Conheça os nossos Early Career Ocean Professionals: Mukut Biswas e Arunava Ghosh (Índia)

Programa ECOP

Conheça os nossos Early Career Ocean Professionals: Mukut Biswas e Arunava Ghosh (Índia)

Conheça os nossos Early Career Ocean Professionals: Mukut Biswas e Arunava Ghosh (Índia) 519 671 Década do Oceano

A viagem deste mês ao Programa ECOP deDécada do Oceano leva-nos ao estado de Bengala Ocidental, na fronteira oriental da Índia, onde está sediada a Fundação Prameya. Criada em 2016, esta organização de conservação ambiental sem fins lucrativos promove a sustentabilidade ambiental através da capacitação da comunidade.

A Fundação Prameya foi fundada por um grupo de jovens viajantes de diferentes origens profissionais, todos eles vieram a reconhecer a situação difícil das comunidades locais em locais mais vulneráveis às alterações climáticas. Mukut Biswas, Fundador, Administrador e Director Executivo, e Arunava Ghosh, Co-Fundador, Comunicação de Massas e Meios de Comunicação Social, partilham connosco a sua experiência e aspirações.

  1. Qual é a situação actual do ecossistema dos mangais de Sundarbans, na Índia? Pode dizer-nos mais sobre a importância destes ecossistemas?

Os mangues Sundarbans são um ecossistema altamente protegido e classificado como um Sítio Ramsar. Além disso, a Reserva do Tigre de Sundarban localizada neste Sítio faz parte do "habitat crítico do tigre" protegido por leis nacionais e também uma "Paisagem de Conservação do Tigre" de importância global. As Sundarbans são o único habitat de mangais que suporta uma população significativa de tigres, e têm capacidades únicas de caça aquática. As florestas de mangue protegem o interior contra tempestades, ciclones, surtos de marés, e a infiltração e intrusão de água salgada no interior e em cursos de água. Servem como viveiros de marisco e de peixes e sustentam a pesca de toda a costa oriental. Todos estes factores juntos fazem das Sundarbans uma massa de terra ecológica e economicamente importante.

  1. Quais são as pressões mais salientes sentidas pelas comunidades locais com que trabalha de perto?

Em primeiro lugar, a frequência dos ciclones e os padrões erráticos de precipitação têm causado perturbações na vida e na subsistência das comunidades que sobrevivem na região de Sundarbans, aumentando as perdas agrícolas brutas. Tais padrões sem precedentes deixaram uma janela muito pequena para estas comunidades recuperarem de antigas tempestades até que uma outra seja atingida. Isto levou a uma migração em massa da comunidade para as cidades e vilas vizinhas.

Em segundo lugar, com a mudança na salinidade da água do rio, que tem sido experimentada nos últimos quatro anos, tal como comunicada pelos pescadores locais, houve uma perda maciça na captura de peixe, resultando em mais perdas económicas dentro desta comunidade já de si vulnerável.

 

  1. Com base na sua experiência, como podemos facilitar uma coexistência harmoniosa entre o homem e a natureza? Como é que esta relação fundamental se manifesta na sua região?

Acreditamos que o ser humano e a natureza precisam de coexistir harmoniosamente, o que constitui o princípio básico do desenvolvimento sustentável. Mas esta relação está a ser corroída dado o ritmo a que os recursos naturais estão a ser esgotados, a relutância em implementar os Acordos Ambientais Internacionais Multilaterais, e a diluição das leis ambientais nacionais.

A Fundação Prameya visa conservar o conhecimento tradicional e transmiti-lo à geração actual. Isto, por sua vez, facilitará automaticamente uma coexistência harmoniosa entre o homem e a natureza, enfatizando a conservação da vida selvagem, técnicas modernas sustentáveis de pesca, apicultura, ecoturismo, extensão florestal, diversificação do emprego, e empoderamento e sustento das mulheres, para citar alguns.

  1. Qual é a importância da capacitação da comunidade nas projecções de restauração de ecossistemas? Como é que o aplica no seu trabalho na Fundação Prameya? Algum conselho para partilhar?

Todos nós percebemos que existe uma necessidade ardente de conservar as áreas de biodiversidade do mundo mais do que nunca, e as comunidades indígenas do mundo têm um papel vital a desempenhar. Durante milénios estas comunidades em todo o mundo têm mantido um equilíbrio judicioso entre as suas necessidades e as necessidades correspondentes da natureza e têm vivido em "harmonia com a natureza". Estas comunidades são as que menos contribuem para as alterações climáticas globais, mas são as mais afectadas pelas suas consequências. O seu papel vital na protecção da natureza é frequentemente subvalorizado, e muitas destas comunidades também não têm acesso a serviços básicos como educação, saúde, habitação adequada, e oportunidades de emprego. Sem protecção adequada e melhoria dos seus padrões de vida, nenhum objectivo de conservação poderá alguma vez ser bem sucedido.

Como tal, os esforços de conservação da Fundação Prameya baseiam-se na comunidade, concentrando-se num melhor acesso aos serviços básicos e na auto-suficiência através de projectos de educação e capacitação da comunidade, tais como a criação de eco-aldeias auto-suficientes, conservando assim a natureza e os seus recursos.

 

  1. A participação inclusiva de jovens, mulheres e comunidades locais indígenas está no centro das vossas actividades. Porque é que é tão importante para si e de que iniciativas se orgulha mais?

Acreditamos que a juventude, as mulheres e as comunidades locais indígenas são os aliados mais fortes da natureza. A sua relação com a lama, os mangais e a fauna torna-os um aspecto importante das nossas actividades de conservação. Sem o seu apoio ou inclusão, a conservação da região dos manguezais seria uma tarefa hercúlea.

Uma iniciativa de que nos orgulhamos particularmente é a Prameya Mangrove Nursery - que é uma iniciativa comunitária de recolha de propágulos de mangais e o seu subsequente armazenamento e plantação. Começou como um viveiro de mangue em pequena escala com a ajuda de crianças em idade escolar, que agora se transformou num movimento de massas na aldeia de Tridipnagar, Jharkhali, nas Sundarbans. Conseguimos conservar e restaurar com sucesso os manguezais numa área de 5 acres, que ainda se encontra em expansão. O referido movimento também foi reconhecido e apreciado pelo Governo e organismos quasi-governamentais. Neste momento, toda a aldeia deu as mãos para estabelecer um viveiro em cada casa. Isto, por sua vez, protegeu as vidas dos habitantes da aldeia de ciclones sem precedentes que atingiram a costa sul de Bengala nos últimos anos.

  1. O que pensa que as comunidades costeiras locais podem trazer para os processos de política marinha e como podemos envolvê-las no âmbito da ONU Década do Oceano?

As vozes das comunidades locais foram durante muito tempo ignoradas e não foram ouvidas. Chegou agora o momento de capacitar estas comunidades - através da disponibilização de recursos e de poder jurídico - para criar um ambiente onde as pessoas e a natureza possam prosperar em conjunto. O site Década do Oceano da ONU será uma oportunidade ideal para envolver as comunidades costeiras locais na monitorização e gestão dos recursos naturais, proporcionando-lhes a formação necessária, conhecimentos científicos modernos, apoio tecnológico e fundos.

 

  1. Quais são os maiores desafios para si enquanto jovem organização sem fins lucrativos?

Sendo uma jovem organização sem fins lucrativos, os desafios são variados. Para começar, faltou-nos a exposição e identidade necessárias, o que nos dificultou ganhar a confiança das autoridades estatutárias que operam na região. Em segundo lugar, e mais importante, falta-nos o acesso canalizado adequado aos fundos que, por sua vez, facilitaria a organização de vários programas de capacitação, seminários, workshops e intercâmbio de conhecimentos com a comunidade marinha costeira.

 

  1. Se fosse um representante em início de carreira na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos de 2022, o que proporia para alcançar o oceano que queremos até 2030?

Aproveitando a oportunidade de ser um representante no início da carreira, gostaríamos de propor a promulgação de um tratado internacional e/ou Acordo Ambiental Internacional Multilateral que trate especificamente dos problemas maiores dos resíduos plásticos gerados a partir de artes de pesca ou redes fantasma, bem como dos efeitos devastadores das capturas acessórias, das práticas ilegais de pesca e da exploração dos trabalhadores em embarcações de pesca. Ao mesmo tempo, deveríamos também implementar práticas de pesca sustentáveis eficazes.

  1. Quais são algumas das oportunidades disponíveis para as ECOP que gostariam de participar nas vossas actividades na Fundação Prameya?

A Fundação Prameya trabalha em estreita colaboração com as comunidades costeiras locais para proporcionar uma experiência de primeira mão na compreensão e abordagem dos problemas que enfrentam, especialmente no que diz respeito à devastação causada por tempestades ciclónicas sem precedentes. Os programas em curso de recolha e expansão de viveiros de mangais permitirão aos ECOPs conhecer as espécies de mangais encontradas e conservadas na região.

A Fundação está também envolvida na organização de vários workshops destinados a educar a comunidade sobre técnicas de pesca sustentável, que por sua vez podem proporcionar aos ECOPs uma melhor compreensão dos problemas emergentes das práticas de pesca ilícita, com os quais a Fundação está a lidar na região.

Temos também um grande alcance em todos os Sundarbans indianos, o que pode encorajar os ECOPs a encontrar várias pessoas de diferentes profissões e a compreender as suas vidas e meios de subsistência.

A DÉCADA DO OCEANO

A ciência que precisamos para o oceano que queremos

ENTRAR EM CONTACTO

PRÓXIMOS EVENTOS

SUBSCREVER A NOSSA NEWSLETTER

OPORTUNIDADES

Junte-se #OceanDecade

Preferências de privacidade

Quando visita o nosso sítio Web, este pode armazenar informações através do seu browser de serviços específicos, normalmente sob a forma de cookies. Aqui pode alterar as suas preferências de privacidade. É importante notar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência no nosso sítio Web e os serviços que podemos oferecer.

Por motivos de desempenho e segurança, utilizamos o Cloudflare
necessário

Ativar/desativar o código de acompanhamento do Google Analytics no navegador

Ativar/desativar a utilização de tipos de letra do Google no navegador

Ativar/desativar vídeos incorporados no navegador

Política de privacidade

O nosso sítio Web utiliza cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina as suas preferências de privacidade e/ou concorde com a nossa utilização de cookies.