a sua colecção de DVDs de Sir David Attenborough e eu vi "O Planeta Azul" pela primeira vez. Isto acendeu a minha paixão pela conversa oceânica, biologia marinha e narração de histórias. Durante todo o liceu, empenhei-me em proteger e defender o nosso oceano. Comecei a ser voluntário no nosso aquário local quando tinha 12 anos, ajudando a inspirar outros a partilhar a minha paixão.

Tenho uma licenciatura em Biologia Marinha e Estudos Ambientais e estou atualmente a concluir um MAppSC em Comunicação Científica e Realização de Filmes de História Natural na Universidade de Otago. Tive o privilégio de participar na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, em Nova Iorque, na Our Ocean Youth Leadership Summit, em Oslo, e também na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, em Lisboa, onde participei no Fórum da Juventude e Inovação e no Fórum Década do Oceano .

A par do meu trabalho como ECOP a nível internacional, trabalhei para criar consciência e mudança tangível na minha universidade através da realização de seminários e eventos centrados no oceano, na minha comunidade através da criação de uma iniciativa de alfabetização oceânica chamada The Yellow Submarine Project e a nível nacional através do trabalho na Comissão Nacional da Nova Zelândia para a UNESCO como Líder da Juventude da Aotearoa da UNESCO, representante da Juventude no Comité da Década Nacional da Nova Zelândia e como Conselheiro.

Quando comecei a minha licenciatura, queria originalmente empreender investigação tradicional em biologia marinha, mas através da exposição a experiências como a Conferência das Nações Unidas de 2017, cedo descobri a importância da comunicação e da educação ambiental. Para que a acção aconteça, as pessoas precisam de compreender as coisas, ser apaixonadas por elas e ter uma ligação empática. Foi por isso que passei à comunicação científica, conservação e activismo.

Estamos actualmente a viver uma crise climática que terá o maior efeito nas gerações mais jovens, ajudando assim as crianças e os jovens a compreender a importância, fragilidade e beleza do oceano mundial através de uma educação ambiental imersiva, esperemos que os ajude a ligarem-se e a quererem proteger o seu sistema e ambiente durante toda a sua vida.

  1. Pode dar-nos alguns exemplos de como podemos melhorar a comunicação entre o sítio Década do Oceano e a Década Internacional das Línguas Indígenas?

No centro do trabalho da Comissão Nacional da Nova Zelândia para a UNESCO está uma abordagem multidisciplinar que permite que o conhecimento mātauranga maori e indígena permaneça no centro. Uma das formas de unir activamente os sistemas de conhecimento é através da criação do Comité da Década de Aotearoa NZ, que se reúne algumas vezes por ano para aconselhar a Comissão Nacional sobre o seu programa de trabalho na intersecção de ambas as Décadas. Os membros do Comité da Década de Aotearoa NZ provêm das ciências oceânicas, das ciências humanas, dos conhecimentos indígenas e do governo

representantes. A interligação dos sistemas de conhecimento na Nova Zelândia gerou uma abordagem distinta à forma como realizamos a ciência e a investigação e como colaboramos uns com os outros.

Os Líderes da Juventude Aotearoa da UNESCO também acreditam que seguir uma abordagem holística em relação aos nossos mahi (trabalho) em torno de ambas as Décadas é fundamental. Mais recentemente, realizámos um workshop no 'Festival para o Futuro' - a maior cimeira de inovação centrada na juventude da Nova Zelândia - onde trabalhámos com representantes do Conselho da Juventude do Pacífico para co-desenhar um workshop que envolveu pessoas com o oceano, língua, cultura e identidade. Em muitos lugares do mundo, e especialmente no Pacífico, não se pode separar as nossas ligações ao te taiao (o ambiente) e ao moana (o oceano) como sendo silo de língua ou património, e quisemos mostrar estas ligações e discutir a importância das mesmas.

Foi escrito um artigo que entrevistou o nosso Presidente da Juventude, Ethan Jerome-Leota, e a Líder da Juventude, Adriana Bird, sobre este tópico, explicando melhor o nosso trabalho no Festival for the Future e a nossa abordagem holística a ambas as Décadas.

  1. Pode dar-nos alguns exemplos de como podemos melhorar a comunicação entre o sítio Década do Oceano e a Década Internacional das Línguas Indígenas?

No centro do trabalho da Comissão Nacional da Nova Zelândia para a UNESCO está uma abordagem multidisciplinar que permite que o conhecimento mātauranga maori e indígena permaneça no centro. Uma das formas pelas quais estamos activamente a unir os sistemas de conhecimento

é através da criação do Comité da Década de Aotearoa NZ, que se reúne algumas vezes por ano para aconselhar a Comissão Nacional sobre o seu programa de trabalho na intersecção de ambas as Décadas. Os membros do Comité da Década de Aotearoa NZ provêm das ciências oceânicas, das ciências humanas, dos conhecimentos indígenas e dos representantes governamentais. O facto de os sistemas de conhecimento se entrelaçarem na Nova Zelândia gerou uma abordagem distinta à forma como realizamos a ciência e a investigação e como colaboramos uns com os outros.

Os Líderes da Juventude Aotearoa da UNESCO também acreditam que seguir uma abordagem holística em relação aos nossos mahi (trabalho) em torno de ambas as Décadas é fundamental. Mais recentemente, realizámos um workshop no 'Festival para o Futuro' - a maior cimeira de inovação centrada na juventude da Nova Zelândia - onde trabalhámos com representantes do Conselho da Juventude do Pacífico para co-desenhar um workshop que envolveu pessoas com o oceano, língua, cultura e identidade. Em muitos lugares do mundo, e especialmente no Pacífico, não se pode separar as nossas ligações ao te taiao (o ambiente) e ao moana (o oceano) como sendo silo de língua ou património, e quisemos mostrar estas ligações e discutir a importância das mesmas.

Foi escrito um artigo que entrevistou o nosso Presidente da Juventude, Ethan Jerome-Leota, e a Líder da Juventude, Adriana Bird, sobre este tópico, explicando melhor o nosso trabalho no Festival for the Future e a nossa abordagem holística a ambas as Décadas.

  1. Qual é a tua palavra/discurso Māori preferida(o)?

Não sou um indígena, mas adoro o whakataukī "ko ahau te taiao, ko te taiao, ko ahau" (eu sou o ambiente e o ambiente sou eu).

 

  1. Tem algum escritor/livro/canto/podcast maori para recomendar?

Posso recomendar 'Reawakened': Navegadores tradicionais de Te Moana-nui-a-Kiwa' por Jeff Evans. Apresenta dez navegadores e as suas histórias, incluindo três de Aotearoa.

A DÉCADA DO OCEANO

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.